Os possíveis segredos do SSD da Sony – Parte 1

O SSD da Sony promete revolucionar o mercado. Mas o que tem ele de diferente, que alterações poderá trazer traz, e que memórias poderá usar? Neste artigo vamos explicar ao pormenor algumas possibilidade sobre  o que poderá constituir a tecnologia SSD da Sony, e que as alterações que ele poderia trazer face ao que existe no mercado.

O SSD da SONY

Nota: O artigo que se segue, e constituído por duas partes, baseia-se em tecnologia que é pertença da Sony, bem como em patentes da Sony sobre a tecnologia SSD. Nesse sentido, por questões de custo e mesmo de disponibilidade é expectável que o usado possa passar total ou parcialmente pelo hardware e tecnologias descritas neste artigo, motivo pelo qual as vamos expor.

Esta primeira parte deste artigo não estava prevista, sendo que o artigo era originalmente constituído apenas pela sua segunda parte. No entanto, quando tivemos conhecimento das memórias que se seguem, fabricadas pela Sony, e que estão descritas de seguida, questionamos se as mesmas não poderiam ser adaptadas para uso no SSD da consola. Nesse sentido, até porque o conteúdo da parte 2 refere a necessidade de memórias rápidas, achamos por bem falar delas primeiro.

A memória NAND

Apesar de se referir que actualmente os devkits da PS5 estão equipados com memórias NAND da Toshiba, a possibilidade de ser a própria Sony a fornecer as memórias para o SSD da PS5 não pode ser descartada. O motivo para tal é que a Sony tem neste momento nas mãos um grande trunfo. Falamos do CFexpress, uma nova versão dos cartões Compact Flash, criados para competir com os discos NVMe, mas num formato compacto e de ultra baixo consumo, sendo que a Sony é um dos fabricantes do produto.

Estes cartões destacam-se em duas vertentes:



Vertente 1: Velocidade!

O CFexpress existirá em 3 versões, conforme a tabela que se segue:



Apesar de não estar aqui indicado na figura, os documentos destes cartões Compact Flash Express falam ainda de uma Gen4, com 8 pistas, que consegue atingir os 8000 MB/s.

Basicamente o que estes cartões apresentam não é muito diferente do que os actuais discos apresentam. Tratam-se de memórias NVMe, exactamente o mesmo tipo de memórias NAND usadas nos SSDs mais rápidos. A diferença é que o que temos aqui são memórias criadas no formato de cartões de memória, com alta capacidade de débito, e acima de tudo, por serem criados para serem externos, de baixo consumo.

A Sony anunciou no início do mês que a segunda geração destes cartões, capaz de 1700 MB/s de leitura e 1450 de escrita, será lançada este verão, com a terceira a estar certamente pronta a tempo de poder equipar a PS5. Este atraso na disponibilização da Gen 3 poderá justificar o motivo do uso actual de memórias da Toshiba nos devkits.

As memórias da Toshiba referidas no rumor que as dá como existentes, pelo pouco que tive acesso a informação sobre elas, parecem suportar um débito próximo de 3 GB/s. Tal é superior ao que a Sony actualmente produz, mas inferior ao que pode vir a produzir.

O grande problema de um  SSD NVMe tradicional é que este pode consumir até 27 Watts. Mas aqui, ao termos uma memória concebida para funcionar num cartão  ultra compacto de baixíssimo consumo energético, a memória pode ser certamente adaptada para uma versão menos compacta que, com menor custo que o cartão, ser usada na PS5, mantendo o baixo consumo.

E sendo a Sony um dos fabricantes, o custo será o preço dos componentes.

Apesar de não existir qualquer garantia que esta será a tecnologia que a Sony está a adaptar à sua consola, esta é uma tecnologia que a Sony tem entre mãos. Algo que teoricamente bate a concorrência a nível de performances, e que pode ser produzido pela própria Sony, diminuindo custos.



Posts Relacionados

newest oldest
Notify of
Brunoab
Visitante
Brunoab

a parceria da Sony e MS envolvia os semicondutores da Sony, talvez inclusive a Sony venda para a MS… seria win/win, ganharia dinheiro da MS e faria os dois consoles terem o desempenho nesse aspecto, parecido e facilitaria para os multiplataformas.

No lado negativo, o PS5 perderia um diferencial… se bem que bastaria a Sony cobrar “caro” da MS para o PS5 ganhar no preço final.

E sobre a versão 8000MB/s se vier essa memoria, realmente o PS5 vai ter um “SSD” muito mais rápido que os de PCs.

AlexandreR
Visitante
AlexandreR

Vai ser espetacular!!
Tornar os loadings numa coisa do passado….
Pelo menos nas consolas, vai ser uma inovação!
Só espero é que tanto o cpu e o gpu não recebam cortes relativamente a isso!
Talvez o que o Bruno tenha dito até faça sentido!
Se a nova geração fosse lançada só em 2021, poderíamos esperar um salto ainda maior em termos de performance, pelo mesmo preço!
Agora é esperar que o Gpu tenha no mínimo 10 Tflops e um cpu digno!