Com a Scorpio, a Microsoft volta às raízes.

A Xbox One foi um espalhanço da Microsoft em todos os aspectos, mas com a Scorpio a Microsoft parece finalmente ter tomado um rumo, e volta às raízes que fizeram da 360 uma consola tão forte.

A Xbox 360 era uma consola… HARDCORE! Criada para o jogador hardcore, ela pouco ou nada tinha de casual.

Mas tal não foi sempre assim. Efectivamente, já em 2010, quando perante o sucesso da Wii e os seus jogos casuais, a Microsoft resolveu tentar alcançar igualmente um pouco desse mercado e lançou o Kinect. Mas a verdade é que, apesar de algum entusiasmo inicial com o Kinect como novidade, a Xbox 360 nunca se virou para aí, e o sucesso deste periférico foi apenas pontual, sendo que a consola nunca foi olhada como casual.

A questão é que a Wii com os seus jogos casuais, vendeu 100 milhões… e a Microsoft nunca desistiu de querer tirar partido desse sucesso! Aliás, em 2013 a Microsoft estava tão obcecada com o ganhar mercados que os tentou apanhar todos de uma vez. E quando lançou a Xbox One, a mesma acabou por sofrer com a falta de rumo devidamente direcionado da empresa.

A Xbox One foi apresentada como um tudo em um. Era um centro multimédia, era uma consola onde se podia ver TV, uma consola que teria associações com canais desportivos e onde os seus possuidores poderiam sobrepor dados estatísticos sobre a imagem da TV, era uma consola virada para as séries, incluindo algumas séries que a Microsoft se propunha produzir, era uma consola que teria suporte para gravação video, uma consola com leitor de Blu-Ray, uma consola com video conferência, uma consola que poderia substituir uma set top box, uma consola com suporte para o Kinect com jogos casuais, uma consola com comandos de voz, uma consola integrada com a Cloud, uma consola com isto, com aquilo, e com tudo o resto.

Publicidade

Retomando o nosso artigo

Onde a Microsoft falhou no meio de tudo isto foi em apresentar a consola como aquilo que todos esperavam que ela fosse. Uma consola dedicada a jogos e aos jogadores mais harcore. Tal como a 360!

E os resultados, associados a políticas de DRM, foram sendo vistos. Ao ponto de a Microsoft ter de remodelar todo o conceito da consola, cancelar 90% das promessas, substituir a direcção da divisão, e fazer sabe-se lá mais o quê para que a divisão Xbox subsistisse.

A Xbox One foi um espalhanço, e apesar de liderança de Phil Spencer lhe ter dado um rumo, mesmo aí ainda houve muita decisão pouco orientada e provavelmente tomada como consequência das más decisões do passado.

Mas eis que agora surge a Scorpio… a nova consola de meio de geração da Microsoft. E o que vemos?

A Microsoft corrige a mão, dá uma volta de 180 graus no conceito original da Xbox One, e regressa às origens de forma clara!

A Scorpio não se propõem ser um tudo em um, não se propõem integrar com a TV (apesar de manter o HDMI IN, o que diga-se é uma mais valia dado o número limitado de portas da maior parte das TVs), e não se propõem a ser um certo de entretenimento (Sim há lá funções de entretenimento, mas desta vez elas são encaradas como meros extras, tal e qual como acontecia com a 360)! Diga-se aliás que a única coisa que ela se propõem de forma séria, é em ser uma consola hardcore para os jogadores mais exigentes. Aqui a ideia é ser uma máquina poderosa para quem quer gráficos de topo e está disposto a pagar por eles. Uma máquina capaz de oferecer o mesmo que o PC oferece nos jogos Xbox, mas no formato consola, e a um preço mais acessível.

E nesse aspecto não só o hardware escolhido comprova isso mesmo, como a remoção da porta Kinect tambem mostra que a Microsoft coloca mesmo de lado a ideia do casual como componente fulcral na sua nova consola.

Naturalmente a mesma pode suportar jogos casuais, como qualquer uma pode, mas deixa de ter suporte a situações pensadas de raiz para eles. É um regresso ao conceito da Xbox 360.

Mas apesar de tal, tambem é certo que este tipo de situações, como consolas de meio de geração não são bem vistas por muitos. Eu pessoalmente sou uma dessas pessoas! Não só não aprecio o conceito, como preferia que ele não existisse! Abomino-o mesmo!

Para além do mais, não vejo nos 4K uma mais valia. Tendo passado pela evolução do PC, foi notória a evolução gráfica quando se passou dos 320×200 para os 640×480. No entanto a passagem para os 800×600, apesar de interessante era dúbia. Entre o ganho de resolução ou a possibilidade de melhorar a qualidade do grafismo e fotogramas a 640×480, a segunda hipotese era muitas vezes preferível.

Publicidade

Retomando o nosso artigo

E o mesmo aconteceu quando da passagem dos 800×600 para os 1024*768 e dos 1024*768 para os 1280×720. Os ganhos de resolução eram visíveis, mas a resolução inferior trazia outras vantagens que por vezes eram preferíveis, especialmente no caso dos 720p onde a passagem do formato de ecrã dos 4:3 para os 16:9 não era algo acessível a todos.

Atualmente a coisa atingiu um patamar onde a vantagem da subida de resolução é cada vez mais dúbia. É que passar dos 1080p para os 4K não é algo que seja perfeitamente visível uma vez que, ao contrário dos monitores, não estamos a 1 m de distância do ecrã. E aqui, dependendo da distância de visualização e do tamanho do ecrã, optar entre um aumento de 4x a resolução ou 4x a qualidade gráfica, a última opção parece muito mais atractiva.

Nesse sentido, estas consolas de meio de geração que se propõem trazer os jogos para resoluções superiores não soam, pelo menos nesta fase, como uma proposta de elevado interesse, especialmente não vindo munidas de um HDMI 2.1 que tire partido da resolução 4K na sua plenitude. Leiam este artigo se querem perceber o porque!

Agora a realidade é só uma. Mesmo não se olhando para estas consolas de meio de geração com bons olhos, elas existem, e aqui, perante a realidade podemos encarar a coisa de duas formas, aceitando-as, ou sendo um revoltado contra o assunto. Mas não podemos fazer estas consolas desaparecer! Daí que a revolta seja um pouco inglória uma vez que sabendo-se que o mundo irá aceitar a sua existência, a mesma não nos traga vantagem nenhuma.

Para além do mais, a Scorpio é uma consola muito bem pensada. Uma consola que, agora que vemos as suas especificações, se percebe que foi criada com duas intenções, a de levar os jogos Xbox One aos 4K, e a de ser uma consola base para uma futura Xbox Two. E nesse aspecto, a consola equivalente da Sony, a PS4 Pro, não está igualmente colocada.

Um roadmap da AMD até 2020 mostra que as placas 24 Tflops poderão ser uma realidade até lá. Mas caso pudesse surgir uma consola com esse hardware a questão seria: A que preço?

E mesmo que tal seja possível, 24 Tflops é apenas 4 vezes mais do que a Scorpio oferece. E 4K tambem é exactamente 4x mais do que 1080p. E isso quer dizer que a Microsoft posicionou a sua consola de forma a que, mesmo que a 1080p, que em 2020 deverá a ser a resolução mais comum, a mesma consiga acompanhar uma possível futura consola. Aliás terá sido nesse sentido que acrescentou as optimizações ao CPU Jaguar, criando ali um CPU de capacidades igualmente intermédias, e acreditando que até lá o GPU compute estará mais evoluído com a dependência do CPU a ser bem menor. Basta ver que se tem falado muito que Forza corre a 4K 60 fps com o nível de detalhe Ultra do PC, usando apenas 88% dos recursos do GPU da consola, mas tem sido esquecido que um PC que use o mesmo nível de detalhe está normalmente equipado de um processador i7 ou um i5 topo de gama, mostrando que o pequeno Jaguar se está igualmente a superar.

Neste aspecto a Scorpio torna-se deveras tentadora. E com uma expectável orientação da Microsoft no bom sentido, ainda mais.

