A conferência da E3 da Microsoft

A Microsoft realizou a sua conferência da E3, e apresentou as suas novidades bem como deu a conhecer o preço e o nome final da Scorpio. Eis o que achamos do que vimos!

Se leram ontem o nosso artigo, sobre o que a Microsoft necessitava para uma boa E3, terão certamente já uma ideia daquilo que vamos dizer.

Seja como for, vamos ver:

A E3 no seu global

A Microsoft teve uma E3 com quantidade… talvez mesmo a maior quantidade de sempre. Mas sinceramente esperava mais a nível da qualidade! Quando a Microsoft referiu que iria aumentar a dimensão da sua conferência para além dos 90 minutos porque não queria deixar ficar de fora nenhum jogo, não estava à espera que esta perdesse 15 minutos a, numa feira de videojogos, repetir as especificações hardware que já todos conhecíamos da Scorpio.

E da mesma forma não esperava que jogos como Assassins Creed e Sea of Thiefs tivessem direito a largos minutos de jogo. Basicamente o aumento do tempo não foi verdadeiramente para mostrar mais jogos, mas para a Microsoft incluir a re-apresentação da Scorpio no meio dos videojogos.

Publicidade

Retomando o nosso artigo

Apesar de tal a Microsoft teve a sua maior conferência de sempre, mostrando um total de 42 jogos, algo que se revelava necessário para mostrar suporte à sua consola. Infelizmente no que toca a exclusividades e títulos de qualidade a Microsoft decepcionou. E podia-os ter… mesmo que fossem jogos de terceiros.

No total desses 42 jogos, 9 eram exclusivos e 4 eram… Exclusivos de lançamento. Uma categoria que nem sei bem como se enquadra no termo exclusividade uma vez que a janela de lançamento de um produto não é um valor fixo, podendo variar entre mês e meio a um período um pouco maior. Ou seja, basicamente estes serão jogos que sairão pelo menos um mês e meio antes na Xbox (talvez mais), mas que no entanto são multiplataforma e como tal sairão nas consolas concorrentes. E diga-se que seja por um mês e meio ou algo um pouco maior… o termo exclusivo estava ali só para confundir. Um “launches first on Xbox” faria o mesmo e se calhar de forma mais correcta!

Dos 10 exclusivos, 5 eram já conhecidos, e 5 foram novidade. E curiosamente… nenhum desses 5 novos é um jogo AAA. Basicamente no futuro próximo não há um único jogo AAA novo previsto para as consola da Microsoft. Dos restantes 5 já conhecidos Forza 7 lidera a lista dos desejados, State of Decay 2 mostrou-se super decepcionante com animações do tempo da Xbox original , Sea of Thieves ficou para 2018, Cuphead, apesar de Indie, continua a não decepcionar e a ser desejado, e o mesmo se pode dizer de Ori and the Whill of the Wisps que é um Indie muito, muito interessante.

Mas basicamente, se é certo que os jogos vendem consolas, os AAA são quem os vende mais, e não só a variedade destes é pouca, como nem todos os apresentados se mostraram os mais apetecíveis, sem que haja novidades exclusivas neste campo para os próximos tempos.

E neste aspecto só podemos considerar que a conferência E3 da Microsoft foi decepcionante. Perante o lançamento da Scorpio esperava-se muito mais, e pelo menos uma ou duas surpresas de peso para acompanhar o lançamento da consola.

Os jogos

Foram 42 no total, sendo que os que encheram verdadeiramente mais o olho e se acredita possam vir a ser sucessos de venda, ajudando a impulsionar a consola foram poucos!

Nessa lista incluiria:

Forza 7 – Um dos jogos mais impressionantes ali mostrados, e agora com tempo dinâmico. É um título a não se perder.- Exclusivo
Metro Exodus – Um grafismo de chorar por mais. Promete muito. – Multiplataforma
Assassins Creed: Origins – Decepcionante em alguns aspectos. Mistura mecânicas de Far Cry Primal com as habituais em Assassins Creed. É mais um jogo da série. – Multiplataforma!
CodeVein – Uma boa surpresa. Um jogo que promete. – Multiplataforma
Crackdown 3 – Mistura efeitos com gráficos com um estilo muito próprio. Muita coisa no ecrã, mas não necessariamente um jogo do interesse de todos. Venderá nem que seja pela Cloud – Exclusivo
Anthen – Impressionante em todos os apectos. Poderá ser um franchising de sucesso. A quantidade de efeitos no ecrã é impressionante. – Multiplataforma
Shadow of War – Aparentemente mais do mesmo. Não impressionou tanto como isso, mas a sua ligação ao universo de Tolkien deverá garantir o seu sucesso. – Multiplataforma
Cuphead – Um pequeno jogo Indie de uma qualidade extrema. Será certamente um sucesso de vendas – Exclusivo
Ori and the Whill of the Wisps – Mais um Indie de uma qualidade invejável, e que melhora face ao primeiro. Certamente será uma surpresa nas vendas. – Exclusivo!

Sem se querer retirar eventual interesse e qualidade a outros dos jogos apresentados, estes são os jogos a que antevemos maior sucesso. 7 são AAA, 2 são Indie. 4 sao exclusivos, incluindo dois AAA (já conhecidos) e 2 Indie.

Os restantes jogos apresentados foram:

Battlegrounds – Como nota não se pode deixar de referir as animações muito fracas. – Multiplataforma.
Deep Rock – Exclusivo
State of Decay 2 –  Um jogo curioso que mistura bons gráficos com animações até bem conseguidas, mas muito mal executadas, e que no global fazem lembrar o que havia no tempo da xbox original. Adiado para 2018 – Exclusivo
The Darwin Project – Exclusivo
Minecraft – Multiplataforma
Dragonball Fighter X – Multiplataforma.
Black Desert – Terá lançamento inicial na Xbox.
The last Knight – Terá lançamento inicial na Xbox
The artfull escape – Multiplataforma
Sea of Thieves – Exclusivo
Tacoma – Terá lançamento inicial na Xbox
Super luckys Tale – Uma tentativa de trazer o estilo de jogos da Nintendo para a Xbox? Um jogo de plataformas um pouco infantil, mas com aparente qualidade. – Exclusivo
Osiris Raiders – ID@Xbox
Battlerite – ID@Xbox
Unruly Heroes – ID@Xbox
Path exile – ID@Xbox
Surviving Mars – ID@Xbox
Fable fortune  – ID@Xbox
Observer – ID@Xbox
Roboccraft – ID@Xbox
Dunk Lords – ID@Xbox
Brawlout – ID@Xbox
Ooblets – ID@Xbox
Dark Light – ID@Xbox
Strange Brigade – ID@Xbox
Riverbound – ID@Xbox
Hello Neighbour – ID@Xbox
Shift – ID@Xbox
Conan Exiles – ID@Xbox
Minion Masters. – ID@Xbox
Life is strange: Before the Storm – Multiplataforma

Publicidade

Retomando o nosso artigo

Variedade e quantidade certamente há… Já a qualidade essa ficou um pouco para trás, particularmente naquilo que será exclusivo e só poderá ser jogado na consola.

