A plataforma universal Microsoft e porque motivo ela pode ser preocupante.

UWP

A ideia da Microsoft é deixar de ter aparelhos separados, mas uma plataforma na qual tudo e todos os aparelhos que correm o Windows 10 se integram.

Apesar da popularidade dos sistemas operativos Microsoft, as decisões tomadas nos últimos anos tem vindo a desagradar muitos.

O Windows 10 foi apresentado muito bem e com várias vantagens, sendo até oferecido gratuitamente. Foi uma medida popular que agradou a muitos que aderiram imediatamente ao OS. Mas foi aí que a realidade não revelada começou a aparecer!

Primeiro foram as várias questões e a polêmica da privacidade com dados a serem recolhidos e enviados para a Microsoft, mesmo com todas as opções de recolha de dados desativadas, e depois a questão das publicidades que aparecem vindas no nada nos ecrãs de bloqueio, como aconteceu com ecrãs temáticos do Rise of The Tomb Raider que apareceram em alguns PCs acompanhados de um link para a Windows Store para compra.

Agora Phil Spencer veio anunciar a nova plataforma da Microsoft , a inciativa de plataforma universal, ou em Inglês, a Universal Windows Platform (UWP). O objectivo desta plataforma é a criação da unificação do PC, Xbox One, tablet e mesmo smartphones, de forma a que todas as aplicações compatíveis possam ser jogadas em todas as plataformas disponíveis (são aplicadas eventuais restrições de suporte relativas a performances mínimas necessárias).

Para alguns tal poderá parecer imediatamente apenas uma vantagem, mas no entanto a situação tem vindo a ser polémica. Mais uma vez a comunicação da Microsoft falha em todos os sentidos e mesmo os seus parceiros, mesmo alguns bastante importantes, não foram a seu devido tempo, informados sobre a realidade da plataforma. Tal foi o caso da Epic, a criadora do motor Unreal Engine que veio a público pela boca de Tim Sweeney, criticar a Microsoft acusando-a de estar a realizar uma das movimentações mais agressivas de sempre com o intuito de criar um eco sistema e monopólio dos videojogos na sua plataforma, solicitando que os criadores de software e gamers se unam contra o movimento.

Uma situação que se veio a revelar precipitada pois apesar de ser criticável o facto de a Microsoft não tenha informado os seus parceiros, também é criticável que estes passem ao ataque sem saberem pormenores exactos.

Phil Spencer veio entretanto referir que a nova plataforma irá criar um novo ecosistema, mas que este será totalmente aberto e acessível a todos os criadores e suportado por todas as lojas do mercado, acalmando assim a Epic. Até porque sendo Phil uma pessoa extremamente integra, não há porque duvidar da sua palavra!

Mas o que sabemos afinal sobre a UWP? Bem, a Microsoft explica tudo numa página que denominou de “what is this thing”, e que inclui informação fulcral para os criadores.

A plataforma opera com uma compatibilidade comum para todos os aparelhos suportados. Há uma única loja, um único API e um interface adaptável aos vários aparelhos que se ajusta a nível de escala, forma e mesmo tipo de input, garantindo que a funcionalidade não é comprometida.

Mas a plataforma exige algumas especificidades, ou seja, o jogo/aplicação terá de ser criada seguindo as regras de programação da plataforma. Isso significa que os programadores deixam de programar para as especificações do hardware onde querem ver o seu produto, mas sim para as especificações da plataforma, perdendo assim as optimizações específicas de cada aparelho (note-se que os titulos atuais apenas possuem perdas do lado do PC uma vez que as versões XBox one continuam optimizadas, mas essa seria uma tendencia a perder-se pois tal invalida todo o princípio da plataforma). As linguagens suportadas são o C++, Win32 e Javascript.

Como grande polêmica, a esperada ponte que existiria com o Android foi colocada de lado, mas a versão equivalente que fará o mesmo com o iOS não. E esta situação vem levantar questões sobre a “abertura e acessibilidade a todos” que efectivamente, segundo Phil Spencer, a plataforma da Microsoft terá.

Mas após esta introdução, vamos ao que nos interessa aqui para este artigo, os benefícios e situações prejudiciais para jogos.

A Microsoft pretende que esta plataforma seja o início do seu novo ecosistema de PC Gaming, e daí a sua intenção de colocar os jogos no Windows 10 que irão inevitavelmente levar a que estes sejam colocados na sua Windows Store.

