Futuro da Xbox One passa por ser uma plataforma e não apenas uma consola

Satya_nadella

A Microsoft explicou como é que a Xbox se enquadra nos planos de Satya Nadella. Mas para aquilo que poderá não ser do agrado de muitos, o futuro planeado para a consola passa pela criação de uma plataforma Xbox para o Windows 10, e isso inclui a consola e o PC.

A Microsoft explicou a forma como o futuro da Xbox e do Windows 10 estão definidos na mente de Satya Nadella, começando por explicar a situação com um outro exemplo que só por si é exemplificativo de forma simples dos planos da Microsoft.

Assim o Gestor de Produtos do Grupo Xbox, Peter Orullian, explica dando como exemplo a mudança radical que a Microsoft tomou no seu rumo com a entrada de Nadella.

Não importa o aparelho que se usa, desde que se esteja a usar uma aplicação da Microsoft.

E é essa mesma visão que a Microsoft possui para os jogos!

Basicamente o novo conceito passa por remover as limitações de onde o software está a correr, sejam elas hardware ou sistema operativo, criando aplicações para todas as plataformas de forma a que se possa ter o software da Microsoft nas mesmas.

Com a Xbox será a mesma coisa. Basicamente a uniformidade da plataforma Windows 10 pretende expandir o conceito Xbox para o PC. Isso não implica acabar com a consola, e nem quererá dizer que os jogos serão diferentes no PC, mas que no futuro, eles serão partilhados por ambos (o que indiretamente implica diferenças, nem que sejam limitadas à performance).

A ideia com esta situação é colocar o utilizador primeiro. Querem correr o Office num tablet Android… podem! Querem correr o Skype num Mac… podem! E com a Cloud a sincronizar os ficheiros, os dados são partilhados entre os sistemas, podendo um texto iniciado num PC poder ser acabado num tablet e vice versa.

O pretendido é agora aplicar esse conceito ao gaming!

A Xbox é uma linha de consolas que cresceu desde um conceito para PC até uma marca por si mesma. Já o PC tem sido a plataforma de escolha para o jogador mais Hardcore à mais de 20 anos.

E durante muito tempo ambos foram algo separado, mas em Novembro haverá uma alteração muito grande a ocorrer na XBox uma vez que o Windows 10 vai passar para o núcleo da consola. É o mesmo Windows 10 que corre em PCs, em Tablets e mesmo em smartphones. Ou como diz Orullian:

Isto significa que temos um único sistema operativo em todos os aparelhos Microsoft

Para a Microsoft esta situação abre uma oportunidade: A de servir os gamers da mesma forma que serve os agentes de negócios, estudantes e outros que usam os seus produtos empresariais.

A realidade é que esta transformação ainda está por começar, e o que vimos até agora limitou-se a estar focado na produtividade, em particular o pacote office 365 que está a crescer para além das raizes do Word/PowerPoint/Excel para um conjunto de aplicações e serviços que funcionam no Windows, Mac, iPhone, Android, e Windows Phone.

Para o gaming o equivalente será o Xbox Live. O Live será o centro do entretenimento, entre o PC e a consola, e tal como o office 365, será o serviço central que levará a Xbox a todas as plataformas.

Numa primeira fase a situação será em menor escala. Para já o Windows 10, uma vez em todos os produtos, permitirá fazer stream dos jogos Xbox para o PC ou tablet, mas isto será apenas numa fase inicial. Posteriormente tudo acabará por ser unificado!

E para que não fiquem dúvidas, a Microsoft explica:

No futuro a Windows Store, a App Store e a Loja digital da Xbox serão unificadas. Isto quer dizer que as aplicações ali existentes ficarão disponíveis para todos, e os fabricantes poderão criar aplicações que podem vender a todos os alcançados pela plataforma unificada e não apenas a parte dela.

Todas as plataformas abrangidas poderão tambem partilhar os mesmos servidores a nível de multijogador, algo que em outras plataformas se revela mais complexo. E títulos como Gigantic e Fable Legends serão apenas os primeiros jogos unificados que suportarão essa capacidade.

