Mar 072012
 

A Warner Brothers anunciou a sua “solução” para que os consumidores possam fazer cópias digitais dos seus DVD para uso pessoal. A iniciativa chama-se “Disc-to-Digital” e numa primeira fase envolve levar os DVD a uma loja e pagar para que sejam copiados ou convertidos. Sim. A sério. Eles esperam que as pessoas paguem por algo que poderiam fazer em casa de forma fácil e gratuita, ainda que ilegal.

Tal como deverão saber, os filmes em DVD possuem tecnologias anti-cópia (vulgo DRM) cuja neutralização é proibida por lei, tanto nos EUA como na Europa. Em Portugal a mera tentativa é punida com multa (e quem conseguir pode até ser preso). Nos EUA porém o Copyright Office tem o poder de decretar excepções a esta proibição. A neutralização do DRM para fazer cópias pessoais é precisamente um dos casos actualmente em análise, sendo que anteriormente já foi autorizada para fazer cópias para uso didático e retirar excertos, e para fazer o chamado jailbreak aos iPhone.

Esta sugestão da Warner Brothers surge assim como uma alternativa. A organização Public Knowledge, que fez a actual petição ao Copyright Office, compara os dois cenários na imagem seguinte:

Consumer%20alternative.001-001[1]

Pois… para além da canseira de encontrar uma loja que forneça o serviço e deslocar-se até ela, há que pagar e esperar que tudo funcione como previsto.

Esta proposta da Warner até me faz lembrar a (ignorada) solução prevista no Código de Direitos de Autor em Portugal. A lei permite as cópias para uso privado, e até pagamos taxas que actualmente atingem facilmente 25% nos CDs e DVDs por causa delas (e que poderão em breve ser alargadas). E mesmo sendo ilegal neutralizar DRM, a lei diz que estes não “devem” impedir os usos livres. Se for esse o caso, os “detentores de direitos” devem depositar no IGAC meios que permitam fazer as cópias permitidas por lei. Claro que nunca lá nada foi depositado e poucos terão sequer pedido alguma coisa ao IGAC, como tentou a Paula Simões. É um sistema completamente inútil.

No entanto, a proposta da Warner não se limita a isto. O artigo do LA Times fala que numa segunda fase os retalhistas online como a Amazon poderão oferecer cópias digitais aos clientes que anteriormente compraram DVD. E numa terceira fase será possível através do computador ou alguns leitores Blu-Ray fazer o upload para a “nuvem”, de modo que os filmes possam depois ser vistos em qualquer dispositivo com acesso à internet. Não são dados detalhes, mas parece algo bastante parecido ao iTunes Match da Apple, que reconhece toda uma colecção de música e a coloca disponível na “nuvem”.

Também mencionada é a possibilidade de, tendo-se apenas um DVD normal, poder receber-se uma cópia do filme em alta-definição. Pagando-se um valor adicional, claro.

Estas ideias já me parecem interessantes. São de facto bons exemplos de soluções úteis que oferecem algo de valor ao consumidor. Por oposição à primeira ideia, onde se pede aos consumidores que paguem para copiar filmes que já compraram e que podem facilmente copiar em casa. O que já não é tão fácil, gratuito ou barato, é fazer uma “nuvem” em casa, ou transformar um filme em DVD para alta-definição com qualidade Blu-Ray (sim, há os “media server” e o upscaling, mas não é a mesma coisa). É aqui que reside o valor. É a diferença entre tentar obrigar as pessoas a pagar pelo que poderiam facilmente fazer por si próprias, com leis opressivas e ridículas, ou oferecer algo pelo qual elas poderão estar dispostas a abrir os cordões à bolsa de bom grado.

Só quando perceberem esta diferença é que os gigantes da era analógica vão perceber como se adaptar à era digital.

Publicidade

  2 Responses to “A “solução” da Warner para copiar DVD protegidos com DRM”

Comments (1)
  1. Ok depois de ler este artigo parece que o simples DVD vai fica mais caro que ir ao cinema sempre que o quiser ver. Será que pelo preço astronómico que querem receber por uma cópia de um filme também dá direito a ver o filme a dois com uma loiraça de um qualquer milionário dono de uma qualquer empresa cinematográfica?
    Afinal de contas quantas vezes querem receber pelo mesmo filme? Queixam-se da pirataria e é isto que propõem? Até agora as cópias eram proibidas nem que fossem para backup ou uso pessoal agora já querem permitir e receber por isso?
    Afinal ainda são mais criminosos que qualquer pirata ou simples utilizador porque até agora só malucos é que pagavam por cópias piratas.
    Pagar outra vez para ver em melhor resolução? Por favor, estamos em que século? Os filmes são feitos com câmaras com resoluções extraordinárias, as televisões já têm resoluções que fazem as imagens parecer realidade e que custam milhares de euros e querem mais receber mais por um filme talvez em HD quando muitos já têm uma TV muito superior ao HD?
    Sinceramente não percebo que caminho querem seguir com coisas tão parvas, viva a pirataria pois eu nunca comprei um filme e por este caminho nunca comprarei.

Sorry, the comment form is closed at this time.