Microsoft desinveste na E3?

Mesmo ignorando-se a Xbox One, a Microsoft tem a Scorpio à porta! No entanto na E3 deste ano, a Microsoft tem o stand mais pequeno desde 2011. O que se passa?

2017 foi claramente um ano de menor investimento da Microsoft na sua consola. Tal é claramente visível no alinhamento de exclusivos para o presente ano, e agora igualmente visível no stand que a Microsoft reservou na E3, e que é o menor que possuiu desde o lançamento da sua Xbox One!

A E3 é uma referência mundial a nível de videojogos. É não só a maior feira dedicada aos videojogos, como igualmente aquela que tem maior projecção. E aqui, desde à alguns anos que a ala Oeste se tornou numa referência. É ali que os três grandes se encontram, e é ali onde a maior parte dos visitantes converge.

No entanto, a coisa nem sempre foi assim. A Microsoft não tinha tradicionalmente um stand ao nível dos da Sony ou Nintendo, tendo corrigido a situação em 2012 e especialmente em 2013, altura em que, com o lançamento da Xbox One, a Microsoft resolveu mostrar aos visitantes da feira a sua importância, criando um dos três mega stands da E3, todos situados na ala Oeste.

Vamos ver a disposição dos stands desde 2009 até á presente data! Note-se que apesar das referências às dimensões que se seguem, as imagens das diversas alas não estão à escala. Nesse sentido o ideal é colocar uma planta geral do Los Angeles Exibition Center antes do início, para terem uma ideia das reais proporções das alas.

Publicidade

Retomando o nosso artigo

2009

Em 2009 a ala Oeste era já a que possuía os maiores stands da feira, com a Sony a dominar a mesma, logo seguida da Nintendo e Activision. Vejamos:

A Sony era nesta altura a única que ocupava dois dos stands disponíveis na ala Oeste. Aqui está igualmente o grande pavilhão da Nintendo, e um outro da Activision.

A Microsoft encontrava-se na ala Sul, junto com as restantes empresas:

2010

Em 2010, a situação não se alterou muito, com excepção que começamos a ver a ala Oeste a tornar-se uma referência dos grandes. Os dois maiores pavilhões estavam ali, com a Sony e a Nintendo, tendo a Activision desistido do seu pavilhão.

A Microsoft mantinha-se na ala Sul, no meio de todos os outros.

2011

Este ano foi marcado pelo crescimento dos stands da Sony e da Nintendo na ala Oeste. Estes mantiveram-se como os maiores, mas agora usando cada um deles mais espaço!

Era o reconhecimento cada vez mais claro da importância desta feira.

A Microsoft neste ano manteve-se sem crescer, apesar do sucesso da sua Xbox 360. E manteve-se na ala sul!

2012

2012 marca o ano em que a Microsoft se resolve juntar à Sony e à Nintendo, criando na ala oeste o triunvirato Sony, Microsoft Nintendo. A ala Oeste fica conhecida como a ala dos grandes, e um local de visita obrigatória.

O stand da Microsoft cresce igualmente em dimensão, tornando-se no terceiro maior da feira.

Note-se que apesar de a imagem não mostrar, indicando os locais como Aveilable, a Microsoft ficou ainda com o lugar 4030, a Sony com o lugar 4144 e a Nintendo com o lugar 5244.

Publicidade

Retomando o nosso artigo
Sony, Microsoft e ao fundo, Nintendo.

2013

2013 não mostrou alterações de maior nos stands dos três grandes, com as alterações desta ala a ocorrerem basicamente no restante espaço. Este foi o ano do lançamento da PS4 e Xbox One.

 

2014

em 2014 a Sony Online Entertainment deixou de existir no domínio dos videojogos, tendo cedido o seu espaço. Em compensação o lugar 4044 anteriormente reservado foi adquirido pela Sony, assim como o lugar 5644, igualmente anteriormente reservado foi adquirido pela Nintendo.

A Microsoft manteve o seu stand.

