Afinal sempre havia algo que a Nintendo podia fazer para acabar com os hacks da Switch

O grupo Failoverflow hackou a Switch, e revelou a falha como existente e “não havendo nada que a Nintendo pudesse fazer para a tapar”. E se calhar não pode… mas seja como for, a Nintendo deu a volta à questão e impediu o uso dos hacks com a atualização 5.0.

A atualização 5.0 da Switch foi lançada. E os fans ficaram decepcionados pois a mesma não tinha quaisquer novidades de peso, pelo menos ao ponto de justificar uma mudança de número da versão. Mas na realidade a atualização possui mudanças significativas. Tão significativas que esta poderá ser a atualização mais importante que a Switch recebeu. Ela é de tal maneira relevante que o que foi feito parou os hackers de continuaram a usar a Switch como bem queriam.

A comunidade de Hackers foi quem acabou por revelar aquilo que estava no firmware 5.0, ao queixarem-se de alterações radicais na consola que basicamente tornavam a Switch impenetrável. As alterações são tão radicais que mesmo periféricos não oficiais deixaram de funcionar. A Switch não só está novamente impenetrável, como tudo o que foi feito até agora tornou-se inútil. Claro que há sempre a possibilidade de não se atualizar o firmware da consola, mas falta saber se a Nintendo não fará a situação tornar-se uma necessidade, e o certo é que pelo menos para os novos jogos, a atualização é obrigatória.

Entre as situações que foram implementadas e que agora impedem o hack temos o acréscimo de KASLR (Kernel address space layout randomization). Basicamente esta técnica altera constantemente a localização das diversas componentes do Kernel nos endereços de memória, tornando impossível o acesso directo aos mesmos. Este tipo de protecção nunca foi hackado e como tal deverá garantir a segurança da Switch. Isto quer dizer que as falhas que existiam na consola continuam lá… a questão é que aceder-lhes é agora um problema pois a posição dos endereços de memória que lidam com as situações mudam a cada arranque da consola, e tentar mudar/injectar dados alterados numa coisa que não se sabe onde vai estar é claramente um problema.

A Nintendo mudou ainda o sistema de encriptação do kernel, substituindo-o por um novo ainda mais complexo e que mais uma vez ajuda a impedir os acessos.



Mesmo o monitor de segurança está agora protegido e muda a posição do que já foi analisado, impedindo segundos acessos idênticos.

De notar que estas medidas são para manter, mas que a nova revisão da consola agora à venda possui as falhas no hardware das consolas iniciais já tapadas.

Ora quando a comunidade de Hackers se queixa é porque realmente o que foi feito foi muito bem feito. Ao ponto de os hackers virem referir que a Nintendo se excedeu nesta actualização.

Bem feito Nintendo… Esperemos que outros sigam o mesmo exemplo!



Posts Relacionados

newest oldest
Notify of
Edson Nill
Visitante
Edson Nill

Ainda bem! O console não merecia o pior dos mundos!

Ewertom
Visitante
Ewertom

Como sempre penso,progaramção é tudo,parabéns aos engenheiros da consola que trabalharam para inibir ainda mais este clube de fanfarrões,que assolam empresas de hardware.

Livio
Visitante
Livio

Há uma frase de um professor que nunca esqueço:

“No software não há o impossível”.

Mas da mesma forma que conseguiram conter hacks nada impede que no futuro estes consigam burlar tais técnicas.

Carlos Zidane
Visitante
Carlos Zidane

Boa Nintendo!! Hahahahaha