Michael Pachter toca nos reais motivos da inclusão obrigatória do Kinect na Xbox One

Michael Pachter é um analista norte Americano conhecido por algumas declarações mais radicais e algo insanas. No entanto é reconhecido no mercado e possui mesmo um programa chamado Patch Attack onde a meu ver terá explicado melhor do que alguma vez alguém explicou os reais motivos porque a Microsoft terá incluído forçosamente o Kinect na sua consola.

xboxone-kinectic

Como é sabido a Microsoft desenvolveu a Xbox One com o Kinect em mente. Por esse motivo teve opções e soluções na sua consola que se revelam mais baratas e menos eficazes que as da Sony. No entanto o motivo era criar um sistema consola+kinect a um preço acessível de forma a que o Kinect fosse uma realidade em todas as Xbox.

Exactamente por esse motivo um fan da Xbox questionou Pachter com a seguinte pergunta:

De acordo com os números que vi, a Microsoft terá vendido perto de 76 milhões de X360, mas apenas 24 milhões de unidades do Kinect, o que significa que 52 milhões de fans da 360 não precisam ou mostram interesse no facto de o seu jogo ser melhor com o Kinect. Porque motivo a Microsoft insiste então no Kinect quando é óbvio que os utilizadores não estão assim tão interessados na tecnologia.

Publicidade

Retomando o nosso artigo

A resposta de Pachter foi surpreendente, e a meu ver acerta em cheio na situação.

Assim Michael Pachter refere que a resposta é (e não é uma citação, mas um resumo das suas palavras): Se o Kinect fosse gratuito acho que não estaria a ser colocada esta questão. E esse é o problema. A matemática está perfeita, há 52 milhões de pessoas que não compraram o Kinect e nem entendem porque devem comprar o Kinect. No entanto desses 52 milhões todos provavelmente consideraram a Xbox One e não entendem porque tem de pagar mais 100 euros/dólares por causa do Kinect , quando sem o Kinect poderia ser 100 euros/dólares a menos. A Microsoft realmente estragou tudo, não ao incluir o Kinect, mas ao cobrar 100 dólares/euros a mais. Se o preço fosse igual ao da Sony as pessoas pensariam que o Kinect era gratuito e… wow… ficariam com ele.
Por esse motivo a questão deveria ser: Como é que a Microsoft acreditou que as pessoas pagariam mais 100 euros/dólares pelo Kinect quando 2/3 dos consumidores X360 nunca quiseram saber dele, e nunca o poderão justificar se não fizerem acreditar que o mesmo é um valor acrescentado e não um pisa papeis.

Publicidade

Retomando o nosso artigo

Antes de analisarmos as palavras de Pachter há que considerar que as mesmas foram proferidas agora. Ou seja, as mesmas tomam em conta a realidade actual da consola havendo assim de enquadrar os termos usados com essa situação.

Assim, das suas palavras, depreende-se que a ideia inicial da Microsoft seria mesmo vender a consola por 499 euros com o Kinect, acreditando que a consola da Sony teria o mesmo preço, o que faria o Kinect algo basicamente gratuito e um bónus adicional de grande interesse que seria um forte argumento nas suas vendas. No fundo seria uma jogada de mestre baseada na crença de que a concorrência não seria capaz de apresentar um produto melhor e mais barato.

Mas quando a Sony removeu o seu PS Eye, revelou as características da PS4, e a colocou a 399 euros, 100 euros a menos que o anunciado pela Microsoft, esta viu a sua jogada de mestre revelar-se um fiasco uma vez que ficava agora com uma consola menos potente e 100 euros mais cara, o que seria encarado como devido ao custo do Kinect.

Ora com a Microsoft a ter consciência de 2/3 do seu próprio mercado não está assim tão interessado no Kinect, e sabendo igualmente que a sua consola teve de fazer sacrifícios para a inclusão do mesmo, o que prejudicou as suas performances face ao produto da Sony havia que tornar o seu produto mais atractivo. Uma solução seria a inclusão de mais valor na caixa, algo que se tornaria problemático para a Microsoft pois aumentaria os seus prejuízos e não resolvia directamente os seus problemas, e a alternativa, ponderar a remoção do Kinect.

E a nosso ver o que a Microsoft acabou por fazer com a decisão de remover a obrigatoriedade do Kinect foi preparar o caminho para a possibilidade de existir uma futura consola 100 ou mais euros mais barata sem ter de assumir prejuízos enormes. Mas com esta solução mais barata para os bolsos da Microsoft, criou-se o problema de, mais do que nunca, e como refere Pachter, o Kinect ser encarado por aqueles que não estão interessados no mesmo, como um pisa papeis caro.

Eis um vídeo do programa de Pachter, Pach Attack.

 

 

Publicidade

Posts Relacionados