2015

Sem alterações face a 2014, os três grandes mantiveram os seus espaços

2016

Basicamente a evolução dos stands estagnou mais uma vez. Os três grandes apresentam um espaço consolidado na ala que as pessoas se habituaram a definir como a dos três grandes, mas a Microsoft aumentou o seu espaço com a cabine 4000 (no seu lado esquerdo a cinza).

Em todo o historial da feira, os três grandes mantiveram sempre, ou até aumentaram os seus espaços.

 

2017

2017 marca várias situações de novidade, sendo que a mais relevante é a da Microsoft.

A Sony, mais uma vez, alarga o seu stand, ocupando espaço anteriormente da Microsoft, e expande-se igualmente para o topo para a zona de alimentação, ficando com o seu maior stand de sempre.

Mas o mais notório é que a Microsoft… desaparece da ala Oeste.

 

Incompreensivelmente a Microsoft sai da já conhecida ala dos grandes, e volta para a ala Sul. E, comparativamente, com um stand novamente de reduzidas dimensões, tal como tinha em 2011.

 

Naturalmente esta situação dá o que pensar. Numa altura em que seria expectável ver a sua Xbox One num pico de suporte, a mesma sofre de títulos exclusivos face á oferta da concorrência. Sem soluções à vista, a Microsoft passa no entanto a ideia que de nada há a temer, insistindo no novo hardware da sua nova consola Scorpio. Agora na E3, e após vários anos na ala Oeste, e contrariando a tendência de crescimento normal, a Microsoft volta agora a um stand tradicional de pequenas dimensões, abandonando a ala Oeste.

Comparativamente, a Sony tem agora um stand com 3 484 m^2, a Nintendo possui 2 973 m^2 e a Microsoft 1394 m^2, descendo dos 2 595 m^2 dos anos anteriores.

Diga-se no mínimo que somando tudo o que se tem vindo a verificar, a Microsoft passa uma imagem muito pouco segura de si mesma às pessoas. Como diz o ditado, “À mulher de Cesar, não basta ser séria, há que parecer séria”, e a Microsoft, em diversos aspectos, tem falhado redondamente na passagem de uma imagem de suporte e apoio incondicional à sua consola.

Com a Scorpio à porta a Microsoft tem de ter consciência que não lhe basta acenar com especificações. Há que se cativar o público, e oferecer suporte a nível de jogos exclusivos, algo que a Microsoft este ano não tem em quantidade ou qualidade capaz de competir com a concorrência, e de acordo com os cortes no seu stand, não parece ter igualmente nada previsto para o futuro próximo que a empresa ache que será capaz de cativar grandes multidões.

O que para uma empresa que pretende lançar uma consola nova ainda este ano, apresentando-a aqui neste feira, é sinceramente algo bastante estranho.

Mas vamos aguardar e ver as apresentações, que é o que conta para a maioria das pessoas… Para já fica apenas a estranheza neste corte, pois mesmo sabendo-se que a Microsoft criará uma Xbox Fanfest pós E3, isso é algo para os seus fans, não para cativar novos clientes, e não tem, nem de longe, nem de perto, a projecção de uma E3.

Publicidade

Retomando o nosso artigo

Publicidade

Posts Relacionados

Readers Comments (47)

  1. Em recente entrevista, Phil Spencer disse que essa E3 da Microsoft será mais jogos e menos hardware, vamos aguardar, espero que venha pelo menos uma nova IP para os consoles Xbox

    • “menos hardware” -> Só acredito vendo, pois estou levando em consideração as notícias dos últimos meses. Nem preciso citar o conteúdo.

      • Mas se vai ser menos harware, mais jogos, menos jogos, o pq desse espaço menor, se Sony e Nintendo virão com um caminhão de novidades e outras coisas mais, só saberemos em Junho mesmo, agora uma coisa é certa, a Microsoft precisa e muito trazer novidades em games exclusivos, e que não seja Forza ou Halo(apesar que li uma noticia hoje que novo Halo não sairá esse ano), se ela se focar em só apresentar o Scorpio e quase nada em novidades de games, estará em apuros

        • Essa é a dúvida, se será “mais jogos” teoricamente teria mais espaço a ocupar devido a divulgação e testes dos mesmos, mas ocorreu o contrário.

