E se a Playstation 5 fosse… a PS Now?

cloud-gaming

Imaginem-se em 2006 perante uma PS2 acabadinha de lançar. E que vocês lhes propunham jogar Ryse: Son of Rome, com o grafismo e qualidade do jogo actual na vossa consola.

Impossível? Não!

Bem, na realidade até seria pois o exemplo de cima é naturalmente teórico e em 2006 a tecnologia necessária para tal era uma realidade inexistente, mas a ideia pode ser transposta para a realidade actual para que a percebam melhor.

Publicidade

Retomando o nosso artigo

Imaginem que alguém vos propunha jogar na vossa PS4 um jogo que só seria possível correr num super computador que custa actualmente uns bons biliões de dólares e possui uns biliões de Teraflops. Seria impossível?

Não, não era! E não o era graças ao Cloud Gaming!

O Cloud Gaming possui um conceito extremamente simples. Todo o processamento é realizado do lado de lá, sendo que o sistema local apenas reproduz um video que é enviado pela internet em Streaming. O jogador mediante o que vê no video executa comandos que são recebidos pela consola e enviados de volta para serem processados.

Esta é uma realidade que podem experimentar na PS Vita caso façam uma ligação directa à PS4 sem passar pelo Router podendo dessa forma jogar-se na PS Vita jogos PS4 que são impossíveis de serem executados localmente.

O resultado final é uma qualidade igual à do sistema remoto que acaba por não ficar muito diferente do obtido em um jogo multijogador online, com a grande diferença que a máquina local está limitada a um processamento relativamente básico.

Com o Cloud Gaming não há a necessidade de se misturar processamento local com processamento remoto, não havendo assim qualquer tipo de complicação técnica, e não se passa apenas parte do processamento para a Cloud. Passa-se o processamento todo! Isso quer dizer que não há apenas parte do universo que podem ser calculados de forma mais complexa, mas que essa realidade se poderá aplicar a absolutamente tudo!

Publicidade

Retomando o nosso artigo

A barreira da compatibilidade de sistemas perde-se. Não há necessidades de se correr o mesmo sistema operativo, de se ter processadores ou gráficas equivalentes. Nada! Apenas se requer processamento necessário para reproduzir um stream vídeo e processar os comandos introduzidos pelo utilizador que necessitam de ser enviados para a nuvem.

Resumindo, uma consola de mesa actual poderia reproduzir e permitir jogar um jogo calculado e processado no super computador mais rápido do mundo, e a 4K ou mais.

O Gaikai é a solução de Cloud Gaming da Sony, e poderá ser a futura arma da empresa na guerra das consolas. Em vez de um dia lançar uma nova consola… mantêm a sua PS4 no mercado e limita-se a vender um serviço.

Actualmente para além do preço da consola paga-se 50 euros ano para se ter 2 jogos gratuitos por mês e acesso ao online. E se no futuro se pagasse os mesmos 50 euros (ou mais um pouco) para se ter acesso a jogos de topo exclusivos que comprávamos online e seriam executados em PCs de topo, mas sem a necessidade de se comprar uma consola de 2000 euros para ter hardware a condizer e que se vai desadequando com o passar dos anos?

Mais que o Cloud Computing, o Cloud Gaming poderá ser o futuro dos videojogos. Se a ideia do primeiro (Cloud Computing) é passar partes do jogo para a Cloud, introduzindo-se a necessidade do sempre online e a latência, então é preferível que isso aconteça a 100% (Cloud Gaming) e que não se fique de forma alguma limitado pelo hardware da consola local que seria re-aproveitado para um centro multimédia e interacções sociais que poderiam ocorrer em simultâneo com o jogo.

Sem limites de potência, sem problemas de desactualização pela idade, sem grandes custos para o utilizador, e alcançando-se uma panóplia enorme de hardware, incluindo TVs, Smartphones e Tablets, o Cloud Gaming parece ter mais futuro e potêncialidades dentro do gaming que o Cloud Computing. E a nível de requisitos nem é necessária nenhuma internet de topo, apenas uma ligação de qualidade aos servidores. Afinal vídeos vemos nós todos os dias na internet.

E quem sabe o PS Now não será um dia a Playstation 5, 6 e todas as outras que se seguem!

Publicidade

Posts Relacionados