CD Project Red refuta qualquer monetização do seu Cyberpunk 2077

A resposta surgiu no Twitter, e de forma clara, face a tentativas de colagem do seu futuro jogo às práticas da EA.

Numa entrevista dada por Adam Kiciński da CD Project Red sobre Cyberpunk 2077, este referiu:

Online is necessary or at least very recommended if you wish to achieve a long-term success… There will be online elements in Cyberpunk.

Traduzindo:

O online é necessário ou pelo menos recomendado se queremos ter sucesso a longo termo… Existirão elementos online em Cyberpunk.



As frases são o que são… e dizem o que dizem. Não permitem concluir muito, mas no entanto houve quem o tentasse fazer, e nesse sentido, a colagem com um jogo mais ao estilo de Destiny ou de The Division apareceu logo, criando a imagem que a CD Project Red se estaria a colar ao Online, ao Pay2Win, e micro-transações (que de micro já não tem nada).

Mas a realidade é que elementos online Uncharted 4 tambem tem… e não é um jogo Online. Assassins Creed: Origins tambem tem… e não é um jogo online! E interpretar mais do que é realmente dito é abusivo. Mais abusivo ainda é fazer a colagem às más práticas de mercado, algo que historicamente a CD Project Red nunca fez.

Daí que a sua resposta à pergunta se a equipa estava a considerar “jogo como serviço” em Cyberpunk 2077, a resposta tenha sido bem clara:

O jogo seguirá as linhas de The Witcher 3, sendo Single Player (com componentes online, tal como referido). O que se paga… é o que se tem… E “a ganância fica para os outros”.

Ora aqui está um jogo que certamente irei comprar… só por esta resposta já merece o dinheiro! Defender os jogos com eles sempre foram, fazendo-os valer pela qualidade, é certamente meritório.