E3 2015: Previsões para a conferência da Ubisoft

A Ubisoft reconhece a E3 como um momento especial para toda a comunidade e para o mundo dos videojogos, dado que é o evento em que apresentam a sua visão para o futuro do entretenimento. Mas será o evento suficiente para recuperar a outrora excelente reputação desta produtora? É que a sua visão do futuro poderá não ser bem o futuro que eles acabem por conseguir entregar…

Nota: Artigo do nosso leitor: Bruno Ribeiro

Ubisoft

A Ubisoft foi em tempos uma companhia conhecida por entregar títulos com qualidade, sem falhar. E a verdade é que no extenso catálogo desta companhia temos muitos IPs que definiram géneros como Assassins Creed, Splinter Cell, Rainbow Six e Farcry.  Nos últimos tempos, contudo, a sua reputação anda pelas ruas da armagura. Watch Dogs foi o princípio. Os gráficos estavam aquém do prometido e o jogo acabou por não ser tão novador como o trailer fez acreditar. Depois tivemos Assassins Creed: Unity. Após ter deslumbrado nos gráficos e dos responsáveis pelo estúdio dizerem que os 1080p estavam garantidos, chegando mesmo a afirmar que estavam até a atingir 100 fps, o jogo foi entregue a 900p, sem chegar sequer aos 30 fps e cheio de bugs que o tornavam verdadeiramente penoso de ser jogado. Isto foi apenas o culminar de uma degeneração lenta que a série tem tido à anos, devido à pressão de entregas anuais. Isto entre DLCs, Uplay e toda uma panóplia de políticas nada famosas. A companhia já pediu desculpa pelos seus erros (para logo a seguir anunciar novo título para a E3 deste ano). Será que no futuro teremos jogos em melhor estado? A companhia também já prometeu novidades para o evento, para além dos suspeitos do costume.

Assassins Creed: Syndicate ( já anunciado)

O capítulo mais recente da saga Assassins Creed, passa-se em Londres no ano de 1868. A história segue os gémeos Jacob e Evie Frye, enquanto eles navegam pelos meandros do crime organizado na era Vitoriana, e lutam contra a ordem estabelecida pelos Templários. O jogo permanece como o título de acção-aventura em terceira pessoa que todos aprendemos a adorar. Unity marcou a estreia de um sistema completo de novas mecânicas na série após muitos anos, mas este jogo também apresentará novidades, nomeadamente no sistema de navegação, no combate e no stealth.  Pela primeira vez, a acção não se centra só num protagonistas mas nos dois gémeos (marcando a primeira vez, que um título principal terá uma protagonista feminina). Jacob prefere o confronto direto enquanto Evie se apoia mais na sua inteligência e astúcia, preferindo o stealth. No arsenal, contamos com soqueiras, um revolver, uma espada-bengala e um punhal Kukri ( tradicional do Nepal). Também teremos um gancho e corda, para fazer rappel entre edifícios e poderemos andar em comboios ( fast-travel?) e conduzir carruagens (ou andar nelas) estando já prometidas perseguições, com os respectivos telhados a serem palcos de luta. Assassins Creed: Syndicate é lançado a 23 de Outubro.

Assassins Creed Chronicles e outros títulos ( provável)

A Ubisoft tem investido no mercado mobile, com títulos em 2D e 2.5D. Valiant Hearts, foi anunciado o ano passado tendo sido antecedido de Rayman Origins. Assassins Creed: Chronicles é uma trilogia de títulos a 2.5D. O primeiro, passado na China, já foi lançado como extra de AC: Unity, tendo recebido muito boas críticas, e sabemos que mais dois, um na Índia e outro na Rússia estão planeados. Será que serão revelados mais detalhes na E3?

