E3 2015: Previsões para a conferência da Square Enix

Tal como a Bethesda, este ano é também a primeira vez, em muito tempo, que a Square Enix irá apresentar a sua própria conferência na E3. As razões são muitas. Rise of Tomb Raider, Final Fantasy XV são apenas dois dos grandes Ips da companhia que irão ser lançados este ano. 

A Square Enix é uma produtora e editora japonesa de videojogos que foi formalmente fundada em Abril de 2003, em resultado da fusão de duas empresas a Square e a Enix, empresas muito mais antigas e que já tinham no seu catálogo franchises com Dragon Quest e Final Fantasy. Em 2009, compra a EIDOS, companhia que já contava no seu catálogo com IPs como Thief, Deus EX, Tomb Raider, e Hitman. A última vez que vimos uma conferência da Square Enix na E3, foi em 2012, ano em que a companhia anunciou o Luminous Engine. Isto faz-nos perguntar se novidades sobre o motor que corre Final Fantasy XV serão reveladas. Novas características, e uma nova demo a correr na PS4 e Xbox ONE, talvez? Talvez uma via de comercialização como a Crytek tem com o Cryengine ou a Epic Games com o Unreal? Afinal a companhia notabilizou-se por apostar em diferentes mercados, desde as consolas ao mobile, desde a BD à TV. Claro, temos também os jogos. De Rise of the Tomb Raider já dissemos o que tinhamos a dizer no artigo sobre as previsões para a conferência da Microsoft. É possível que um outro vídeo inédito de gameplay seja apresentado na conferência da Square. Mas para além de Rise of the Tomb Raider muitos outros grandes títulos estão anunciados e certamente serão apresentadas na conferência da E3 2015 da empresa.

Rise of Tomb Raider

Final Fantasy XV ( Já anunciado)

A série Final Fantasy foi criada em 1987, com o primeiro jogo a ser lançado na NES. O título foi um sucesso e deu origem a inúmeras sequelas, reinventando-se ao longo dos tempos. Começou como um RPG de fantasia incluindo elementos de ficção científica e entrou noutros géneros como jogo de estratégia, MMO, corridas e até shooter em terceira pessoa. A cada entrega, o setting e as personagens mudam, embora muitas personagens de entregas anteriores acabem por surgir em jogos da saga lançados posteriormente. O tema central costuma ser um grupo de personagens que tem que combater um grande mal, algumas vezes antigo. Geralmente, há um grupo de rebeldes a lutar contra um governo em poder. Final Fantasy XV é a décima-quinta entrega da série. O jogo passa-se num mundo muito semelhante ao nosso, dividido em várias nações: Lucis, Tenebrae, Niflheim, Solheim e Accordo. Todas as nações, excepto Niflheim, já possuíram em tempos um cristal que lhes deu um grande poder. Mas guerras travadas entre todas elas levou a que todos os cristais, menos o cristal de Lucis, tenham sido destruídos.  Com o cristal, Lucis desenvolveu-se enquanto todas as outras se mantiveram a um nível medieval. Niflheim declara, a certa altura, guerra a todas as outras nações, com o objectivo de se apoderar do último cristal existente. O jogo segue Noctis Lucis Caelum, herdeiro do trono de Lucis, que com os seus amigos Prompto, Gladiolus e Ignis, têm que combater a forças de Niflheim, que invadem Lucis precisamente quando um tratado de paz estava prestes a ser assinado. Final Fanatasy XV foi anunciado na E3 2006, ainda sob o nome de Final Fantasy XIII (depois um outro jogo foi entregue sob esse nome), e desde então já mudou desde a PS3 (para o qual estava a ser desenvolvido especificamente) para o DX11 de modo a adaptar-se à chegada da nova geração, bem como para o novo motor Luminous Engine. Final Fantasy XV ainda não tem data de lançamento definida.

