AMD apresenta os seus novos CPUs Ryzen que batem os Intel, e demonstra GPU Vega a correr DOOM a 4K 60 fps em detalhe Ultra

A AMD demonstrou todas as suas novidades. E que novidades… e que novidades!

A confirmarem-se os preços agressivos que a AMD preparar para os seus produtos, a Intel e a Nvidia é bom que se ponham a pau. É que a nível de performances, os produtos da AMD para 2017 prometem arrasar.

A AMD demonstrou os seus produtos que tem em caixa, e as performaces… WOW. Começemos pelos novos CPUs Ryzen:

Na demonstração a AMD demonstrou os seus novos CPUs baseados na arquitectura até agora apenas conhecida por Zen, e que mudou agora o nome para Ryzen, e que será aplicado nos seus CPUs Summit Ridge. Na foto de cima vemos as especificações genéricas destes CPUs baseados na arquitectura Ryzen.

Publicidade

Retomando o nosso artigo

A velocidade base será de 3.4 Ghz, podendo no entanto aumentar a mesma de forma dinâmica. Para demonstrar as suas capacidades a AMD colocou-o lado a lado com um i7 6900K, em processamento bruto, nomeadamente em transcoding de video meramente pelo CPU, tendo-o batido em vários segundos

Como referência há que se referir que o Intel i7 6900K que foi usado estava a correr às velocidades de relógio normais, isto é 3,2 Ghz com Turbo Bost para 3,7 Ghz, usando uma motherboard MSI X99.

E o que torna mais impressionantes os resultados é o sabermos que o Ryzen usado não possuia ainda os seus modos turbo activos, o que quer dizer que o CPU correu todo o teste a 3.4 Ghz fixos. Não se sabe ainda quais as velocidades que o CPU poderá atingir nestes modos, mas especula-se algo entre os 3.6 e os 4 Ghz!

E isto quer dizer que as performances finais do produto serão ainda superiores às demonstradas!

A demonstrar a qualidade da construção do novo produto da AMD, temos os seus consumos. Onde o i7 6900K é anunciado como consumindo 140 Watts, este Rysen fica-se pelos 95 Watts. Certamente impressionante e algo que demonstra que os consumos e a consequente dissipação térmica permitirão à partida, e salvo outras situações que o possam impedir, boas brincadeiras com overclocks.

A confirmarem-se os rumores desta nossa outra notícia, os preços da AMD deverão esmagar completamente a Intel, e com performances destas a AMD deverá conseguir imediatamente uma boa fatia de mercado.

É de salientar que estes CPUs são 8 núcleos 16 Threads, tal como os Intel, o que quer dizer que a tecnologia Hyperthread usada pelos Intel está agora replicada nos AMD também com o nome de Simultaneous Multithreading.

Mas as novidades destes CPUs não se ficam por aqui!

A AMD implementou uma tecnologia que denominou de SenseMI e que pretende garantir que o processador corre sempre de forma eficiente e optimizada. E tal funciona incluinda uma rede artificial no interior destes processadores que antecipam as decisões futuras, fazem a carga antecipada das instruções e escolhem o melhor caminho de processamento dentro do CPU.

Publicidade

Retomando o nosso artigo

 A AMD aplica ainda uma tecnologia de interconexão denominada de Infinity Fabric. Trata-se de uma forma inovadora e muito rápida e eficiente forma de colocar em comunicação várias partes de um SoC, e é algo usado não só nos CPUs Ryzen como tambem nos GPUs Vega. Como extra aparece uma gestão de energia eficiente, controlada por centenas de sensores que medem a voltagem, consumos e temperatura de todos os componentes, todos ligados a uma unidade central, ajustando as suas eficiências internas e alterando dinamicamente as velocidades de relógio, em passos de 25 Mhz, de forma independente de cada um dos componentes.

Vê-se claramente que a AMD não andou este tempo todo a dormir, e que apostou forte no seu futuro!

Uma última palavra para o Socket que será o AM4 que terá suporte DDR4, PCI-Express 3ª geração com suporte do protocolo NVMe, USB 3.1 2ª geração (10 Gbps) e M.2. e SATA Express.

 

Mas e quanto às placas gráfica?

Bem, no que toca às placas gráficas a AMD foi mais reservada e ainda não apresentou verdadeiramente nada! No entanto, apesar de nesta apresentação dos seus CPUs as Vega nem sequer terem sido aboradas, anteriormente a AMD tinha demonstrado a imprensa seleccionada, e à porta fechada uma Vega em execução, e que dizem os rumores será a que equipará a RX 490. O que se sabe ao certo é que ele era baseado na arquitectura Vega, e foi mostrada a correr o Doom a mais de 60 fps.

E isto nem seria nada demais, não fosse o facto que a resolução usada pelo jogo era, nada mais, nada menos, do que 4K, e o nível de detalhe era Ultra!

Eis as fotos comprovativas tiradas à socapa por quem esteve presente no local:

Daí que sem dúvida, especialmente depois dos preços agressivos da RX 480, há motivos para se querer saber mais sobre esta placa! Especialmente depois de vermos estes novos CPUs!

Publicidade

Posts Relacionados

Readers Comments (12)

  1. Interessante.

    Sempre optei pelo CPU e GPU AMD devido o baixo custo, mas os PCs não eram para jogos. Quem saiba se estas novas CPU(ou APU) vierem com um bom preço no Br eu acabe montando um novo desktop e quem saiba entre no PC gaming.