Claro que ninguém pode pedir às pessoas que pura e simplesmente ponham para trás das costas 4 anos de erros e de más decisões, e essa imagem irá custar a desaparecer. Mas no entanto o rumo parece traçado no sentido de no futuro voltarmos a ter do lado da Microsoft uma empresa ao nível do que nos mostrou ser capaz de atingir com a 360. Falta apenas fornecer o suporte jogos à Xbox que deu à 360, e nesse aspecto a E3 deste ano será super relevante, pois tudo o que foi dito torna-se irrelevante se esmagado por uma elevada quantidade de jogos de qualidade de topo da concorrência. E perante um mercado com 92% de ecrãs 1080p, mostrar imagens com um mero aumento de resolução para 4K não serve de nada.

Esperemos que a Microsoft não desiluda… porque a Scorpio apenas nos fornece uma orientação, mas o caminho há ainda que ser trilhado, e a Microsoft nos últimos tempos tem tido muita tendência a não andar em linha reta.

 

Publicidade

Retomando o nosso artigo
Publicidade

Posts Relacionados

Readers Comments (70)

  1. Por acaso aguardo com alguma ansiedade esta E3. Sem dúvida que tudo dependerá de jogos que serão anunciados e o preço da consola. Acho que se a consola saísse a 499 euros na minha opinião é um preço justo, não podemos esquecer que a Ps4pro apesar de ser um pouco inferior, estará no mercado a preços competitivos e a correr a toda velocidade com jogos e suporte que todos sabem. Na tua opinião Mário e perante a máquina que a Scorpio é, que preço achas que seria justo aos consumidores? Abraço.

    • Vendo muitos comentários sítios afora dá a entender que o preço será U$500 / €500 que, embora seja caro(e no mesmo preço de lançamento do One), muitos já defendem que o valor compensa devido o hardware disponível. Em 2013 o valor não era justo, mas se por acaso em 2013 o PS4 saísse com o mesmo valor de €500 muitos não achariam que seria um preço justo?

      Mas vou mais além, já dei um palpite aqui meses atrás que a MS poderia colocar o valor de U$450,00 ou até menos, mesmo que tenha prejuízo nos meses iniciais, para tentar arrancar de qualquer jeito os usuários do PS4, principalmente aqueles que eram do 360 na geração anterior.

      Sobre a E3 muita gente está ansiosa, claro que a atenção será para a conferência da MS onde será somente jogos(já vi essa conversa em 2013 após o fiasco da apresentação do One, espero que em 2017 seja diferente). Saberemos quais novos jogos virão, quais continuações virão, quais serão as estratégias de parceria da MS(sempre tenho a esperança de Silent Hills voltar como exclusivo, mas não sei de qual lado), o design do Scorpio que muitos estimam ser semelhante ao Slim e enfim o preço do aparelho.

      Mas Ricardo acho que muitos estão ansiosos pela E3 por uma novidade neste ano, a conferência da MS acontecerá 1 dia antes ao da conferência da Sony.

      Se nos anos anteriores as conferências aconteciam no mesmo dia com diferença de poucas horas e mesmo assim a Sony conseguia contornar as novidades da MS fica agora a curiosidade de como será a conferência Sony 1 dia após a da MS. Sendo que a MS vai apresentar seu novo hardware e com certeza colocará um preço competitivo. De cara a Sony irá contra atacar exibindo jogos e a lista do que tem ainda para sair não é pequena.

      Enfim só espero que nesta E3 a MS não pise na bola e apresente jogos com foco no One também, mostrando gameplays nesse aparelho e não só apresentando jogos com “super” gráficos no Scorpio.

      • 450 é o preço ideal acreditando que a Pro descerá de preço e que mais de 100 euros se torna uma diferença relevante.

        • E não duvido que seja este valor, pois na Windows Store americana o menor preço para o Slim é U$249,00 e o maior U$349,00.

          A MS pode simplesmente fazer igual a Sony fez com o Pro e colocar uma diferença de preço de somente U$100 entre seu modelo base e o modelo de meia geração.

          Agora imagina a MS colocando o preço de U$450,00 no Scorpio e diminuindo um pouco mais o preço do One Slim de 1Tb para U$300,00, qual seria o preço que a Sony adotaria para os seus aparelhos?

          Fonte: https://www.microsoftstore.com/store/msusa/en_US/cat/Xbox-Consoles/categoryID.3836849200?icid=XboxUber_subnav_XBOconsoles_102116

          • PS4 slim a 199$ (1tb a 250$), PS4 Pro a 299$.

            Tendo em conta o hardware de cada uma esse será o preço a que Sony venderá cada consola, mas só se tiver necessidade disso.

            Margem de manobra tem.

          • Eu já pensava em preços mais inferiores, pois pelo que lembro o Pro já chegou a ter esse preço em alguma promoção.

          • Isto já é uma grande redução.

            Aqui a PS4 está a 299$, com promoções ocasionais a 250 aproximadamente. É uma redução de 100$.

            Acho que já é competitivo.

            Além disso podemos estar a falar de promoções até 150$ de futuro.

  2. Tô com a impressão que a Microsoft vai arrebentar nessa E3, será a ressurreição da marca Xbox

  3. eu ainda acredito no pai Natal…lol acredito que a MS vá apresentar como um dos jogos a 4k da Scorpio o Scalebound…eheh, não, não estou a trollar, acredito que a MS vá recuperar a IP entregar a outro estúdio e anunciar na E3 …

    • Com direito a rodar no One?

      Também tenho este pensamento, pois viram a reação negativa devido o cancelamento, mas se por acaso um dos motivos para o cancelamento ser devido o hardware do One, como lançar para o Scorpio e manter a compatibilidade com One?

  4. Existe uma coisa interessante na concepção do Xbox One que não existiu no Xbox 360 e temo que não exista no Scorpio, a necessidade de otimização das ferramentas e foco dos desnvolvedores internos em extrair o máximo da máquina.
    O Xbox 360 era aquele console fácil de desnvolver onde um Dev demorava quase nada para fazer a mesma coisa que demorou um certo tempo para extrair do PS3. Por exemplo, Crysis 2 e Rage, os dois jogos que mostrariam qualidade de PC nos consoles, foram desenvolvidos no PS3 como plataforma principal e portados para o 360 com facilidade e essa versão teve o melhor desempenho. A facilidade fez com que os devs não fizessem tanto esforço para extrair o máximo do console, como no xbox original o fato de ser muito mais poderoso que a concorrência também criou essa suposta acomodação. O ultimo jogo AAA do 360, o Rise of The Tomb Raider deixou claro que a plataforma não foi explorada ao máximo, como o PS3 foi, que nos últimos dias apresentou The Last Of us, com uma performance sofrível na casa dos 20fps em várias situações, mas com visuais muito acima do que se esperava.
    O Xbox One representou algo que não se viu antes em consoles da Microsoft. Uma maior personalização de hardware, um maior envolvimento com desenvolvedores no sentido de ajudar a extrair mais performance, como por exemplo os casos de Destiny e The Division, e um foco continuo em melhorar os SDKs e introduzir uma API específica.
    É inegável a evolução dos jogos esclusivos da Microsoft ano a ano até chegar aos visuais de games como Forza Horizon 3 e Gears of War 4.
    Esse voltar às raízes pode significar que ocorra um certo relaxo, pois agora os devs novamente não precisam de muito para mostrar no scorpio jogos correndo melhor do que nos concorrentes.
    Espero que continuem trabalhando em evoluir o desenvolvimento do Xbox One, mas eu temo que dessa vez ocorra o 180 do consumidor. O público sedento por novidades e que está cada vez mais entusiasta pode vir a comprar o Scorpio em um ritmo que ele não demore muito para se tornar o produto de maior relevância na família Xbox. E isso não é difícil de ocorrer, a aceitação inicial do Scorpio está muito melhor do que a do PS4 Pro, e é aquilo, o Scorpio é console que vai rodar melhor o Call of Duty, Star Wars Battlefront 2 e o Red Dead Redemption, e enquanto você ve em um artigo que exclusivo x vendeu 2,8 milhões em 2 semanas, esses jogos vendem isso em 24 horas e muito mais consoles que todos os exclusivos de um fabricante no mesmo ano.

    • Não sei se é bem assim.

