Microsoft vai retirar suporte para os novos processadores do Windows 7 e 8

Windows-10-CPU

A Microsoft quer mesmo forçar a adoção do Windows 10. E para tal vai retirar o suporte aos novos processadores do Windows 7 e 8, forçando quem compra novo hardware a instalar o Windows 10.

A última medida da Microsoft para forçar o Windows 10 aos utilizadores surge apoiada no corte ao suporte aos CPUs de nova geração no Windows 7 e 8.1.

Caso alguem pense no upgrade para, por exemplo um processador da família Intel Skylake, ou outro qualquer processador de nova geração da Intel ou AMD, o Windows 10 será o único sistema operativo da Microsoft com suporte para os mesmos.

 

Temos de seguida uma análise à política de upgrade da Microsoft no que toca ao cilo de suporte do Windows 7 e 8.1 e as razões alegadas pela Microsoft para esta retirada de suporte:

A Microsoft sempre ofereceu um ciclo de suporte de 10 anos de forma a permitir aos utilizadores tempo mais do que suficiente para atualizarem o seus sistema operativo. Mas agora a empresa mudou as suas políticas dado que pretende à viva força que os utilizadores mudem para o Windows 10. Daí que os utilizadores do Windows 7 e 8.1 tenham agora 18 meses para mudar para o Windows 10 caso estejam a usar processadores Intel da família Skylake. Já os novos “Kaby Lake” da Intel ou os “Bristol Ridge” da AMD nem sequer serão suportados pelo Windows 7 e 8.1.

A Microsoft alega:

Comparado com PCs com o Windows 7, os processadores Skylake, quando combinado com o Windows 10, possuem até 30x melhores gráficos e 3x mais vida de bateria – ao que acrescentamos a incomparável credencial de guarda de segurança e que utiliza virtualização implantada no silicone

Ora este é um bom argumento. No entanto apenas válido para portáteis, e mais do que isso, para aqueles que usam a gráfica embutida no CPU (sobretudo os não gamers).

No entanto, como as últimas estatísticas do Steam demonstram, os Gamers ainda usam predominantemente o Windows 7, o que quer dizer que caso estes planeiem futuramente um upgrade para novos CPUs, terão de, forçosamente, mudar de OS. E isso acontece desde já com os Skylake cujo suporte nestes sistemas operativos é muito limitado.

Até 17 de Julho de 2017 os aparelhos com CPUs Skylake serão suportados no Windows 7 e 8.1. Durante este periodo de 18 meses estes sistemas devem fazer o upgrade para o Windows 10 para continuarem a receber suporte. Após Julho de 2017, estes aparelhos devem mudar para o Windows 10 para continuarem a receber suporte. Apenas suportes críticos que não ponham em causa a fiabilidade de compatibilidade do sistema serão lançados.

Esta é uma mudança radical de política em 31 anos de existência do sistema operativo Windows, e uma que não foi comunicada aos utilizadores do Windows 7 e 8, na altura da sua compra.

A Microsoft explicou esta situação num post no seu blog:


Os argumentos são que a empresa resolveu colocar os seus clientes à frente de tudo de forma a os ajudar a “abraçar as últimas inovações” presentes num “salto significativo em inovação no silicone” quando combinada com o Windows 10:

Ao mesmo tempo, sabemos que muitos utilizadores continuarão a apoiar-se no Windows 7 pela sua grande fiabilidade de compatibilidade. O Windows 7 foi desenhado à quase 10 anos, e antes dos SOCs x86/x64 existirem. Para o Windows 8 correr em qualquer silicone moderno, as drivers dos seus aparelhos e o firmware necessitam de emular as necessidades do Windows 7 para o processamento dos seus interrupts, suporte ao bus, e estados de energia – algo que é um problema para o Wi-Fi, graficos, segurança e mais. Conforme os nossos parceiros fazem customizações nas suas legacy drivers, serviços e configurações de firmware, torna-se provável que os clientes vejam regressões com os atuais serviços do Windows 7Fonte

A explicação basicamente refere-se a dificuldades na estrutura interna de funcionamento do Windows 7 em suportar as últimas tecnologias, mas no entanto é tudo um pouco de paleio sem grande sentido uma vez que a Microsoft aplica a mesma política ao Windows 8.1 lançado à pouco mais de 3 anos, e numa altura onde os SOCS x86/x64 eram mais do que uma realidade, e onde a virtualização foi apontada como um dos pontos fortes do OS.

Patrick Moorhead, uma analista de tecnologia e Presidente da Moor Insights & Strategy, partilhou os seus comentários sobre a situação no Twitter:

Atrás de portas fechadas, os vendedores de hardware pensam que a Microsoft lhes está aqui a fazer um favor

E refere ainda:

Eles podem fazer isto agindo como um único grupo. E isso desvia as atenções de uma única empresa – Fonte

Basicamente a ideia que Patrick deixa é que a medida é do interesse de todos, pelo que não existirão vozes divergentes da Microsoft, e dado que há interesses conjuntos, com um suporte mútuo, a coisa passa como uma necessidade real para o novo hardware.

Mas a realidade é que criar hardware com suporte de um único sistema operativo Windows será mais simples e menos custoso. E tal até seria aceitável com futuras versões dos CPUs. Mas com os Skylakes que já estão nas casas dos utilizadores e que foram vendidos normalmente sem o anuncio de qualquer tipo de restrições, especialmente no Windows 8 que apenas possui 3 anos, basicamente a mudança de política é terrível e danosa para os utilizadores.

E como foi dito, os argumentos da Microsoft acima indicados, parecem cair todos por terra quando aplicados ao Windows 8.1 onde o suporte será igualmente retirado.

Publicidade

Posts Relacionados

Comentarios dos Leitores (1)

  1. Mais uma vez a Microsoft a tentar “impingir” o Windows 10 ao pessoal. Que Comédia ! Começo a ter raiva destes gajos…

Os comentarios estao fechados.