Battlefront: Rogue One X-wing Vr Mission – das melhores experiências VR de sempre.

Traduzir as sensações do VR em palavras é complexo. Nem sequer as imagens conseguem fazê-lo e uma imagem vale mais do que mil palavras. Mas podemos tentar, e se dissermos que esta missão VR incluida em Battlefront é a melhor experiência VR alguma vez criada, não devemos estar muito longe da verdade. E se és fan de Star Wars… vais-te mesmo passar da cabeça pois pela primeira vez… Tu estás lá!

Jogar VR em jogos com cockpits… WOW. E se for com um cockpit realista a coisa vai a outros patamares.

Ver um cockpit na TV é uma coisa, mas vê-lo à tua frente, ao teu lado, à tua volta, e vê-lo a mexer realisticamente, podendo interagir com ele, é algo completamente e radicalmente diferente.

Basicamente o cockpit, que nos jogos apenas quase serve para ocupar ecrã, ali ganha uma nova dimensão. O cockpit é o elemento que te emerge no jogo, e é ele que te transmite a sensação de estares efectivamente lá!

Ora a Criterion e a EA conseguiram aqui um feito com esta missão gratuita para Battlefront, e com ela criaram dos melhores, se não mesmo o melhor dos cenários que se pode criar em VR. É realmente algo fantástico!

A missão não é muito longa. Dura cerca de 15 minutos, e coloca-nos no corpo de um piloto rebelde do universo Star Wars. Mas aqui, colocar no corpo assume outra dimensão, pois um,a vez no jogo… vocês estão mesmo no corpo desse piloto. Olhem para baixo e vejam, pois o vosso corpo está mesmo lá!

Mas mais do que o jogo… o cockpit está lá! A 3D, com corpo, dimensão e com ecrãs e botões plenamente funcionais. Olhem pela janela e vejam o espaço, movam a cabeça e ela acompanha. Espreitem e o pormenor é revelado, e olhem para trás… e uma unidade R2-D2 está lá!

Star Wars Battlefront Rogue One X-Wing VR Mission 3

Tudo aqui se passa na primeira pessoa, e com todos os botões do cockpit ao vosso comando para brincarem. Muitos não fazem grande coisa, mas podem abrir e fechar as asas do vosso X-Wing, mudar o modos de tiro, e mesmo chamar a mira que Luke Skywalker usou no bombardeio na trincheira da estrela da morte.


Aqui as mãos da personagem não se movem e mantêm-se agarradas sempre ao joystick de voo. Mas focando a visão num botão um indicador de que o mesmo pode ser pressionado aparece, e carregando no X do controlador… Ele funciona!

Star Wars Battlefront Rogue One X-Wing VR Mission

 

A facilidade no controlo do X-Wing é quase imediata. Mas a vossa cabeça pode ficar um pouco confusa com o movimento da nave! Algo que, se fores um fan de Star Wars, rapidamente controlas pois a vontade de viveres mais daquilo que estás a experimentar naquele momento torna-se gigante!

Depois, mal a acção começa… estás no espaço. Teas a frota rebelde, tie-fighters e mesmo um encontro com um Star Destroyer.

Star Wars Battlefront Rogue One X-Wing VR Mission 9

Mas o realismo do cockpit não pára aqui. As luzinhas acendem, os paineis funcionam, podes activar os escudos, e quando levas tiros, saltam faiscas e fumo dos paineis. É o realismo ao extremo! Está fantástico!

Se Battlefront já me tinha fascinado pela qualidade gráfica e o facto de ser o mais próximo que alguma vez poderia estar no universo Star Wars, esta missão vai mais longe. Aqui posso dizer que eu fui mesmo um piloto da aliança rebelde, e estive mesmo numa batalha com um caça X-Wing. Pode parecer incrível, mas é mesmo assim! É o VR ao seu melhor nível, e a conseguir efectivamente levar-nos para dentro do jogo!

Esta é a malhor experiência VR que vivi até hoje, e ao mesmo tempo que me ajudou a concretizar um sonho de criança, o de estar dentro do universo Star Wars.

Agora só falta pedir que a Criterion e a EA façam um jogo completo baseado nesta demo. Porque certamente eu compraria!

PS: Esperem mais artigos sobre o VR. A experiência é indescritível e algo verdadeiramente único. 

