Mini análise: Assassins Creed Unity

Assassins Creed Unity é um jogo envolto em polémica. Daí que vamos experimentar uma coisa diferente nesta mini análise.

unity0

Para esta análise irei experimentar algo de novo. Primeiro irei analisar o jogo como algo independente, isto é, esquecendo toda a envolvente todas as polémicas, que existem sistemas mais potentes e outros mais lentos, que existe uma versão consolas e uma versão PC, que existem inclusive outros Assassins Creed, etc.

Mas no final, desceremos à terra, actualizando a mini análise com esses factores.

Assassins Creed Unity

unity



Assassins Creed Unity é um jogo da Ubisoft para as consolas de nova geração e PC. E é um jogo que, pela primeira vez, posso afirmar seguramente, quebra as barreiras de geração, apresentando resultados que nunca seriam possíveis ver-se à uns anos atrás.

O jogo conta a história de Arno, um jovem cujo Pai foi assassinado na sua infância e que logo no início da história vê o seu pai adoptivo ser igualmente assassinado. Nessa fase ele conhece Elise, uma rapariga cujos pais o vão recolher e pela qual se apaixona.

Elise

Já no desenvolver da história, o seu novo Pai adoptivo é igualmente assassinado e Arno é acusado desse facto, recorrendo a uma vida no submundo onde se inicia como Assassino para descobrir quem está por detrás de todos os assassinatos dos seus pais.

O jogo decorre em Versalhes e Paris durante o século 18, em plena revolução francesa. Teremos assim direito a toda uma série de intrigas políticas típicas da era, bem como a visitar uma das cidades mais icónicas do mundo numa altura de revolução e onde as pessoas se acumulavam nas ruas aos milhares e os tumultos eram algo quase banal.

unity_pop

A cidade de Paris foi totalmente modelada de acordo com mapas da altura, e é um primor de detalhe. O grafismo é inigualável e não se assemelha a algo que alguma vez tenha sido visto num sistema informático. O jogo é um portento gráfico em todos os sentidos, e temos várias imagens no artigo que podem ver para o comprovar. Para já vejam só a qualidade da modelação de Notre Dame (o jogo está à direita).

unity2

Mas voltando a Arno, uma das características que distinguem os Assassinos é a sua capacidade física. E nesse aspecto a personagem principal não é uma excepção, percorrendo os telhados de Paris em cenas de Parkour e Freerunning, dotadas de animações excelentes que parecem tornar toda a sequência de movimentos em algo natural.

A história é acompanhada por estórias secundárias paralelas, e variedade não falta. Existem igualmente várias missões opcionais multi jogador para serem realizadas acompanhados de 1, 2 ou 3 outros assassinos. E aqui o jogo trata de arranjar parceiros no caso de os amigos não estarem disponíveis. É algo que traz uma nova dimensão ao jogo, com missões de dificuldade acrescida que nunca poderiam ser realizadas apenas por um único jogador.

Arno necessita igualmente de evoluir. E para isso precisa de aprender novas habilidades e adquirir melhor equipamento, algo que consegue realizando missões e obtendo dinheiro. O dinheiro é obtido não só sob a forma de recompensas, mas igualmente através de pagamentos de rendas de vários bares sociais que podemos ir adquirindo pela cidade.

Unity_Freerunning

unity_parkour

Mas insistimos, onde Unity se destaca é na qualidade gráfica. O jogo é inegavelmente dos jogos mais belos que alguma vez pude jogar. A modelação de Paris é perfeita, a qualidade da luz é impressionante, o detalhe abismal, e todos os pormenores foram cuidados ao máximo. O jogo é um portento visual em todos os aspectos, podendo-se mesmo dizer que não há nada assim num mundo aberto como este.

A jogabilidade é excelente, e apesar de algumas bugs visuais, que até agora nunca atrapalharam o jogo, ele revela-se uma excelente aquisição para este Natal.

A realidade do jogo

Chegou agora a altura de descermos à terra. E de alterar as frases de cima perante a realidade.

Infelizmente, nem tudo são rosas nestes jogo. O que foi dito até agora será adequada aos fans de Assassins Creed, e a quem possua um bom PC ou não se importe de jogar a 22 fps 900p nas consolas. Para esses essa análise terminaria já aqui com uma nota final de 4 estrelas e meia. Mas e os outros?

Para os restantes potenciais compradores há que referir que este é um Assassins Creed no mais puro sentido da palavra. O jogo repete a mesma formula usada em todos os jogos anteriores, e com excepção das missões cooperativas, não inova verdadeiramente em nenhum sentido.