Outros assuntos

Bem, a Microsoft aproveitou esta feira de videojogos para dar a conhecer o seu novo hardware. E a Scorpio chamar-se-à oficialmente de Xbox One X. (XoneX ?)

Mas se a consola é a nível de dimensões uma proeza (mais pequena que a S), o seu custo será de 499 dólares… Ouch!

Publicidade

Retomando o nosso artigo

Se considerarmos que a Microsoft oficialmente desceu o custo da One S para 249 dólares, a X custará o dobro da consola base!

Para uma consola que correrá os mesmos jogos da base, e que não tem no futuro próximo qualquer tipo de jogo exclusivo AAA, este parece ser um custo exagerado apenas para mais uns Fps e resolução. Normalmente as pessoas pagariam bem este aumento de custo para uma nova geração, com novos jogos exclusivos. Mas aqui isso não existe, e a base parece revelar-se uma melhor compra na relação qualidade/preço, especialmente se verificarmos a percentagem de Tvs 4K existente no mercado..

500 euros por uma consola de meio de geração, sem grandes mostras de suporte exclusivos AAA para os próximos tempos… soa a muito! As versões base podem não ter a mesma resolução e fps, mas terão exactamente o mesmo jogo! E por metade do preço.

Ora dada que os exclusivos AAA não estão no horizonte, a consola limitar-se-à a melhorar os multi. E nesse campo a oferta da concorrência com a PS4 Pro aparece como igual hipótese. E essa consola, mesmo que não ofereça 4K nativos, oferece 4K reconstruidos (para perceberem a diferença disto para os 4K re-escalados oferecidos pela Xbox One S, vejam este artigo, e igualmente este), algo que visualmente, face ao nativo, é algo muito reduzido, poupando atualmente 100 euros (mas espera-se uma descida de preços anunciada amanhã pela Sony aumentando essa diferença para os 150 euros).

Não é que isto tire méritos à Scorpio, mas que esta conjunção de fatores lhe retira o interesse para muitos, isso é inegável.

Basicamente a Microsoft apresentou aqui um hardware de qualidade, mas falhou em dar-lhe o suporte software que se esperava ver nesta E3. E isso foi o aspecto que mais decepcionou nesta apresentação. Uma consola só vale pelo software que lhe dão, e resolução e FPS são pouco face a software de qualidade e exclusivo. A PS4 não se destacou apenas por ser mais potente, mas por ser mais barata, mais potente e por ao longo dos tempos ter apresentado um crescendo de suporte. A Xbox fez o contrário, começou cara, menos potente, e com o suporte a decair com os anos.

Esperava-se que isso se alterasse nesta E3, perante a presença de, tecnicamente, uma das melhores consolas de sempre,com grandes novidades para o futuro. Mas elas não existiram… E uma grande consola sem jogos exclusivos igualmente grandes…

Numa outra nota, a retro compatibilidade da Xbox foi aumentada passando futuramente a incluir jogos Xbox.

Publicidade

Posts Relacionados

Readers Comments (67)

  1. Quando eu falo que dá suporte a stuidos internos que vão fazer os “EXCLUSIVOS” alguns chegam e dizem que exclusivo não vendem console. Mas o que eu mais vi de reclamações foram justamente a falta de Exclusivos AAA.

    Passam a conf toda falando True 4k em jogo que esse 4k não iria fazer diferença.

    A sony hoje só precisa um teaser de uma nova ip AAA que ganha.

    • E só agora que a Sony deve tá pensado: “Que diabos fui inventar de apresentar o tease do TLoU P2 na PSEx16?”

    • E como valem! Caso eu não consiga comprar o One X por algum motivo que ignoramos, eu compraria ao menos um One Fat – de preferência One S – (tá muito barato agora, especialmente de segunda mão) pra jogar o Forza 7 e um possível Horizon 4, além do State of Decay 2.
      E olhe as opções; 1 bom mesmo, 1 mais ou menos e um hipotético.
      Mas se der pra ser o monstro é melhor né?! 😛
      “Exclusivos não vendem consoles” é uma falácia criada por algum troll.

  2. Tento achar argumentos para defender a conferência da MS, mas não os tenho, pois foi de fato fraquíssima no quesito jogos.

  3. O momento de risos na party ao qual participava foi do trailer de Minecraft a 4K.

    Se eu fosse da equipe sentiria vergonha.

    A IGN tá dizendo que Deep Rock (um minecraft de tiro) é exclusivo temporário.

  4. Se perdeu nos exclusivos, totalmente.
    Aparentemente os contratos assinados para exclusivos feitos por estúdios de fora não deram nada certo.
    Eu tinha esperança de que em algum momento a 343i apareceria no palcos para alguma coisa. Que não fosse Halo 6, fosse algum jogo dentro do universo da franquia, ao estilo Reach. Eles são um estúdio grande, mais de 400 funcionários. Eles não tem apenas uma equipe, a equipe que fez Halo 4 e Halo 5 foi uma, a equipe que remasterizou Halo CE e Halo 2 foi outra, mesmo que menor. Poderiam ter colocado a equipe secundária para trabalhar em outra coisa. Até a Bioware tem uma equipe secundária.
    Porém, é necessário ver a percepção do publico quanto ao Xbox One X. Sera que acharam caro?
    Precisava de algum jogo com os visuais de Anthem mas que fosse exclusivo para as pessoas prestarem atenção no console. Sendo Anthem multiplataforma, não chama tanto atenção.
    Mesmo assim, se aqueles serão os gráficos da versao ultra, o unico console que pode entregar ou chegar perto daquilo é o Xbox One X, e parece que faltou enfatizarem isso.

