Escândalo da NSA torna a Xbox One ainda mais assustadora

O título e teor desta notícia é tirado directamente da revista Forbes, e surge na sequência do escândalo que rebentou nos EUA e que terá repercussões a nível mundial, e onde se sabe agora que a NSA usava hardware e software de empresas Americanas para espiar fosse quem fosse.

bigbrother

Apesar de a XBox One ser o elemento que mais salta para a baila devido à actual polémica, e acima de tudo às suas capacidades como aparelho espião devido à sua capacidade de ver no escuro, detectar emoções, gestos, distinguir o número de pessoas e mesmo distinguir e identificar as mesmas, o escândalo em causa é muito mais profundo, e afecta várias empresas americanas, bem como software e hardware que usamos diariamente.

O certo é que se soube agora que a National Security Agency, ou NSA possuía acesso aos servidores da maior parte das grandes empresas tecnológicas dos EUA, e isto desde o fim da administração Bush.

Os acessos começaram em 2007 e incluem gigantes como a Google, Yahoo, Apple, Facebook e a Microsoft e que, naturalmente, negam terem participado.

Publicidade

Retomando o nosso artigo

O programa em questão era denominado de PRISM, e por ele o governo tinha acesso a todas as fotos, e-mails, dados armazenados e basicamente tudo o que se faz nos serviços online destas empresas. De acordo com o jornal The Guardian o programa continuou até à presente data, sob administração Obama.

O jornal The Guardian, responsável pela divulgação dos factos mostra que o documento apresentado, uma apresentação powerpoint top secreta, data de Abril de 2013. E a primeira empresa a ser abrangida pelo programa PRISM em 2007 foi, nada mais, nada menos, do que a Microsoft.

Publicidade

Retomando o nosso artigo

Curiosamente a mesma Microsoft que na vaga de críticas sobre a Xbox One e o seu Kinect que capta informação enviada para servidores pelo mundo, lança o slogan que agora podemos considerar como totalmente irónico, “A sua privacidade é a nossa prioridade”. E se até agora, antes de se saber da existência do programa PRISM os receios de que o Kinect pudesse ser usado para espiar eram mera teoria da conspiração, agora sabemos efectivamente que tal pode, e possui mesmo a grande probabilidade de ser verdade. A Microsoft faz parte do PRISM, e a NSA só tem de lhe pedir o acesso aos servidores para poder registar os dados que bem entender.

É certo que a Microsoft refere que os utilizadores podem desligar o Kinect. Mas podem mesmo? Primeiro, poucos ou nenhuns o farão, e segundo o desligar é apenas uma opção no software, algo que ninguém garante que a NSA não pode activar remotamente. Afinal se com os smartphones desligados estas agências conseguem activar remotamente os mesmos e captar conversas, porque motivo não se poderia fazer isso com o Kinect?

O certo é que sem se saber mais sobre este programa e o que ele abrange e pode captar, há agora mais motivos para se passar ao lado da Xbox One.

Nota: Com a excepção de uma ou outra frase alterada, e da tradução e escrita livre, esta notícia é basicamente o conteúdo do que foi escrito pela revista Forbes.

Recomendamos igualmente a leitura deste artigo.

A Forbes levanta ainda a teoria de que o grande centro de espionagem que a NSA está actualmente a construir poder estar relacionado com a análise e tratamento de dados obtidos dos Kinect das Xbox One de todo o mundo.

Podem ver a apresentação powerpoint que foi divulgada, aqui.

Publicidade

Posts Relacionados