EA explica: A visceral foi fechada porque os jogadores já não gostam tanto de jogos lineares.

Há que perguntar se a Bioware será a seguir. Mesmo sendo Anthem um dos títulos mais esperados atualmente… é single player!

Os jogadores já não gostam tanto dos jogos single player como antes. Esta foi a desculpa dada pela EA para justificar o fecho da Visceral que trabalçhava num jogo Star Wars single Player.

Mas será que realmente os jogos multi player são mais preferidos do que os single, ou será que o que vemos nos tops se deve apenas a uma outra realidade, o de haverem atualmente mais jogos baseados na componente multi do que jogos que se limitam ao single?

Vamos ver por exemplo Star Wars Battlefront. Um jogo que a EA considerou um sucesso! Este é um jogo multi, pelo que as vendas são gerais em todas as consolas, mas vamos reduzi-lo a uma plataforma, aquela onde vendeu mais, a PS4… e vamos comparar!

Sabiam que Battlefront vendeu menos que Uncharted 4?



Mas como? Se as pessoas não estão interessadas em jogos single player?

Falemos de outro jogo… o Call of Duty. Querem multi player melhor sucedido?

Pois bem… Tanto o Infinite Warfare como o Advanced Warfare venderam tambem menos que Uncharted 4. Mas curiosamente tambem venderam menos que o Fallout 4, outro jogo single player!

Destiny… Vendeu menos que esses dois… e menos que The Last of Us.

Battlefield 4? Vendeu menos que esses todos… e menos que The Witcher 3: Wild Hunt!

Curioso! Mas o que vemos é que quando os jogos single são bons… eles vendem! E chegam mesmo a bater os multi!

A EA sabe disso. Sabe muito bem disso, tanto que se prepara para lançar Anthem que terá uma forte componente single player! A questão não passa e nem nunca passou pela preferência do público pelos multi, pois mesmo que essa tendência possa estar a existir ela não define a totalidade do mercado. No global o público compra o que gosta dentro do que há, e o mercado é que, por questões económicas, lhes impinge o multi, mas a realidade é que quando o bom single aparece, as pessoas compram.

Como referido, Anthem é o caso flagrante… é da Bioware (pertença da EA) e atualmente dos jogos mais esperado que foram recentemente anunciados. E pelo que foi mostrado é totalmente single player! E a realidade é que isso , até ao momento, em nada afastou o interesse das pessoas no jogo.

A real razão desta postura já foi aqui abordada por nós em outro artigo. Na realidade o decidido trata-se de uma decisão financeira uma vez que os jogos single e offline são mais dificeis de monetizar que os online. E dados os custos de produção, se o jogo não vender dentro dos parâmetros desejados, não existindo a possibilidade de monetização… o jogo dá prejuizo!

Tudo isto é uma questão empresarial, de lucros. E aqui o resto dos argumentos são falsas questões!

Não há, nem nunca houve desinteresse pelo single, aliás o multi é algo que nem todos gostam! No multi estão pessoas, há componentes que não há no single como batotas, insultos, colegas que abandonam o jogo porque vão comer umas sandes e nos deixam abandonados, etc. Ali sabemos com o que contar, sabemos como agir, podemos criar uma estratégia que não depende do lag ou da qualidade dos colegas de jogo. Podemos jogar, divertir e avançar!



Nada temos contra o multi, mas há que convir que nem todos olham para o multi como a componente mais desejável. Isto não passa nem nunca passou por um produto ser mais desejável que outro, trata-se apenas de oferta para todos os gostos. Mas a EA usa estes subterfúgios para disfarçar uma realidade que não quer dar a entender, a de que pode ganhar mais dinheiro com o online!

Micro transações num jogo single não funciona muito bem. A não ser que ele seja forçosamente single, mas online, e isso sabemos que não cai bem. As pessoas mostraram a revolta a essas situações no início da geração. Ninguem quer deixar de poder jogar um jogo que não é 100% online só porque não há internet, e não se podendo forçar a internet nos jogos single sob pena de boicote, colocar ali lojas não funciona convenientemente.

Onde isso funciona bem é no online. Afinal as pessoas para jogarem jogos online estão, imagine-se lá, online! E desta forma, alterando o tempo que demoram para evoluir ou desbloquear, criam uma situação onde as pessoas são tentadas a aderir às compras.



Mas o que depois temos são jogos como Need for Speed: Payback, que tem tido avaliações miseráveis pela quantidade de vezes que o jogo obriga a jogar para se conseguir fazer algo de útil (tudo para incentivar as compras), ou Battlefront 2 que teve um dos maiores boicotes da história e que atirou mesmo as acções da EA para baixo, causando milhões em prejuizo à empresa.

Mas se é por este caminho que a EA quer ir, é livre de o fazer. Ninguem a pode obrigar a investir em jogos de maior risco. Não pode e nem deve é atirar areia aos olhos das pessoas, fazendo passar uma ideia que não corresponde à realidade para justificar as suas acções!