A ideia é com o tempo ir apagando a linha que diferencia a Xbox do Windows 10. Mas para já a Microsoft não revela mais sobre o que por aí vem.

———————–

Comentários:

Esta notícia, baseada neste artigo do Business Insider é, para mim, um rude golpe!

Pessoalmente sempre vi o mercado das consolas como algo de diferente do PC. Mais limitado, sim, mas com as vantagens inerentes a uma plataforma única a nível de optimização, bem como de exclusividade.

Porque as questões que se me colocam perante este cenário são:

-Com este tipo de unificação, quem, no seu perfeito juízo, vai querer comprar uma consola da Microsoft?
-E qual é o jogador PC que está interessado em ver o seu PC limitado nas suas criações pelo facto de o jogo ter de correr com a mesmíssima qualidade numa consola de hardware fixo e de menor performance (sem unificação de qualidade não há verdadeiramente plataforma)?

A Microsoft parece esquecer-se que o seu Office corre igualmente bem num tablet ou num PC topo de gama. E isto porque falamos de processadores de texto, folhas de cálculo e apresentações. Situações que requerem processamento básico e um grafismo rudimentar.

Mas e quando passamos para os jogos?

Os jogos requerem processamento elevado e hardware topo de gama! Isso quer dizer que quem faz um jogo como Halo 5 não pode pensar, por muito que a plataforma o permita, em colocar o jogo a correr em Tablets com o Windows 10. Ou seja, terá de eliminar parte dessa plataforma de forma a manter a qualidade!

Agora imaginemos um daqueles jogos como Star Citizen que nem sequer podem ser convertidos para as consolas. E imaginem-no a ser lançado para a plataforma Xbox, mas… excluindo a consola!


Seria um jogo da Xbox… que não corre na consola Xbox… Mas isto é sequer concebível?

Agora imaginemos que a Microsoft não deixava tal acontecer… E para isso colocava uma restrição segundo a qual nenhum jogo poderia sair para a plataforma Xbox que não suportasse a consola Xbox!

E então o que teríamos? Uma de duas situações!

1 – O jogo a sair sem se afirmar como sendo para a Xbox, mas sim para PC… que na realidade seria apenas uma mudança de designação face à Xbox pois usaria o mesmo API e OS, mas apenas não suporta a consola! E isto criava uma fragmentação no mercado PC que pura e simplesmente aniquilaria o conceito de se ter uma plataforma única, com a consola a ser prejudicada com a menor oferta.

Depois, comparativamente aos jogos lançados para PC fora da plataforma, esta só teria jogos limitados graficamente face ao que o PC poderia verdadeiramente fazer! E como tal a plataforma seria apenas uma curiosidade que os jogadores PC não desejavam ter implementada, querendo antes jogos fora dela por não apresentarem as mesmas limitações.

2 – O jogo saia limitado para suportar a consola Xbox. E tal seria um escândalo no universo PC que pura e simplesmente se revoltaria com os cortes efetuados no jogo para que a consola fosse suportada.

Sinceramente, por mais voltas que dê no raciocínio torna-se difícil conceber uma situação onde este conceito da Microsoft possa funcionar quando de um lado temos um hardware fixo e fechado e do outro um hardware aberto em constante evolução.

A única situação que parece fazer sentido é a de levar os jogos da consola Xbox ao PC. Mas tal é beneficiar o mercado PC em detrimento da consola! Estes teriam os jogos da consola, mas a consola não teria os jogos do PC. E não tendo a consola exclusivos, ou começando a perder muitos deles para o PC, qual o seu interesse?


Infelizmente as palavras da Microsoft transmitem a imagem de uma unificação total a acontecer no futuro, eventualmente, a longo prazo, passando a plataforma Xbox exclusivamente para o PC. E nessa altura deixaremos de ter uma consola, mas sim uma plataforma! Fica porém a questão do que acontecerá entretanto com a Xbox One, até porque se esta for sendo mantida, a simples ideia de o multi-jogador poder ser entre jogadores da consola e jogadores de PC é terrivelmente assustadora.