          Esse junho que não chega!

          Pelo visto quem tá “torrando” dinheiro não é ela.

          • Pode ser que ela tenha diminuido espaço para voltar às raizes, e ter uma grande E3 como no passado kkkkk vamos aguardar

        • Esse ano ão terá lançamento de Halo ou Gears, se bem que teve Halo Wars, mas nada impede de um dos 2 serem anunciados para 2018.

          • Tomara que sim, to doido pra continuar a história do Gears 4, mas junto com esse anúncio, tem que vir novidades também, aí não teria problema algum

  2. Intrigante mas esperado, o tamanho dos estantes deve ser proporcional a quantidade de jogos a dispor no evento, e como a Microsoft está tendo até este momento um ano com poucas novidades em termos de jogos acho até normal ela diminuir seu estande e não bater de frente com a Sony e Nintendo que vão vir com muito conteudo.

  3. Gabriela Pacheco 3 de Março de 2017 @ 12:13

    Falta de investimento em tamanho de espaço mais se vier com resultados de investimentos em jogos em mostrar logo o que suas consolas irão mostrar em serviços e jogos acho que é o mais importante.
    Criar hype pode ate vender consolas e jogos no começo mais não sustenta se por muito tempo.
    Criar shows bandas musicais em um evento de jogos é para animar o publico que esta presente e isso para mim é encher linguiça, se não me engano tem empresas que que estão a fazer eventos próprios ao investir na E3 aonde a briga por espaço e maior, porem a visibiliodade muitas das vezes pode ser igual em eventos distintos.

    • Queres comparar a visibilidade mundial da E3 a eventos locais?
      A E3 não é uma mera feira. É a maior a mais visivel de todas! Comparativamente, e apesar de não haver prémios, ela está para os jogos como a cerimónia dos oscares estão para os filmes.
      Há outras feiras, e outros filmes, mas não são a mesma coisa!
      Na E3 os pavilhões são grandes não é para teres dançarinas! Elas podeme existir, mas aquilo não é a Comic Con, não é para Cosplay e variedades. Ali o que há maioritáriamente são consolas e mais consolas, pcse mais pc, onde estão expostos todos os jogos actuais e betas/demos do que está para sair, onde as pessoas vão jogar e ver o hardware.
      Eis um video de um stand da Sony numa feira passada.
      https://m.youtube.com/watch?v=ojOS1WUS1H6U
      Quanto ao resto… esperemos que tenhas razão.

  4. Da última e3 até o momento os seguintes exclusivos relevantes foram lançados ou estão bem próximos de lançamento:

    Xbox
    Recore
    Forza Horizon 3
    Gears of War 4
    Dead Rising 4
    Halo Wars 2

    PS4
    The Last Guardian
    Yakuza 0
    Nioh
    Horizon Zero Dawn
    Nier

    Esquecendo a parte emocional de cada um, a quantidade de jogos está semelhante com um adicional:

    Gears of War 4, e Halo Wars 2 principalmente são jogos que não morrem encostados numa estante após o fim da campanha por causa do multiplayer, principalmente pelos conteúdos adicionais frequentes.
    Vamos esquecer o mercado indie agora, pois ele não é resultado de investimento e intervenção direta de Sony ou Microsoft.
    Em todo ano de 2016 houveram poucos jogos exclusivos relevantes no PS4, com também foi em 2014 e 2015. O console está compensando agora, uma hora aconteceria, tantos anúncios feitos, um dia os jogos chegam.

    Só no fim do ano saberemos se houve menos ou mais investimentos no Xbox. É certo que para vender o Scorpio, jogos precisam ser mostrados e não tem como fazer uma E3 sem anúncios. A questão é, se for para anunciar 2 ou 3 novos que chegam apenas em 2018 ou talvez 2019, vale mesmo a pena fazer um grande stand para colocar jogos já lançados e games indies?