    • E eu? Esperava pelo menos um periférico ao estilo hololens de baixo custo que rivalizasse com o PS VR, pelo visto ficou no sonho

      • Nisso não tenho o que reclamar. O VR ainda não engrenou, e pelo visto também não vai ser nesse ano que engrena. Não estou convencido da tecnologia ainda. Mas pelo menos eles poderiam estar na festa, lançar o dispositivo, um modo vr para Forza 7 pra começar etc…
        Nem teria custos, os HS de realidade virtual já estão prontos pela Acer, basta torná-los compatíveis com o Xbox. A impressão que fica sobre esse assunto é que eles deixaram as coisas fáceis para caso a tecnologia engrene de vez, já poderiam anunciar alguma coisa da noite para o dia.

        • Não acredito que eles deixara de mostrar que aquele gráficos só rodariam no xonex. pq em todos os jogos tinha true 4k.

          Agora entendi a sony, ela parou de falar em power, mas fez fários acordos de marketing que acabou ofuscando o xone.

          Acho que a MS não quer abrir os cofres para a divisão xbox e isso pode agravar ainda mais o estado do console.

          • Se levar em consideração que todos os jogos com acordo de marketing da Sony também podem ser jogados no Xbox One X ainda esse ano, não é tão ruim. Eles podem vender o console à algumas pessoas por causa dos multiplataforma. Todos os próximos games são de boa aparência, mas eles precisam ser mais claros com essa mensagem. Eles precisam mostrar o console rodando games para pessoas comuns, aquelas que as vezes acham que GTA é exclusivo ou que também tem Gears of War no Playstation e God of War no Xbox (acredite, isso existe).
            Um problema para mim, pessoalmente, é não ter os exclusivos que eu queria jogar e nenhum novo que chame atenção. No meu modo de ver, para a marca no mercado em geral, o problema é que os maiores nomes da indústria no ano, estão com propaganda vinculada à Sony. Ter Assassins Creed pode ser um trunfo, dependendo do marketing do game e da forma como for recebido pela crítica.

          • O que dizes é verdade. Um acordo de Marketing é no fundo apenas um logro onde se passa a imagem de uma exclusividade que não existe. Mas a verdade é que funciona porque sei de pessoas que não ligam tanto a isto que acham ainda hoje que jogos envolvidos nesses acordos (no caso Destiny) são exclusivos Playstation.

  5. Não tiveram nem a capacidade de mostrar o Geras 4 rodando melhor no One X, nem isso fizeram, ontem foi uma decepção total, ficaram só falando em 4k nativos, só esqueceram que o PS4 Pro vai rodar a grande maioria dos jogos apresentados com pouca diferença, com uma tonelada de exclusivos a mais, por 100 dólares a menos(podendo chegar a 150 hoje), não sei o que acontece com as pessoas que encabeçam o setor Xbox, tá dificil

    • Tá saindo notícias que em um modo o Gears 4 roda 4K dinâmicos 30fps e em outro(multiplayer se não me engano) nem 4K roda.

      Tá ruim viu, justamente para um console com 4x mais poder.

        • Foi um vídeo que vi, estou atrás das fontes

        • With that being our focus, we’re running at 4K 30FPS for Campaign/Horde and 4K 60FPS for Versus with adaptive scaling to ensure a rock-solid frame rate that fans expect from our head to head multiplayer. Many of the improvements to Campaign also make it to Versus and Horde, including 4K, HDR, higher resolution textures, improved draw distances, and Dolby Atmos Support.

          fonte: https://gearsofwar.com/en-us/community/gears-4-xbox-one-x

          Precisa nem comentar a fonte

        • Ou seja 4K 30fps na campanha e 4K dinâmicos 60fps no multiplayer

          • Nenhuma novidade nisso, esse console é a mesma proposta do Pro, o que me deixa decepcionado é a Microsoft achar que basta esse console poderoso pra tirar a diferença em vendas da concorrente, enquanto isso está rolando rumores de Shadows of the Colossus Remake sendo anunciado hoje e o novo God em Novembro só pra começar, a surra hoje será grande, se preparem, to muito decepcionado com a Microsoft

          • Mas é 4K com melhores efeitos, alguma coisa como o modo de gráficos melhorados no tomb raider no PS4 Pro.
            Nada além do esperado, Gears of War 4, um dos jogos que melhor usou o hardware do Xbox One e tem uma qualidade de imagem sem ruídos que poucos jogos da geração atingiram.
            Quanto ao Multiplayer, ele também tem resolução dinâmica no Xbox One e roda em 60fps. Seria difícil imaginar que o One X também não recorreria aos 4K dinâmicos. Dos jogos que rodam em 30fps na campanha e 60fps no multiplayer, Gears of War 4 é um dos que menos perdem qualidade gráfica ao passar de um modo ao outro, seria de esperar que o game é pesado. São 4.5x mais GPU, mas 4x mais resolução. Não é o bastante para fixar 4K 60fps em tudo.

          • Deixem de se fingir de bobos !! Gears não foi programado para o Xone X foi adaptado !

            Não tem como rodar a 4k 60FPS com uma programação voltada a isso !!

            ELe continua sendo monstro mais se rolar gambiarra não tem como soltar todo poder

          • Desculpa?
            Já jogaste Gears?
            Se sim saberás que o jogo corre a 60 fps no multijogador! E uma coisa te garanto! Só usa um motor e não dois
            O motivo pelo qual o jogo não corre a 60 fps é porque no single o detalhe gráfico é muito superior.
            Posso-te ainda adiantar que no meu PC com uma RX 480 jogo a mais de 100 fps a 1080p, mostrando que o jogo não tem verdadeiramente qualquer problema com limites de fps.
            Eis benchmarks para uma ideia:
            http://gamegpu.com/images/stories/Test_GPU/Action/Gears_of_War_4/gw4_1920.png
            Basicamente se o jogo não corre a 4K 60 fps é porque ou o GPU ou o CPU não aguentam (apesar de possíveis culpas mistas o CPU é o que salta mais à vista)!
            Eis Gears 4 a 4K 60 fps no modo single player num PC e com o modo gráfico em ULTRA, ou seja, superior ao da Xbox.
            https://m.youtube.com/watch?v=RBHBNLdykTc
            Por isso não digam que não dá…
            E lembra-te que optimizações à parte, este é um jogo UWP, ou seja partilha o código entre a Xbox e o PC.

