As alternativas ao iPhone no mercado Android

iOS-vs-Android

iPhone é iPhone… é o que alguns dizem. Mas com excepção do seu sistema operativo, o mercado Android oferece alternativas com idêntica qualidade de construção e mesmo hardware, por apenas 150 euros.

Se há algo que mercado Android sempre teve de bom foi a variedade. Especialmente para quem espreita o mercado Chinês podemos encontrar telefones de baixo custo com qualidade de construção em tudo semelhante aos dos produtos da Apple (que tambem são produzidos lá), bem como com hardware em tudo competitivo com o da Apple.

Um dos exemplos é o UMi Touch, um smartphone Android de baixo custo que aparenta ser especificações em tudo semelhante ao iPhone 6S Plus. Mas será que podemos mesmo comparar os dois?

UMi-Touch-vs-iPhone-6s

 

Olhando para a foto… sim, são diferentes! O UMi Touch não é um clone do iPhone 6S, e nem pretende ser. Mas tambem não vamos falar de clones, mas sim de dois telefones que no fundo acabam por competir a nível de qualidade e oferta, mas com custos bastante diferentes.

O UMi Touch é o topo de gama da marca, e possui um design interessante com um corpo em metal com 8.5 mm de espesura, uma bateria de 4000 mAh e sensor de impressões digitais, entre muitas mais caracteristicas partilhadas com o iPhone 6S.

É um telefone no qual a resistência é um dos seus pontos de destaque, estando disponível em dourado, preto e cinza escuro (imagem de cima). O seu design não se limitou a ser uma mera caixa, pois na realidade o mesmo mostra muitos pormenores de qualidade, com curvas que o tornam elegante e ergonómico e com materiais que aparentam qualidade, acabando com um desenho que mistura muito do iPhone com os Galaxy Note da samsung. Nesse aspecto, apesar de não estarmos em condições de fazer uma comparação precisa com a qualidade dos materiais do iPhone 6S, o que podemos dizer é que o UMi segue os mesmos conceitos de design e qualidade de materiais que o produto da Apple, apesar de muito certamente a qualidade não ser exactamente a mesma.

O leitor de impressões digitais funciona igualmente muito bem, revelando-se bastante seguro, revelando-se mais rápido que o presente no produto da Apple.

UMi-Touch-vs-iPhone-6s-Plus-1


Apesar de todas as marcas estarem a desenvolver leitores de qualidade com bom software, a rapidez do desbloqueio ainda é um ponto a considerar, e aqui a UMi anuncia que o seu produto é mais rápido que a concorrência.

A diferença não é verdadeiramente preponderante, mas o iPhone requer que o ecrã seja ativado antes de se poder proceder ao desbloqueio, ao passo que um simples toque no leitor de impressões digitais faz as duas coisas em simultâneo.

Falemos agora das câmaras. Ambos os telefones usam sensores da Sony, sendo que o UMi usa um sensor Sony IMX 328 que conta com 13 MP, sendo que o do iPhone 6s Plus é de 12 MP.

Naturalmente, e já falamos disso várias vezes, o número de Megapixels é apenas marketing não sendo atualmente das coisas mais importantes numa boa câmara, pelo que sem uma comparação lado a lado não podemos afirmar que a câmara do UMi se revele superior à do produto da Apple. Aliás quase que apostamos que isso não acontece, mas o facto é que cumpre a sua tarefa de forma mais do que satisfatória e usa um sensor de elevada qualidade do líder de sensores fotográficos, a Sony.

 

Onde o iPhone 6S Plus perde de forma clara para este UMi é na autonomia da bateria. O produto da Apple possui uma bateria de 2750 mAh, incapaz de competir com os 4000 mAh do UMi Touch. Curiosamente a maior bateria não aumenta significativamente a espessura do equipamento.

As diferenças maiores surgem depois na performance. O produto da Apple apresente um dos processadores mais rápidos do mercado, sendo por isso imbatível. Mas no mercado dos smartphones a performance não se revela tão relevante como nos PCs ou consolas. Na realidade, desde que munido de performance suficiente, os smartphones revelam-se mais do que capazes a realizar todo o tipo de tarefas, sendo que daí para cima a mesma se revela pouco relevante. E neste caso, o UMi possui performances mais do que suficientes para garantir a satisfação dos seus utilizadores.