E a imagem que a EA passa para encobrir os seus reais motivos é que são os jogadores que não estão interessados nos jogos Single Player, mas as palavras usadas na reunião de investidores mostram a realidade das coisas. Eis aquilo que o DualShockers refere terem sido as conclusões da EA face ao jogo: “Apesar que o cálculo económico nunca é fácil de fazer, o criador chegou à conclusão que provavelmente nunca chegaria a cobrar os custos de criar o jogo, pelo que tomou a decisão de fechar o estúdio”.

Lá está… análise de risco financeiro!

Curiosamente o jogo estava em produção à alguns anos, pelo que este fecho não foi exactamente a custo zero. Entre vender pouco e recuperar parte, se calhar até perder menos do que perderam agora, ou quem sabe, até ter lucro como muitos jogos Single tem, a EA resolveu fechar já o estúdio e arcar com o prejuízo. Mas não se preocupem… irão acabar por o pagar nas microtransações em outro jogo qualquer!

Vamos lá e a ver se a EA não chega também à conclusão que os novos IPs já não interessam como antigamente. Afinal as suas maiores receitas são de jogos que se repetem todos os anos!

 



Posts Relacionados

  Subscribe  
newest oldest
Notify of
By-mission
Visitante

Infelizmente só resta votar com a carteira, nessa geração não comprei um único jogo da Ubisoft, reconheço que alguns têm qualidade, mas não me levam um único centavo sequer, com EA vai ser o mesmo.

Ennio Rafael Costa Lima
Visitante

Concordo com todo o texto, em tudo, a única ponto que acredito que faltou é que em conversa com pessoas que não gostam de multi para mim elas são unânimes o principal motivo é: habilidade. As pessoas que eu converso odeiam ter que enfrentar jogadores melhores, sentem-se frustadas, ou reclamam que não tem tempo para melhorar.
Tem todas as outras questões elencadas, tem, mas as várias pessoas que conheço falam que compram um jogo para se divertir, alterar a dificuldade, ver videos no youtube para passar pelo boss e por ai vai, e não para sofrerem nas mãos de jogadores habilidosos.
Atualmente o jogo que mais esta me prendendo é o primeiro The Evil Within, que por sinal é linear, mas que jogo, ótimo, um dos melhores que tenho jogado nesta geração.
Realmente você esta certo, quando o jogo é bom, pode ser até linear, que é um boa pedida, mas um multi cheio de jogadores monstros, para muitos é um pesadelo.

GABRIELA PACHECO
Visitante

Bom dia!
Mario
Como consumidores e fans mais antigos não gostamos destas ideias .
Porem é cada vez mais nítido a tendência d e mercado para investir mais em Multis ao invés de single Players .
Sei que muitos vão dizer que a Sony investe e tem alguns resultados, concordo porem a mesma possui um console a qual precisa ser atrativo para ter usuários a sua marca, então se aplica sim a necessidade de reforçar os exclusivos mesmo sendo eles Single ou Multi. Em resultados financeiros aas empresas estão a visar mais a quantidade do que em alguns momento a qualidade, por isso acho que a frente a tendências de jogos como esta temática de fases deve ser uma raridade

Vinni
Visitante

Eu jogo video Game desde Super Nintendo.
Joguei muito jogos single player, no proprio super nintendo, mega drive, nintendo 64, playstation, 1 playstation 2, quando comprei o primeiro Xbox o primeiro mesmo comecei a conhecer o online, no Xbox 360 praticamente só joguei online mesmo com excelentes jogos campanha, eu cansei não tenho mais tempo para jogar um The Witcher 3, reconheço que é um jogo monstro tanto no tamanho como em qualidade, mas meu Xbox One praticamente 100% jogos online
Comprei um playstation 3 em 2015 foi uma puta cagada desculpa palavra, Uncharted , The last of US, são jogos aclamados mas quando fui jogar vi que meu tempo com single player acabou, não tenho mais vontade para esses tipos de jogos.
Comprei Assassins creed Origins para meu sobrinho, o jogo é enorme, muitas missões para fazer precisa evoluir o personagem para avançar, eu não tenho paciência para jogos que exigem ficar horas na frente de um console.
A qualidade desses jogos é fenomenal incrivel onde que chegou os jogos é uma evolução absurda, mas para mim realmente, não tenho mais vontade, tempo paciência para esses tipos de jogos.

Escolher com a carteira isso depende de cada um, eu só jogo online, adoro Call Of Duty e adoro jogos competitivos, esse competitivo que eu falo não é ser tóxico xingar as pessoas, e sim ser melhor do que outra pessoa de verdade, ter uma disputa saudável, e só ligar buscar partida e jogar, jogo umas partidas e desligo eu gosto disso hoje em dia não troco por nada.
Minha habilidade para esses jogos é media as vezes mais mato, as vezes mais morro, as vezes sou o melhor da partida as vezes o pior meu ratio é de 1.46..