  6. Esqueci do State of Decay 2, apesar do gráfico de PS3/360 parece divertido. E Ori é aquele jogo bacaninha que cativa o público.

  7. No meu entendimento achei uma conferencia morna, porem uma conferencia que focou em jogos de diversas finalidades e gostos.
    Um fato curioso metade do que foi apresentado sem ser parcerias serão já firmados para o fim do ano, então o catalogo de jogos estar bem legal para diversos públicos.
    Faltou sim exclusivos de peso isso deixou muita gente chateada, porem vi uma certa preocupação deles em não querer matar o One assim comoa sony fez com a Pro.
    No meu ponto de vista estamos caminhando já para o fim do One /Ps4 normal e acho que deveria ter mostrado um game exclusivo de gráficos fotorrealismo que mostrasse o poder o Onex.
    Porem hj acho que a sony assim como todos os anos criara um hype e mostara seus games como armas para chamar atenção da E# e com certeza fara um excelente trabalho.
    Acho eu que daqui para frente os mult vao chamar muita atenção neste novo console, e pode sim chamar compradores pois realmente depois de ver assines cred fiquei com vontade de ter uma 4k e para jogar.
    Revistas ,bogs fóruns podem falar o que for da conferencia em peso de jogos exclusivos porem o resultado do console ficou muito bom, se Ms souber usar desta arma com parcerias com multi assim como asony pode sim levar one x a ter sucesso.

  8. Eu já esperava que fosse assim e não me decepcionei em me decepcionar, eu torço pela microsoft, na verdade pra que o mercado esteja saudável, mas está dificil, se eu fosse o dono do dinheiro já teria pedido uma alan wake 2, pegaria esses funcionários criativos que saíram da bioware pra fazer um estudio interno, falaria com a konami e pagaria pela produção de 2 jogos que ficassem exclusivos no xbox one, castlevania e silent hill, me mexeria, dinheiro não faltaria.

  9. Momentos antes da press da Microsoft começar, disse isto algures:

    ”Espero sinceramente que mais logo a Microsoft dê uma volta de 180º na sua forma de estar nesta industria, mas isso é o mesmo que pedir a um chinês que deixe de gostar de arroz, e pelo foco constante da companhia nos teraflops em vez do mais importante que são os jogos, não me parece”

    O Chinês sempre gostou e sempre vai gostar de arroz, assim é a Microsoft, uma companhia que aposta sempre na mesma estratégia, na esperança de que um dia volte a resultar como resultou na era da 360, o problema é que um raio nunca cai duas vezes no mesmo lugar, conforme a Nintendo aprendeu da pior maneira, já é tempo da Microsoft aprender que para vingar, são precisos jogos, e de qualidade, e com variedade, e para isso é preciso uma rede de estúdios internos, e isso demora anos, gerações a construir, algo que a Microsoft claramente não tem, e em vez de começar por algum lado, consegue arruinar o pouco que ainda tem, fecha estúdios, cancela exclusivos, perde aliados de peso e dá os seus exclusivos de bandeja para o PC, e isso notou-se mais que nunca nesta conferência, algo que nem a divulgação de uma nova consola conseguiu disfarçar.

    Com a Xbox One X, a Microsoft pensa que consegue resolver todos os seus problemas com força bruta, teraflops por si só não mete a comida na mesa, é preciso mais, são precisos jogos, e a variedade dos mesmos é tão ou mais importante que a quantidade, dos 42 jogos apresentados, cerca de 20 eram exclusivos diziam eles, afinal nem chega a meia-dúzia depois de se perceber que o grosso era temporário, e tudo a 4kilates com direito a super duper graphics pack, até o Minecraft recebe o make-up, e atenção, de forma gratuita, e ainda bem porque tem que se poupar um pouco para largar 500 ”paus” pelo monstro, quando na realidade, uma monstruosidade é dar 500€ por uma consola criada para os 10% do mercado que têm uma TV 4K, quando se pode comprar uma PS4 e uma Xbox One S pelo mesmo preço, com a única desvantagem de que não se consegue ver os pêlos púbicos do personagem com a mesma clareza.

    Basicamente a Microsoft optou por investir o seu tempo e os seus recursos, numa consola que ninguém pediu, em vez de se focar na criação de novos estúdios e consequentemente novos IP’s, preferiram permanecer iguais a si próprios, inundaram a conferência de jogos, jogos e mais jogos, ”Exclusive” isto, ”World Premiere” aquilo, 4k para aqui, HDR para acolá, sendo sempre a mesma batida, a sequela da praxe, jogos competitivos ou em co-op assentes num molde genérico e orientado para fantasias teen com testosterona a condizer mesmo que abdique alegremente de qualquer contributo lúdico para o meio, que se lixe a arte, o importante é ter um ecossistema estrumado de microtransações e a gritar por subscrições Gold para os parolos da consola, já que no PC não se paga.
    Ao menos tivemos algumas pérolas, curiosamente todas elas indies, que ao lado do anúncio do retro da Xbox original, ajudou a evitar um azedume ainda maior, gostava de saber é onde andam os meninos do Indiestation 4…

    Esta secura de ideias a mim não me surpreende minimamente, Phil Spencer, esse grande erudito, para muitos o salvador da Xbox, não passa de um falinhas mansas, um cinico que manda um tweets politicamente correctos para ganhar uns achievments perante uma comunidade cega de clubite e privada de sentido critico, tem arrastado a marca para a lama com as suas politicas e ideias mirabolantes, que aos poucos têm roubado a Xbox da sua identidade.
    Ele bem dizia que os jogos focados em historia e com uma forte componente SP tinham os dias contados, que o caminho a seguir é encarar cada videojogo como um serviço, e apesar de isso ser uma realidade alternativa num especifico ponto geográfico em Redmond, foi algo que ficou bastante claro na conferência, filosofia essa que a seu tempo, vai ditar o destino de algo em que Bill Gates decidiu apostar.