Esta situação pode ser boa, pode ser má! É boa no sentido que os jogos Assassins Creed são todos eles extraordinários. Mas é má no sentido que a formula está algo gasta e há quem esteja saturado. No meu caso estou a conseguir desfrutar tremendamente jogo, mas sou um fan da série desde sempre pelo que se torna difícil para mim ser imparcial nesse aspecto. Este é para mim um excelente jogo que mereceria muito mais do que a nota que vou dar no final. No entanto não posso deixar essa imparcialidade vir ao de cima e há que avaliar o jogo pelo que ele oferece na prática ao utilizador normal.

Para começar Unity é extremamente exigente a nível de performances. No meu caso o meu PC é capaz de rodar o jogo em Ultra a 1080p sem cair abaixo dos 30 fps (i7 4770k com R9-290X 4 GB e 16 GB RAM), mas é chocante ver-se um hardware de topo limitado a essa performance. O jogo é bastante exigente e como requisitos mínimos pede mesmo um Core i5-2500k com uma Geforce GTX 680 ou uma Radeon 7970. Um absurdo! E naturalmente, a qualidade visual do jogo depende do hardware usado e pode não conseguir atingir os patamares apresentados nas imagens que ilustram este artigo. Aliás o mais normal face ao hardware médio dos PCs do mercado é isso não acontecer!

As consolas por seu lado estão muito mal a nível de performances correndo regularmente entre os 22 e os 30 fps a 900p! Algo que no entanto é de louvar face ao conseguido pelo hardware PC pois estas contam com um nível de detalhe bastante elevado e comparável ao Very High dos PCs.



Aqui as consolas mostram que os seus APIs de baixo nível lhes permitem muito mais, mas são prejudicadas depois por uma falta de optimização que não conseguiu ocorrer a tempo. O mesmo se pode dizer dos PCs que podiam igualmente ter tido optimizações que descessem os requisitos caso houvesse mais tempo para preparar o jogo.

No entanto o motor é de louvar pelo seguinte: De acordo com dados que circulam na internet, a Ubisoft alterou o seu motor para ele fazer chamadas de baixo nível, mesmo com o API DirectX 11 no topo. O resultado são cerca de 50 mil chamadas de desenho para todos aqueles NPCs, algo que nunca seria possível de outra forma uma vez que o DirectX 11 limita essas chamadas a algo como 10 mil.

O resultado são sobrecargas pesadas nos CPUs exigindo-se assim sistemas potentes para se poder correr o jogo. Se tal justifica é algo que cada um terá de avaliar por si, mas o facto é que este é um jogo que de outra forma nunca poderia correr nos PCs com o actual DirectX 11.

Infelizmente a falta de tempo para se optimizar e limar o jogo é notória. O jogo possui bugs que podem arruinar o jogo. Não são assim tantos, não ocorrem com tanta frequência como isso, mas ocorrem e é difícil não se dar com eles, particularmente porque a maior parte deles está relacionada com NPCs e eles são aos milhares.

As bugs mais comuns são basicamente NPCs a mudar de roupa com a aproximação, NPCs a aparecerem vindos do nada, NPCs a alterarem de forma imediata a quota a que se deslocam devido à presença de muros ou objectos, pop ups de objectos, pop ups de texturas, NPCs a deslizarem, etc.

Seja como for, a Ubisoft está a trabalhar em resolver os problemas, e nesse sentido lançou 2 patches que resolveram já muita coisa. As questões de performance continuam, mas as bugs, essas reduziram para algo aceitável, apesar de ainda ser algo comum ver-se coisas anormais aqui e ali.

Não fossem estes problemas, AC Unity seria um excelente jogo… um dos grandes jogos deste Natal, mas tudo somado levam a que não se possa ser conivente com jogos por optimizar e com bugs por resolver. E a análise tem de sofrer.

Seja como for Unity tem virtudes pelo que vos deixamos alguns exemplos do melhor que o jogo pode oferecer (podem carregar na imagem para ver a resolução total).

ACH5 ACH1 ACH2 ACH3 ACH4

O que concluir de Unity? É um jogo fabuloso, com um grafismo a acompanhar e que poderia ter sido o melhor jogo de sempre da Ubisoft. Infelizmente por motivos diversos não o é! Mas isso não quer dizer que o jogo, apesar dos problemas não seja bom, e que não o joguem! Pois visitar e conhecer Paris nesta era, com esta qualidade, é uma experiência só por si.