The Division ( Já anunciado)

A Ubisoft já mostrou gameplay nos eventos dos dois últimos anos, e como seria de esperar já confirmou mais gameplay inédita para este ano. The Division é um shooter/RPG em terceira pessoa com elementos de sobrevivência. Sabemos que o jogo terá componente online com elementos de co-op e possivelmente muitos outros. O jogo ocorre no caos que se gera após uma doença misteriosa, que se espalhou durante a Sexta-Feira Negra ( o grande dia dos descontos), levar ao colapso do governo e à falha dos serviços básicos um por um. O jogador tem o papel de um agente da SHD ( Strategic Homeland Division ou The Division), os quais foram treinados para atuarem independentemente da falha do comando caso este falhasse, e têm como missão restabelecer a ordem. Mas nem tudo é o que parece com a descoberta que o vírus que causou a praga foi transmitido pelas notas e que por trás disso há uma conspiração com terceiras partes em jogo. O título foi apresentado pela primeira vez na E3  de 2013 e tem recebido sucessivos atrasos. Tendo em conta o historial da Ubisoft, receio que os gráficos estrondosos do jogo mostrado inicialmente possam ser uma outra promessa que não será cumprida. O que nos falta mesmo é a data, será que será adiado de novo?

Rainbow Six: Siege (Já anunciado)

A série Rainbow Six, baseados em romances do mesmo novo escritos por Tom Clancy, definiu o género do shooter táctico, em que o foco não está nos combates a tiro, mas no stealth, na táctica e no trabalho em equipa. Siege é o título que sucede a Rainbow Six Patriots, jogo que  estava em desenvolvimento, mas foi cancelado. Sobre a história não há detalhes nenhuns, mas sabemos pelos dados fornecidos durante a primeira gameplay, que faremos parte de uma equipa da Swat ou do FBI, que tem de trabalhar em conjunto para resgatar reféns da mão de criminosos. É também possível assumir o papel dos criminosos e ter o objetivo de manter pessoas reféns. Uma beta do jogo estará disponível para as consolas de nova geração e PC. A Ubisoft já confirmou que o jogo será lançado a 13 de Outubro de 2015.

Just Dance 2016 (provável)

Just Dance é uma série de jogos em que o jogador tem que ter muito ritmo para acompanhar as músicas ao som das quais temos que dançar. É a ocasião ideal para pegar no Kinect e no Move dar-lhes uso sozinhos ou caso tenhamos pessoas em casa. O primeiro jogo foi lançado para a Wii em 2009, e em 2010 e 2011 duas novas entregas ( Just Dance 2 e 3 respectivamente) foram lançadas. Just Dance 4 foi o primeiro a aparecer na Wii-U, PS3 e Xbox 360, para além da Wii, e foi lançado em 2012. De seguida e dada a natureza anual da série, a entrega de 2013 chamou-se Just Dance 2014, que já incluiu a nova geração, e no ano passado foi anunciado Just Dance 2015, lançado em Outubro de 2014. Portanto, este ano o mais provável é que esteja presente na conferência.

Justdance

Splinter Cell (provável)

A série Splinter Cell, também baseada no romance homónimo de Tom Clancy, ao lado de Assassins Creed é considerada como um dos franchises mais importantes da Ubisoft. A primeira entrega, Splinter Cell, foi em 2002 e a última,  Splinter Cell: Blacklist, em 2013, tendo pelo meio outras 5 entregas. Todos os jogos da série foram aclamados pela crítica e os jogos foram sucessos comerciais, tendo vendido mais de 31 milhões de cópias em 2011.  O protagonista, Sam Fisher, é um agente de operações secretas de uma subdivisão da NSA, a Third Echelon. O jogador tem que controlar Sam de modo a ajudá-lo a vencer os seus adversários. O objectivo é ficar escondido e progredir ao longo do nível de preferência sem ser notado, e sem entrar em combate, tendo para isso que escolher os caminhos menos óbvios, criar diversões para destruir os guardas e permanecer na escuridão ( os jogos de luz e sombra são dos elementos mais importantes na gameplay). O elemento mais clássico do arsenal são os “Trifocal Goggles”, tal como o nome indica, óculos com 3 objectivas, capazes de visão noturna bem como de visão térmica. A entrega de 2006, Double Agent, no qual o protagonista se inseria disfarçado numa célula terrorista, introduziu pela primeira vez o fator de moralidade, com escolhas conflituosas a influenciarem o rumo da história. Tendo passado 2 anos desde a última entrega será este ano que Sam Fisher vai regressar?