    Quantas pessoas frequentam a E3 e quantas pessoas apenas assistem a conferência por streaming?

    Certamente o segundo caso é o maior e faz 3 anos que ta dando certo pra sony mostrar trailers de jogos sem previsão de lançamento que não estão disponíveis para jogar no stand.

    • Lembre-se que esse ano pela 1ª vez o público geral terá acesso ao evento, é um número menor que o streaming, com certeza é, mas esse menor numero também pode fazer opinião.

      Comparação de poucos exclusivos relevantes tendem para os 2 vistos que as quantidades são as mesmas para ambas as marcas, só se o relevante para você significa continuação de franquia, aí a sua afirmação estará certa com a MS tomando vantagem, mas se for pegar novas franquias o PS4 teve nos anos anteriores exclusivos relevantes.

      • A piorar a coisa a Microsoft mudou a hora e dia da sua conferência. Ela agora será de madrugada aqui para a Europa!

        • Tinha até esquecido disso, antes diferença das conferencias era de poucas hrs, agora com a mudança de dia ficou melhor pra Sony pois vai ter bem mais tempo pra poder alterar a gosto a sua dependendo do que a Mic apresentar.

        • Tinha comentado sobre essa alteração dias atrás.

          Com as conferências no mesmo dia a Sony ainda conseguia responder a algum anúncio da MS, por exemplo o polêmico DRM e a troca de jogos que dizem que a Sony iria fazer igual, imagine agora com 1 dia de diferença.

    • De cabeça vejo que esqueceste pelo menos 4 exclusivos, mas agora não interessa referir quais são ou de que lado são, pois isso é irrelevante.

      A questão é que a lacuna de jogos da Xbox One refere-se não a jogos lançados em 2016, mas sim a jogos que irão ser lançados em 2017. É para 2017 que a Microsoft está com pouca oferta.

      Vai à lista que referiste, apaga tudo de 2016, e acrescenta o que está previsto para 2017.
      E vais ver que a lista deixa de ser equilibrada!

    • Gravit Rush 2?

    • Estava na cara que o melhor ano da Sony iriam falar que a MS não tem jogos!
      Nem vou dizer porque nunca fizeram contrario porque se não o comentário fica retido, não pode falar verdade apenas seguir regras!!

      Não querem forza que já gerou 1 bilhão de dólares!!

      Querem listinhas que supostamente vende consoles,Gravity Rush 2, 60 milhões de PS4 180 mil copias, http://www.vgchartz.com/game/86436/gravity-rush-2/ caramba nem 1 % gostaram, o jogo, o jogo da galinha flopou também isso porque é obra prima, yakuza http://www.vgchartz.com/game/84444/yakuza-zero-the-place-of-oath/ 290 mil, caramba mas exclusivos não é para arrebentar ual, nem 1% gosta!!

      • Antes do mais começo por te dizer definitivamente Adeus.

        Os leitores não sabem, mas foste extremamente rude e mal educado noutra mensagem, e tudo porque este comentário não foi aprovado.
        Agora,não é uma questão de te quereres manter, é que os teus comentários irão directos para o lixo e de forma automatizada.

        No entanto, se não fosses precipitado, ele estaria aprovado hoje, e só não foi mais cedo porque tenho estado doente e febril, e não tenho ligado o computador. Foram várias as pessoas que tiveram comentários por aprovar, não apenas sua excelência, o mal educado, que vem sempre aqui insultar tudo e todos, e gerando a cada mensagem um ambiente de polémica, se tocou, mais uma vez disparando para tudo e todos. És por definição um fanboy, e mal educado ainda por cima.

        Quanto aos que referes aqui… sim, é tudo verdade. Só esqueces alguns pormenores.
        No japão Gravity Rush 2 entrou directo para n. 1. É um jogo sem tradição na PS4 e que viu aqui uma entrada nesta consola. Seria sempre um jogo de nicho, apesar da sua qualidade. Mas acima de tudo foi feito para cativar o mercado Japonês. E é cativando todos os nichos que se faz um mercado mais abrangente. Algo que infelizmente mentes mais tacanhas falham em compreender.