Deus Ex: Mankind Divided (Já anunciado)

Deus Ex: Mankind Divided é um RPG de acção-aventura, com temática ciberpunk, que combina elementos de FPS e stealth. É a sequela do aclamado título de  2011, Deus EX: Human Revolution e o quinto capítulo na série Deus EX. A história passa-se dois anos após o jogo anterior, em 2029, e de novo jogamos na pele de Adam Jensen. A série foca-se no conflicto entre várias facções que desejam controlar o mundo, e os efeitos das atitudes transhumanistas e do uso da tecnologia para melhorar artificialmente o corpo humano, num futuro distópico. O jogo é maioritariamente controlado numa perspectiva de primeira pessoa, podendo mudar para teceira pessoa quando em cobertura. Foi anunciado em Abril de 2015, e até agora não têm havido mais detalhes. Sabe-se que o jogo usa um motor novo, e baseado no motor Glacier 2, da I/O interactive que o usou em Hitman Absolution, e que vai aplicar a tecnologia Tress FX da AMD. Esperamos que mais detalhes sejam revelados nesta E3.

Just Cause 3 (Já anunciado)

Just Cause 3 é um jogo de acçâo aventura em mundo aberto, o terceiro na série Just Cause em que seguimos as aventuras de Rico Rodriguez, um agente secreto, enquanto tentam derrobar o governo corrupto de ilhas em ambientes tropicais (nas Caraíbas, Sudoeste Asiático nos dois jogos anteriores). A gameplay consiste em elementos de shooter em terceira pessoa, com a possibilidade de condução de veículos, num grande mundo aberto. A personagem é capaz de correr, andar, saltar e nadar, para além de utilizar armas, e realizar manobras e acrobacias com os veículos. Os jogadores podem explorar e decidir por eles próprios como desejam jogar o jogo. Apesar de haverem missões principais necessárias para progredir, os jogadores podem completá-las como e quando quiserem. Enquanto isso, podem explorar à vontade e causar o caos, podendo também cumprir várias missões secundárias, que envolvem combater combater e tomar posse de pontos estratégicos pertencentes a cada uma das várias facções que controlam a ilha. O terceiro capítulo passa-se na ilha de Medici ( local onde o herói cresceu) no Mediterrâneo, e onde Rico Rodriguez terá que enfrentar o general Di Ravello. As mecânicas dos jogos anteriores mantêm-se com algumas melhorias. O jogo não contará com microtransacções. Just Cause 3 foi anunciado em Novembro de 2014, com o lançamento previsto para o quarto trimestre deste ano.

Star Ocean: Integrity and Faithlessness (já anunciado)

Star Ocean é uma série de jogos RPG de acção, com temática sci-fi, incluindo elementos de fantasia. A história dos seus jogos passa-se ao longo de mais de 400 anos, e geralmente incidem sobre indivíduos a tentarem salvar o seu mundo de ameaças inimagináveis ( uma praga causada por um demónio no primeiro, um globo misterioso, forças no interior do planeta que destroem civilizações, etc…). Magia, viagens no tempo, ataques alienígenas e mundos alienígenas são elementos comuns dos jogos, com inspirações em clássicos como Star Trek. Para além de ser um RPG cuja mecânica é semelhante à de Final Fantasy (mas com um detalhe, podemos mover as personagens durante o combate e assim evitar os ataques), a série também foi uma das primeiras a  permitir ao jogador alterar a história com base nas suas decisões. Semelhante ao que temos em The Sims, as várias personagens podem estabelecer diversas relações sociais entre si, o que afecta a história e a gameplay (afecta a forma como as personagens se comportam face a outras em combate). Os jogos possuem também um sistema de crafting: através do domínio de técnicas como alquimia, escrita, pintura, modelação de metais e cozinha, podemos melhorar os items ao nosso dispor e avançar. Os items que possuímos podem posteriormente ser vendidos e comprados, o que é essencial para a aquisição de novos equipamentos e evoluir no jogo. Star Ocean: Integrity and Faithlessness ou Star Ocean 5, foi anunciado em Abril de 2015 como sendo exclusivo para a PS3 ( para o qual está a ser desenvolvido primariamente) e para a PS4 (como um port). Ainda não tem data de lançamento definida.