Gosto de PES também porque mesmo esquema, Destiny outro jogo que eu adoro, mas esse exige um pouco mais porem eu jogo no meu tempo, as pessoas chegaram no poder 305 no primeiro mês do jogo, eu ainda estou no 298 jogo no meu tempo, faço raid quando eu posso, se não posso deixo para outra semana, eu jogo para me divertir e sempre no meu tempo.

Minha diversão hoje em dia são os jogos online!

Jefferson
Visitante

Eu entendo sua critica a esses jogos enormes, com muitas “missões”, evoluir etc…, eu tenho preguiça enorme de jogos de mundo aberto, e quando é preciso “evoluir” mas farmando ou grindando, até mesmo jogos multi isso me deixa triste ter que ficar jogando um tempão pra liberar uma mira, poucos jogos colocam a evolução de forma natural, ou não tenha tantas missões secundarias repetitivas, quando joguei bloodborne que precisa farmar um pouco lembro que zerei ele com metade da força do meu cunhado, mas passava um tempo enorme pra matar os boss.

GABRIELA PACHECO
Visitante

Estou com Final Fantasy parado deste que comprei e não consigo terminar de jogar ele.
Eu e meu namorado so jogamos Overwatch e confesso que não paro kkkk.
Eu gosto de jogos single mais realmente já vi que a tendência é ficar cada vez menos no mercado estes jogos.

bruno
Visitante

No meu caso, de multijogador, só peguei em Destiny. Aborreci-me completamente e desde então nunca mais pequei no jogo. Desde essa altura, foi Infamous, Killzone, Uncharted 4, Murdered Soul Suspect, RoTR entre outros. Qualquer dia ainda hei de me convencer a voltar ao jogo.

Mas para mim, qualquer outra coisa menos esse tipo de jogos.

Por isso, a minha tendência continua com os singles.

José Galvão
Membro

Gabriela a razão pela qual tens o FFXV encostado é a mesma que a minha, mas nada tem a ver com o modelo SP, jogos como FFXV e Fallout 4 requerem um compromisso, dedicação e como recompensa tens uma jornada gratificante, o problema é quando essa viagem não é assim tão apelativa.

Hojem em dia os jogos open world obedecem muito à moda iniciada pelos jogos da Ubisoft, um grande mundo cheio de nada, mapas apinhados com tarefas a quests repetida até à exaustão, e se no primeiro jogo e em mais uns quantos a coisa passa, ao fim de uns quantos a seguir a moda, torna-se cansativo.
Não é por nada que tanta gente adorou o novo Zelda, pois faz as coisas de forma diferente.

Já nos jogos SP mais lineares as coisas também não são muito diferentes, apesar do compromisso ser muito menor, a trends do costume como salvar o mundo pela centésima vez e heróis com um discurso cliché mais que visto, começam a cansar ao fim de uns tempos, logo não admira que muitas vezes prefiras jogar online onde o imprevisivel pode acontecer.

José Galvão
Membro

Mário em relação ao artigo, concordo em pleno, no entanto diexa-me só fazer um reparo, o Anthem não é um jogo SP, o jogo da Bioware está para a EA como o Destiny está para a Activision.
Sim tens um modo história como no Destiny mas não te iludas porque tal como o Destiny, é um jogo MP de alma e coração com alto nível de monitorização, o modo história é para inglês ver pois o foco, tal como no Destiny, é online, onde é possível a chulice.

Carlos Zidane
Visitante

Meu negócio é single player. Já joguei multi e não vi vantagem.
Gosto mais de jogos com um bom enredo que sair dando tiro a torto e a direito.
Não pago microtransações de jeito nenhum. O jogo já é caro e ainda vou pagar mais?! Táe achando com cara de trouxa?
Eu gosto de conquistar as coisas, se eu for comprar algo, é como se eu estivesse trapaceando, mas de mim mesmo.
Respeito obviamente todos os gostos.
O meu é esse. E esses online’s só servem mesmo pra gerar mais e mais dependência.
O bom é que por mais que as empresas como EA venham com conversa fiada, a realidade é que quem manda é o povo. E uma boa parte é inteligente pra não se deixar escravizar.

nETTo
Visitante

Jogos Single Lineares Ontem, Hj e Amanhã

Via Chris

Felipe Leite
Visitante

Isso para mim é simplesmente uma desculpa da nossa boa e velha EA…
Gosto de jogos on-line, mas para mim o verdadeiro prazer é ainda desfrutar de uma boa experiência single player. Gosto de divertir-me no call of duty e no overwartch, mas nada me dá mais prazer do que passar horas em um dragon age, mass efect, the Witcher ou mesmo Tomb raider e Uncharted.
Creio que os single player não irão acabar de jeito nenhum.

Off topic : Mario adquiri um playstation vr na black friday e estou muito surpreendido. Não estava a espera que fosse tão imerso e diferente. Não teremos mais nenhum artigo do género do “Star Trek”?

Felipe Leite
Visitante

Mário, os meus comentários não estão liberados?