    A press da Sony começa daqui a pouco, e dado o cenário a Sony nem precisa de cortar preços, basta bocejar que ganha isto com uma perna às costas, e pode dar-se a esse luxo porque trabalhou para isso ao longo de já 4 gerações, não só aposta em todos os tipos de jogos, como aposta em todos os tipos de mercados e de jogadores, criando uma verdadeira variedade, ao mesmo tempo que dignifica os videojogos como forma de arte, até a Nintendo com os seus parcos 30 minutos de Direct vai dar um bigode à Microsoft, tornando todo o seu amadorismo e falta de visão ainda mais evidentes, em suma, um verdadeiro ”Mama Mia…”

    Pelo menos resta o conforto de que poderei finalmente pôr as mãos em cima de malhas como Cuphead e o novo Ori, só me resta saber como se vai portar o novo Forza na minha XO dos pobres, o facto de não vir a desfrutar de Super Lucky’s Tale em glorioso 4K Ultra HD a 60 fotogramas por segundo mexe com as minhas entranhas, mas hey, não se pode ter tudo…

  10. DECEPÇÃO a conferencia da sony! @#$%&*

  11. A conferência da Sony foi fraca. Pensando racionalmente, é melhor que a da Microsoft, pois tem esclusivos de peso. Spider Man certamente será o melhor jogo do aranha e revelaram Shadow of the Colossus. 2018 será forte.
    Só que agora vem um grande MAS…
    Não teve nenhum momento bomba daqueles que eu chamaria de grande tapa na cara da Microsoft. A platéia depois de algum tempo mal aplaudia o que estava sendo mostrado, senti como se todos estivessem esperando para soltar os gritos com The Last of Us Part 2, que como esperado não deu as caras. Ess ano, eles não venderam o sonho. Possivelmente uma das e3 menos emocionantes em muitos anos.
    Acho que está faltando algo em God of War, não consigo me empolgar com esse jogo por nada.
    Esses Gameplays de Days Gone parecem demasiadamente Scriptados, além disso, aparentemente o game não tem data nenhuma e passa a impressão de estar distante.
    Por fim, a Microsoft fez o grande favor de dar a e3 de graça pra Sony e como retribuição, esta fez parecer que a conferência do Xbox não foi tão ruim quanto pensei.

    • E como fiz com a MS, listando alguns jogos que muitos querem ver no novo Xbox a Sony deixou de mostrar muitos jogos:
      GT Sport
      Dreams
      Novo jogo da Sucker Punch
      Cadê os 2 jogos da From Software?
      Knack 2
      Cadê o da Capcom?
      Cadẽ o da Rockstar?

      Sony tem muitos jogos, mas só apresentou o que já conhecíamos e ainda esqueceu outros.

      Só falta a Nintendo fazer uma melhor conferência das 3 e ainda pela metade do tempo da Sony.

      Infelizmente o que a Sony e MS fizeram foi diminuir a importância da E3.

      • Eu gostaria que a sucker Punch, aparece se!!!
        Será que o desenvolvimento está a correr mal?
        Aquilo está bastante demorado…

      • Tem uma entrevista de um funcionário do time do Xbox no Windows Central e ele foi questionado sobre a e3 2017. Basicamente o que ele disse é que concentraram a apresentação nos jogos que estarão disponíveis no Xbox One no período que vai entre a e3 2017 e a e3 2018. Dos games exclusivos, ou console exclusivos, como Ashen por exemplo, todos chegam em no máximo um ano.
        Não sei se é algum novo tipo de política interna da Microsoft ou medo de anunciar game distante que pode ser cancelado, sei lá! Parece que nenhum deles quis vender o sonho nessa e3.
        Só tem uma diferença, a Sony as pessoas sabem que tem coisas sendo feitas. A Microsoft, mesmo que tenha pensado em chegar em outros eventos com surpresas na manga, precisava dar uma satisfação maior aos seus consumidores. Pelo mostrar que eles não irão parar de investir em games AAA, se assim desejam.

      • Lado bom, a Sony não fez a besteira de anunciar um Playstation 5 como surgiu em rumores.
        Gran Turismo Sports parece que foi confirmado para esse ano, mas não importa muito. Com Project Cars 2, e o Forza Motorsport 7 confirmados para 2017, o futuro do GT Sports não parece promissor.
        Knack 2 também ganhou data e vai ser um game mais barato que o convencional.
        O jogo da capcom deve ser Marvel Vs Capcom 2, ja que Monster Hunter também sai para Xbox. Sobre a Rockstar, foi rumor sem fonte confiável, provavelmente não existe. Estão concentrados em Red Dead.
        A From sofware deve revelar Bloodborne 2 até o fim do ano, mas duvido que estejam trabalhando em dois exclusivos PS4.
        A Sucker Punch ainda não deve estar pronta e o Dreams é mais um do curioso caso dos jogos revolucionários que​ desaparecem dos holofotes.
        Afinal, passados 4 anos, podemos considerar Deep Down morto e enterrado?

    • É tudo uma questão de marketing!
      A sony não precisava de novos jogos para ganhar a E3…
      Para que revelar as armas já, se podem revelar no futuro?(em defesa de futuros anúncios da Microsft)
      Eu vou ser sincero…
      Fui o único a não achar o spider man nada de interessan te ?
      Eu vi e achei um jogo para crianças…..
      Mas adorei Days gone e god of war!
      Aquele gameplay do god of war, está muito bom!

      • Então eu devo ser um dos únicos que acha o contrário sobre god of war e days gone.
        God of war me lembra Ryse com um toque emocional de The last of Us. Pode dar muito certo, mas pode dar muita merda. Os fans antigos de God of War estão acostumados com o Kratos frequentador de puteiro e impiedoso. Essa versão Nutella politicamente correta do Deus da Guerra não desceu ainda.
        Já o Day Gone é meu candidato a Downgrade máximo. Aqueles zumbis todos eram super Scriptados no primeiro gameplay e me pareceram ainda ser. Acho que os dois jogos estão longe. Se God of War estivesse próximo, tipo fevereiro de 2018, eu acho que teriamos Gameplays comentados e extendidos, ao estilo Uncharted 4 e Horizon. Aquilo que eu vi pra mim foi um trailer.

        • E como sabes o que os fãs de God of War esperam Fernando? Que me lembre a tua opinião sobre a série é que era um jogo meia boca, chato e repetitivo. Pelo menos foi o que te fartaste de repetir neste mesmo site. E depois admitiste que o único contacto que tiveste com o mesmo foi na casa de uma amigo ou de um primo. Onde o viste de relance.