Publicidade

Posts Relacionados

Readers Comments (17)

  1. comprei o jogo star wars battlefront de propósito para poder jogar esta “obra prima” e não me arrependo nada

  2. Realmente o PS VR é uma experiência única, não tem como descrever é fantástica e digo mais todo gamer tem que experimentar pois a imersão proporcionada pelo PS VR é um novo nível da evolução dos games na minha opinião. Mario por acaso você já testou o PlayStation room VR? Lá encontrei uma demonstração parecida com um jogo de aventura do Super Mario 3ds, que é um estilo de jogo que achei que não ia ficar bem no PS VR, mas para a minha surpresa a jogabilidade ficou ótima e me surpreendeu. Já faz mais de um ano que visito o seu site que acho um dos melhores lugares para quem gosta de games e suas tecnologias, não sou muito de comentar em sites ou foruns de internet porque a maioria das pessoas gostam de ficar desrespeitando o que as outras falam muitas vezes sem motivo só por pura diversão, mas tomei coragem e vou participar da sua comunidade pois aqui percebo que a pessoal se respeita e discute suas idéias sem baixar o nível, parabéns pelo site.

    • Eu ainda não vi tudo que tenho para o VR. E tenho muita coisa!
      O Playroom foi um deles, e sei que há lá inclusive algo para dois jogadores em que um joga com o VR e o outro na TV.
      Para mim o VR é o futuro, mas vejo-o mesmo assim como um gadget. Aliás o motivo porque ainda não vi tudo é que tenho receio que o seu uso excessivo possa fazer mal aos olhos, e daí que o estou a usar com moderação.
      Mas de resro, esquece. Qual 4K, qual HDR, qual quê. O que se se vive no VR é único, e é impossível de descrever. Tem mesmo de ser vivido, e não pode ser num VR de telemóvel com filmes 2D a 360 graus.
      De resto Marcos, dou-te as boas vindas e espero que participes. Recomendo que te identifiques de outra forma pois já há vários Marcos aqui, e isso permitiria às pessoas saberem melhor com quem estão a falar. Talvez outro nome, ou algo mais após o Marcos.
      Efectivamente não tem sido fácil manter a PCManias um lugar de discussão sadia. Eu permito wue se fale livremente, mas não permito ataques ou insultos. As mensagens são moderadas por isso mesmo, mas poderás livrar-te da moderação com uma participação activa e que não veja mensagens a serem cortadas ou ajustadas por serem ofensivas.
      Espero ouvir mais de ti. Todos temos algo a acresentar no que toca à diversão que é de todos. Mas espero só que quem participe não “veja só de um olho” (visão monocular), olhando para o mercado como um todo e não como se só a marca da consola que possui é que fosse boa.
      Aqui espero que as pessoas ajam como clientes, como consumidores, criticando o que está mal, e dizendo bem do que está bem, não fechando os olhos às coisas só porque é da marca A Ou B.
      Um bom ano de 2017 para time mais uma vez, bem vindo à discussão.