Eis então a análise devidamente adaptada perante estes factos:

Análise: Assassins Creed Unity
Gráficoswww.dyerware.comwww.dyerware.comwww.dyerware.comwww.dyerware.comwww.dyerware.com
Uma iluminação soberba, talvez como nunca se viu até hoje. Não é dinâmica, mas os efeitos de luz são dos mais realistas até hoje visualizados. A modelação é igualmente do melhor que já vimos e Paris está... Paris. É fantástico a quantidade de detalhe que se conseguiu colocar num jogo e as multidões fazem parte do ambiente geral. É viver um pedaço de história e com um realismo gráfico como nunca se viu com NPCs e personagens bastante cuidados a nivel de modelação, e actividades, dando a ideia de uma cidade viva. Há no entanto a registar problemas com a colocação de texturas e bugs nas animações dos NPCs que nesta fase ainda são de assinalar. Mas o pior é que o jogo é bastante exigente a nível de hardware para apresentar o nível de detalhe que vemos nestas fotos, e apenas máquinas bem recentes e caras estão aptas a executar o mesmo em condições. A excepção vai para as consolas que conseguem excelentes resultados com hardware inferior, mas no entanto nessas a penalização paga-se mesmo assim com um baixo número de fotogramas e 900p.
Somwww.dyerware.comwww.dyerware.comwww.dyerware.comwww.dyerware.comwww.dyerware.com
A musica acompanha o jogo. Mas está bastante dissimulada passando despercebida. Os ruídos ambiente são basicamente o que acompanha o jogador a tempo inteiro, e eles estão bastante bem conseguidos, variando de acordo com a situação. Apesar de raro podem acontecer ligeiras quebras no som. Apesar de não termos aqui grandes bandas sonoras a tempo inteiro, o som adequa-se à realidade do jogo.
Jogabilidadewww.dyerware.comwww.dyerware.comwww.dyerware.comwww.dyerware.comwww.dyerware.com
Um mundo aberto, uma liberdade total. Podemos visitar Paris de todos os angulos, seja pelo exterior, seja pelo interior dos edifícios (desde que hajam portas ou janelas abertas). Freerun, Parkour, alpinismo, luta de espadas, armas de fogo, assassinatos, enfim, a variedade é muita e extensa. Infelizmente Unity não oferece nada de verdadeiramente novo face aos jogos anteriores da série, sendo o multi-jogador a excepção. No entanto os problemas de performance estão associados à ligação aos servidores da Ubisoft, sendo que há ganhos de performance em modo offline, o que acaba por matar um pouco as vantagens da novidade multijogador, sendo que a Ubisoft necessita forçosamente de rever o seu código. Naturalmente não podemos deixar de penalizar o jogo pelas suas performances pois ver sistemas PC que ainda hoje são de topo a esganarem-se todos para obterem resultados satisfatórios não é exactamente algo de que o jogo se possa orgulhar, mostrando que a equipa precisava de mais tempo para proceder a optimizações., tempo esse que não existiu, e consequentemente as performances penalizarão os jogadores com máquinas menos potentes, assim como penalizam as consolas.
Atracçãowww.dyerware.comwww.dyerware.comwww.dyerware.comwww.dyerware.comwww.dyerware.com
O jogo cativa e prende o jogador logo desde o início. Não só é Assassins Creed no seu melhor, mas visitar uma Paris foto realista é algo de fantástico. A liberdade é total, as missões secundárias são imensas e o multijogador traz uma nova vertente até agora inexplorada. Os clubes (guildas ou clás se preferirem, apesar de o nome oficial no jogo ser clubes) a que um jogador pertence podem entrar em competição entre si, acrescentando ainda mais motivos de atracão ao jogo. Infelizmente pequenas falhas diversas e performances fracas são desanimadoras quer no PC onde sistemas de topo de mais de 3000 euros não atingem os 60 fps, e nas consolas onde hardware ainda recente não foi devidamente usado e optimizado. E tal será certamente é um factor de desanimo para muitos.
Overallwww.dyerware.comwww.dyerware.comwww.dyerware.comwww.dyerware.comwww.dyerware.com
Um grande jogo, com um grafismo irrepreensível que traz boas horas de diversão e uma visão e liberdade de exploração de Paris enorme. Se não fossem os problemas de performance e pequenas bugs existentes, seria certamente muito melhor. Se no entanto possuis um PC de topo ou não te importas com os 22 fps, e a bug ocasional, coloca mais uma estrela no resultado final desta avaliação, porque como jogo Unity é fantástico, e são os factores extra jogo que o matam.

Clique se pretende explicações sobre este simbolo e o nosso sistema de avaliação





Posts Relacionados