          Pois vou te dar a opinião de um fã que também tinha as expectativas muito baixas sobre um God of War 4 (eu): este novo jogo (que se reparares não tem 4 no nome, pretende ser um reinicio – como o reboot de Tomb Raider). Tinha receio no que é que o combate se ia tornar, mas reparei que continuamos com os mesmo inimigos, grande e de larga escala associados a um sistema de combate que se inspira claramente em Rise, mas onde as personagens têm mais golpes e ataques disponíveis (e quem conhece a série sabe o que esperar),associado a inimigos que serão incrivelmente desafiantes.

          O melhor de tudo será a história. Quem jogou os jogos anteriores sabe perfeitamente o motivo da vingança de Kratos, pelo que é impossível ver o trailer e não entender o peso do significado de uma nova família e da presença de Atrius no jogo. Ou seja, uma história que promete associada a um novo sistema de gameplay que irá revolucionar o combate na série associado aos mesmos inimigos de sempre – tem tudo para ser um sucesso.

          • Ta me confundindo com quem?

            Nunca disse isso sobre God of War.

          • Estou a confundir-te contigo mesmo.

            Esqueces-te que já comento aqui desde 2013?

            Que assisti a tudo o que disseste e falaste sobre a PS?

            Fartaste de criticar os exclusivos PS por serem meia boca e criticaste God of War por ser repetitivo.

            Claro, isso foi antes de Rise Son of Rome chegar.

            Depois talvez a tua opinião tenha mudado. Convenientemente.

          • Bruno nem sei como te dás ao trabalho, é uma perca de tempo, tempo esse que seria mais útil a ver novamente o trailer desse portento que é o God of War.

          • Então me mostra, por que me lembro bem de sempre ter referido God of War como um dos jogos de Playstation do qual gosto.

  12. A Sony teve uma boa conferência, que confirma mais uma vez a força dos estúdios internos e ainda ergue mais a barra na qualidade a que a companhia sempre nos habituou no seu suporte à consola. É um compromisso com a PS4, e uma declaração de que a consola está viva e vale à pena comprar. Fez mais a Sony para vender uma consola com 4 anos de mercado que a Microsoft para vender uma consola que lançará este ano com a qual espera um reinicio (mas quando se tem estúdios internos e muitos jogos em preparação não se fica na mão sem nada para mostrar).

    No entanto, podia ter sido mais e não foi excelente como nos anos anteriores. Ainda assim, e o mais triste de tudo, é que ganha em largos pontos à Microsoft (o que também não era difícil diga-se de passagem – a MS nem tentou, excepção para Forza).

    Pontos positivos:

    God of War : mais gameplay e informações da história (é impossível conter o hype por este jogo, quem entende de Playstation e conhece bem a saga, sabe do que falo), o combate parece competente e fluído, e tive medo sobre a adaptação às escala da série mas a Santa Monica parece não estar a decepcionar com os inimigos a serem o que sempre foram. Isto associado`aos ataques especiais e as diferentes armas promete e muito! Será de cortar a respiração! O mais impressionante de tudo é que o que foi visto estava a correr na PS4 base.

    SpiderMan: a primeira gameplay de Spiderman com a Insomniac a estabelecer um novo standard. Gráficos excelentes associados a uma gameplay competente e diversificada (e ainda por cima em mundo aberto – fenomenal, e compra certa). Além disso, teremos já as primeiras pistas de que o Universo Marvel nos videojogos estará em força e interligado – Wilson Fisk, o grande mauzão de Daredevil, estará presente no jogo.

    Detroit Becoming Human: a recuperar elementos de gameplay de Heavy Rain e a comprovar ser algo que os fãs sempre gostaram – uma história complexa e emocional, com muitos caminhos e um grande valor de replay – vou passar imensas horas neste jogo;

    Uncharted Lost Legacy: ainda continua a ser uma expansão, mas mais parece um jogo completo que promete sequências de acção e uma escala capazes de ultrapassar o Uncharted 4. Gráficos excelentes e a acção a que a série nos habituou e o melhor de tudo – já em agosto.

    Horizon Zero Dawn – The Frozen Wilds – uma adição muito bem vinda a uma grande exclusivo, o que me impressionou foram os efeitos de neve conseguidos, a confirmar a mestria e o poder do Decima.

    Grande Surpresa da Noite: o regressar de um clássico completamente refeito para a nova geração – Shadow of the Collossus, um dos grandes jogos da PS2 cuja escala e arte verá uma nova vida na PS4 – por este mal posso esperar, sobretudo depois de The Last Guardian!

    Pontos negativos:

    Days Gone: o grande título surpresa do ano passado este ano teve um trailer alargado e exatamente a mesma secção de gameplay de há um ano atrás (mas que raio se passa?), salva-se o facto de pelo menos mostrar uma variedade da acção, ilustrando aos mais distraídos que as coisas não sáo extamente iguais ao que eram.

    Datas de lançamento: nem Detroit Becoming Human chegará este ano?! Esta é a maior decepção da noite. esperava datas para God of War, Detroit ( este para Dezembro) e Spiderman ou Days Gone. Nada. Isto não significa que a consola ficará sem exclusivos para o resto do ano – so em agosto recebe dois. Mas mesmo assim… este é o grande erro da Sony.

    Ausências: The Last of Us Part 2, Novo projeto da Sucker Punch e seja lá o que for que a Form Software está a cozinhar, bem como Death Stranding(que já se sabia não ia estar presente).

    De resto acho que foi mais uma conferência sólida, que decepcionou mais pelo que não mostrou que pelo o que mostrou, mas o que mostrou salienta apenas e mais uma vez o grande valor da PS4 enquanto consola e o excelente suporte que tem recebido. Quem tem uma não ficou decepcionado.

    • Mostrou nada além do que todo mundo já conhece.

      Detroit aqui dispensável, filme interativo, jogo de nicho.
      Expansão de Horizon era esperado.

      Uncharted me pareceu em menor escala que Uncharted 4, devemos ter visto trailers diferentes.

      O Shadow of the Colossus é um remake do game do PS2.

      O ponto alto foi Spider Man.

      Pra mim nao tem vencedor nenhum. A Microsoft apresentou jogos que chegam até antes da e3 2018, a Sony apresentou games que todo mundo já conhece e provavelmente aparecerão na E3 de 2018 de novo, acompanhados de outros.