        Yakuza 0 tambem não vendeu muito. Vendeu 290 mil cópias na primeira semana.

        É mais um jogo de nicho e como tal limitado nas vendas. Mas aqui aplica-se tudo o que foi dito sobre Gravity Rush.

        Já talvez menos compreensível é ver um AAA, um vendedor de consolas e um francishing de topo como Forza Horizon 3 a vender 382 mil unidades na primeira semana.
        http://www.xboxoneuk.com/xbox-one/news/forza-horizon-3-sales-third-place/
        Aqui o mercado é menor. 26 milhões! Mas o jogo não está sequer no mesmo patamar. Este é um dos jogos da franquia do bilião de dólares. É um dos porta estandarte da Xbox. E vende pouco mais do dobro de um jogo de nicho e totalmente desconhecido na PS4 como Gravity Rush 2, e apenas mais 90 mil cópias que o Igualmente pouco popular fora do Japão Yakuza Zero?

        Na realidade estas coisas não se podem ver assim, pois se leres a notícia, vês que o Forza até foi o terceiro jogo mais vendido, e a realidade é que vender milhões no lançamento, ao contrário daquilo que pensas, é mesmo só para alguns. Mas dado que foi essa perspectiva que colocaste a coisa… levas resposta na mesma moeda.

        Quanto aos mil milhões, aproveito para relembrar isto:
        http://www.pcmanias.com/os-jogos-que-mais-receitas-trouxeram/
        O Francising Forza com os seus Mil Milhões está lá… procura no fundo da lista!

    • “Em todo ano de 2016 houveram poucos jogos”

      jogos Exclusivos que eu comprei:

      -Unchated 4
      -Ratchet and Clanck
      -The Last Guardian
      -Street Fighter 5

      eu acho que todos esses são relevantes ao que se propõem a fazer.

      Eu as vezes não entendo o Fernando, gosta de falar de relevância
      e sempre fala sobre deixar o emocional de lado….

      Outras coisa é sobre o multiplayer, nem todo jogo precisa ter multiplayer.
      Ratchet and clanck é um otimo jogo que fechei umas 3 vezes.
      É meio que uma praga esse negocio de multiplayer….

      • O multi é algo do agrado de muitos, mas algo que pessoalmente não aprecio (mera opinião, isso não o torna melhor nem pior).
        A questão, e já o disse, é que a vida de trabalho é stressante. E quando chego a casa quero relaxar!
        Relaxo a ver um filme, uma série, ou a jogar um pouco.
        Mas para relaxar não posso jogar nem jogos como o Bloodborne, nem jogos online. O primeiro caso porque a dificuldade é frustrante e o segundo caso porque o competitivo é a última coisa que pretendo.
        Isto não quer dizer que não aprecie ambos os tipos de jogos e que não os tenha e jogue casualmente. Mas prefiro um jogo mais relaxado, e jogos offline!
        Mas esta é a minha experiência! Cada um gosta do que gosta!

        • Ennio Rafael Costa Lima 4 de Março de 2017 @ 17:05

          Interessante que caminho na direção diametralmente oposta. Deve ser devido um problema de saúde. Também chego stressado e cheio de dores musculares do trabalho, mas quero é competitividade, ter os sangues nos olhos, e não mais apatia.

          Questão bem subjetiva mesmo, na minha opinião os jogos em geral independente de plataforma, no off line, estão cada vez mais fáceis, eles retiram totalmente o desafio. É como uma entrevista que saiu em uma revista nacional, do criador de Angrybirds, ele falou que “os jogos hoje não podem frustar o jogador, ou ele esta cansado do trabalho, ou é um jovem com o ego inflado”

          • Ennio Rafael Costa Lima 4 de Março de 2017 @ 17:09

            Não ficou claro acima, mas quando falo de saúde é no meu caso, tenho um problema de saúde que me deixa meio “apático”.