O grande problema desta situação é que o API é universal, e isso quer dizer que as aplicações são DirectX 12 ou nada. E isso é uma imposição e um limite na programação, especialmente agora que o Vulkan está a caminho e se pretende tornar um API universal. Ao se impor o framework da UWP, há não só limites à forma como se programa e tipo de suporte que se pode dar ao hardware (que passa a ser encarado como genérico e não específico), mas igualmente à liberdade que um programa pode ter com o suporte de outros ou mesmo vários APIs. Tal é uma limitação ao uso e performance do hardware e software imposta à comunidade gaming PC que nunca existiu até hoje, e como tal algo que deveria preocupar todos os Gamers de PC e mesmo de outras plataformas.

devicefamilytree


Atualmente apenas a Windows Store suporta o UWP. No entanto, o Steam, uPlay, Origin e outros como o GOG todos permitem downloads para o computador de forma muito mais eficiente do que aquela que é suportada pela Windows Store.  O problema é que segundo a coisa está descrita, pelo menos para já, pelo que se parece entender, mesmo que estas lojas venham a suportar estas aplicações, a forma como esta está a funcionar implica que todos os pedidos acabem por ser canalizados para a plataforma universal do Windows e consequentemente a Windows Store, para aprovação, fornecendo um controlo à Microsoft.

Resumidamente, mesmo que expostos precipitadamente, os receios de Tim Sweeney parecem ter razão para existir pois as restantes lojas seriam apenas fachadas para a Windows Store que seria quem continuaria a vender tudo, levando a sua quota no lucro.

E o facto de isto estar a acontecer quando todos sabemos que o Windows é a plataforma dominante do Gaming acaba efectivamente por ser um avanço arrojado da Microsoft com algo embutido para uso próprio no seu sistema operativo, e que foi colocado de forma acelerada nas casas das pessoas sob a forma de oferta.

Esta plataforma a funcionar assim garantiria à Microsoft uma fatia de todas as vendas quer para a Xbox One, quer para o PC, independentemente de poder deixar outras lojas de videojogos continuarem a vender estes produtos, suportando igualmente a sua plataforma. É no fundo realmente uma aparente uma intromissão imposta para alterar o Gaming não só na Xbox, mas igualmente no PC que necessita de ser esclarecida.

Com a Xbox One atrás da PS4 e o Steam a dominar o mercado PC, esta jogada da Microsoft juntaria os dois mundos e permitiria ir buscar dinheiro a todos os Gamers que existem nas suas plataformas.

Apesar de tudo o conceito por detrás desta plataforma ser uma ideia fantástica, tudo parece apontar para as queixas da Epic terem razão de existirem pois parece haver aqui uma aparente postura de domínio e de controlo dos aparelhos dos consumidores que parece inaceitável. Apesar de nada poder parecer melhor que poder jogar um jogo na consola, no PC ou mesmo poder continuar no tablet, a plataforma coloca uma tremenda dose de controlo e limitação de optimizações sobre o OS que antes não existia.

Juntemos a isto as constantes contradições da Microsoft, as palavras de Phil Spencer sobre a liberdade e alterações futuras ao ecosistema já não chegam para acalmar seja quem for. Há que se apresentar dados concretos e acções que ainda ninguém viu!

Daí que o sucesso desta plataforma não esteja nas suas virtudes ou defeitos, mas sim na aceitação de imposições e controlos pela Microsoft nas máquinas dos consumidores. E se tal até pode acontecer, com a Microsoft a conseguir impor o seu produto sem o corrigir, com o Vulkan a ser universal, se outras plataformas começarem a apresentar os mesmos jogos sem as limitações impostas pela plataforma UWP, os gamers poderão começar a fugir para outros sistemas operativos.

Daí que perante aquilo que existe actualmente esta é uma jogada arriscada a Microsoft. Não só mexe com a sua imagem junto do consumidor, mas com os parceiros igualmente…A Microsoft tem forçosamente de explicar os planos presentes e futuros da plataforma de forma clara e não andar aqui com meias palavras pois a toda a envolvente a esta situação está a criar um descontentamento crescente em parte da comunidade.

Queixa de Tim Sweeney

Queixa dos utilizadores PC face às restrições do UWP

Queixa dos utilizadores PC sobre as apps universais

Queixa sobre as limitações na versão UWP de Rise of the Tomb Raider e não existentes na versão normal.