É que a maior parte dos jogadores PC jogam com um rato e um teclado, ao passo que os jogadores de consola jogam com um controlador. É impensável sequer imaginar um FPS onde jogadores com um rato e teclado se misturam com jogadores com um controlador! É que mesmo havendo quem domine muito bem um controlador, a maior parte das pessoas domina muito melhor um rato e um teclado. Num First Person Shooter tal seria uma chacina! Acrescentem a isto diferenças de FPS para jogos mais fluidos no PC, e maior resolução para se perceber melhor os inimigos à distância e as zonas sensíveis para onde se disparar, e percebemos que a consola nada tem a ganhar com a situação, apenas a perder!

No entanto, outros jogos poderão haver, como um RTS ou um RPG, onde tais desvantagens não se tornam tão notórias. Mas depois aplica-se uma outra situação, as batotas!

É que se a consola é fechada e não pode ter adulteração aos seus jogos, os PCs são um universo infestado de batoteiros que aplicam “cheats” e “hacks” dos mais diversos aos jogos. Pessoalmente, sendo um jogador que sempre preferiu os FPS no PC, acabei por optar por adquirir Star Wars Battlefront na PS4 (mesmo a 900p) devido às experiências passadas com as batotas no PC que pura e simplesmente destroem o prazer de se jogar. E agora… essa praga vai, por intermédio do PC, chegar aos jogadores da Xbox One.

A realidade é que uma consola não é um PC. A Microsoft não percebeu o conceito de consola quando desenvolveu a Xbox One, e parece não o perceber novamente agora com esta ideologia.

Os jogadores de consolas queixam-se de que tem poucos fotogramas quando o PC tem muitos, mas compram na mesma o jogo para a consola. Queixam-se da resolução, mas compram na mesma o jogo para a consola. Queixam-se dos gráficos não serem tão bons, mas compram na mesma o jogo para a consola.

Mas porra, será que estes possuidores das consolas são malucos? Será que gostam de sofrer? Porque compram a consola então? Porque motivo as consolas são um sucesso de vendas?

O motivo é simples, e sempre será simples… Entre outros motivos podemos dizer igualmente que as pessoas compram consolas porque estas possuem exclusivos! Franchisings de luxo que apenas podem ser jogados ali! E como tal… compram a consola! E depois, mesmo penando um pouco face ao PC em outros jogos, dado possuírem a consola, adquirem-nos! Somando esta realidade a outras vantagens das consolas, concluímos que as pessoas abdicam de certas virtudes do PC pelo facto de as consolas serem consolas… e não por serem PCs!

Mas retirem os exclusivos à consola criando uma plataforma onde há máquinas que correm os jogos sem problemas e limitações, em vez de uma consola e… a consola em si perde um dos seus grandes pontos de interesse. E havendo no mercado outro produto que, não estando em riscos de sofrer o mesmo destino, continua a oferecer às pessoas as vantagens de uma consola que as pessoas procuram, há que questionar se esta medida será efetivamente boa.

Sinceramente, mas mesmo muito sinceramente, espero que o artigo em que me baseei para esta notícia esteja em erro ou tenha sido mal interpretado (nem que tenha sido por mim), e que a Microsoft não planeie unificar a consola com o PC. Porque se tal acontecer… Pela forma como vejo as coisas, não lhe auguro futuro nenhum, apesar de perceber que a estratégia a funcionar seria tremendamente lucrativa para a Microsoft.

Mas mesmo que tal assim não seja, e que a unificação total não venha a existir, convêm que se perca desde já a ideia de unir a Xbox com os jogadores PC. Porque as desigualdades que serão trazidas com as diferenças de performance, resolução e mesmo as “cheats” do PC… não interessam a ninguém!

 

 

Publicidade

Posts Relacionados