As melhores consolas de sempre

O artigo que se segue é de opinião e representa apenas a opinião do seu autor.

Qual a melhor consola que já existiu?

É difícil de dizer até porque poucos tiveram a possibilidade de as possuir todas. No entanto certamente, se pedíssemos um top 3 a várias pessoas, os ocupantes das diversas posições variariam.

A lista que se segue é o meu top 3 das melhores consolas de sempre, tendo sempre consciência que estou a deixar de lado outras consolas que me fascinaram igualmente, mas esse é o problema de uma seleção. Muita coisa fica de fora.

Nº 3 – Playstation 2



Se houve consola que me prendeu aos videojogos, ela foi certamente a Playstation 2. Na sua geração não era a mais potente, não era sequer a que tinha os melhores gráficos. Mas essa era uma época sã, uma época onde as pessoas se importavam pelos jogos… pelos jogos! E certamente a PS2 foi a consola que mais me cativou.

Aqui pela primeira vez experimentei um HD na consola, que servia basicamente para armazenamento dos jogos de CD, e para cargas mais rápidas. Não haviam ainda os patches ou as atualizações, e tudo era mais puro.

A consola valeu pelo seu suporte. Foi fantástica! Jogos de mais jogos de qualidade, alguns dos quais perduram em qualidade até hoje. Aqui vi Shadow of the Colossus, aqui vi Ico, aqui vi Gran Turismo crescer… enfim, tanto jogo de qualidade que me marcou até hoje.

A PS2 foi uma das consolas mais vendidas de sempre e com justiça. Efectivamente tratou-se de uma grande consola que ainda hoje traz recordações. É para mim uma das consolas de excelência.

Nº 2 – Playstation 4

Poderão estranhar ver aqui a PS4 e não em primeiro lugar… mas sinceramente, apesar de esta consola entrar no meu top, não ocupa o meu primeiro lugar. Talvez a questão da idade conte aqui, mas as memórias de bons tempos perdidos a jogar estão mais fortes em outra consola,

No entanto a PS4 não decepcionou. Foi uma consola que cumpriu com o prometido numa das gerações mais marcadas pela polémica e pelo incumprimento de promessas por parte da sua concorrente mais directa.

Grandes jogos e o habitual suporte por parte da marca marcaram mais uma excelente consola e deram continuidade a uma política de suporte que já vinha de trás da geração anterior, e cimentou a imagem da Sony como uma empresa que efectivamente sabe suportar os produtos que cria.

Grandes jogos, grande qualidade nos mesmos, definem esta segunda posição.

Nº 1 – Xbox 360

Certamente muitos estranharão esta consola ocupar o primeiro lugar. Mas quem o fizer certamente não será totalmente afastado de conceitos ligados a marcas. A Xbox 360 foi, a meu ver, um exemplo de uma consola bem feita e que se tornou por isso numa referência para mim.



E basicamente para isso contribuíram os seguintes pontos:

  • Uma arquitectura simples que permitiu explorar a mesma de forma simplificada e extrair-lhe toda a performance.
  • Um suporte digno dos melhores e que cimentaram definitivamente uma série de Franchisings exclusivos da Microsoft.
  • Um controlador fabuloso e que ainda hoje considero como o melhor alguma vez concebido para qualquer consola.

A Xbox 360 não foi apenas uma consola. Foi o pináculo da Microsoft neste campo! Ela deu a entender que o mercado poderia futuramente vir a ser completamente dominado pela Microsoft e que a Sony poderia ter de lutar muito para igualar. A consola tinha poucas falhas e não foi apenas mais popular por ser de uma marca que pouca ou nenhuma tradição tinha neste mercado. A Microsoft tinha entrado (e tardiamente) no mercado na geração anterior, e a sua consola Xbox teve um tempo de vida demasiadamente curto para se considerar que tinha ganho nome. Nesse campo a 360 entrou um pouco sem ajuda de um nome de suporte, e teve de lutar para crescer.

Conseguiu-o e muito bem. Um suporte fabuloso, jogos de topo, e hardware fantástico colocam esta consola como a minha favorita de sempre, e que nem o problema do RROD existente no início da geração chega para manchar essa ideia pela forma como a Microsoft deu resposta e lidou com o problema.

Notas finais do autor

Naturalmente que a grande ausente aqui foi a Nintendo. Não porque as suas consolas não prestam, mas apenas porque, por muita qualidade que encontre em certos jogos pontuais da Nintendo, que até acho serem dos mais fantásticos algumas vez criados, na sua globalidade as consolas são menos hardcore que as da concorrência. E dada a minha faixa etária, as consolas da Nintendo são em média menos interessantes para mim. Repito que isso não quer dizer que não reconheça a qualidade das mesmas, ou dos seus fantásticos jogos. Reconheço e no que toca aos jogos até os acho dos melhores alguma vez criados. Mas não é um ou dois jogos que fazem uma consola, é a generalidade do produzido. E nesse aspecto a Nintendo, neste top 3 teve de ficar de fora.

Numa outra nota, aquilo que foi a Xbox 360 é um dos grandes motivos pelos quais, na actual geração, tenho sido um grande critico da Xbox One e tudo o que tem rodeado a Microsoft.

Não consigo perceber, sinceramente não consigo, como é que uma empresa que já tinha construído os alicerces para uma grande consola, consegue, subitamente, derrubar tudo o que fora construído, e criar uma imagem radicalmente diferente da que existia anteriormente. A Microsoft passou a sua imagem de uma empresa que cumpria e entregava, para uma empresa que promete e não cumpre. A atual geração foi marcada por polémicas e mais polémicas em torno da Microsoft, mudanças radicais de políticas, com autênticas voltas de 180 graus, e uma falta de suporte ao seu produto nada condizente com o mostrado no passado.



Muitas pessoas entendem a minha atual postura como uma tomada de lados ou de partidos. São livres de o fazer! Mas na realidade o que se passa é apenas uma certa revolta pelo que se vê! Porque raio uma empresa que tinha tudo para ser bem sucedida, optou pelas medidas e atitudes que optou?

Querer que aquilo que se gosta e onde se investe seja um bom investimento e um produto suportado é algo que todos deveriam querer. Mas quando se vê uma marca a investir fortemente no seu produto, e a outra a desinvestir, é natural que as queixas apareçam! Há algum mal em se querer ver novamente o que já sucedeu no passado?

Agora os fanáticos da marca não veem isso! Para eles está tudo maravilhoso! Não é preciso mais… Mas com amigos desses, quem precisa de inimigos?