      Ao contrário da PS3, a 360 possuía um hardware mais óbvio. E também sem grandes segredos. Era um cpu mais fraco de 3 núcleos genérico, e um GPU pouco mais poderoso que o RSX.

      A PS3 obrigava a mais programação especializada para se extrair performances, devido ao cell que encerrava em si muita performance por usar.
      Era bastante mais poderoso que o cpu da 360.

      Aliás a 360, como bem sabemos acabou por ganhar muito com o cell, devido ao aproveitamento do multinúcleo.

      Será que a geração anterior teria entregue o que entregou sem o Cell? Será que teria durado tanto?

      Tenho mais certezas quanto ao potencial por usar do cell do que da 360.

      Mas se realmente há potencial por usar, há várias razões para isso:

      Em primeiro as ferramentas de desenvolvimento. A Sony, não estando presa ao Windows, sempre as teve melhores que as da Microsoft.

      Aliás, isso notou-se nos exclusivos. Pelo que dizes só tiveste jogos com qualidade PC a partir de 2011 na 360. Bem na PS3 já em 2007 tiveste jogos que suplantavam o PC da altura na PS3, com Heavenly Sword e Uncharted, que me recorde.

      E agora com o DX12 partilhado a questão é até se estão a aproveitar a ONE, ou a fazer apenas o que pode ser depois portado para PC.

      Quer dizer, os exclusivos Sony estão tecnicamente muito à frente do que a ONE tem entregue. Será por limitação do hardware somente ou está associado à API também?

      Em segundo, o facto de a Microsoft não ter tido estúdios internos a fazer AAA a geração passada.

      É que o nível de acesso ao hardware a nível interno não é o mesmo que a nível externo. Um estúdio interno tem maior acesso e maior liberdade.

      No entanto sendo a Scorpio uma consola de meio de geração, a resposta à tua pergunta é a resposta à questão de se a Microsoft aproveitará a Scorpio como uma nova geração não é?

      Uma coisa leva à outra.

      A ONE foi uma asneira da Microsoft devido a mau planeamento, e a uma falta de foco. Toda esta festa em torno do Scorpio é o admitir disso pela empresa, e pelos mesmos fãs que em 2013, negaram e atacaram quem lhes dissesse isso.

      Seja como for a grande questão é se há mercado para o Scorpio.

      A Microsoft e os fãs mais acérrimos, desesperados por virar o mercado esperam que a consola vire a mesa, e por isso se vê nesses círculos um grande alarido em torno da consola.Mas no resto… Nem tanto. O tempo o dirá.

      Mas se nem a Pro que entrega o que a PS4 entrega mas a 4k, conseguiu deixar marca, como é que a Scorpio, sem nenhuma bomba capaz de combater as munições da Sony, de que se tenha conhecimento, o irá conseguir?

      É que thirds existem nas duas e se a performance fosse assim tão importante, a Pro teria tido mais sucesso.

      • Consumidor não ira olhar a Scorpion como console d meia geração , acredito que que vao olhar como nova.
        Mercado só depois da E# e seu lançamento vamos saber, MS errou com o One minha opinião sim mais a mesma não esta a ter prejuízo com a consola, mesmo vendendo menos em quantidade que a sua rival.
        A Pro é diferente do Scorpion isso so pelas especificações da consola já mostra, agora se a MS ira fazer a mesma coisa que sua rival fez na geração no começo isso é outros 500, se usar deste marketing pode ganhar assim como a sony ganhou nesta geração.

        • Bem, olhar o consumidor pode olhar como quiser, mas isso não vai invalidar uma realidade. A consola ou é, ou não é de meia geração!
          Quanto à Microsoft errar com a One. Isso está mais do que provado. Mesmo que a consola dê lucro, o que não duvido, o seu sucesso face ao da concorrência foi pouco! Para quem queria vender 1 milhão de consolas…
          De resto uma coisa é mostrares jogos a 1080p contra 900p ou 720p quando o mercado é 92% 1080p. Agora mostrar jogos a 4K quando apenas 5% do mercado é 4K… É algo que vamos ver se convence!

          • Errata: …vender 1 bilhão…

            1 milhão já conseguiu há tempos! 🙂 🙂

          • Claro por isso o consumidor associa da maneira que lhe convem, errar a mesma errou em estrategia porem no final das contas o que importa é nao ter prejuizo, vamos saber apos ser lancada, previsoes isso qualquer umpode fazer.

          • Quanto ao prejuízo acho que é consensual que ele nunca existiu!

          • Tens esses dados fáceis sobre o mercado em 4k?
            queria mostrar para algumas pessoas que só falam de 4k agora.

          • Sobre quotas de mercado não é fácil dados, pois não se arranja isso facilmente, seja a 4K ou a qualquer outra resolução, mas os 5% é valor referenciado.
            Mas não é dificil perceber-se a realidade das coisas olhando para esta tabela:
            http://sportsvideo.org/main/files/2015/03/4k-tv-in-consumer-market.jpg
            Os Tvs 4K apareceram em 2012, com uma percentagem negligenciável das Tvs despachadas, e tiveram algo significativo em 2013, onde nessa altura representaram 1% das Tvs despachadas (não vendidas).
            Em 2014 foram 5%, em 2015 11%, 2016, 19%, 28% em 2017.
            Olhando para os totais de Tvs despachadas até 2017, e isto só contando desde 2012 (e as 1080p existem à mais tempo), tens 1439,5 milhões de Tvs não 4K despachadas.
            As 4K despachadas foram 258,3 milhões…
            Ora estando 1439.5 para 100%, 258.3 são 17,9% (despachadas, não vendidas)!
            Ora se pensares que as Tvs 1080p apareceram não em 2012, mas sim em 2006 (mais 6 anos), não é dificil perceber-se que as 4K, mesmo que possa ser mais coisa, menos coisa, não passam dos 5% (vendidas).

        • Será?

          O que dizes depende da postura da MS face à Scorpio, o que é delicada, pois ou aliena completamente a ONE, ou não.

          Mas não só.

          Já não estamos em 2013. A Scorpio não chega no fim de uma geração de 7 longos anos.

          Neste momento estamos no auge da atual geração, logo após um grande salto em termos de qualidade visual do que se consegue obter.

          A PS4 está a 299$ com uma expectável descida de preço no Outono e com um catálogo de jogos exclusivos sem precedentes e muito forte,
          prestes a chegar.

          E a marcar novo standard gráfico a acreditar no que foi mostrado.

          Basicamente, a Scorpio vai oferecer o mesmo mas a 4k. E será mais cara.

          Mas o pior é: a MS precisa de apresentar um system seller que combata o que a Sony está a preparar. E eu não vejo de que forma ela vai fazer isso.

          Acaba de perder a Remedy, e um novo IP da 343 industries ou da Blackberry thusk ou de outro estúdio terá que ser algo do outro mundo.

          E sinceramente acho isso difícil.

          O que alguns fãs esperam é um acordo de exclusividade, com um grande thirds.

          Mas acho que nem isso será suficiente.

      • O Hardware do 360 era mais óbvio sim, mais poder de GPU em uma arquitetura mais eficiente do que a da Nvidia utilizada no PS3. Apesar do CPU do PS3 ser melhor, o 360 como console ainda era melhor, e isso quem diz são os próprios devs. Volto aos exemplos de Rage e Crysis 2, os dois games, quando em início de desenvolvimento, os devs diziam que a versão PS3 seria a melhor dos consoles e no fim das contas não foi. Independente da volta que fizessem, ao portar para o 360 conseguiram resultados bem rápidos. Essa facilidade permitiu que o console não fosse tão explorado até o fim. Mas não é verdade que não teve desenvolvimento AAA de first party, assim como também não é uma verdade absoluta que tecnicamente os exclusivos do PS4 estão a frente do One.
        Eu vejo diferentes prioridades entre oa games que a Microsoft lançou e os jogos da Sony. Por exemplo, eu não vi nenhum exclusivo do PS4 que teve foco em entregar 60fps como eu também eu não vi em nenhum game do PS4 a possibilidade de jogar uma campanha em coop com 4 jogadores. É um pouco difícil fazer essa comparação sem ter a mínima ideia do orçamento que cada jogo tem.
        E sem dúvidas o Xbox One está sendo aproveitado com o Directx 12. Existem características que estão expostas apenas no console, que é a melhoria do processador de comandos que a Microsoft fala desde o dia que lançou o One, a Dice falou sobre isso na GDC, a Microsoft voltou a falar disso sobre o Scorpio e inclusive ja confirma que jogos do DirectX 12 ja usaram.
        É óbvio que a diferença de performance entre os consoles sempre existirá, mas é necessário analisar como um todo.

