Microsoft quer reduzir ocupação do disco da Xbox One X usando a Cloud

A ser aplicada esta tecnologia, basicamente o Always Online está de volta…

Os 4K serão o futuro e nesse campo a Xbox One X é a consola que está mais próxima desse futuro. Mas esta virtude tem custos, e um deles é a dimensão dos jogos! Por exemplo, Forza Motorsport 7 ocupa 100 GB e pelo menos 50 desses GB necessitam de ser descarregados pois não são fornecidos com o jogo de retalho e nem podem ser obtidos em formato físico.

Esta situação tem vindo a suscitar queixas. Quer pelo uso do disco, quer pelo grande peso no uso de internet (infelizmente muitas pessoas ainda possuem net lenta e com limites – Em Portugal a banda larga móvel tem limites impostos de 15 GB, e mesmo os supostos serviços de banda larga móvel sem limites, vendidas como equivalentes a uma internet fixa, cortam velocidades após os 100 GB, isto não se falando das velocidades baixas de alguns pacotes internet ou de problemas de disponibilidade de velocidades com o ADSL).

Mas a Microsoft quer resolver este problema, contornando-o, pelo menos parcialmente. E a ideia passa por algo que a Microsoft chama de “entrega inteligente”.

Em que consiste então esta metodologia?



A Microsoft não é muito clara a explicar a situação, mas aparentemente de duas formas:

Para quem apenas se queixa do disco, esta metodologia permite gerir o que fica no HDD, e que será apenas o indispensável para a zona/nível que está a ser jogada. O resto fica noutro local, ou seja, na Cloud!

Desta forma, apenas se tem em disco o extra indispensável para se jogar, sendo que o resto será descarregado à medida do preciso, e o que já não tiver uso é apagado ficando pronto para nova descarga caso volte a ser necessário.

É uma gestão inteligente dos recursos do disco!

Para quem se queixa da internet, o funcionamento será semelhante, mas aquilo que já não é preciso fica em disco. Desta forma faseia-se os downloads em partes, sendo tal menos carregado no tempo perdido de descargas para quem tem baixas larguras de banda, e mais faseado no tempo para quem tem limites de dados (pode não resolver o problema, mas pelo menos é uma tentativa de solução)



Esta metodologia/tecnologia teria grandes vantagens na gestão da ocupação do disco e uso da internet, mas infelizmente obrigaria a downloads constantes ao estilo streaming carregando e eventualmente apagando partes do jogo conforme a mesma é precisa.

O motivo do uso da palavra infelizmente prende-se com as velocidades de download que nunca ocorrem à mesma velocidade de leitura de um disco rígido. Mesmo um disco Blu Ray é capaz de ler lê 27 MB/s, algo que não se consegue reproduzir em downloads. Recorde-se que 100 Mbits corresponde a um máximo teórico de 12,5 MB/s, o que quer dizer que para 27 MB/s seriam precisas ligações de mais de 200 Mbits, algo que de comum tem muito pouco.

O outro grande problema de tudo isto é que com esta metodologia aplicada ou não, a simples forma como as texturas 4K são disponibilizadas para a Xbox One X torna a internet obrigatória: agora acrescentemos a isto esta solução de streaming, e a ligação permanente à Internet torna-se obrigatória para se jogar.

Basicamente, com estas duas situações em vigor… o Always Online nos jogos que a suportem está aplicado. E caso tal se torne standard, tal e qual como a Microsoft queria quando lançou a consola… Só que agora disfarçado de cordeiro pois finalmente há razões minimamente válidas para tal. Mas infelizmente não há ainda é condições para todos para a implementar, mas com isto como opção, isto é sem dúvida um passo na direção certa.



Posts Relacionados