Gran Turismo VR é uma oportunidade perdida

O suporte VR de Gran Turismo Sport é apenas um extra. Mas mostra que ali havia potencial para algo que poderia ser muito superior.

Gran Turismo tem suporte VR. Mas no entanto o suporte não se estende à totalidade do jogo, mas apenas a uma parte limitada. No entanto apesar de limitada, esta secção poderia ser algo de fantástico e único, mas não é isso que acontece, e o que ali está acaba por ser um mero extra do jogo.

Infelizmente o que está presente no modo VR é algo limitado quer em conteúdo, quer em potencialidades, e vendo o que GTS é, e o que a componente VR é, o que salta à vista é que esta foi desperdiçada pois tinha capacidades para ser algo de realmente fantástico, único e inovador.

O que está presente está bom… muito bom… mas muito limitado quer em conteúdo, quer em diversidade. É sem dúvida uma oportunidade perdida naquilo que poderia ser o melhor jogo VR alguma vez criado, e um ponto forte de vendas. Mas não… aqui o que temos é um mero extra e muito pouco explorado.

Vamos descrever o existente:



Entrando no modo VR temos direito a duas opções, uma corrida VR e o Stand Virtual. E apesar de ser pouco, não é por aqui que o jogo peca, pois ambas as opções poderiam ser fantásticas.

A tentação é irmos logo para segunda opção, a do Stand Virtual, na perspectiva de podermos ver os supercarros com uma atenção que nunca vimos e tirando partido das excelentes modelações.

Mal entramos começamos por escolher um carro de uma lista e a respectiva cor, sendo que logo depois surge a parte mais esperada: o carro é colocado à nossa frente em realidade virtual para o podermos ver.

Infelizmente, e apesar de podermos andar à volta do carro, não podemos abrir as portas ou o capot/mala. Não há ali muito que ver, excepto o exterior, e a altura da câmara relativamente baixa impede que, mesmo encostados às portas, seja possível espreitar para baixo pelos vidros para ver o interior.

Face ao que vemos nos Stands de Forza Motorsports, onde podemos abrir as portas, o capot e a mala, e entrar e sair do carro, isto é uma clara oportunidade perdida. O VR, mesmo com as suas limitações gráficas, é claramente superior no efeito de mostrar o carro como real, face ao que se consegue numa TV, e este modo stand poderia ser algo único! Mas não o é! É uma mera curiosidade existente no jogo, e onde a única interacção que temos com o carro é o podermos acender os faróis.

Passando à corrida com mais pena ficamos de o modo anterior não permitir abrir o veiculo. Aqui estamos no interior, e podemos observar aquilo que não nos foi dado a ver no modo stand, a modelação dos interiores, e todos os painéis plenamente funcionais.



Se é possível ter-se no jogo os interiores, junto com os cenários, outro carro visto do exterior, efeitos de luz e outros, tudo a mais de 60 fps, porque motivo no modo stand, onde o carro está num cenário negro sob um foco de luz, ou seja, algo bastante mais simplificado, e onde os fotogramas são mais fáceis de se obter, não podemos aceder ao interior?

O que acontece é que quando entramos na corrida, após a escolha do carro e da pista, a primeira reacção é nem correr, e admirar a qualidade das modelações. Mesmo com a menor resolução do VR o grafismo é de elevada qualidade e talvez mesmo o melhor que já vimos neste tipo de jogos, e ver os interiores finamente modelados é realmente um assombro.

A questão é… estamos no modo corrida! E temos de ignorar o interior para olharmos para a estrada!

Infelizmente, mais uma vez, o modo corrida é igualmente limitado pois apenas podemos correr em duelos 1vs1, e contra um carro gerido pela IA. A opção 1vs1 contra outro piloto com VR não está presente. E essa é mais uma oportunidade perdida numa componente que se tivesse o 1vs1 online seria um dos pontos fortes do jogo. Duelos de corridas automóveis 1v1 em VR, é algo pelo qual eu compraria um jogo para isso, e mais o faria se esse jogo fosse Gran Turismo!

Quem sabe num futuro patch não possamos vir a ter isso?…

Mas mesmo assim a corrida em VR está fantástica. O grafismo é dos melhores que já vi no VR e a forma como olhamos livremente para o lado, para trás, para os retrovisores, de forma a ver onde está o outro carro, sendo ofuscados pelos reflexo dos seus farois no retrovisor é super realista. E ponto forte, ao contrário de Driveclub VR é que não só grafismo é muito superior, como não enjoa.