Far Cry (provável)

Farcry é um série de FPS de mundo aberto, situado em locais exóticos desde as planícies de África, às Ilhas no Pacífico e aos Himalaias cobertos pela Neve. O jogador conta não só com um extenso arsenal bem como com veículos muito variados: motos, jipes, asa delta, elefantes… enfim, é só escolher! A última entrega, Farcry 4, foi lançado em Novembro de 2014, e por isso ainda será muito cedo para vermos algo relacionado com Farcry 5 já que as entregas costumam ser bastante espaçadas. No entanto, como Farcry 3, lançado em 2012, teve direito a uma expansão, Far Cry: Blood Dragon em 2013, é possível que este ano uma expansão para Farcry 4 seja anunciada.

Watch Dogs 2 (provável)

Watch Dogs tinha tudo para dar certo. Era um shooter em terceira pessoa, mundo aberto, no qual controlávamos uma Hacker vigilante que se dedicava a expor e a combater criminosos e corruptos, numa moderna Cidade de Chicago, detalhada até mais não. O nosso protagonista Aiden Pierce, tinha em seu poder a capacidade de controlar quase todos os aspectos do mundo em seu redor: câmaras de vigilância, caixas de voltagem, luzes, portas, semáforos e mesmo mecos de bloqueio, tendo ao seu dispor qualquer veículo com que se deparasse. O jogo elevava o conceito de GTA a um outro nível, com gráficos deslumbrantes, gameplay cinematográfica e efeitos de deixar a boca aberta.  Mas isso foi a promessa. O jogo entregue, apesar de cumprir no principal, perdeu muito em matéria de beleza e estética, e a polémica arrebentou. Terão sido as limitações da geração passada, as limitações das consolas de nova geração ou foi o acordo com o gameworks da nVidia? Seja qual for a exlicação, o jogo foi a primeira grande mancha no currículo imaculado da Ubisoft, seguido pelo infame Assassins Creed Unity. Watch Dogs 2 é o oportunidade da companhia remediar a reputação de um título que, apesar de tudo isto, cumpriu no principal tendo sido um sucesso de vendas.

Prince of Persia (provável)

Prince of Persia foi criado em 1989, tendo sido lançado para a Atari ST, o Apple II e o Amiga. O jogo passa-se na antiga Pérsia. Um feiticeiro toma o poder, aproveitando a ausência do sultão a combater na numa guerra, a tranca a princesa numa torre. Um jovem guerreiro, de nome desconhecido, vai em seu auxílio tendo que evitar armadilhas mortais e os guardas que aparecem pelo caminho. Desde então o franchise já foi reinventando e reeditado muitas vezes em várias entregas, para inúmeras plataformas, desde a PS3 ao iOS. A trilogia original foi o jogo de 1989, Prince of Persia, seguido de Prince of Persia 2: The Shadow and the Flame e de Prince of Persia 3D, lançado em 1999. Os dois primeiros jogos foram aclamados pela crítica e sucessos de vendas, mas o terceiro, entregue com muitos bugs, foi dilacerado pela crítica e um fracasso comercial, levando à venda do IP para a Ubisoft. A companhia trouxe o homem por trás do franchise e juntou-o à equipa responsável por Splinter Cell, tentando criar algo verdadeiramente novo. Disso resultou a série The Sands of Time. O primeiro título, Prince of Persia The Sands of Time, foi um sucesso instantâneo, mas a segunda entrega, Prince of Persia: Warrior Within, que já tinha um tom mais negro e violento, dividiu a crítica embora se desse bem nas vendas e uma terceira entrega, Prince of Persia: The Two Thrones, foi eventualmente lançada. Esta trilogia foi a mais bem sucedida e é uma referência no franchise. Em  2010, um novo título, Prince of Persia: The Forgotten Sands, foi lançado, com os eventos a decorrer entre o segundo e o terceiro jogo, mas foi um flop. Em 2008, um remake do original foi feito, com estilo mais cartonesco, tendo tudo boa recepção dos críticose vendeu no primeiro ano 2.2 milhões de cópias. Sabemos que um novo jogo está em produção. Será que este ano veremos uma outra entrega?


https://www.youtube.com/watch?v=DdZT6HIwoU

Rayman ( pouco provável)