 

Bravely Second (Já anunciado)

Bravely Default: Where the Fairy Flies foi um RPG de ação-aventura lançado em 2012, que segue as aventuras de quatro personagens que são forçadas a trabalhar em conjunto por força das circunstâncias. Agnès, é uma vestal do vento que vê o cristal do vento ser consumido pela escuridão, Edea Lee, uma guerreira que tem de proteger o mundo de um grande mal, Ringabrel, um misterioso vagabundo e Tiz Arrior, um jovem que perde a família, e a sua cidade-natal quando são sugados num grande abismo. Juntos tentarão parar a escuridão que ameaça consumir o mundo. O combate, como noutros títulos do género, é baseado no ataque à vez, coma originalidade de possuir duas opções: “Default” que permite ao jogador armazenar os pontos para depois e “Brave” que permite usar os pontos em ataques do qual resultam vários danos acumulados. Bravely Default foi lançado para a 3DS, foi um suesso na crítica e nas vendas. Uma sequela Bravely Second já foi lançado no Japão, e seguimos Tiz e Edea e dois novos companheiros enquanto procuram por Agnès que desapareceu. Com mecânicas melhoradas, mas mantendo tudo igual o jogo foi um sucesso no Japão e os fãs ocidentais estão ansiosos para poder jogá-lo. Espera-se que uma data de lançamento no ocidente seja anunciada.

Dragon Quest XI, Dragon Quest VIII e Dragon Quest Heroes 2 (provável)

A saga Dragon Quest, um dos principais franchises da Square Enix, iniciou-se na NES em 1986. É um série muito popular de RPG (ajudou a definir o género), em que controlamos um personagem ( o Heroi sem nome), ou conjunto de personagens ( quando o Heroi tem companheiros), em missões para salvar o reino em que vive de um grande mal. os elementos de gameplay têm-se mantido inalterados, mesmo com a passagem do 2D para 3D: combate à vez, batalhas aleatórias, e monstros recorrentes ( o Slime, acabou por se tornar uma mascote. A última entrega foi Dragon Quest X, lançado para a Wii em 2008. A Square Enix já confirmou que Dragon Quest XI está em desenvolvimeto com entrega programada para 2016, sendo provável que na conferência da E3 tenhamos novidades.

Dragon Quest VIII é um RPG de acção aventura lançado para a PS2 em 2004 e foi o primeiro jogo da saga a ter modelos e cenários completamente 3D. Após um maldição transformar o Rei de Trodain num ogre, a princesa num cavalo e todos os outros habitantes em plantas, cabe ao único não afectado salvar o dia. O nosso Herói sem nome – só o conhecemos mesmo como Heroi – um soldado do reino, conjuntamente com o Rei Ogre e a princesa-cavalo embarcam numa jornada para encontrar o responsável e quebrar o feitiço. O jogo incluiu controlos inovadores para a saga, com o manípulo esquerdo  dirigir a personagem e o direito a câmara. As batalhas são aleatórias e o combate baseia-se no ataque à vez (típico dos RPG). O jogo foi um estrondoso sucesso, constando nos melhores da Square Enix e da PS2. E um port foi recentemente anunciado para a 3DS. É possível que na E3 tenhamos mais novidades.


Dragon Quest Heroes: The World Tree’s Woe and the Blight Below,  é um hack and slash lançado em Fevereiro de 2015 para a PS3 e PS4. O jogo combina as mecânicas Hack and Slash de Destiny Warriors com as personagens e monstros da série Dragon Quest. O jogo passa-se no reino fictício de Eruzase, onde pessoas e monstros convivem pacíficamente. Um dia, os monstros começam a atacar as pessoas subitamente e depende dos heróis, Act e Meer, guardas do reino, salvar o dia.  O jogo foi um sucesso na crítica e um sucesso de vendas no japão. Dado o sucesso a Square Enix já anunciou em Abril que uma sequela já estava a ser preparada. Será que teremos novidades?

Kingdom Hearts 3 (provável)

Kingdom Hearts é uma série de jogos RPG, que resultam de uma colaboração entre a Square Enix e a Disney Interactive Studios. É um cross-over entre vários elementos de universos Disney e da Square Enix, juntos num único universo ficcional. A série centra-se em Sora, e a procura pelos seus amigos enquanto que pelo caminho tem que enfrentar  personagens conhecidas da Disney, Final Fantasy e The World Ends With You ( título desenvolvido para a Nintendo DS em 2008, entretanto lançado em Android e iOS), quando o seu mundo é invadido por personagens desses universos. Para tal terá que atravessar vários mundos .A série conta já com 7 títulos lançados em várias plataformas, tendo sido, na sua grande maioria sucesso na crítica e nas vendas. São jogos lineares, de uma história para outra, apesar de existirem imensas missões secundárias. As batalhas são ao típico estilo RPG, com as diversas personagens a terem ataques únicos, desde físicos a mágicos. Kingdom Hearts III permitirá co-op até 3 pessoas, com muitos NPCs a poderem colaborar, e será mais dinâmico que em títulos anteriores. Kingdom Hearts III será o primeiro a título da série a ser lançado na Xbox ONE. Em Abril de 2015 um dos responsáveis disse que novas notícias sobre o jogo seriam revelados no D23 (evento da Disney) no Japão em Novembro deste ano. Mas é possível que mais gameplay seja revelada na conferência da Square Enix este ano.