      • Obrigado pelas boas vindas e que 2017 seja um ótimo ano para você e e toda comunidade do PC Manias. Mário pode ficar tranquilo claro que tenho minhas preferências em games mas respeito quem gosta de outros consoles. Tive meu primeiro game que foi um Atari 2600 aos 6 anos e foi presente de natal dos meus pais. Foi incrível passei vários dias jogando Decathlon que era um destruidor de controles da época. Moro no Brasil e por aqui as coisas nunca foram muito fáceis, principalmente para adquirir produtos importados que tem preços abusivos. Mesmo com todas dificuldades a minha paixão pelos games nunca parou de aumentar e tive mais ou menos nessa ordem: Atari 2600, NES, Super Nes, NEO GEO Cd que foram dados pelo meu pai, só não tive o Master System e o Mega Drive da Sega por ter que escolher porque meu pai não podia me dar todos, mas sempre fazia uma visintinha na casa dos meus amigos para jogar um Master ou um Mega. Finalmente comecei a trabalhar e pude começar a comprar os meus games: PS ONE, SEGA Saturn, Nintendo 64, NEO GEO AES, PS2, Game Cube, XBOX360, PSP, PS3, sempre tive meu irmão mais novo como companheiro nessa paixão e ele também começou a trabalhar e daqui para frente começamos a comprar tudo juntos: PS Vita, PS4, XBOX ONE. Também tivemos muitos acessórios começando por controle arcade para Super Nes, Volante no PS2 PS3, Kinect, PS Move no PS3 e atualmente um volante G29 e agora o PSVR. Sempre vibrei desde criança quando uma nova geração de games era anunciada, acompanhava tudo por revistas e não via a hora de poder ver as evoluções gráficas e de jogabilidade na minha casa, como uma coisa sempre puxa outra também gosto de estar sempre acompanhando as tecnologias de tvs e desde a época do NEO GEO CD já usava cabo de super vídeo para melhorar a qualidade de imagem o máximo possível. Foi um sofrimento não poder comprar uma tv de plasma ou lcd no começo da geração do PS3 pois por aqui o preço era o mesmo de um carro popular, mas como toda tecnologia ela se tornou mais acessível após alguns anos e pude comprar a minha primeira tv lcd que foi uma evolução fantástica na qualidade de imagem. Sempre acompanho seus artigos sobre tecnologia e atualmente estou tentando seguir suas dicas e esperando um pouco as tecnologias estabelecerem seus padrões e não ficar com produtos que não atingem todo o seu potencial por limitações de hardware. Um exemplo é a minha tv 4k que é uma Sony XBR-55X905A que tem uma imagem muito boa mas não possui HDR e com o meu PS4 pro só funciona com YUV 420 4.2.0, o que é uma lastima porque sei que não estou a aproveitar toda a qualidade que o PS4 Pro pode me oferecer. Mas com o tempo vou aprendendo e graças aos seus artigos hoje sei que nem o tão falado HDR tem um padrão definido e nem tvs capazes de executa-lo perfeitamente. Desculpe-me pelo longo texto, mas sinto-me conversando com um velho amigo com o qual as conversas são sempre interessantes e não tem hora para acabar, valeu.

        • Ah decathlon… hehehehe… Joguei no spectrum! Era esborrachar teclas, hehehe
          Vejo que tens um passado, tal como eu, ligado a tudo isto, e como tal és um apaixonado!
          E conversa sempre que quiseres… Os comentários servem para discutir artigos, mas a página é feita para quem tem paixão pelos videojogos e tecnologia, e a paixão discute-se assim mesmo, conversando, mesmo que off topic!
          Já agora, tambem partilhas a minha opinião que o VR foi a maior revolução que apareceu alguma vez nos videojogos? Eu só posso dizer que era um céptico e se acompanhavas a PCManias eu nunca dei aquilo como algo de interesse.
          E apesar de continuar a achar que aquilo tem de ser usado com moderação, atualmente só procuro cenas para o VR. Estar dentro dos mundos, sentir os mesmos a 3D e poder interagir dentro deles é algo de fantástico.

          • Comprei o meu PS VR no escuro, não tive com testa-lo antes de comprar, aqui no Brasil ele está muito caro e não tenho nenhum amigo que tenha comprado um. O meu irmão não queria ariscar e achava que não valia a pena. Tomei coragem fui a loja de games de um amigo e comprei. Quando cheguei em casa meu irmão falou que eu era maluco e que eu estava jogando dinheiro fora. Não falei nada e montei o PS VR pensando: Será que fiz besteira? Aproveitei liguei o meu G29 e coloquei o único game que comprei: Drive Clube VR, um jogo de corrida e que é um dos estilos que mais gosto nos games e eu tinha certeza que ficaria fantástico no PS VR.
            Assim que coloquei o PS VR na minha cabeça todas as dúvidas quanto ao investimento foram embora na hora, aquela sensação de imersão foi uníca, superou todas as minhas expectativas realmente era um sonho de criança sendo realizado: eu finalmente estava dentro de um game. Demorei um bom tempo para começar uma corrida pois fiquei vendo cada detalhe do painel, dos bancos, do cenário era surreal. Tenho que relatar que os gráficos deixaram um pouco a desejar principalmente se você comparar com a versão normal de Drive Club que até hoje é um game que tem gráficos acima da média, mas o foco do VR não são gráficos e sim a experiência. Comecei a jogar e fiquei fascinado senti mais facilidade de jogar com o G29 no PS VR do que na versão normal do game.
            O segundo game que joguei foi a demostração de Until Dawn: Rush of Blood e também me surpreendeu a imersão, a jogabilidade era perfeita, não resisti entrei na psn americana e comprei o game que custa apenas 20 dólares, uma bagatela. Fiquei imaginando porque a SEGA não lançou um remake de The House of Dead para PS VR pois ia ficar perfeito.
            Chegou a hora do meu irmão experimentar o VR e eu não via a hora de ver as suas reações. Como ele é fã de Resident Evil coloquei a demonstração de R7 Kitchen, e ele adorou e finalmente entendeu qual era a proposta do VR e também ficou rendido.
            A única coisa negativa com o PS VR é que eu senti A tal doença de movimento e fiquei com o estômago embrulhado jogando Drive Club VR, já o meu irmão não sentiu nada é um sortudo. Agora venho tentando acostumar o meu corpo e mente para sentir menos a doença de movimento e estou conseguindo, já consigo jogar o Drive Club por mais de uma hora sem ter problemas.
            Sempre convido meus amigos para testar o PS VR aqui em casa e todos tem a mesma opinião ao testar, que o VR é fantástico e assim que o preço baixar vão comprar um também.