        • Até então acho que nenhum jogo tinha o foco nos 60Fps do lado ps4. A MS já lançou um bilhão de Forza que o foco é 60fps. Agora com a saída do GT a sony terá um jogo com foco nos 60fps.

          • Até porque jogo de corrida é esperável ter os 60fps. Aí vai a decisão da desenvolvedora, veja Driveclub, jogo de 2014 e até hoje não teve um jogo para os consoles base que fosse melhor na qualidade visual e a na disponibilidade de alteração climática dinâmica.

            Se bem que no One quais são os jogos travados em 1080p 60fps? Só os Forza.

            Nos demais se é travado em 60fps a resolução é dinâmica ou travada em 720 ou 900p.

            Se for ver os jogos travados 1080p 60fps são esportivos.

          • Já jogou Forza Horizon 3?
            Será que Driveclub teria a mesma beleza e desenvoltura como um jogo de mundo aberto?
            Por que a Naughty Dog desistiu de 60fps no Uncharted 4?

            É claro que jogos em 60fps exigem compromissos. Já parou para pensar que NIOH roda em 720p no modo action?
            É aquilo que eu disse, prioridades. 60fps com campanha Coop para 4 players como Halo 5 é pesado para um console com a filosofia de baixa potência adotada no começo dessa geração. Mas a engine mostra o que poderiam ter sido os visuais nas cutscenes em tempo real, em 30fps.
            Existem games multiplataforma com visuais acima da média em 60fps que são melhores que uma grande parcela de jogos em 30fps, Metal Gear 5, Battlefront, Doom, Battlefield 1 por exemplo, e a diferença entre as duas plataformas foi maioritariamente resolução.
            As equipes da microsoft trabalharam bastante para melhorar os devkits e a API do console. Com o Scorpio muito potente (afinal, a diferença para o PS4 Pro já é bem alta pois nesse caso 43% é simplesmente o equivalente à potência da GPU de um PS4), os estúdios não precisarão tentar tirar leite de pedra uma vez que qualquer coisa feita nas outras plataformas poderá ser portada ou superada com certa facilidade pelo console. Talvez isso seja proposital da MS, uma vez que não pensam em ter a imagem de nova geração com esse console, mas pode levar a coisas inconsistentes como o PS4 Pro apresentando jogos mais refinados mesmo com hardware mais fraco.
            O que eu defendo é que o desenvolvedor, mesmo o interno não precise tentar bater 1080p no One, o que parece ser uma exigência interna, e que liberem o Scorpio para oferecer o máximo que puder enquanto o jogo ainda for rodável no One. EU mesmo não vejo problema algum em jogar games 720p 30fps no One, ainda mais hoje em dia com as técnicas de anti aliasing que se tornaram populares no último par de anos.

          • Bem geralmente quando falo de comparações com Driveclub cito os jogos que se propõem à simulação, pois são ambientes fechados.

            Mesmo assim ainda não há nos consoles base jogos de corrida com o que Driveclub oferece, pelo menos no quesito visual porque na alteração climática a questão dos 60fps barram.

            Agora quando digo no comentário acima “Aí vai a decisão da desenvolvedora” estou falando dos sacrifícios/benefícios em se adotar 60fps.

            Ahh sim já joguei FH3, mas foi pouco pois não me sinto atraído pela proposta do jogo, prefiro os simuladores.

          • Se prefere simuladores, Driveclub certamente não é o seu jogo. Mas sim, pelo que ele se propõem, é provável que não haverá nenhum jogo que iguale os gráficos até a próxima geração. Os outros desenvolvedores, inclusive a Polyphony Digital, priorizam a jogabilidade ao invés de gráficos nos jogos de corrida.

          • Driveclub é um misto entre simulador e arcade, o joguei bastante até pegar Project Cars e Assetto Corsa, na época ainda não tinha o One.

            O jogo não possui problemas com jogabilidade e sim a Polyphony prioriza a física para tornar o jogo o mais realista possível (embora ainda sem os danos), deve ser por isso que é um jogo requisitado e bem aceito pelas montadoras.

        • Não… Mais óbvio na medida em que era basicamente a mesma configuração do PC isto é CPU+GPU.

          O que não foi o caso da PS3, em que o cpu tinha funções partilhadas com o GPU.

          E isto facilitou a vida aos devs, na 360, que estando mais habituados ao esquema do PC, conseguiram extrair a performance mais facilmente. E claro a memória unificada ajudou.

          Embora não tenha sido sempre assim, basta olhar para Portal 2 ou Final Fantasy 13.

          Agora o que não entendo é a tua lógica de que, apesar de o hardware ser mais fácil de explorar isso não aconteceu na 360 e ela foi mal explorada, tendo em conta que haviam estúdios internos, como dizes, a puxar o desenvolvimento gráfico. Realmente esqueci-me de Fable e da Lionhead.
          Não faz sentido.

          Sim, a arquitetura do xénos era mais evoluída na medida em que a mesma pipeline era capaz de realizar processamento de vertex shaders e píxel shaders entre outros, enquanto que na RSX a pipeline era separada, algo que agora já não se usa. Mas nem tudo foram rosas porque o processamento dos vertex shaders tomava mais ciclos de relógio, criando mais tempos de idle para o resto, algo que na RSX não acontecia tanto. Mas a diferença entre xenos e RSX não era tal que compensasse a diferença entre Cell e xenon.

          E isso notou-se com os exclusivos first party da PS3 a conseguir efeitos gráficos que só anos depois tiveste nas outras plataformas, incluindo PC, e a suplantar tudo o resto. Olha Uncharted 2 e a neve, ou Uncharted 3, e a sequência do deserto especialmente.

          Algo que estás a ver agora também na PS4, com estúdios como a Naughty Dog, a Guerrilla a quebrar barreiras. Não é uma verdade absoluta devido a forza mas é geral.
          Sobre o orçamento nem comento. Não é a Microsoft que está com os bolsos fundos?

          Sobre o DX12, há coisas que se fazem na ONE, que vão ao metal, e que podem ser adaptadas ao PC. Outras não, a questão é saber se quando isso acontece se faz ou não?

          E enquanto o API for partilhado, isso é inevitável, tendo em conta o wup.

          Por último, a Xbox tem exclusivos com o mesmo foco dos da PS4 com clara vantagem para esta última. Ou o foco de Quantum Break, foi diferente do de Uncharted?

          • Quando eu falei orçamento, eu disse sobre aspectos técnicos, é um jargão utilizado por quem trabalha com tecnologia e desenvolvimento no geral.
            Um jogo 60fps tem um orçamento diferente de um game 30fps ou igual dependendo das prioridades que foram envolvidas. Crrtas condições impõem um custo de processamento mais alto para o hardware e escolhas e concessões devem ser feitas para atingir objetivos.
            A melhor comparação que podemos ter entre exclusivos Sony e Microsoft de forma técnica agora, será quando estiver no mercado Forza 7 e Gran Turismo Sport. Os dois jogos tem objetivos semelhantes, custos técnicos semelhantes e orçamentos diferentes. O PS4 tem melhor orçamento de GPU que o Xbox One.
            Quando esses dois games estiverem no mercado, veremos a diferença de exploração do Hardware pelo estudio First Party.