Rayman é um jogo de plataformas 2D da era dos 16 bit ( Sega Saturn, Playstation entre outras) criado por Michel Ancel, que deu origem a uma série de vários jogos para várias plataformas. Nele controlámos Rayman, uma criatura, sem braços nem pernas, mas com mãos e pés que se movem de forma independente do seu corpo, e que podem ser esticados a longa distâncias pemitindo a Rayman esmurrar os inimigos mesmo que estejam longe. Pode usar o cabelo para se balançar, e normalmente usa luvas brancas, uma camisola púrpura e ténis amarelos. Rayman 2: The Great Escape, levou o série ao 3D adicionando mais variedade à gameplay, como a capacidade de montar um foguete e nadar e Rayman 3: Hoodlum Havoc, manteve as mesmas características dos anteriores, com mais algumas características. A série contudo nunca desistiu do 2D, tendo lançado várias outras entregas para várias plataformas incluindo as consolas portáteis. Mais recentemente tivemos Rayman Legens, que foi lançado para a PS4, PS3, PS Vita, Xbox 360, Xbox ONE e Wii-U em Outubro de 2013. Michel Ancel, que tem ditado os destinos da série, está a trabalhar num outro projecto da Ubisoft, pelo que não será certo que veremos mais de Rayman na E3 deste ano.

Beyond Good and Evil 2 ( pouco provável)

Beyond Good and Evil, foi um jogo de acção-aventura em terceira pessoa lançado em 2003 para a PS2, Xbox e PC, criado por Michel Ancel, o senhor por trás de Rayman. Nele controlámos Jade, uma repórter de investigação, que sabe artes marciais e que trabalha para um movimento de resistência com o objetivo de revelar uma conspiração mundial, levada a cabo por alienígenas. O jogo passa-se no ano de 2435, no planeta mineiro de Hillys. Pelo caminho, Jade terá que enfrentar muitos inimigos, usando as suas capacidades stealth, e resolver muitos puzzles, de modo a chegar a locais que contenham provas fotográficas da conspiração. O jogo foi aclamado de forma unânime pela crítica e recebeu vários prémios nos anos que se seguiram. Em 2008, a Ubisoft anunciou que uma sequela estava em produção. Será que é desta?

Ghost Recon (provável)

Ghost Recon, também baseado nos romances do mesmo nome escrito por Tom Calcy, são shooter militares de estratégia. O jogador está encarregue de um equipa das forças especiais do exército americano, muitas fezes referidos como fantasmas “Ghosts”, e terá que estipular as manobras de cada elemento da equipa bem como as regras de comando através do mapa, de modo a cumprir missões. Por cada missão cumprida e personagem sobrevivente, terá direito a pontos que lhe permitem fazer upgrade. Para além dos objectivos principais, existem muitos objectivos secundários, a partir dos quais é possível adicionar especialistas de outras forças, como por exemplo a NATO, à nossa equipa. O jogo é controlado inteiramente de uma perspectiva de primeira pessoa, em que terá que levar os seus soldados a cumprir a tarefa que que foi estipulada para cumprir a missão. O primeiro jogo foi lançado me 2011, tendo tido direito a 3 expansões: Ghost Recon: Desert Siege (2002), Ghost Recon: Island Thunder (2002)e Ghost Recon: Jungle Storm (2002). O segundo título, Ghost Recon 2 foi lançado em 2004 eintroduziu pela primeira vez um back ground à personagem que o jogador controlava, o líder da equipa, e o modo multijogador. Teve direito a uma expansão, Ghost Recon 2: Summit Strike em 2005. Depois vários outros títulos, lançados para várias plataformas, o mais recente na Xbox ou Playstation, foi Ghost Recon: Future Soldier, o primeiro título em ambiente futurista, em que o jogador controla as personagens de uma perspectiva em terceira pessoa, sendo shooter baseado num sistema de Cover. Este sistema não é novo na série tendo sido implementado pela primeira vez nas versões PC e Xbox 360 Gohst Recon Advanced Warfare  de  2006 . O jogo foi lançado em 2012, para PS3, Xbox 360 e PC. Em 2014, foi lançado Ghost Recon Recon Phantoms para a Wii-U, muito na linha de Future soldiers, mas que não foi um sucesso comercial. Será que este ano veremos mais um título da série ou até mesmo um reboot?

 

A conferência da Ubisoft ocorre dia 15 de Junho às 23h ( hora de Lisboa). E vocês o que esperam encontrar na conferência da Ubisoft?

Publicidade

Posts Relacionados