Adeus iPhone

RIP-iPhone-5-Galaxy-Note-2

Pois é Apple, pelo andar da carruagem era inevitável… e um dia iria acontecer. E aconteceu! Talvez antes do previsto, mas aconteceu.

Quando lançaste o iPhone fiquei maravilhado. Tanta tecnologia, tanta inovação… e tudo ao alcance de um dedo. Inovaste em tudo e usaste a tecnologia existente no seu melhor numa altura onde a concorrência parecia estagnada e nem sequer tinha verdadeira competição para ti..

Eu que na altura era um amante da Nokia e do seu N95 que possuía basicamente especificações semelhantes ao teu iPhone 3G fiquei siderado com as diferenças que conseguiste trazer para o teu telefone quer no que toca ao suporte e qualidade do software, quer na sua integração total com as capacidades do hardware.



Era o ecrã táctil e a facilidade de interacção, era a incorporação das aplicações com o GPS, era o reconhecimento de voz, era o uso da internet para uma interactividade sem paralelo. Era basicamente tudo.

O teu telefone não tinha igual.

Surge então o 3GS… e é um pouco uma decepção. Basicamente é o mesmo telefone, mas apenas um pouco mais rápido (+188 mhz), mais memória (+128 mb) e com um retoque aqui e ali no software como a bussola e uma câmara melhorada.

As diferenças, eram basicamente reduzidas, mas mesmo assim existiam. Mas o que importava se eram muitas ou poucas? Era o pináculo da tecnologia e concorrência nem sequer chegava lá perto….

O iPhone 4 surge… e é lindo. Uma grande inovação face aos modelos anteriores com uma estética renovada e uma caixilharia em vidro com aro metálico. Mas quando vamos a ver … é uma alteração estética, um hardware mais potente, mas espremido, espremido… era mais do que se passou com o 3GS. Uma atualização e melhoria do já existente, com mais resolução de ecrã, melhor câmara, mais memória, etc. Mas não havia nenhuma inovação radical, e nem a câmara frontal alterava isso pois vídeo-conferência era algo que já tinha no N95.

O pior é que nessa altura pela primeira vez nota-se alguma intenção da concorrência em apanhar os teus produtos, com o lançamento do android 2.2 Froyo e as versões 2.3 a 2.3.7 Gingerbread. Eram já sistemas operativos com alguma qualidade, o que permitia que esse OS dominasse nos telefones entrada de gama. Mas fosse como fosse, a nível de hardware e software o teu iPhone 4 era ainda rei e senhor.

Passamos ao ano seguinte… e temos o 4S. E mais uma vez Apple, mandas mais do mesmo! A revolução, a inovação do teu iPhone com internet original estavam algo estagnadas. Há vários anos que a evolução estava pequena com apenas atualizações no hardware e muito poucas inovações no software, e agora tinhas uma concorrência com um sistema operativo Android 4.0 Ice Cream Sandwitch que prometia concorrer com o teu iOS lado a lado. Mais ainda, esse OS, em outras variantes, tinha a vantagem de ser implementado em milhares de smartphones de todo o tipo de gamas, e a ganhar mercado de dia para dia.

E eis que pela primeira vez a concorrência te parece passar com um Galaxy S3 que oferece características que o teu smartphone não tinha. O mundo mudou e os ecrãs pequenos começam a ser um problema e comparado com o que o mercado nesta altura oferece, o iPhone 4s possuía um ecrã miseravelmente pequeno.

Ah sim, tinhas o Siri… mas convenhamos que para nós Portugueses, o Siri… era um enfeite.

Eis o iPhone 5…

Mais uma vez fiquei algo dececionado quando vi que… voltaste a lançar mais do mesmo! Mais rápido, com mais algumas melhorias… Mas e a inovação, a capacidade de maravilhar ficava aonde?

A concorrência lançava telefones com grandes ecrãs e com um Android Jelly Beam que já metia respeito, batendo recordes de venda e conquistando quota de mercado, e tu sobes o ecrã mais meia polegada alegando que só dessa forma com uma mão consegues aceder à totalidade do ecrã. Convenhamos que já foste mais inovadora que isso.

O pior é que pela primeira vez começa-se a perceber que finalmente a concorrência está lado a lado contigo. E o Galaxy S4 é a prova disso!

O que andaste a fazer estes anos todos? E onde está a inovação que te caracterizou?

Numa altura onde todos esperavam algo de ti dececionas com um iOS cheio de bugs, a remoção dos softwares da Google e a imposição de programas proprietários vergonhosos como o Apple Maps. É isso a Apple? Onde está o iPhone que tanto me apaixonou?

Mas como bom amante da marca… lá estava eu no lançamento a ir buscar o meu iPhone 5!

Chega 2013… e temos o 5S… e o vergonhoso 5C.

Apple, Apple, onde estás? O que se passa por aí?

O 5C é claramente um retrocesso em toda a qualidade de um produto Apple que se tinha mantido em evolução. Mas curiosamente, nem por isso é mais barato que o normal.

E o 5S é a mesma coisa de sempre. Mais rápido, com mais uma quinquilharia aqui e ali, mas no fundo o mesmo telefone de sempre. E agora com alguns iPhones em casa que se mantinham plenamente funcionais, a perceção dessa situação era bem clara. E convenhamos que o aumento de ecrã que surgiu com o 5 foi apenas para dizerem que existia.

Daí que … hesitei… e não adquiri o 5S (e muito menos o horroroso 5C)  ficando a aguardar pelo maravilhoso 6.