Sleeping Dogs 2 e Triad Wars (provável)

Sleeping Dogs é um jogo de acção-aventura em mundo aberto, lançado em 2013 para PC, Xbox 360 e PS3. O jogo passa-se numa versão contemporânea de Hong Kong, e conta a história de Wei Shen, um polícia de São Francisco transferido recentemente para a polícia de Hong Kong, que recebe a missão de se infiltrar na organização Sun On Yee (uma tríade cujo o nome se inspira na tríade Sun Yee On, que existe realmente). O jogo assenta nos dilemas morais que Shen enfrenta: manter o disfarce, para isso tendo que assassinar várias pessoas ao serviço da tríade, de modo a poder completar a sua missão. É um jogo em terceira-pessoa, de mundo aberto, em que o jogador pode explorar o mundo e participar em missões secundárias. Shen consegue correr, saltar, mergulhar, nadar e é capaz de conduzir vários veículos, com carros, motos e barcos. Existe um sistema de progressão baseado em 3 tipos de pontos. Os pontos da tríade, obtidos ao completar missões para a tríade. Os pontos “Face”, obtidos ao completar missões para os civis, e que debloqueiam novas roupas e acessórios estéticos que influenciam a reacção das pessoas a Shen, bem como, ao atingirem um certo máximo, lhe regeneram a saúde. Os Xp da polícia, ganho ao completar missões de polícia, que desbloqueia novas habilidades como desarmar oponentes. O jogo também tem uma forte componente social, permitindo ao jogador estabelecer relações com outras personagens o que nos ajuda a progredir no jogo ( há muitas namoradas para Shen). O jogo foi bem recebido pela crítica e um sucesso comercial. Em 2013, um remaster para PS4 e Xbox ONE foi lançado. Será que esta ano teremos sequela? Pelo menos um novo jogo no franchise foi anunciado… Triad Wars é um MMO  de acção-aventura em mundo aberto,que se baseia no universo de Sleeping Dogs. O objectivo é chegar ao poder, como o manda-chuva do submundo da Triade. O jogo foi anunciado em 2013, e um trailer foi revelado em 2014.  Exclusivo de PC (pelo que se sabe até agora), o jogo tem lançamento planeado para os próximos meses. Será que teremos notícias na E3?

Hitman (provável)

Hitman é uma série de videojogos de acção-aventura com uma forte vertente de stealth. O jogo centra-se no misterioso Agente 47, (simplesmente 47, ou “Mr. 47”), um assassino por contrato, que trabalha para uma misteriosa organização, a Agência. Resultado de um processo de clonagem em laboratório, 47 possui habilidades sobrehumanas, o que o torna altamente eficaz. Por esse motivo, os seus serviços são altamente apreciados entre os mais abastados e a elite. Em cada nível temos de assassinar um ou mais alvos. Para tal, cada nível consiste uma espécie de Arena ou Hub (pode ser um teatro, um parque de diversões fechado, uma base militar, um quarteirão nos subúrbios), os quais temos de explorar e investigar para conseguirmos delinear a melhor estratégia para abater os nossos alvos. Os jogadores têm escolha: podem estabelecer um plano, roubando, usando disfarces e esconderijos, envenenando comida, e ganhando acesso a áreas restritas de modo a poder aceder ao alvo e abatê-lo sem ser detectados. Ou podem equipar as armas e matar tudo à frente. Contudo aproximação subtil é mais recompensada. O jogo têm um medidor de tensão relacionado com o nível de suspeita: se estiermos a andar calmamente, com uma arma no coldre, com o uniforme de segurança, o nível mantém-se baixo. Se estivermos a usar uma arma com o uniforme de camareiro, somos detectados. Sabemos que um novo título, o sexto da série, está em desenvolvimento na I/O interative, a qual já declarou quer mais elementos de mundo aberto e menos de lineariedade, com uma revelação do jogo a ocorrer este ano (será na E3?).

