Há criadores de software que preferem que pirateiem os jogos a que os comprem no G2A

computer-crime-scene

Websites que vendem chaves para jogos como o G2A não são bem vistos por muitos criadores de software que os acusam de fraudes das mais diversas.

Lars Doucet, criador do jogo Defender’s Quest editado pela Level Up Labs, conversou com o Gamasutra e teve uma declaração extremamente chocante: Ele prefere que as pessoas pirateiem o jogo do que o comprem em websites como o G2A.

Para quem não está a par do que se passa, ops criadores e distribuidores de software acusam websites como o G2A de ser uma plataforma de venda de bens roubados. Basicamente alguns dos revendedores presentes nestes websites adquirem informações de cartões de crédito roubados, compram as chaves com eles e depois vendem-nas.

Naturalmente que depois o que acontece é que o titular do cartão de crédito acusa o seu roubo e invalida os pagamentos. No entanto o vendedor que está no G2A já tem as chaves e já está a ganhar dinheiro com elas. E quem fica a perder são os criadores e distribuidores do software.

O motivo porque Lars prefere que as pessoas pirateiem tem a ver com o delito criminal em causa. Ele explica que a pirataria é no fundo apenas uma violação de direitos de autor, mas o que se passa com o descrito em cima é legalmente roubo e venda de artigos roubados, bem como dar dinheiro a criminosos.

A pirataria basicamente fornece um jogo gratuitamente, coloca o utilizador em risco de malwares e de violação das regras do ISP e é uma violação moral. É uma má escolha!

Mas a compra no G2A é apenas barata, dá dinheiro a criminosos, e muito mais depressa pode dar cadeia do que a pirataria pois a pessoa está a colaborar, mesmo sem saber, na recepção de bens roubados.

Diga-se que no fundo a coisa não é bem assim, pois no primeiro caso há a consciência do crime, ao passo que no segundo caso é impossível saber-se. A meu ver a diferença é que a pirataria apenas priva os criadores de uma venda, já este tipo de situações descritas dá-lhes prejuizo. Seja como for. ambos acabam por ser um crime, direta ou indiretamente.

Assim, perante este aviso pensem duas vezes no que fazem, pois se a intenção é efetivamente comprar legalmente os jogos,  ajudando os criadores, então nenhum dos métodos vos dá essa garantia.

Publicidade

Posts Relacionados