          • O Driveclub VR é o único jogo que testei até agora que nem planeio voltar a jogar. Deu-me náuseas e quase vomitava! Nem sequer volto a tentar!
            Creio que o problema é a velocidade extrema e o corte da mesma nas travagens. A tua cabeça espera o impulso e ele não aparece, e como tal sentes a cabeça oca!
            Relativamente a grafismo, o Driveclub é o pior jogo VR que testei. Mas experimenta o Batman e depois falamos. Infelizmente é muito pequeno, mas é fantástico e para mim das melhores experiências VR.
            Se bem que sendo fan de Star Wars, o X-Wing para mim bate tudo!

  3. Realmente preciso jogar esse Batman, outra expriencia que gostei bastante foi da ultima demonstração do residente evil 7, fizeram uma adaptação na rotação da câmera que torna o jogo bem mais confortável, ela gira de 30 em 30 graus oque diminui bastante o enjôo, fora isso o jogo é muito detalhado dá para passar horas dando uma olhada na casa dos Bakers realmente parece que você está ali dentro. Mário só por curiosidade você sente algum incômodo visual ao jogar o PS VR? Eu jogo utilizando meus óculos de grau e não tenho nenhum tipo de fadiga visual.

    • Tirando o Driveclub, nunca senti qualquer perturbação com o uso do VR.
      Mas o Driveclub é famoso por isso. Há algo na sua implementação que não estará perfeito. Quando o jogo foi demonstrado a maior parte dos reporteres sentiram-se mal com ele.

      • Corrijo. Tive vertigens no Batman. Mas isso foi pelo realismo da altura e pelo facto de ter imensas vertigens. Mas por acaso nesse caso até achei a coisa interessante pelo realismo adicional da coisa.

        • Esse tipo de vertigem deve ser normal, no untildaw quando o carrinho começa a parte de montanha russa chega a dar um frio na barriga que não chegou a me incomodar e até achei legal.

    • Fala Marcos1977, assim como você também gosto de jogos de corrida. Ainda não tive a mesma coragem de comprar um VR, até porque o herdeiro está a caminho.

      Também jogo com volante no PS4, só que uso o G27+adaptador GIMX, esse adaptador faz o PS4 pensar que o G27 é um G29, pois no teste com Project Cars informa isso, se eu espetar no PC(Linux) é informado que é um dispositivo G29.

      Falta testar o volante+adaptador no F1 2016 que adquiri há poucos dias.

      Me adiciona, é só colocar “_siqueira” após o meu nome que aparece acima.

      • Beleza Lívio já te adicionei lá na lista de amigos e parabéns pelo seu futuro herdeiro. O meu nick vai aparecer como magbr. Quanto ao Drive Club Vr ele é ótimo para se jogar com o PS VR+G29 mas tem que ir com calma que o bichinho me embrulha estômago que é uma beleza, mas dá para ir se acustumando com o tempo, mas se você tiver sorte não vai sentir nada como o meu irmão que joga sossegado.

Os comentarios estao fechados.