  2. Fiquei curioso em saber qual Vega (10 ou 20) foi usado para fazer DOOM correr a 60fps em 4k ( apesar das placas de video terem outros componentes de peso que podem ser montados para um performance superior).
    Penso que se a MS quiser reverter a supremacia da Sony, ela terá que ser bem agressiva com a configuração do Scorpion.
    Mas a questão é quanto isto vai custar $$$ aos “gamers dependentes”(Sem ofensas)?

    • Estamos em 2016 e estão já a ser fabricadas placas com 12 Tflops que considero o mínimo para uma nova geração. Em finais de 2018, especialmente se a Sony estiver desde já envolvida na criação das mesmas, poderemos ter surpresas a preços não muito diferentes dos que a Scorpio vai ter em 2016.
      O problema aqui, quer para a Scorpio, quer para uma PS5 acaba por ser a relação custo/longevidade.
      Essas consolas serão muito boas, mas arriscam-se a ficar obsoletas com produtos novos da concorrência em períodos de tempo muito curtos. E esse é o maior problema que vejo. E que aqui, ao contrário de muitos leitores eu não me preocupa se é a marca A ou B que domina, preocupante é o saber até que ponto o conceito de consola que tanto amamos está ou não condenado.
      Quanto à Vega deverá ser a 10. E muito cedo para a 20.

  3. A virada de jogo da AMD, pelo menos no mercado de gamers e profissionais gráficos. Principalmente com o CPU ZEN sendo uma alternativa real aos I7.
    Mostrar a GPU Vega para mim praticamente confirma que ela é a inspiração do que estará no Xbox Scorpio, principalmente por ressaltarem que foi criada com foco no 4k.
    Estimasse que o chip Vega será construído com a TSMC onde hoje é feito a Pascal da Nvidia, e que lá eles podem ter maiores frequências de Clock do que o que conseguiram com a Polaris na Global Foundries.
    Por coincidência, é a mesma fábrica onde é construído os chips do Xbox One S e possivelmente do PS4 Pro, este último que nunca foi confirmado.
    O que resta saber é se as diferenças entre Polaris e Vega vão além de frequências de Clock e quantidades de CUs, como é entre as placas GCN 1.2 e a Polaris.

    • Se isso aí se confirmar parece que teremos um belo sucessor pro 3DS…
      Não é atoa que estavam à dar uns aos passageiros de um avião nos EUA com a iJustine hehehe

    • Se isso se confirmar, significa que em termos de GPU o Switch é apenas 60% melhor que um Xbox 360 e mais de 3x inferior à um Xbox One.
      Sem duvidas, o Switch é só um portátil querendo ser mais do que pode.

    • Mario, tem um comentário meu aguardando moderação onde confundi o e-mail. Pode rejeitar por favor?

      Abaixo o que eu escrevi.

      https://www.youtube.com/watch?v=ExCavQVzNrc

      ” Trailer de Seasons of Heaven. O exclusivo Unreal engine 4 do Switch.
      Por esse vídeo dá para ter uma boa ideia do que pode ser esperado do console.
      Pelo fato desse vídeo ter sido postado no canal oficial do desenvolvedor, é possível que tenha sido capturado por uma alimentação direta do console e sem muita compressão, como por exemplo os vídeos oficiais disponibilizados nos canais do Playstation e do Xbox.
      Sendo assim, já é decepcionante ver que a qualidade de imagem está bastante prejudicada em algumas partes, levantando uma suspeita de que o jogo está correndo abaixo de 720p. O fato do vídeo ter como resolução máxima 720p e ainda assim parecer embaçado nas partes de floresta, mesmo quando visualizado de um monitor 720p, me leva a crer nisso.
      Fora isso, é possível ver que a GPU do Switch é plenamente capaz de apoiar efeitos que o Xbox 360 e PS3 nem sonhariam, principalmente em relação á iluminação e névoa. Algo no mínimo esperado de um console baseado na arquitetura Maxwell e com um API personalizado.
      O estilo de arte contudo se destaca acima das deficiências técnicas e tornam o jogo bastante interessante.
      Pra mim, a Nintendo ta vendendo o Switch errado. Isso aí mostrado como um portátil que eventualmente pode ser ligado na TV mediante a compra de um acessório vendido a parte(Dock Station), tornaria o produto mais interessante principalmente á um preço abaixo de $250,00.”

      • Se vires há incongruências na qualidade do mostrado nos minutos iniciais com o que se vê depois. É impossível que as cenas de floresta iniciais sejam em tempo real visualizando o que aparece depois.

        • Eu acho que é a iluminação criando uma ilusão sobre os gráficos. No minuto 1:04, temos uma imagem sem nenhum efeito de luz que me lembra o Ninja Gaiden do Xbox original e logo em seguida vem uma caverna iluminada por velas com visuais muito melhores. Todas as cenas com alguma iluminação até ficaram boas.
          Também a animação é bem fraquinha para um jogo de console de mesa para lançamento em 2017.

          Estou esperando só o preço do Switch para tentar entender onde a Nintendo quer chegar.
          Eu por exemplo, pelo que vi até agora só compraria esse console por causa de exclusivos se esses fossem muito imperdíveis e o preço do aparelho for bem baixo.

          • O que ali está não é nada de especial, apesar de agradar ao olho. O crysis fez isso com consolas bem menos poderosas.
            O que é de quesrionar ali é a diversidade de qualidade que há em certas cenas. Algumas estão excelentes, quase lembrando uma consola de nova geração, e outras… nem na geração passada.

Os comentarios estao fechados.