            E a propósito, teve a lionhead, a Turn 10 que já faz forza em 60fps no console a mais de 10 anos, a Bungie que era first party e posteriormente a 343i.
            E sim, a Bungie era first party, da mesma forma que a Naughty Dog era third e depois a Sony comprou, a Bungie foi comprada pela Microsoft e depois se tornou independente.
            O que eu digo é simples, os estúdios internos não se esforçaram tanto para sobrepor as limitações dp hardware quanto no PS3 onde tudo era mais difícil.
            No final da geração, o PS3 estava rodando the last of us com vários engasgos caindo para 19-20fps e o Xbox 360 estava rodando Halo 4 cravado nos 30fps.
            No início da atual geração, o 360 ganhou uma conversão de Destiny tão boa que a digital foundry até fez artigo para ela e a versão de Rise of The Tomb Raider no 360 é um dos jogos mais bonitos e tecnicamente avançados que rodou em um hardware da geração passada.
            Pouco antes do lançamento de Halo 5, o pessoal da 343i disse que o 360 ainda tinha truques que poderiam ter sido usados mas eles precisavam se concentrar na nova geração.
            Além disso, dizem que o 360 já tinha certas características de computação da GPU que foram utilizadas só agora, inclusive tem uma pesquisa acadêmica na internet sobre GPGPU no console Xbox 360.
            Sem contar, que o 360 teve uma API colada no metal que pouquíssimos devs utilizaram, por exemplo os devs de the witcher 2.

          • Agora fiquei curioso em qual modelo de cada fabricante irão fazer a comparação do Forza 7 com GT Sport. O mais sensato é nos modelos base, mas…

          • Conheces a Coca Cola e a Pepsi? Sinceramente uma é muito mais popular que outra, e até acredito que uma seja melhor que outra. Mas a realidade é só uma. Ambas são boas!

          • Fernando, o GpGpu é algo que nasceu com os gpus porque consiste em fazer computação genérica num GPU.

            Tornou-se popular em 2001 com muita pesquisa a ser feita, e em 2006 a nVidia criou a iniciativa CUDA para melhorar essa capacidade nos seus GPUs com livrarias e hardware específico. Mas já podia ser feito antes em qualquer GPU pois basta programá-lo.

            A questão é que era difícil, e correr código genérico num GPU , era muito pior que correr num cpu. Neste aspecto a GCN da AMD foi uma grande melhoria, porque melhorou essa capacidade face à arquitetura anterior, e muito. Mas isto só em 2011, porque antes nem dá para comparar.

            Gostava de ver esses artigos mas quero salientar que em termos do uso do GPGpu, seja lá o que for que se conseguiu em nada se compara com o que hoje tens. Além disso, a Sony não andou falar do GpGpu por acaso, ela já andava de olho nisso desde a PS3, ou para que achas tu que os SPUs do cell estavam lá? O trabalho que eles faziam era o mesmo em completa ligação com a pipeline gráfica do RSX.

            Destiny foi elogiado não por ser o supra sumo da 360, mas devido ao excelente trabalho de conversão da Bungie no seu primeiro jogo multiplataforma.
            Em termos gráficos ele perdia em certos pontos para Halo Reach, e a DF é peremptória em falar da paridade entre as duas plataformas, PS3 e 360.

            Rise of The Tomb Raider também é uma referência em termos de conversão e talvez tenha sido o melhor que tiveste na 360, mas definitivamente não foi o melhor que tiveste na geração passada. A ND conseguiu colocar em U2 neve superior à que tiveste nesse jogo, para além dos modelos das personagens mais detalhados em U3, basta ver o cabelo da Elena ou o lenço do Nate Além disso nesses dois títulos de 2009 e 2011, tiveste cenários completos a reagirem em tempo real a física externa, algo que não tiveste em mais nenhum jogo, até agora, tanto quanto sei (talvez em BF4?) Falo da sequência do comboio e da sequência do cruzeiro, respetivamente e a título de exemplo. Chamo também a atenção para a sequência do deserto e o que a ND conseguiu fazer na areia quando a personagem caminhava, algo que tiveste na versão da ONE, mas não da 360, de RoTR bem como o que a ND conseguiu fazer nas rochas na viagem a cavalo em U3 e como se comparam com o que hoje em dia tens.

            Sim, eu sei que um jogo a 60 FPS tem um custo diferente no processamento, mas, mais uma vez há muita diferença entre o custo de Quantum Break e Uncharted? Não é preciso esperar, por dois jogos que saem daqui a uns meses. Quem diz QB, diz Gears 4.

            Sobre o termo “orçamento”… Sei que fizeste a tradução da expressão to budget quando os devs falam da gestão da largura de banda e memória entre outros, mas em língua portuguesa isso tanto quanto sei
            Não é orçamento que se usa para falar disso.

      • Tem outra coisa, a Sony fez a propaganda errada do pro, aliás, não fez a propaganda. Essa estratégia do pro é algo que não entendo. Parece que eles não quiseram vender o console. A Microsoft fará diferente. Existem 4 grandes blockbusters para o segundo semestre;
        Destiny, Star Wars, Call of Duty e Red Dead. Haverá a mensagem da Microsoft de melhor no Scorpio em todos eles. É uma oportunidade muito forte. O consumidor médio não vai olhar para o Scorpio igual olhou para o pro.

        • Pessoalmente acho que a estratégia da Pro é a mais correcta que pode existir.
          A Pro é para quem quer, não é para substituir a PS4.
          A geração é da PS4, a Pro é uma versão melhorada.
          Publicitar a Pro dim, mas nunca a um nível que as pessoas olhem para ela como a nova PS4.

          Sobre a estratégia da Microsoft, não falo… ela ainda não aconteceu e criticar ou elogiar algo que não aconteceu é errado!

          • Para mim, a estratégia da Microsoft está acontecendo desde quando revelaram o Scorpio antes mesmo da Sony falar oficialmente sobre o Pro. Criaram a imagem de PS4.5 no Pro, e como sabemos, o Pro é um bom hardware com capacidades excelentes, não para 4K nativos, mas ainda sim ótimo.
            A Microsoft começou a minar o possível mercado para o Pro e a Sony ajudou. O Scorpio não vai fazer o Xbox ser a plataforma mais vendida, mas eu acho que em 3 anos, ele terá feito muito mais do que o One fez.
            O Scorpio, oficialmente é o One melhorado, moralmente, é o reinício da Microsoft na geração.

          • Pois essa é a questão, será que performance pura apenas conseguirá levar o Scorpio para frente?

            Agora é a verdadeira guerra de exclusivos vs performance.

          • Pode não ser em todos os mercados, mas hoje saiu a lista dos 20 jogos mais vendidos dos Estados Unidos, o maior mercado do mundo, um país com 300 milhões de habitantes onde uma pessoa pobre é considerada mais rica que 80% da população mundial.
            É o país que sozinho iguala o total de vendas de games da europa ocidental.
            Pois bem, nenhum dos 20 jogos é um exclusivo de Playstation.
            Pra mim, o Scorpio é o futuro campeão disparado desse mercado, o local onde a população vai querer jogar o Call of Duty que vai ser anunciado na e3, o novo Star Was, o Destiny e o Red Dead Redemption​ 2. Além disso, o Scorpio vai vender TVs 4K.
            A única coisa que a MS precisa para conseguir isso, é não inventar um DRM novo.

          • E na semana de 18 de Março tinhas lá Horizon Zero Dawn entre os 10 mais vendidos, e depois? O mercado é dinâmico, e é normal que a tabela se altere. O que não quer dizer que não esteja a vender.

            Eu acho que não tens bem a noção da realidade de outros países ou então não conheces pobreza.

            Já vieste cá dizer que no Japão as pessoas abandonavam electrodomésticos plenamente funcionais na rua, e que ninguém os queria.

            Uma pessoa pobre nos estados unidos não difere muito do pobre brasileiro. Geralmente o dinheiro não chega para pagar as despesas e não tem que
            chegue para consolas, ou para suportar hobbies do estilo.

            A questão é que o americano médio ganha mais e tem esses produtos mais facilmente. O que não significa que não poupe dinheiro e esteja atento a preços.

            Recordo que na última Black friday a PS4 base foi a mais vendida, não a pro, apesar de esta ter bundles e ser vendida em conjunto com TVs 4k.

            E no japão onde, de acordo contigo as pessoas abandonam electrodomésticos plenamente funcionais na rua, a PS4 base é a mais vendida com a pro a vender menos que a Vita.

            Estás a tentar convencer-nos que a Pro não vendeu por falta de propaganda, e por isso ninguém comprou porque ninguém sabia. E por isso a Scorpio será um sucesso porque os americanos esbanjam dinheiro, não se importarão de comprar a Scorpio e só querem saber de performance e CoD.