  • Ecrã: LTPS de 5,5 polegadas
  • Resolução: 1920×1080 pixels (Full HD)
  • Densidade de pixels: 441 ppi
  • Chipset: MediaTek MTK6753
  • CPU: Octa-core de 1,5 GHz
  • GPU: Mali T720
  • Memória RAM: 3 GB
  • Armazenamento interno: 16 GB
  • Câmera traseira: 13 MP
  • Câmera frontal: 5 MP
  • Bateria: 4000 mAh
  • Sensor de impressões digitais
  • Preço: US$ 149,99 (aproximadamente R$ 548)

Com um preço tão atractivo, este é certamente um telefone a ter em conta, podendo vir equipado com o Android, ou até com Windows 10. E para aqueles onde a funcionalidade e qualidade do telefone conta mais do que a performance global, parece ser uma excelente alternativa aos iPhones de 700 euros.

E depois… é uma questão de margens de lucro.

Publicidade

Posts Relacionados

Readers Comments (2)

  1. O problema do Android pra mim é o próprio Android por que o hardware não deve em nada ao da Apple sendo muitas vezes melhor por um custo muito mais baixo, só que o sistema é muito genérico e são poucos os smartphones que duram mais de um ano sem que você tenha vontade de jogar-lo na parede por travamentos do SO.
    Infelizmente o melhor jeito de usar o Android é sempre manter a versão de fabrica, limpar caches constantemente e ter instalado o número mínimo de aplicativos possíveis.
    Tenho dois smartphones Motorola, um que nunca saiu do Android Kit Kat, tem poucos aplicativos e está perfeito, e outro que foi atualizado para o Lolipop e tem aplicativos que considero essenciais onde não consigo mais ouvir música e usar o GPS ao mesmo tempo por que o sistema engasga. Os dois tem apenas um ano.

    • Como eu sempre digo, compara-se batatas com batatas e cebolas com cebolas.
      Daí que comparar telefones Android com telefones iOS só pode acontecer de uma forma. Topo de gama com topo de gama. É que a APPLE não fabrica telefones baixo ou meio de gama, pelo que a tua comparação peca logo por aí (se andas a limpar coisas ou a queixar-te do número de aplicações, é porque tens modelos com pouca RAM, logo não são topo de gama).
      Para comparares o iOS com o Android, ou te limitas as caracteristicas, ou caso queiras comparar o mesmo a correr em smartphones terás de usar smartphones com caracteristicas idênticas. Este telefone que refiro no artigo, é interessante no sentido que possui exactamente um hardware capaz, mas infelizmente esta não é a realidade da maior parte do mercado Android. Se queres comparar absolutamente tudo ponto a ponto entre Apple e Android, precisas de um smartphone perfeitamente capaz de o fazer, e isso ou passa por uma boa escolha e análise do mercado, ou pela compra de material garantidamente bom, como os topos de gama da Samsung.
      Eu larguei o iOS faz agora 3 anos, e desde essa altura que ando pelos Samsung Note. E eles dão uma abada tremenda ao iOS em todas as especificações. O meu NOTE 3, comprado antes do 5S sair já possuia NFC, ecrã FULL HD (os novos são 2560×1440), 3 GB de RAM, multi tasking em janelas ou ecrã dividido, e muitas outras caracteristicas que a Apple só acrescentou com o 6. Aliás as ultimas apresentações da Apple até dão vontade de rir pois com excepção de uma coisinha ou outra que são efectivamente novidade, o resto, o grande grosso, já está no Android, especialmente nos samsung de topo, à muito, muito tempo.
      E nestes 3 anos, nunca limpei caches ou sequer me preocupei em optimizar o telefone ou em ver quantas aplicações tenho. Os Note sempre me funcionaram a todo o gás e sem qualquer problema.

Os comentarios estao fechados.