Hitman_6

Hitman: Absolution Remaster (pouco provável)

Hitman Absolution, é o quinto título da série e o único lançado na anterior geração. Devido aos avanços tecnológicos conseguidos durante a anterior geração, a interactividade melhorou muito a experiência, tornando-o num jogo mais acessível e fácil de jogar, mantendo contudo todas as características que definiram o franchise. Com a agente Diana Burnwood, a assistente de campo do agente 47 nos jogos anteriores, a fugir da Agência sabotando-a e tornando-a pública, a Agência, sob nova direcção, ordena a 47 que a assassine. Ao confrontar Diana com os seus actos ela pede-lhe que protega Victoria, a sua protegida, revelando uma conspiração muito maior em que nada é o que parece. Mantendo as características dos jogos anteriores, permitindo ao jogador escolher como levar a cabo as missões, o jogo conta com mecânicas muito mais fluídas e novidades bem vindas, como a capacidade instinto (semelhante à audição em The Last of Us) que facilita e muito o stealth. É também a primeira vez que a série introduz o modo online ( o modo “Contracts”) com a possibilidade dos jogadores jogarem missões que outros jogadores planearam. Lançado no meio de escândalos, resultantes sobretudo de marketing mal planeado ( Trailer The Saints e app do facebook), o jogo teve uma recepção mista: grande parte dos críticos elogiaram os novos sistemas, o que permitiram uma gameplay mais intuitias, mas os fãs mais conservadores não gostaram do novo estilo e estrutura do jogo. Pessoalmente, considero o jogo uma enorme proeza ténica, e tive pena que apesar dos 3,5 milhões de cópias o estúdio tivesse recebido restruturações. Sempre esperei ver o título remastirizado para a nova geração, dada as queixas de membros de produção do jogo sobre as limitações técnicas da anterior geração, chegando a mostrar trabalho de assets do jogo com qualidade next-gen. Será que nesta E3 algo será revelado?

Final Fantasy VII Remaster (pouco provável)

Final Fantasy VII é a sétima entrega da série, lançada em 1997 exclusivamente para a Playstation original, o primeiro com gráficos 3D e o primeiro a ser lançado na Europa. O jogo segue Cloud Strife, um mercenário que se junta a uma organização eco-terrorista, AVALANCHE, que quer parar a megacorporação que controla o mundo: Shinra, de sugar toda a vida do planeta para a usar como fonte de energia. À medida que progredimos verificámos que a conspiração é muito maior que o que imaginávamos. Sendo o primeiro título em 3D, o sistema de batalha foi completamente novo: temos um campo de batalha completamente a três dimensões, com câmara fixa. Graças ao maior controlo sobre a cena, as personagens são mais definidas que durante o resto do jogo, sendo compostas inteiramente por polígonos em vez de sprites em 2D. De resto o combate dá-se como a série nos habituou havendo o problema de em vez das 4 a 5 personagens que podíamos ter em combate nos anteriores títulos em 2D, desta vez só podíamos ter 3. Outra novidade foi a chamada barra limite, uma barra de energia que se enche à medida que vamos sofrendo ataques, e quando cheio permite que a personagem execute um ataque especial, sendo semelhantes ao ataque de desespero de entregas anteriores. Creditado como o jogo que ajudou a vender a Playstation, Final Fantasy VII conquistou fãs por todo o mundo tendo sido um sucesso sem precedentes. Por esse motivo, muitos fãs gostariam de um remake do original para a nova geração, esperançados com um rumor, inciado em 2005 de que um remake estaria em desenvolimento para a PS4. Mas em 2014 foi anunciado que port que sofreu upscaling estaria para ser lançado para a PS4. Será que teremos notícias na conferência deste ano?


A conferência da Square Enix está marcada para o dia 16 de Junho às 16h00 ( hora de Lisboa). E vocês que novidades esperam da conferência da Square Enix, esta E3?

Publicidade

Posts Relacionados