Apenas como referência eis algumas das limitações atuais dos jogos da Windows Store:

  • Sem suporte por drivers de SLI ou CrossFire. O suporte pode existir, mas o jogo tem de o suportar especificamente e não pode ser acrescentado por via de perfil nas drivers.
  • VSync sempre ligado: Elimina o screen tearing mas cria input lag descendo a performance do jogo.
  • Sempre em modo janela sem bordas de ecrã total. Impede o acesso exclusivo à placa gráfica impedindo a performance total da mesma
  • Sem acesso a mods: As aplicações da Windows Store são protegidas pelo que mexer nos ficheiros do jogo é impossível, impedindo assim modificações, alterações ou mesmo afinações.
  • Sem ficheiro .exe e sem suporte de controladores como o do Steam.
  • Sem capacidade de Overlay: Nada pode ser sobreposto à imagem do jogo pelo que softwares como por exemplo o Fraps não funcionam.
  • Macros de rato e teclado não funcionam. E as estes periféricos customizados dos gamers PC ficam inutilizados.

Leitura recomendada – http://venturebeat.com/2016/03/10/epics-tim-sweeney-heres-how-to-keep-windows-an-open-platform/


Publicidade

Readers Comments (22)

  1. Em suma Mario, como diria o próprio Tim Sweeney em relação à Microsfot e especialmente a Phil Spencer, ”Não se deixem levar pelas suas palavras pois os seus actos falam mais alto”

    Acho que isto diz tudo, e estive eu chateado por não ter direito a essa fábrica de mamar dinheiro que é o Windows 10.

  2. Eu li o artigo duas vezes na integra e confesso que não entendi muito bem, vou opinar nas coisas que eu entendi, o que também pode estar errado!!

    Eu gosto do do Xbox One, não da marca Microsoft, gosto do aparelho.
    A microsoft vendo que esta perdendo em vendas no console começa mexer seus pauzinhos, provavelmente se tivesse ganhando nada disso iria fazer..

    Eu não entendi muito bem o que a MS quer fazer, nem eles ainda explicaram direito.
    Monopolizar o mercado é péssimo podem fazer o que quiserem, isso vale para tudo, se o Ps4 reinar completamente sozinho, vai ser péssimo também pois a Sony poderá fazer o que bem entender, sem ter ninguém na sombra.

    Acho que não tem como começar jogar um jogo, no Xbox One, depois ir para PC e terminar em um tablet, são coisas bem diferentes e as optimizações ficariam muito diferentes.
    E já falando nisso, quem vai optimizar são os próprios programadores de sempre, se eles fazerem algo porcamente, a culpa vai cair sobre eles mesmo, afinal não é a MS que faz The Devision por exemplo.

    O monopólio nunca é bom, mas porque até hoje nunca fizeram algo para competir com Windows, todos os seguimentos existem concorrentes, porque o Windows sempre reinou sozinho, qual explicação para esse fato, sem desmerecer linux mas qual pessoa casual usa isso?

    Eu não entendi a parte da loja, na verdade eu não entendi nada dessa parte, as pessoas não podem comprar um jogo direto da Steam, da Batlenet, Origin e afins, quando tiver o Windows Store o que vai mudar?

    Em relação ao consumidor qual a desvantagem no sentido dinheiro, porque pelo o que eu vi quem comprar Quantum Break na Xbox live, vai ganhar um código para resgatar no PC, isso é ruim para as outras lojas que vendem , porem é bom para o consumidor.

    Se puder comprar um jogo no PC e ganhar código para baixar no Xbox One seri perfeito, mas acho isso meio que impossível, já que os jogos no PC são mais baratos, e a MS só pensa no próprio bolso, então impossível isso acontecer.

    Posso estar enganado, mas a visão que eu tenho é que a Microsoft está fazendo aquilo que o Don Mattrick queria, apenas ajustando algumas coisas, porem no meu ponto de vista é isso que ele queria.

    Don Mattrick foi mais massacrado do que Judas, como se ele fosse o único e exclusivo responsável, sendo que a MS apoiou o projeto dele, mas foi o único que pagou o pato, mandando ele embora, eu não defendo o que ele queria, ainda mais para pessoas que não é afortunada como eu, seria péssimo o que ele queria.
    Só acho errado fazer uma unica pessoa pagar pelo erro que muitos participaram, e esqueceram rapidamente que o Xbox 360 foi sucesso e Don Mattrick teve boa parcela de colaboração…

    E agora quando viram que em termos de vendas a geração está perdida, eles voltam a fazer o que queriam no começo, mesmo mudando algumas coisas, opa onde esta a coerência nisso e o caráter?