          • E que idade tens Ennio? Porque a idade nestas coisas pesa!

          • Ennio Rafael Costa Lima 4 de Março de 2017 @ 19:37

            35 anos, eu entendo bem a questão do cansaço, tem épocas que fica até 4 dias sem jogar, só quero deitar, ler um livro, tomar chá e dormir para encarar o dia seguinte.

            O dia-a-dia é terrível, mas jogos de modo história nos últimos 2 anos, se são muito fáceis não estou chegando a terminá-los, como Quantum Breaker.

            Estou gostando muito de Horizon Zero Dawn, mas até agora não morri, o que me deixa preocupado, em contra partida quando dou por mim já estou é jogando uma partida de Halo Wars 2 aos gritos de raiva ou alegria.

          • És um jovem… acredita que dos 40 para cima as coisas mudam muito.

          • Ennio Rafael Costa Lima 4 de Março de 2017 @ 20:34

            Acredito, ainda não tenho filhos também, ai ai ai, tempo cruel kkk.

          • Vixe Ennio eu morri 1x, mas foi pq pulei do alto de uma pedra e não alcancei a corda!

            Ultimamente, ao jogar qualquer game pela 1ª vez, coloco no modo Hard, mas com o HZD coloquei no normal, fiquei receoso por ser um estilo de jogo novo para mim. Ontem na madrugada joguei por 4h e por já pegar o ritmo do jogo posso estar achando fácil e ainda estou nos 4%, mas logo no início para mim estava um pouco difícil, usar o stealth, economizar nas armase evitava o confronto direto.

            Mas agora(final da gameplay da madruga) perdi o medo, deve ser por isso que já estou achando mais fácil. Mas ainda tem 96% pela frente e mais criaturas a serem descobertas, quem saiba fique mais difícil!

            Ahh eu pensava que seria um dos mais velhos daqui depois do Mário 😛 , tenho 32 e o herdeiro tá chegando em 2 meses!

            E essa sensação de não ter vontade de jogar já senti várias vezes.

          • Ennio Rafael Costa Lima 4 de Março de 2017 @ 23:17

            Opa, meus parabéns pelo herdeiro. O meu vou encomendar daqui alguns anos.

  5. Spencer contou que não quer assustar as pessoas com o preço e refere que a Project Scorpio “será colocada à venda com um preço justo em relação ao que oferece aos consumidores. Chamo a consola de premium porque não quero que as pessoas pensem que a Scorpio vai substituir a Xbox”.

    Esse console será caro e aqui no Brasil então, putz

    • Tem uma parte, não sei se foi inventada pela Eurogamer, que diz “É como o comando Elite”.

      e ainda tem este trecho:
      “para aquela pessoa que compra a maioria dos jogos, que gasta muitas horas e muito dinheiro”

      Daí já fica o alerta de como será o preço aqui no BR.

      Depois do que li creio que o mínimo será U$500,00.

      • Comando Elite quando lançado no Brasil era vendido pela Microsoft site oficial por apenas 1.790,00 R$ sempre achei estranho que ninguém aqui que curte só Xbox tenha notado esse abuso, mas vai entender né.

        E se um controle que custa 150$ aqui é lançado por 1.790,00 o que custará um console de mais de 500,00 (Premium)?

        • Esse valor foi um erro do site e desmentido pela Microsoft já que a mesma falou que nem previsão de vendas tem.

          • Tens fonte dela desmentindo, pergunto pois não vi essa informação nos sites foruns e blogs que sigo?

            PS: Hj ainda é possível encontrar o controle a mais de 1.200 com facilidade, assim como o One.

      • Sim também aprecio os 2 Mário, nada contra. O que eu acho que não dá é a pessoa sempre falar de mult.
        Aqui agora a onde é falar: não tem mult não vou gastar meu dinheiro.