      Tão decepcionante quanto a da Microsoft. Pode melhorar a longo prazo, conforme tais jogos ganhem data. Foi uma conferência fraquissima no fator novidades. Sobre isso, conseguiu perder para a conferência da Microsoft.

      • Conheço bem Godo F war e conheço bem os jogos anteriores e realmente esta bom mais dizer que o jogo supera a E3 toda precisam se reavaliar.
        Sony pode ter feito um evento
        Or acomodação no mercado já que esta liderando em vendas de consoles, porem dizer que existe vencedor num evento fraco como foi das duas empresas e triste.
        Depois da apresentação do God ve a reação das pessoas na plateia era nada animador, enfim poderiam ter feito uma evento dos sonhos mais deixaram na mãos de uma equipe de marketing nada legal.
        MS e Sony decepção de E3.

      • Fernando… e desde quando o facto de não haverem muitas novidades (isto é jogos anunciados de surpresa e com grande impacto), impede a conferência de ser boa?

        Deixa para quem entende de Playstation a tarefa de julgar Detroit como dispensável. Lá porque não gostas não significa que náo tenha peso.

        Não vimos trailers diferentes, mas vimos com olhos diferentes. Os meus jogaram Uncharted 4 e sabem do que falam, os teus nem por isso. A sequencia de perseguição do jipe, o cenário com as estátuas e a seqûência do helicóptero apontam para um título mais voltado para acção, e com sequências que rivalizam e podem até ultrapassar o que foi mostrado em U4. Isto e cenários gigantescos que também rivalizam com o títulos principal.

        A expansão de Horizon era esperada, mas tendo em conta o jogo principal, o teaser deixa muita água na boca.

        O facto de ser um remake (remake, não remaster), não tira valor nenhum ao jogo. É uma obra prima da PS2, um clássico que tornou a extinta Team Ico como uma refª e deu fama a Fumito Ueda. Tendo em conta a escala do jogo na consola original o remake, pelas potencialidades da nova geração, e pelo que foi mostrado, será muito bem vindo.

        Concordo que tenha sido decepcionante, porque faltaram novidades e sobretudo datas de lançamento.

        Mas foi uma conferência sólida, que soube vender a plataforma e prender a atenção do público. O facto de os jogos já terem sido mostrado em nada afecta a sua qualidade a nível gráfico, ou de gameplay. Aliás, em certos casos até fortaleceu.

        E neste aspeto bateu aos pontos a conferência da MS, que precisava de ter feito o mesmo para a Scorpio.

        • Vamos dar um exemplo fora das consolas a ver se é possível fugir-se das marcas e se compreender!

          Todos os anos o chefe A apresenta um prato cheio de pratos criados por si e acompanhamentos diversos. E o Chefe B faz a mesma coisa!
          Dado que os acompanhamentos, o Arroz, o feijão, as batatas, os legumes, etc, são iguais para os dois lados, são nos pratos exclusivos dos chefes que se distingue o vencedor.

          Ora o que tem acontecido é que o chefe B tem levado a melhor. O Chefe A não só tem apresentado menos novidades em pratos exclusivos como poucos acompanhamentos do que o chefe B, e nesse sentido, sendo que a qualidade dos pratos exclusivos em ambos é boa, o chefe B tem levado a melhor.

          Mas no presente ano acontece algo insólito.

          O Chefe A apresente mais acompanhamento do que nunca. Mas em compensação as novidades nos pratos exclusivos rareiam! Isto é, claramente, uma exibição onde se mostra um compromisso com a quantidade, mas não com aquilo que distingue os seus restaurantes, a exclusividade.

          Já o chefe B apresenta algo diferente e igualmente insólito. O que apresenta é uma mesa composta por muito menos quantidade do que alguma vez apresentou. Os acompanhamentos rareiam, mas em compensação tudo o resto são pratos exclusivos.

          Um senão… os pratos exclusivos já não são novidade, e já tinham sido provados antes.

          Achas que verdadeiramente algum dos dois apresentou algo de jeito?

          O chefe B pode ter conseguido demarcar mais os seus restaurantes do que o chefe A, isso é inegável. Mas diga-se que o que ambos apresentaram foi de qualidade muito questionável.

  13. É, foi meio fraco a Sony também.
    As coisas boas pra mim foram o God of War, tá muito show aquele gráfico das lutas pqp, parece realmente um geração atual, e me deixou animado, o Spider man também muito legal o gameplay, a cidade de NY muito bonita e viva (pra um console atual tá ótimo) dá a impressão de um filme interativo. Acho que esses dois me encantaram mais. O Shadow of colossos tem que ver mais… O Days Gone tava assim meio sem alma, não me animei muito não.
    Achei que faltou falar de TLoU P2 (pois é!) Qualquer coisinha, mas até dá pra entender, meio cedo.
    Eu detesto DLC, e agora vem aquela vontade de jogar essa expansão gelada de Horizon Zero Dawn.

    Não teve PlayStation Portátil, hehehe. Embora a esperança fosse pequena eu pensei que pudesse rolar, por quê não?!

    Do resto só o Detroit que interessa. Uncharted Spin of não.

    Como bem disse o Fernando, o Gran Turismo está se tornando pouco interessante, ainda mais depois daquele Forza 7. E tem o arcade maluco do NFS Payback.
    The Crew 2 pra mim nem precisava, o primeiro já foi um lixo.

    Dos dois lados achei que tiveram coisas boas, não tem vencedor essa E3 pra mim, ficou tudo nivelado no morno.
    A Nintendo eu nem ligo pra falar a verdade. Switch não é pra mim.

  14. Ennio Rafael Costa Lima 13 de Junho de 2017 @ 10:42

    A Sony venceu, mas realmente como o Mário já tinha comentado não foi um massacre, estava muito fácil, MS deu de bandeja. Bem longe de espetacular. A conferência da Sony foi bem “meh”, nada de novo, nada mesmo, sem novidades, mas claro que os sonistas de plantão já começaram a dizer que foi épico, lendário, mítico…incrível anunciaram um novo remaker ooohhhhh.