Diga-se que Driveclub VR foi o único jogo VR até hoje que me deixou com tremendas náuseas. Andei horas a recuperar e quase “virava o barco”! Já GT Sports foi jogado logo depois do jantar (até estava com medo), e no entanto a sensação foi perfeita. Nada de enjoos, e consegui desfrutar completamente do jogo e da liberdade dada por ele.

No global o modo VR é bem vindo, mas como referido, cremos que poderia ter sido bem melhor explorado, e com um modo duelo online 1vs1 poderia mesmo ser um dos pontos fortes do jogo, e algo único que destacava este jogo de tudo o que existe. Acrestassemos a isso um modo Stand Virtual mais completo e o modo VR seria só por si interesse suficiente para a compra do jogo.

Como está é um mero ponto de interesse adicional no jogo.

 



Posts Relacionados

Readers Comments (9)

  1. Oi Mário.
    OFF Topic:
    Estou jogando Assassins Creed versão de Xbox One base nem o S melhorado eu tenho, o jogo está muito bonito, mapa enorme, sistema de luta melhorado, foi muito valido deixar o jogo na geladeira por um ano.
    Mas o que eu quero escrever depois de estar jogando esse jogo com gráfico incrível tenho a real certeza que não preciso de um Xbox One X ou um PC parrudo, fico me perguntando o porque atual geração de Xbox One Base e playstation Base não foi mais explorada.
    Eu não tive a oportunidade de jogar Uncharted porque não tenho Play 4, mas gráfico lindo, Gran Turismo gráfico lindo, assim como forza Também.
    Eu não jogo em PC mas o que eu leio que a grande maioria joga em gráficos médios, afinal no Brasil mesmo são poucas pessoas que tem dinheiro para comprar console, imagina comprar uma placa de video parruda fora de cogitação.
    Xbox 360, Playstation 3 teve uma duração absurda com gráficos cada vez melhor.
    Eu não entendo de desenvolvimento mas red dead redemption deve estar sendo feito em qual plataforma eu acredito que na base que é onde tem mais usuários e o trailer que mostraram está lindo, porque precisa mais do que isso?
    A pergunta que eu faço a todos os leitores, as produtoras só pensam em dinheiro igual teve o artigo da Activision da EA e suas micro transações em todo jogo, ou posso acreditar aquilo que o Fernando as vezes escreve aqui que o poder atual dos consoles bases estão muito limitados para os dias de hoje?
    Mas eu não entendo que limitação é essa fazendo um jogo com gráfico de Assassins Creed Origins com mundo aberto ou red dead redemption 2 que eu acho que está sendo feito nos consoles bases…

    • Gustavo… Os jogos estão a ser feitos para as consolas base!
      A geração é dessas consolas, mas mesmo que não fosse, ninguem ia investir milhões num jogo para colocar um mercado de 90 milhões de consolas em segundo plano para vender um jogo com mais pixels noutras consolas que nem mercado tem.

    • Gustavo, aproveitando que voce falou do Assassins Origins, como ele está rodando no One, tá com muita queda de frames ou solavancos???

  2. A tendência é que o VR siga o mesmo caminho das tv’s 3d, o suporte ao VR é muito limitado e com isso suas vendas são muito baixas.
    No caso dos jogos na sua grande maioria não passam de demos tecnológicas tendo conteúdo escassso e muito limitado.
    Resumindo não passa de gadget.

    • Não podia discordar mais! Quem joga VR percebe imediatamente uma coisa! Aquilo é o futuro! Pura e simplesmente a imersão é completamente diferente do jogo tradicional!
      Que tu me digas que os sistemas atuais não podem dar ao VR o realismo que ele merece, ok concordo! Mas GT Sports por exemplo está pura e simplemente brutal. E se a versão VR puder ir online, oh oh.

      • O futuro dirá!

      • @ Mário,comentei isto com um amigo meu hoje.
        Que o VR só terá sua potência maximizada ao máximo somente com um PS5,pois o ps4 mesmo sendo a Pro ainda não consegue tirar um bom proveito desta tecnologia incrível.

        • A Nvidia refere que para fotorealismo no VR precisaremos de gpus 40x mais rápidos. O VR é para já uma experiência, mas não deixa de ser boa. É um pouco como quando os jogos 3D apareceram e os sistemas não aguentavam com ele. Mas pelo que ele é e o que oferece, acredito que será o futuro. O GTS VR se suportar corridas online 1v1 poderá vir a ser uma grande promoção ao VR.

Os comentarios estao fechados.