            Bem, anúncios na TV existiram, e mesmo o site oficial da PS apresentou a Pro como a consola mais poderosa do mundo.

            Eu acho que as pessoas sabiam, e que, como já aqui foi noticiado e tem sido uma realidade de mercado de há anos ninguém quer saber do 4k para nada, preferindo a versão mais barata.

            E que sim reparam nos exclusivos, no aspecto, e no desenho da consola e no que cada uma oferece.

            Mas é como digo, esperemos pela Scorpio e veremos que impacto ela tem.

            Posso estar enganado.

  5. A Microsoft quer voltar à raízes, mas está na ilusão de que o vai fazer com força de hardware, isso é a parte mais fácil da batalha, o segredo está no software, JOGOS, e esse é que é o grande problema da Microsoft e que esta continua a não perceber.

    Com a Scorpio, a Microsoft espera recuperar os devs, e pensa que isso tem a ver com o facto da XO ser inferior à PS4, os devs afastaram-se da XO porque esta vende menos de metade da PS4 porque a Sony tem uma rede de estúdios internos que consegue produzir mais exclusivos que Microsoft e Nintendo juntas, e tem essa rede porque investiu nela desde cedo, fez disso a sua forma de estar, e já lá vão mais de 20 anos, ou seja, demora tempo…

    A Microsoft está na ilusão de que vai virar o barco à custa de Teraflops, a única coisa que vai conseguir é manter a tradição, aquela tradição em que a consola mais potente é a derrotada da geração, a Microsoft precisa de jogos, e uma mão cheia não chega, são precisas dúzias deles, e isso só se consegue com um investimento prévio em estúdios first partie, e não estou a ver isso acontecer do dia para a noite, especialmente nos tempos que correm, em que a Microsoft fecham mais estúdios do que abre e os mesmos desgraçados de sempre (Halo, Gears, Forza) mostram sinais de fadiga não só a nível de qualidade, mas sobretudo a nível comercial.

    Criar estúdios é um processo que demora tempo, dá trabalho, mas a Microsoft durante anos achou que podia contornar o problema com parcerias (2nd parties) como a Bungie e Remedy, ou a passar cheques chorudos para dar a ilusão de exclusividade como fez com os episódios de GTA e Tomb Raider, essa estratégia pode tapar buracos mas não pode ser sustentável, e o resultado está ai, um espremer descontrolado das mesmas 3 vacas que está a secar, e não há mais vacas para pastar, pode-se arranjar uns bezerros, mas ainda demoram a crescer…

    E depois há outra coisa, porque raio é que eu vou comprar uma Scorpio, se pelo mesmo dinheiro, posso comprar um PC melhor e correr os mesmos jogos, sim porque a Microsoft teve a brilhante ideia de retirar os seus já de si poucos exclusivos e oferece-los de bandeja ao PC, tudo bem que muitas pessoas preferem a conveniência da consola sobre o PC, mas vamos ignorar a enorme fatia de pessoas que joga no PC e compra uma consola pelos seus exclusivos?

    A não ser que nesta E3, a Microsoft nos mostre os melhores jogos do mundo, o que dúvido, a Scorpio não é mais que uma proposta mais musculada de uma filosofia magricela.

    • Não estou a ver que compres um PC de 6 Tflops a 450 ou 500 euros. Alías por menos de 700 euros não compras um bom PC.

      Mas que me digas que se tivesses gasto 950 euros num PC logo na altura em que saiu a Xbox One, ele nesta altura ainda estaria capaz de jogos de elevada qualidade a 60 fps, mesmo que a 1080p, e que isso teria sido um melhor investimento do que a One+Scorpio, aí…

      • Com ou sem monitor?
        Se for de facto sem monitor, mesmo que seja mais caro que a consola, é na mesma um investimento que vai resultar num produto mais barato, pois não só os jogos são mais baratos, como não pagas para jogar online.

        Num instante vou buscar qualquer dinheiro extra que vá gastar no PC, e além do mais, quem é que me garante que a consola vai de facto fazer 4k?
        Só porque a Microsoft diz que sim? Como se eles nunca tivessem mentido, isto não há milagres, de facto pode fazer 4K, mas será que consegue manter ao menos 30fps fixos?
        Ou será que é só para correr jogos desenhados para uma geração perdida e representada pelo patinho feio da companhia que tenho aqui em casa?

        Aliás. se o que a Microsoft diz for verdade, que é tudo uma familia e ninguém fica para trás, eu nem preciso de um PC de 700€, basta ter um PC porreiro que me permita correr jogos da XO a 1080p/60fps.

        • Nenhuma placa gráfica, nem mesmo as Titan, conseguem garantir 4K em todos os jogos.
          Mas as consolas nesse aspecto podem estar um pouco melhor que o PC devido ás optimizações dedicadas.

          • Tudo bem que as consolas tem uma optimização praticamente ao metal, mas estás-me a dizer que a Scorpio está em melhor posição de obter visuais a 4K de forma consistente, que uma placa gráfica de 1000€?
            Se bem percebi é isto certo?

          • Não é uma questão de performance… é uma questão de programação mesmo.
            No PC é naquela… fazes o jogo, corre na 10870, ok, senão corre na 1080.
            Nas consolas a base é unica… e o jogo é feito para ela. Mesmo que a qualidade visual não seja a total, a resolução é um ponto a se tentar atingir.

    • Gostaria de saber que ilusao é esta que a MS esta a fazer que a concorrete nao fez com a Pro? Realmente nao consigo entender que a mesma seguiu a mesma linha que a rival e é taxada de ilusoria etc, aonde esta o mesmo peso e a mesma medida?

      • Gabriela… acho que não percebeste de que ilusão é que estou a falar, não estou a dizer que a Microsoft está a iludir os clientes, a consola ainda não saiu, logo não sabemos as suas reais capacidades, que eu por acaso duvido pois ainda não esqueci do imenso poder da XO mais o poder da cloud, a ilusão aqui trata-se sim da Microsoft, e de como esta está iludida de que vai dar a volta ao barco só com hardware, quando na realidade, a única forma de dar a volta à sua situação é de fazer como a Sony e Nintendo fazem, ter uma forte rede de estúdios internos, só que já vai quase 17 anos atrasada.

        • Acho que primeiramente deve ser dito que esta visão é sua e não da empresa em si, ate que a mesma fale que esta é a estratégica
          Referente ao X box one quemalimentou as ilusões de um console das galaxicas foi mais a parte de fanboys da marca, pois a diferença sempre existiu tecnicamente mais quase imperceptível olho nu, então isso é uma visão paeticular sua e de alguns sobre a marca.
          Referente ao console scorpion poder esta la se a mesma ira surpreender com algo bom vamos ver quem ira comprar sera quem esta a buscar neste momento melhor resolução.. se gosta de exclusivos ficara em sua plataforma desejada. Acredito que a mesma tenha sua meta e vai brigar por este espacço se for sucesso o tempo dirá,

          • A estratégia da empresa está escrita na parede para quem quiser ler, aliás, já ando a dizer isto há anos.

            E não Gabriela, não foram fanboys que elevaram o poder da cloud, foi a própria Microsoft:

            ”It’s also about cloud processing and AI. This is where some of the computational effort of a game can be offloaded to the dedicated CPUs on the cloud, to make your game experience even better, better graphics, better lighting, better physics.”

            http://www.dualshockers.com/2013/09/26/microsofts-phil-harrison-explains-that-xbox-ones-cloud-can-actually-improve-graphics/

            Você é que devia de estar mais informada antes de chamar os outros à atenção, tente abrir mais os horizontes, talvez não proteja tanto a marca.

          • A questão de uma consola das galaxias foi mista. Os fanboys inventavam hardware e capacidades e a Microsoft iludia com o suposto poder da Cloud.
            Ambos tem culpa, mas fanboys são e vão ser sempre fanboys. Já a questão da Cloud foi claramente treta para vender consolas. Um dia a Cloud será como o anunciado, mas esse dia está longe. Em 2017 terás um (literalmente um) jogo que melhora a fisica que passa a ser calculada na Cloud, mas daí a melhorar a IA, teres mundos inalcançaveis ou um grafismo muito melhorado, como prometido, vai uma grande diferença.
            Aliás se isso fosse mesmo possível a Scorpio não existiria.
            A culpa não foi só da Microsoft, mas negar a quota de culpa deles é ignorar o sucedido.