Infelizmente não cheguei lá! Eu já andava piurso (pior que um urso), com o iOS 7 que… Oh desgraça… abrandou-me os iPhones e iPads antigos que ainda possuía, e para alterações que parecem basicamente estéticas (a nível de funcionalidades não vejo diferenças nenhumas). E o pior é que decidiste impedir o downgrade ao remover o iOS 6 dos servidores.

Esta foi a primeira vez que fiquei seriamente indignado contigo. Se até agora cada vez me deixavas menos entusiasmado, com esta atitude deixaste-me descontente. E isso foi uma novidade.

Entretanto ia vendo os telefones da concorrência, e alguns excelentes telefones como o Nexus 5 que… custava metade do teu iPhone. E que estava bem feito, funcionava bem, e nada te ficava a dever.

Mas era Android… e a minha experiência com androids era má. A gestão de memória estava longe da tua, apesar de reconhecer virtudes ao produto da concorrência. Mas esta era uma experiência de anos e, como pude constatar depois, não a realidade actual.

Mas foi com o iOS 7.2 que me deixaste completamente infeliz. Uma mera atualização pontual destinada a resolver problemas de performance e… retiras-me as fotos de ecrã total de quem me liga.



Ora bolas Apple, uma característica tão desejada e que foi introduzida e tão publicitada com o iOS 7 e resolves com uma atualização pontual meter uma bolinha no canto do ecrã (numa altura onde se quer tudo em grande), com a foto, que mal se vê, de quem liga.

Oh tristeza… não é para isto que eu tenho um iPhone.

E após estas deceções fiquei mais receptivo à concorrência, apesar dos receios de mudar.

E foi nessa altura que vi um telefone que curiosamente teve em mim o mesmo efeito que o iPhone 3G tinha tido à alguns anos. Vi-o a funcionar e fiquei maravilhado. Era a revolução que os teus produtos deveriam ter sido.

Falo do Samsung Galaxy Note 3… Um telefone onde a Samsung juntou todas as inovações que podia, e que fascina ao ver trabalhar.

O multitasking é uma realidade bem funcional, podendo ter duas aplicações em ecrã dividido, ou várias em janelas ao bom estilo windows. E não sei qual é o limite de janelas, até porque o maravilhoso ecrã de 5,7 polegadas, por muito grande e funcional que seja, e mesmo sendo full hd tem limite de tamanho e já enchi o ecrã antes de o smartphone me impedir de abrir novas janelas.

Mas depois há tantas novidades interessantes. O chip NFC, a capacidade do acompanhamento da visão, com as páginas internet a subirem sozinhas quando lês a ultima linha do ecrã e a descerem quando lês a primeira, um assistente ao estilo do teu Siri, completo e funcional, e acima de tudo a funcionar… em português, e a reconhecer serviços em Portugal. Algo que para ti nem existe, e apesar de já teres o Siri à anos, suporte para Portugal foi algo que não te interessou.

Mas há muito mais: O reconhecimento de escrita, as anotações no ecrã, a possibilidade de customização de todo o telefone, a capacidade de trabalhar totalmente com ele sem sequer lhe tocar, enfim… são tantas as coisas que nem sei por onde ir para as descrever.

A realidade Apple é que ficaste para trás, e eu, tal como antes me converti a ti, agora converti-me ao Android. E com um smartphone com 3 GB de RAM, e com uma base de aplicações que nada fica a dever às que tens na App Store, digo-te que a transição foi suave, e não me custou nada. Pelo contrário, a ideia é que fiquei claramente a ganhar.

E depois convenhamos que a Samsung com este telefone te soube responder à letra na questão da utilização de um ecrã de grandes dimensões com apenas uma mão. É que com uma entrada e saída rápida do polegar da borda para o ecrã e vice-versa, o ecrã re-escala-se para permitir trabalhar apenas com uma mão. E repetindo o processo, volta ao tamanho normal.

Mas há mais, mesmo que não queiras diminuir o tamanho do ecrã a Samsung permite outras funções que colocam teclados e teclas de função mais pequenos na borda do ecrã para uso com uma mão, mesmo mantendo o ecrã todo funcional. E permite-o fazer à direita ou à esquerda, o que quer dizer que nem dextros nem canhotos se podem queixar.

Ah e tal… mas não é a mesma coisa. Pois, isso foi o que eu pensei, e convenhamos que avancei receoso. Eram tantos anos de iOS que provavelmente não me adaptaria.

Qual que! As funcionalidades do Android são até bastante superiores ao que tinha, e o software que mais usava… está todo lá! Já foi o tempo em que fiz análises a produtos Android e não encontrava os meus programas preferidos na Play Store. Mas agora… O Android é o OS mais usado em smartphones em todo o mundo, e ganha quota de dia para dia. Daí que o que há para o teu smartphone, tb há para o Android.

Perdeste Apple. Perdeste o toque, a capacidade de inovar e tudo aquilo que foste com o iPhone. Agora o teu telefone é um produto caro, limitado, e que controlas de forma exagerada.

É certo que há a questão dos vírus… mas também é certo que lido à anos com pessoas com Androids… e até agora nunca apanharam vírus nenhum, provando que desde que se dando um uso adequado, o OS é seguro.

Agora põem-te atenta. O meu iPad ainda o mantenho pois a nível de tablets ainda os considero os melhores, mas as diferenças para a concorrência também já foram mais. E se para o ano o que lançares for, como tem sido apanágio, mais do mesmo, toma cuidado, porque a concorrência está aí e já está a fazer melhor.

Quem sabe um dia consegues siderar-me novamente… e voltarei. Mas para já… no que toca a smartphones, agora sou da equipa adversária! E ao contrário do que poderia pensar… estou a adorar!



Posts Relacionados