Microsoft questiona sobre a possibilidade de retomas de jogos digitais. Mas a preço reduzido.

Se até agora um jogo digital não podia ser vendido, a Microsoft propõem-se retomar os mesmos. Mas a preço super reduzido!

Se os usados são algo comum nas lojas de videojogos, quem opta por uma versão digital está preso para sempre ao seu jogo.

Ora a Microsoft pretende saber a opinião dos seus utilizadores sobre uma alteração a essa realidade, mas de uma forma que não achamos ser a melhor (discutiremos isso no final). Seja como for, face ao que existe atualmente, a Microsoft propõem-se a subir o valor dos usados digitais de 0, para qualquer coisa.

Assim,num dos seus inquéritos, a Microsoft questionou os utilizadores se estariam interessados em vender os seus jogos digitais a 10% do preço de compra. Ou seja, um jogo de 60 euros valeria 6 euros, e um de 40, valeria 4! Mas não em dinheiro, mas sim em crédito na loja digital.

Certamente valores melhores do que os actuais zero euros que os usados atualmente valem!  O que vos parece? Estariam interessados?

Fonte

Comentário

Apesar desta suposta benesse, esta é uma situação  para a qual, a ser implementada desta forma, olhamos com alguma desconfiança. E eis porque!

A ideia geral seria clara: Tornar o mercado digital mais atrativo e trazer mais gente para o mesmo. Mas há os seus senãos!

Para começar os valores pagos são muito, muito baixos. 10% é muito pouco, especialmente se o jogo foi ainda recente!

Com preços variáveis com a idade, a realidade é que atualmente os lojistas pagam muito mais do que a oferta da Microsoft pelas cópias de jogos físicos usados. Eles são comprados e revendidos a um preço inferior ao de mercado, podendo o ciclo repetir-se vezes e vezes sem conta. Aqui vendedor ganha, cliente que vende o usado ganha, e quem compra o usado, ganha. Mas o detentor da plataforma não ganha nada).

Ora este mercado de usados é uma das fontes de lucro de muitas empresas. Muitas vezes é mesmo a mais lucrativa. São milhões e milhões que se movimentam por ali, e um mercado a que muitos, mas mesmo muitos utilizadores recorrem, especialmente aqueles com menores posses, quer para obter receitas para novos jogos, quer para obterem jogos mais acessíveis.

Curiosamente este é um mercado com o qual a Microsoft já tentou acabar quando a Xbox One foi lançada. Nessa altura a política ditava que os os jogos possuiriam todos eles DRM que impediriam que os usados fossem vendidos. E caso fossem, tal teria de fornecer à Microsoft uma percentagem da venda, ficando a mesma limitada à aceitação da Microsoft e a lojas associadas à sua plataforma Azure.


Esta é uma situação diferente. Mas cujos objectivos são em tudo semelhantes! Caso uma situação destas avançe e torne o mercado de digitais mais atractivo ao ponto de trazer mais dinheiro para ele, o detentor da plataforma passaria a ganhar, mas por outro lado o mercado de usados físicos poderia sofrer um sério revés. Para o utilizador dos digitais a benesse da revenda passaria a existir, apesar de ser por um valor muito reduzido. Mas para quem não usa o digital a perda seria significativa. Com o crescimento do digital, a revenda de usados fisicos cairia, e o mercado poderia ser colocado em causa. E infelizmente quem quisesse comprar um jogo digitalmente, mesmo com esta metodologia, nunca passaria a comprar digitais mais baratos, e sempre ao preço de novos.

Este é o tipo de situação que pelo valor de um “chupa chupa” pode destruir uma industria paralela que consideramos indispensável. E como tal, não a vemos com grandes olhos!

Se alguém algum dia quiser realmente impor o digital então que permita que os usados sejam revendidos tal e qual como os fisicos, mas não apenas a si e por preços ridículos, mantendo as vendas sempre “full price” por não existir verdadeiramente algo como um jogo digital usado, mas a terceiros, e com uma contagem de detentores que iriam decrescendo o preço a cada nova revenda. Basicamente uma simulação do desgaste, tal como se passa na vida real com os usados físicos (e isto apesar de não haver desgaste).

Curiosamente, mesmo sendo a Microsoft quem questiona a coisa, a empresa, talvez por perceber que tal não seria verdadeiramente bom para os seus clientes, não está verdadeiramente interessada neste tipo de situação. E Aaron Greenberg da Microsoft já o confirmou, mostrando-se mesmo surpreendido que tal tenha sido questionado.

 

Publicidade

Posts Relacionados

Readers Comments (2)

  1. Revender os jogos para a Microsoft? É isso?
    Acharia interessante se permitisse o livre comércio entre os jogadores, tipo eu te vendo o meu jogo pelo preço que o mercado paga. Seria bem mais interessante.

  2. eu realmente não vi onde a ms ganha, ela estará a pagar por um jogo com oferta ilimitada. Ao contrario dos lojistas que realmente lucra com a venda de 2nd hands, creio que isso funcionara somente em casos extremos, onde o comprador não tenha uma oferta do jogo físico e o jogo seja realmente ruim ou sem fator nenhum de replay, fora isso nao imagino usuários que escolha pela revenda compre um jogo digital.

Os comentarios estao fechados.