    • Dentro de dias compreenderás de caras. Estou a preparar um artigo que explica tudo o que se tem passado.
      Quanto à oferta do jogo para PC nada contra. A sony tambem faz isso. É o Cross Buy. O problema não é o cross buy em si, é mesmo a plataforma que impede optimizações, liberdade no uso de linguagens, de APIs, suporte a hardware, etc. Restrições que nunca existiram antes.

  3. O alerta do Tim Sweeney é válido, o problema é que ele demonstrou não saber exatamente sobre o quê estava falando:
    http://wccftech.com/sweeney-admits-theres-no-proof-of-evil-plan-by-microsoft-proves-hes-not-up-to-date-on-uwp-specifics/

    E não foi a Epic que lançou a série Infinity Blade pra IOS que é uma plataforma com restrições ?

    Só acho que temos que aguardar pra ver na prática como esse planejamento da Microsoft vai se desenrolar… Se for ruim, podem ter certeza que o mercado vai reagir…

  4. Gostava de saber, como é que correu o recrutamento, feito pela sony, no sábado!
    Para ver se sempre ouve ou não pessoal a entrar nos estúdios da sony!

  5. Da forma que está, o Windows store é péssimo negócio. Então tentando implantar um estilo Apple de ser que vai dar em nada.
    Com um pouco de inteligência, eliminam todas as restrições e ganham mercado. Fazendo a jogada de forma controlodora, a plataforma será renegada a apenas os jogos da Microsoft e só.

  6. Mais uma que a MS deu 180°. Agora vai ser possível multiplayer cross-plataform entre One e PC no Rocket League.

    http://www.rocketleaguegame.com/news/2016/03/xbox-one-cross-network-play/

    • Ah que fixola… inicialmente não deixava. Aliás era expressamente proibido pelas regras da XBox.
      Agora dá a volta…
      Com tanto 180 isto já devem andar com dores de cabeça!

      Mas há uma parte boa. A Xbox One tem Cross Play-PC. A PS4 tem Cross Play-PC. Assim é possível no futuro o Cross Play XBOX e PS4.

      A não ser que alguem resolva impedir isto… LET THE GAMES BEGIN.

      • Será? Eu gostaria, mas acho que ambas não aceitariam. Iriam inventar uma desculpa. Lembro que no 1° ano dessa geração iriam lançar um jogo FPS, não lembro se era Call of Duty ou Battlefield, e que inicialmente diziam ser cross-play PS4/One/PC, porém no lançamento disseram que não foi possível devido a diferenças de resolução que poderiam beneficiar alguns jogadores.

        Próximo Xbox deveria se chamar Xbox 720(ou número maior que seja divisor de 180)

          • Não olhes para isto como uma benesse da Microsoft. Porque não é. A PS4 possui vários jogos com cross play com o PC, a XBox é que não tinha nenhum e as regras da XBox até o proibiam.
            Com ambas com Cross Play com PC apenas ficamos limitados pela autorização das marcas em juntar as consolas.
            Curiosamente, a Microsoft foi a última a promover e implementar o cross play e agora convida os outros a juntar-se…

          • Mário entendo o teu ponto de vista, mas pelo que recordo nunca vi a Sony cutucar a MS em relação a cross-play entre consoles, a Sony somente divulgou a relação PS4/PC.

            Agora creio que quem aproveitou a oportunidade foi a MS, já que está na mídia devido as suas contradições, deu 180 em uma política de bloqueio, anunciou o cross-play One/PC e ainda cutucou a Sony dizendo que libera até para o PS4

          • A minha opinião sobre o assunto estará no dia 18 exposta sobre a forma de artigo. Depois dizes-me se concordas ou discordas!

      • Onde está o ruim em permitir algo que os gamers vêem com bons olhos e pedem a algum tempo?
        Se isso não é benefício, então é o que? O plano maligno?