    • Fico me perguntando como se define um vencedor num evento aonde as duas maiores conferencias não mostrou nada de tao grandioso em termo de Hype.
      Existe sim vencedor quando existe preferencias por marca e jogos, porem no meu ponto de vista duas conferencias mornas , Sony no meu ponto d vista tinha tudo para aumentar mais um hype sobre seus games, sobre MS.
      Porem tenho a impressão que as duas marcas estão com receio de mostrar mais forca com sua Pro/One x para não matar os consoles atuais. Porem o mais importante que temos algumas datas e jogos variados.
      E3 deveria ser um evento para criar sonhos laro com pes no chão mais este ano não vi nada disso, vamos ver como sera durante o ano.

    • Perderam a oportunidade de eliminar a Microsoft da geração e matar o Xbox One X antes de entrar no mercado.
      Eu achava que a Sony seria um pouco mais ousada, colocaria a data de lançamento do God of War para o mesmo dia do lançamento do Xbox One X e mostraria The Last of Us Part 2.
      Como eu imaginei, a Sony continua com a mesma mania de mostrar jogos demasiadamente cedo como se já estivessem totalmente jogáveis.
      Se o God of War já era jogável do início ao fim a um ano atrás, não tem motivo algum para não lançar já em 2017.

      Agora, tivesse a Microsoft revelado Halo 6, e estaríamos em uma longa discussão sobre se ela realmente perdeu a E3.

      • Concordo com a primeira parte, mas ainda bem que não o fez. O mercado precisa da Xbox, mas preferia que fosse a ONE a ter sucesso não a XOX.

        Algumas correcções (tu e a tua mania de deturpar tudo) – God of War foi anunciado como completamente jogável à alguns meses, não há um ano. E 2018 é perfeitamente razoável, tem sido sempre no primeiros semestre que a Sony tem lançado os AAA nesta geração e assim deve continuar. Mas espero que no próximo ano não marque de novo presença – se não estiver pronto, então um trailer com a data definitiva ou então, guardem-no para uma conferência secundária como o PSX.

        E sim se a Micrososft tivesse revelado Halo 6, seria uma longa discussão.

    • Bem, a Sony deu duas chances para a Microsoft, uma é repensar a sua estratégia e revelar jogos AAA. Hoje saiu uma notícia com o Phil Spencer dizendo que a 343i e a Coalition estão trabalhando em coisas que ele já jogou mas preferiu não levar à E3 para mostrar diversidade e deixar os estúdios trabalharem para revelar quando realmente estiverem prontos para ser revelados.
      A outra chance, e essa realmente vai acontecer, é a do Xbox One X virar notícia por ter a melhor versão de todos os jogos multiplataforma futuros, inclusive aqueles com propaganda no PS4 e caso haja paridade, os estúdios serão questionados se estão recebendo pressão da Sony.
      Já saiu notícia de desenvolvedor independente dizendo que o Xbox One X em testes reais está praticamente 50% mais rápido que o PS4 Pro por causa das otimizações além da GPU, como a largura de banda e quantidade de memória RAM.

      • Sobre a primeira parte, acho curioso que estando tu tão crítico da falta de novidades da conferência da Sony e tão crítico da falta de novidades da conferencia da Microsoft ainda não tenhas reparado no óbvio que é o facto de a Microsoft estar neste momento a sofrer na pele a falta de estúdio internos e do investimento em exclusivos (o qual tem notoriamente a vir diminuindo desde o inicio da geração), o que levou a uma conferência que falhou em vender a Scorpio.

        A mim não me interessa o que o Phil diz, mas o que a MS faz. E o que ela tem feito até agora, com as declarações sobre o gamepass e a saída da Remedy (mais uma baixa), leva-me a pensar que já é muito otimismo considerar que a MS irá agora repensar a sua estratégia dado que tem construído esta propositadamente desde o incio desta geração.

        Sobre o resto, é verdade, mas as notícias mais recentes revelam que no quesito mais importante (fps) a Scorpio está limitada da mesma forma que a Pro. Portanto pode ser até que no fim, a potencia extra não sirva de nada, se não conseguir os fps extra. Não estou a ver um dev de multi a enriquecer especificamente o jogo para a Scorpio quando a PS4 é líder de mercado.

  15. Fraca a conferencia da Sony também, esperava uma data de lançamento pelo menos pra Spider Man, nenhuma surpresa, beeem longe dos anos anteriores, eu realmente esperava um massacre, não aconteceu, vamos aguardar a Gamescon agora

    • Sony praticamente desistiu da gamescon, o foco dela agora é a Paris Game Week(PGW) e depois dela é a PSEx.

      Nem na PGW boto fé, creio que deixará as melhores coisas para a PSex, pois em dezembro ela já terá uma noção de como está a procura pelo XOX.

  16. Não sei onde vistes datas de lançamento pois pesquisei agora e não achei.

    Não faz sentido não apresentar as datas do GT Sport e Knack 2 na conferência e divulgar nos bastidores.

    Se a MS não teve planejamento a Sony simplesmente ficou perdida.

  17. Eu sinceramente não me conformo com essa E3 da sony.
    Até tento entender pq como a conferencia da MS foi fraca, “ela guardou o jogo”

    Já sabemos que a From Software e Sucker Punch estão trabalhando em algum jogo para o ps4 poderia ter mostrado teaser só para trazer algo diferente.

    Só acho que foi menos ruim pelo gameplay do GOD e Spider.

    Falando em Gameplay, mano eu estava com o pé atrás sobre as mudanças que o jogo vinha tendo, mas depois ontem, curti muito o que vi. 😀 Essa mudança de gameplay é arriscada, mas pelo visto vai dar certo.

    • Gameplay do God me deixou muito feliz também, além claro do Spiderman.

      Mas no geral entendo sua indignação.

  18. Vaila não foi a Platinum Games que “roubou” o dinheiro do Scalebound e financiou o desenvolvimento de um jogo para PS4?

    E mesmo assim Tio Phil ainda quer trabalhar com eles…

    Pelo visto o problema de Scalebound deve ter sido a própria MS, querendo colocar coisas no jogo fazendo com que o XO não aguentasse.

    http://www.eurogamer.pt/articles/2017-06-13-scalebound-foi-cancelado-devido-a-pressao-sobre-o-jogo#comments

    • Isto é um atirar de mais areia para os olhos.

      O conceito do jogo não está satisfatório? E decidem isto a meses do lançamento? Depois do jogo completamente feito?

Os comentarios estao fechados.