    • Não vira oficialmente ao Brasil pelo menos no lançamento visto que nem o One S veio até hj, e diante dessa declaração podemos esperar um produto com preço acima de 500$ o que pra nos brasileiros vai ser o equivalente a um Rim.

      Uma pena, ja estava pensando em vender meu One pra pegar o Scorpio, do jeito que Phill falou só em 2019 talvez o preço lá esteja melhor aqui no bananal.

      • Ontem fui no sitio brasileiro do Xbox e lá o marketing inicial/principal era sobre o One S, aí pensei:

        “Ué já tão vendendo oficialmente por aqui? Nem vi divulgação.”

        Para tirar a dúvida fui na loja oficial e lá não tinha o referido modelo.

        Aparenta que ainda há um grande estoque do One Fat no Brasil, sendo que ultimamente parece que o preço do console andou aumentando, pois peguei meu Forza 6 Edition (que era limitada, mas parece que não é mais)por R$1600,00 e agora ele custa R$1999,00

      • Aqui no BR querem uma margem de lucro absurda, um Switch que sai por 299 dólares aqui querem vender por 2600 reais, mesma coisa o Pro, no lançamento não achava por menos de 2500 reais, hoje alguns meses depois já acha por 1700 reais, esse Scorpio acredito que 1 ano ou um pouco menos de lançado já esteja viável aqui pra nós brasileiros. E esses valores tudo mercado cinza hein

  6. Curiosa essa situação. Parabéns ao Mário por trazer essas informações tão bem detalhadas.
    Estou com um pouco de receio sobre a Microsoft com o Xbox, tá muito fraco de jogos, a situação aqui na cidade é do Xbox sendo vendido a preço de banana. Quando você fala que tem um One a pessoa te olha com aquela cara; “hum, sinto muito que tenha feito esse mal investimento”, sério. Mas aí você fala que tem o PS4 também aí a pessoa se ilumina e a conversa flui. Eu detesto essa situação, na época do 360 era bem diferente, desejo de coração que a Microsoft consiga colocar o Xbox de novo numa situação de destaque, e ainda, que o Scorpio seja um sucesso, pois (pelo menos por hora) não o vejo como o Pro, que considero uma aberração, pois o Scorpio vem depois de 4 anos (mínimo para um novo aparelho) e com hardware que aparentemente é realmente capaz de lidar com o 4k que se propõe.
    Mas vamos ver o que acontece, pois o Switch eu vi o conceito e me animei, mas ao ver o produto final…
    PS; Montar um PC para multi está cada dia mais interessante.