        • Não há nada de mau nisto (excepto o receio de cheats do lado PC que até me tem levado a optar por fps nas consolas em vez do PC).
          A questão é apenas que os programadores de Rocket League já tinham abordado a Microsoft no sentido de, tal como a PS4 já fazia, haver cross play, e isso foi-lhes negado pois ia contra as regras da XBox.
          E isto em Dezembro.
          http://www.ign.com/articles/2015/12/07/no-crossplay-for-rocket-league-on-xbox-one
          Mas agora a Microsoft muda de repente (é a tal questão que refiro de que a empresa anda sem rumo e reage conforme as reações) e faz mais um 180.
          Mas para que isso seja pouco falado. Vem convidar quem já lá está… A aderir…
          E isso quando sabemos que tal só traz vantagens, todos estão interessados, mas que não existia porque a Microsoft proibia.
          É, no minimo, engraçado, pois a imagem que está a passar não é essa!

    • Alguma chance de ter jogos como Cod, BF, sendo jogado entre jogadores de Xone e PS4?

      • Isso não acredito. Aliá se a Microsoft ainda tivesse o acordo do COD de certeza que nem falava nisto.
        FPS é complexo pela desigualdade de controlos e performances, mas caso o PC seja penalizado nas performances, e a One tendo teclado e rato, a Universal Windows Platform pode permitir isso.

  7. Mário, ainda ontem fui a casa de um amigo meu que tem um PC mas não entende muito da matéria, pois tinha-me ligado no dia anterior a perguntar-me porque razão tinha o Windows 10 instalado, perguntei-lhe se tinha feito alguma coisa mas não, num dia tinha o Windows 7, no dia seguinte acordou e tinha o Windows 10, apesar das inúmeras notificações da Microsoft para instalar o SO, ele sempre ignorou, mas pelos vistos a Microsoft quer tanto enfiar o W10 pela goela abaixo dos seus clientes, que não respeita minimamente a vontade dos utilizadores, e não é o único, pois desde que foi a anunciada a plataforma Xbox, a Microsoft entrou em modo anti-consumidor especialmente nesta ultima semana, e as queixas já são mais que muitas.

    http://www.infoworld.com/article/3043526/microsoft-windows/microsoft-upgraded-users-to-windows-10-without-their-ok.html

    Isto está bonito está.

    • Eu tambem tenho um caso desses com uma amiga. Essa amiga minha tinha o 7 e fez o upgrade para o 10. Mas o computador ficou instável pois parte do hardware é antigo. Daí que me pediu que restaurasse o 7, o que fiz facilmente dado que era um portátil e tinha um restauro de fábrica numa partição. 3 semanas depois ela queixou-se que estava de novo com o 10, e eu disse-lhe que ela deveria ter aceite o upgrade sem querer. E ela negou. Diz que não só nunca lhe apareceu nada sequer a falar do windows 10 (segundo ela, ainda nem sequer tinha instalado todas as atualizações do 7 pois o restauro meteu uma versão antiga), como se tivesse aparecido ela negaria de caras pois sabia que o upgrade lhe causava instabilidade na máquina (o windows está em Portugues). Mas o 10 apareceu… e restaurei de novo para o 7 no fim de semana.
      Mas isto não me surpreende. Aliás deves saber do update de segurança do Windows 7 que de segurança tinha no fundo pouco e uma análise ao mesmo revela que ele existe é para meter alertas de upgrade para o windows 10.
      http://www.infoworld.com/article/3042155/microsoft-windows/windows-patch-kb-3139929-when-a-security-update-is-not-a-security-update.html
      Recomendo a leitura do meu artigo depois de amanhã. E vais ver que depois de o leres tudo o que a Microsoft tem feito e que parece desconexo… Vai fazer sentido.

  8. Uma dúvida. Se o futuro do Xbox é o ecossistema como ficam aqueles jogos que somente são exclusivos no console rival, mas que possuem versão para PC? Poderão também ser utilizados no One? Por exemplo Street Fighter 5.

    • Sim… e não!
      Para começar há que ter em conta que o ecosistema que a Microsoft fala só existe ainda nos produtos Microsoft ou financiados Microsoft. Não há nenhum Third Party que tenha adoptado ainda a plataforma!
      Depois há jogos que são exclusivos consola porque a Sony pagou por isso. E esses não poderão passar para a One dê por onde der.
      Os restantes que não foram para a One por outras questões, mas que estão no PC e pelos quais a Sony nunca pagou, esses poderão eventualmente aparecer.

Os comentarios estao fechados.