          • O secret sauce (molho secreto) concordo contigo, mas Cloud Power foi cria da MS que alimentou o blábláblá dos fanboys.

            Ahh também teve a estória dos 4K no One, que foi dita pelo Major Nelson

    • “….a única coisa que vai conseguir é manter a tradição, aquela tradição em que a consola mais potente é a derrotada da geração….”

      Praticamente a mesma coisa que eu disse dias atrás em outro artigo(não achei este meu comentário).

  6. Concordo com o Galvão nessa, pois creio que a MS esteja lendo errado o mercado quando pensa que colocando um hardware mais robusto, irá dar a volta por cima. Todos nós sabemos que demora anos para que tenham estúdios internos, a Sony faz isso com maestria e penso que a Nintendo, com sua melhor linha de personagens, tb o faz! A MS tem que fazer investimentos na área de propriedades intelectuais, algo prometido por ela anos atrás e não cumprido. Óbvio que terá jogos multiplataformas, óbvio que será uma marca ainda relevante no mundo dos games, mas games exclusivos se não vendem consoles, fazem fãs e fãs compram marcas e nisso a MS está anos luz atrás dos concorrentes.

  7. @Jose galvao
    Engracado Jose Galvao me aponte em texto aonde esta escrita “em paredes a estregia da MS em relação a ser melhor que a suas rivais” Não onigo ver em lugar algum.
    Informada estou ao possível defender a marca fica a seu critério porem ao contrario de alguns procuro ver pontos de vista diferente claro que sem ver a verdade ,Mario uma observação no meu texto para não haver duvidas de interpretações “ Referente ao X box one quem alimentou uma ilusão de um console das galaxicas FORAM MAIS OS FANBOYS DA MARCA.
    (Mais –não insenta a MS de ter falado também sobe tal poder) Jose informados estamos acho que deve ser por isso que muitos aqui debatem muito sobre o que você opina e muitas vezes demonstra odiar tanto a marca coisas que já é nítido em relação ao seu passado e histórico. Vou opiniar e argumentar sempre que houver algo que não seja de acordo com uma opinião que afirmar sempre sem mostrar relamente a certeza. Le entender faz bem, Horizontes é bom acredito que vc deva fazer o mesmo esta muito fechado em uma opinaio fecgada. Por favor quero que me mostre em provas reais a estratégia da MS sobre suas rivais acredito que vc deva ter ou algum link.

    • Gabriela… o meu comentário não era uma verdadeira resposta, mas uma análise ao realmente sucedido pegando no teu texto.

    • @ Gabriela

      Até te podia arranjar links acerca da estratégia da Microsoft ao longo dos anos e até ao dia de hoje, podia ir buscar inúmeros quotes de Phil Spencer de como admira os exclusivos da Sony e de como a Xbox precisa de fazer o mesmo, ou ainda como ele afirma com todas as letras de que a Xbox devia ter a mesma atitude first partie que a Sony porque é o caminho a percorrer, mas depois…bem depois não faz nada, aliás até faz, cancela exclusivos e fecha estudios.
      E isto é a história recente, e não vou pôr links porque não tenho culpa que desconheças algo que é do conhecimento público e além do mais tenho mais que fazer.

      E já agora deixa-me fazer-te uma pergunta, precisas de links para saberes que existe corrupção ai no Brasil?
      É algo que tu sabes, mas não tens links oficiais para comprovar, está escrito na parede sabes?

      Quanto ao ”FORAM MAIS OS FANBOYS DA MARCA”, alguém deve ter dado combustivel a esses fanboys certo? Os fanboys não iam falar da cloud se não fosse a Microsoft a falar dela e de como iria dar poder quase ilimitado à XO, é um pouco como dizer que a culpa do incêndio não é do fósforo, é do fogo…

      • Por favor Jose Galvao não me venha com falácias sobe o posicionamento da MS já sabemos o que me admira e vc sempre usar das mesmas falas e coisas passadas para por seu ponto de vista como único.
        O que me referi e mostra que você não tem a verdade é sobre atual estratégia da MS referente a Scorpion e o que a mesma anda buscando, você afirma que esta pregada na parede . Não me venha falar do Brasil e comprar bananas com macas pois nem neste mérito vou entrar contigo, peço por favor que não se esquive do que lhe pedi e pare com este texto de ódio a marca, se você na gosta já esta mais que evidente porem depois de alguns exposed realmente precisamos sim de base do que fala da sua parte para ter certeza que você fala pois ficou muito feio depois de tudo. Outra dar murro em ponta de faca deve ser bem dolorido não achas.

      • Por favor me mostre a poltica estrategica da mA frente as suas rivais vc afirma que esta pregada para todos verem gostaria muito de ver a sua afirmacao em evidencias. falar por falr ate mesmo uma crianca fala.

        • Para começar, por falar em criança, deixa de escrever como uma pois tenho alguma dificuldade em ”descodificar” o que escreves.

          Mas tu queres links do quê?
          Daquilo que vai dentro da cabeça dos executivos da Microsoft?
          Por enquanto ainda não sou vidente, sou sim uma pessoa que acompanha esta industria à mais de 30 anos, e a Xbox à 17 anos, e com base nisso posso concluir em que se baseia a estratégia deles, que passa por parcerias 2nd partie com estúdios como a Bungie e a Remedy, cheques chorudos por exclusivos temporários e poucos estúdios internos, tem sido a estratégia deles na Xbox, na Xbox 360, e na Xbox One, uma estratégia que os levou ao estado em que estão neste momento, e pelo que estou a ver com a aposta na Scorpio em vez de ser nos jogos, a Microsoft permanece igual a si mesma, a estratégia é a mesma, está escrito na parede.

  8. Off-Topic:

    “…precisas de links para saberes que existe corrupção aí no Brasil?”

    José Galvão, não é preciso de links para saber que corrupção existe em qualquer lugar do mundo e não apenas aqui, em Portugal por exemplo ocorreu a prisão de um ex-primeiro-ministro, José Sócrates. Mas reconheço que aqui a corrupção tomou proporções gigantescas e infelizmente o Brasil vive um momento triste que envergonha qualquer um que nasceu aqui! Mas por outro lado nos resta a esperança de que com a condenação e prisão de empresários e políticos poderosos como vem ocorrendo atualmente, o Brasil possa vir a ser um país menos corrupto, onde poderosos passem a pensar duas vezes antes de se corromperem!

    • Antes de mais nada, isto não é um ataque ao Brasil ok?
      Falei no Brasil porque a user em questão é brasileira.

      Portugal, como todo o país do mundo, também tem corrupção, a nossa banca está nas lonas tal não é a quantidade de banqueiros ladrões que por cá proliferam, por cá também temos grandes escândalos de corrupção mesmo num país tão pequeno como o nosso, mas tal como afirmaste, nada que se compare ao Brasil, isto aqui é um paraiso comparado com o Brasil, e no que toca a criminalidade então nem se fala, por cá ainda se pode andar na rua à noite, ai nem por isso embora dependa da zona, nós aqui não temos policia militarizada como o BOPE, Portugal é um país ”sossegado”.

      Quando algum do melhor cinema brasileiro se foca na criminalidade e corrupção, isso diz muito dos graves problemas sociais que assolam o país, é uma pena o que se passa ai, mas de forma alguma encares como um ataque, até porque eu de xenofobo não tenho nada.

      • José Galvão, para encerrar esta discussão, não disse em nenhum momento que você atacou o Brasil ou que seja xenófobo. Não me parece que seja, mas o fato é que você usou o tema da corrupção no Brasil para dar uma alfinetada na pessoa com quem você discutia pelo fato dela ser brasileira! E ao me responder, você também fez questão de mencionar de maneira desnecessária outros problemas sociais brasileiros, como a violência, já que estes não são os temas tratados aqui! Problemas todos os países tem, uns mais, outros menos.