    • Carlos, o que tu sentes acho que todos sentimos.
      A Microsoft é um peso pesado, mas que na atual geração tem sido uma vergonha.
      Eu sempre vi e vejo com bons olhos a entrada da Microsoft neste mercado, mas claramente há algo aqui que nos escapa.
      Por incrível que possa parecer a 360 não deu grandes lucros, e a divisão safava-se do vermelho graças à injecção de royalties de smartphones na mesma.
      Essas royalties venceram-se e agora já não existem, pelo que a One está a subsistir sem elas. Felizmente agora está muito melhor gerida e não tem tido problemas.
      A questão é que a Xbox era um problema. Quando da eleição do novo CEO, o Stephen Elop, candidato junto com Satya Nadella, queria vender a divisão Xbox por ela não ser lucrativa, e não se enquadrar no modelo de negócio base da empresa, o software Windows e serviços a ele associados.
      Venceu o Satya, e isso não aconteceu, mas as coisas tornaram-se muito estranhas. A Xbox teve de se ajustar e ajudar a Microsoft no seu modelo de negócio base, o windows e serviços, e cada vez mais temos visto isso. A Xbox passou a usar o windows 10 e deixou de ser uma consola passando a uma plataforma que alcança todo o windows 10 Pc promovendo o OS.
      Agora este serviço de aluguer alcança ainda mais, ao ser um serviço pago e digital sobre o windows 10.
      A intenção final da Microsoft é que toda a Xbox seja um serviço deles. Este aluguer é deles e os jogos Xbox play anywhere só se compram nas lojas deles. O UWP é uma forma de outros criadores aderirem a isso, mas tal separa os jogos dessa plataforma dos restantes. Vê o Call of Duty que teve as duas versões, mas que não jogavam juntas.
      Este é atualmente o conceito da Microsoft, o domínio do mercado dos videojogos. O Tim Sweeney foi o primeiro a ver isso, e veio a público falar, tendo ficado descredibilizado pois falou cedo de mais para poder provar o que dizia. Mas as coisas tem avançado e são cada vez mais nesse sentido. Agora a Microsoft até abriu a Xbox aos criadores independentes sem qualquer entrave ou custo. E porque?
      Para que eles adiram ao UWP. Quantos mais o usarem, mais rapidamente ele se torna de uso corrente.
      Infelizmente atualmente a Sony e a Microsoft correm caminhos diferentes. Uma está no mercado das consolas, a outra quer usar as consolas para as unificar com o PC e conquistar o mercado Global. E isto nota-se em tudo no dia a dia. Só não vê quem não quer.
      Nesta fase, e para já, tudo vais sendo meio rosas. E as coisas não se alteraram no fundo muito para quem não levantar a cabeça e olhar para o horizonte. Mas o que se está a passar em fundo vai alterar muita coisa, e infelizmente isso não vai ser bom para a consola em si.
      Eu pessoalmente, nesta fase não estou muito virado para novo hardware Microsoft. Irei atualizar o meu PC para uma máquina bem superior à Scorpio, e manterme-ei por ali. Não abandonarei a Xbox, até porque não pretendo desfazer-me da One mas não vejo necessidade de investir uma boa maquia numa Scorpio para terminar com um hardware onde, por um custo semelhante (já tenho uma boa base de PC e só preciso trocar a gráfica) posso ter algo bem superior e que ainda por cima corre jogos exclusivos PC, e não está dependente de vendas e de suporte de exclusivos.
      E isto não é ser fanboy, é ser realista. Faria o mesmo se quem estivesse no lugar da Microsoft fosse a Sony.

  7. Muito estranha essa atitude da Microsoft de diminuir o seu estande na E3 em um ano de lançamento de hardware. Será que realmente a Microsoft não tem anuncio de novas franquias para esse ano? Se não tiver anuncio de novos jogos o que vai justificar o investimento no Scorpion, um hardware poderoso sem jogos novos e apelativos tem grandes chances de não ter boas vendas. Teremos que esperar até junho para ver os resultados dessa mudança de investimentos da Microsoft.

  8. João Magalhães 6 de Março de 2017 @ 0:33

    A Sony em todos os seus consoles tem a fama de começar uma geração fraca,e depois de atingir seu auge vai assim até o final da geração.A MS é ao contrário…

  9. Para novas IPs acho necessária a criação do hype e para isso acho necessária uma distância mínima de 1 ano entre a divulgação e o lançamento para ir conquistando os novos usuários.

    Já para franquias consolidadas não vejo problemas com a divulgação poucos meses antes do lançamento, pois a compra por quem gosta da franquia já está (quase) garantida. Foi assim com Forza Horizon 3, foi assim com GT6, os 2 com boas vendas. Ambos tinham rumores de desenvolvimento, mas foi uma surpresa quando ambos foram revelados.

    Voltando para a MS na E3, como já disse, é claro que irá anunciar jogos pois tem que vender o Scorpio, mas anunciar nova IP com lançamento ainda este ano sinceramente duvido muito.

    Nesse ano já foi divulgado, sem querer, o Forza 7, dá até para perceber isso na fala do Phil quando diz que este ano não terá Gears ou Halo(mas nada impede de serem anunciados para ano que vem), mas aposto que para esse ano deverão ser lançadas continuações de jogos Xbox, como Ryse, Algo com Alan Wake e quem saiba Battletoads (não lembram aquela camisa do Phil em uma conferênciaa?)

Os comentarios estao fechados.