        O Brasil pode até não ser um paraíso perto de Portugal como você alega, mas pelo menos estamos vendo aqui no país, corruptos e poderosos sendo finalmente presos e punidos, o que antes não acontecia e isto para nós é uma grande vitória e nos dá a esperança de um futuro melhor. Só esperamos que não seja tudo em vão!

        Só umas observações. Aqui, cada estado tem sua própria polícia militar e elas são autônomas e independentes entre si. Elas não nasceram especificamente por causa da extrema violência que há aqui como você dá a entender. São corporações antigas, criadas ainda na época do Brasil imperial e a polícia militar do estado de Minas Gerais por exemplo que é considerada uma das melhores do pais, tem suas origens ainda na época do Brasil colônia, ou seja foi criada pelos próprios portugueses que aqui governavam. E em relação ao cinema brasileiro, se você se refere aos filmes Cidade de Deus e Tropa de Elite 1 e 2, não dá para generalizar, estender à todo o Brasil o que se vê ali, pois os filmes retratam sim problemas sociais brasileiros, mas mostram de maneira específica os problemas ocorridos no estado do Rio de Janeiro que é somente um dos 26 estados que compõe o Brasil. Não é porque polícia militar do Rio de Janeiro e o seu esquadrão de elite, o BOPE, são retratados nos filmes citados como extremamente corruptos e violentos, que as demais polícias militares dos outros estados brasileiros também sejam violentas e corruptas. Apesar de muitas coisas mostradas nos filmes serem verdadeiras, o fato é que os filmes são romanceados, são ficções e há muitas coisas estereotipadas ali naqueles filmes.

        Por mim eu encerro a discussão aqui.

        • Duas considerações, uma que o Rio de Janeiro realmente não deve ser levado como espelho do Brasil. Existem diversos lugares no país onde as pessoas deixam casas abertas e cidades em que presídios foram desativados por falta de crimes. A violência é maior em capitais e regiões metropolitanas, e são mais acentuadas no Rio e em algumas capitais do nordeste.
          Segunda consideração, deve ser mais fácil de controlar a criminalidade em um país de 10 milhões de habitantes, cidade que eu moro tem mais gente do que isso e é apenas a capital de um dos 26 estados.

          • Fernando…isso de deixar as casas abertas existe em quase todos os paises, são zonas mais sossegadas, no entanto isso não significa nada.
            A tua teoria de que ”Portugal tem menos criminalidade porque é mais pequeno”, não faz o minimo sentido, tens mais habitantes mas também tens muito mais policias e outros meios, acho que o problema é cultural, é uma questão de atitude, e nada tem a ver com o numero de habitantes.
            Se fosse assim tão linear, então a China e os EUA tinham mais criminalidade que o Brasil, paises como a China (lider mundial a nível de população), EUA, India, e Indonesia, são paises com muito mais população que o Brasil, no entanto o Brasil bate-os a todos em termos de criminalidade, e alguns desses paises como a China e a India têm 5x mais habitantes que o Brasil, mas ainda assim no Brasil mata-se mais, segundo o Wikipédia com base nas taxas de homicidio intencional da ONUDD, o Brasil está à frente do mundo no numero de pessoas mortas, não em termos de taxa, e no entanto não é o pais com mais habitantes, o que deita a tua teoria por terra.

            Tens paises como as Honduras que tem menos 2 milhões de habitantes que Portugal, mas a maior taxa de homicidios do mundo.

            Quando tenho brasileiros amigos meus a dizerem-me para não ir ao mundial ou aos jogos olimpicos porque provavelmente serei assaltado, isso diz muito do estado social do país, tens pessoas que vivem ai e que apesar de terem um orgulho pelo país, sofrem bastante com a quantidade de crime e corrupção que por ai prolifera, no entanto para ti, ”ah e tal é só nas cidades”, até se fecham presidios vê tu bem.

    • @Jose Galvao nao vou me estender mais sobre o assunto, a partir do momento que v nao possui argumentos validos sobre rais afirmacoes, acompanhar a industria tambem acompanho e voce esta qualificado a pensar como uma analista de dados sem os mesmo ai a cisa fica seria, mesma coisa de um economista falar em numeros sem ter o exato . Enfim voce possui uma visao critica a marca e suas opinioes sempre serao fechadas a mesma a critica, o que ocorre que ao inves de debater sobre margens e fatos ( Por isso te peço provas) voce parte para ofensas infantiloides para tentar sobre sair da conversa. Como mesmo Mario colocou a conversa esta sobre moderacao, Por favor nao tente desmerecer minha escrita pois sei que vc entende bem o problema que voce quando sente se acoado esquiva se do que é proporsto no texto, bom ter um historico seu pois ja sabemos como funciona. NOta: Nao iriei mais discutir sobre este assunto com o participante ate que o mesmo prove o que fala em links escrita e documentos, pois experiencia de vida aqui nao conta. Obrigada

      • @Gabriela

        Tu estás-me a pedir links de como a Microsoft irá lidar com a Scorpio face ao que a Sony fez com a Pro, é óbvio que eu não tenho links do futuro, e apenas me posso basear no historial da companhia, que não tem sido o melhor,, e na minha opinião não me parece que a Scorpio seja algo de especial dado que o problema da Microsoft são os jogos, e esses a Microsoft poucos tem, e para arranjá-los precisa em primeira lugar de mudar de estratégia e ai sim os jogos aparecerão com o tempo, pois demora tempo…

        Eu já repeti isto vezes sem conta, e sinceramente não tenho muita paciência para te explicar mais, pedes-me links sobre o que penso?

        Acho que o problema aqui é que parece que tens uma séria dificuldade em interpretar texto, já notei nas ”discussões” que ás vezes tens com o Mário, em que ele tem que te responder várias vezes que a coisa encaixe, mas eu não tenho a mesma paciência, se não concordas comigo, arranja argumentos teus que sejam válidos para a discussão, agora estar sempre a bater na mesma tecla é dose, e ainda por cima com um português péssimo, tenho quase que descodificar o que escreves para tentar perceber alguma coisa.

        Em relação a esta matéria, por mim acabou, se quiseres links, nós por cá temos um ditado que diz:
        ”Os cães ladram, e a caravana passa…”

    • O que uma interpretação diferente causa não é?

      Quando li a frase do Galvão “…precisas de links para saberes que existe corrupção aí no Brasil?” logo entendi como uma outra frase com o mesmo sentido de “…em paredes a estratégia da MS em relação a ser melhor que a suas rivais..”. O que ele fez foi o mesmo que o Mário faz constantemente o sítio e o que qualquer excelente professor faz quando um aluno está com dúvidas.

      Sou brasileiro e não fiquei ofendido com a citação do Galvão, aliás o brasileiro em si possui o vício da corrupção, seja ela em furar fila, usar passes(cartões de transporte) de outra pessoa. Essa mania de se tirar vantagem em cima de algo todo nós temos, principalmente nessa área de games onde somos corruptos indiretamente comprando consoles e/ou jogos mais baratos em que a garantia oficial não cobre. Agora o que é verdade é que herdamos isso pela colonização portuguesa. Então se fosse uma colonização holandesa, inglesa, americana estaríamos livre da corrupção? Claro que não pois até no Japão existe corrupção.

      O que o Galvão disse é que não é necessário ter a comprovação visual para você perceber que aquela ação existe, querem outro exemplo?

      “O presidente Donald Trump deseja iniciar uma nova guerra para aumentar sua popularidade.” Precisa de link para perceber isso? Poucos lembrarão que no início do último mandato do Bush(filho) ele tinha pouca popularidade e entrou em uma guerra, resultando no aumento da mesma. O objetivo da guerra é somente isso? Claro que não.

  9. Galvão, não há como negar o nível de criminalidade que temos no Brasil, sendo que é generalizada, mas quando Fernando mencionou Portugal, entendi o que ele quis dizer. País pequeno com uma população de 10 milhões, realmente tem se um Controle melhor, porém esse Controle está atribuído a parte cultural tb, a leis rígidas, educação, etc… O Brasil é um país lindo, mas não indicaria a ninguém para vir passear no momento, menos ainda o Estado do RJ que vive uma zona de guerra, está quebrado por conta de corrupção sem precedentes.

Os comentarios estao fechados.