Nem tudo na recriação de Shadow of The Colossus é perfeito!

Apesar de reconhecer que o jogo continua a ser extraordinário com o remake a criar um grafismo mais adequado ao jogo original, há coisas que não apreciei verdadeiramente.

Shadow of the Colossus é um dos meus jogos favoritos desde sempre. Acho-o uma obra prima e este remake recente para a PS4 veio criar um ambiente mais digno a um jogo que na altura estava tremendamente limitado pelo Hardware.

Mas o a nova recriação do jogo não tem só virtudes. E pessoalmente há coisas que não gostei! Notem que isto não é dizer mal do jogo, nem é tentar deita-lo para baixo, é apenas um referir daquilo que, na minha opinião, não transitou devidamente para o remake.

Para começar Wander, a personagem principal. É certo que na PS2 era uma personagem pouco definida, com poucos polígono e más texturas. Era igualmente uma personagem sem expressão, algo que falta saber se foi devido às limitações técnicas da consola, ou a opção artística. Mas a realidade é que, independentemente de ter sido uma escolha ou uma limitação, isso tornou-se uma imagem de marca que define o jogo. Wander é visto como cabisbaixo… triste e abatido… praticamente está morto na alma! E isso encaixou perfeitamente no estilo original do jogo!

Mas agora que passamos para alta definição, para texturas de elevada definição e luz de qualidade… a face de Wander… perde! Continua a ser aquilo que sempre foi, mas tornou-se demasiadamente rígida, tipo um boneco de madeira, uma máscara de plástico.



Onde isso se nota mais é no combate com os Colossos. Wander pode estar morto de sentimentos, mas isso não impede que esteja vivo.

Eis uma representação das animações faciais originais comparadas com as atuais (nota: imagens animadas externas ao site que podem demorar a carregar):

Durante a corrida, na PS2 Wander abre a boca e o cabelo salta. Mostra alguma vida! Na PS4 Wander é um autêntico boneco… não há qualquer animação na face e/ou cabelo. Mais do que isso a movimentação da personagem original está, a meu ver, superior!

Este foi um ponto onde a suposta melhoria… não foi efectivamente para melhor! Repare-se na animação colocada na personagem quando fala:

Demasiado Botox na versão PS4?

Mas há mais!

Joguei Shadow of The Colossus na PS2, e o remaster HD na PS3. Agora estou a jogar o remake na PS4. E curiosamente, apesar de deslumbrado com a qualidade gráfica e a forma como o espírito do jogo se manteve neste remake, nem tudo me soa a igual.

A maior diferença que notei foi no combate com os colossus no nível de dificuldade normal onde o jogo está fácil de mais! Acabar com um Colosso é suposto ser uma tarefa dantesca e para o jogador inexperimentado ser algo que poderia requerer várias tentativas. Isto mesmo nos colossus mais fáceis.



Mas aqui, na PS4 no nível normal, pelo menos nos primeiros… não senti isso e derrotei os que 4 primeiros colossos à primeira tentativa e de forma relativamente simples, o que me levou a iniciar novamente o jogo na dificuldade superior! Sim, é certo que já sei as táticas para  abordar os colossus e isso é uma tarefa em si, mas não é nesse aspecto que falo. É no manter-me sobre eles e na facilidade de os atingir. Pura e simplesmente as tentativas destes de nos remover parecem mais reduzidas do que eram na PS2/PS3, o que torna aquilo que deveria ser um constante confronto com bosses, como um mero pro forma onde estamos “a virar frangos”.

Decepcionou-me. E o nível mais difícil torna-se obrigatório!

Mas há depois diferenças. Os colossus não mostram tão facilmente os seus pontos fracos. O segundo colosso, Quadratus, não levanta as patas ao nível do que acontecia na PS2. Não que isso seja mau, mas adultera muitas das táticas que se usavam antes e por exemplo, atingir as mesmas a pleno galope está agora muito dificultado, alterando a forma preferencial de abordagem.

O mesmo se passa com o Basaran, o nono colosso. Agora parece estar mais certeiro com os disparos o que é bom e aumenta a dificuldade, mas quando expõem os ponto fracos debaixo das patas, eles levantam muito pouco do solo, e mais uma vez impede ataques com movimentação mais rápida.

Não é que isto seja mau ou bom, mas é diferente!

Mas onde notei grandes diferenças foi no 5º Colosso, o Avion, um boss voador. Tinha grandes memórias deste boss, nomeadamente pela sensação de velocidade e de deslocação de vento que a PS2/PS3 mostrava e que, quando na parte traseira do boss, arrastava Wander para trás. Mas ao jogar na PS4… Wander ainda era arrastado para trás… mas a sensação de velocidade e de deslocação de ar não estava lá da mesma forma. Foi decepcionante!

Vou deixar um video com as duas versões para que possam ver do que estou a  falar.

Vejam neste video a partir do 1m 58s e especialmente a partir dos 2m 20 e vejam a animação que mostra a deslocação de ar.

Na PS4, o efeito está lá, mas muito menos acentuado, e mata a sensação de deslocação de ar. Em compensação temos um maior efeito de deslocação de neblinas, mas que não se revela igualmente eficaz. Vejam a partir dos 2m 38s.

Mas para que não se fale apenas do que não gostei… vou falar do que gostei! Ou melhor… vou mostrar :).

Começo com alguns comparativos de cenas na PS2 e PS4:

E agora umas imagens que demonstram a qualidade suprema do grafismo criado pela Bluepoint.

Em breve teremos uma análise ao jogo!

 



Posts Relacionados

Readers Comments (5)

  1. Joguei o original na PS2 e foi um jogo que me marcou e dos quais tenho muito boas recordações…não tenciono jogar este remake pois não quero estragar as recordações maravilhosas que tenho comigo…já joguei o mesmo jogo várias vezes mas apenas por ser obrigatório para se conseguir tirar determinadas conquistas, o único jogo que me lembro de ter jogado mais vezes depois de o ter “zerado” foi o dead rising, pois na altura o jogo tinha um ranking mundial e eu estava em 7º e tentei entrar no TOP 5

    • A qualidade da recriação está perfeita. O jogo melhora e muito face ao original. O que aqui está referido são apenas pontos onde a melhoria que supostamente deveria ter sido introduzida falhou. Mas isso não tira a qualidade ao produto. E ele vale bem a pena!

  2. Bom dia! Essas novas animações me lembraram Mass Effect Andrômeda, onde os personagens chegam a ser engraçados de tão “bonecos” tipo manequim de loja, que são.

  3. Eu já acabei o jogo duas vezes seguidas e já vou na terceira, o que era melhor está ainda melhor, está perfeito?
    Claro que não, mas tendo em conta que recriar não só o jogo em si mas o ambiente impar dete mundo não foi uma tarefa fácil, acho que fizeram um trabalho magistral.

    Apesar de uma ou outra falha pontual que é perfeitamente natural, não passa disso mesmo, pontual e que em nada mancha o que foi alcançado, pode ter-se perdido qualquer “coisinha”, mas ganhou-se muito mais.

    Em relação à dificuldade, isso tem a ver com a facto de que a jogabilidade ter sido melhorada, se na PS2 lutavas com os controlos aqui não, era frequente caires do colosso mesmo com grip de sobra e sem largar o botão do mesmo, o que torna de facto o jogo mais dificil, não é o jogo que está mais facil, a jogabilidade é que melhorou substancialmente.

  4. O jogo já era um assombro gráfico no ps2 só que o Japan Studio quis tirar mais do ps2 doq o mesmo conseguia,resultou em um jogo com falhas evidentes mas que de maneira alguma tiravam seu brilho foi uma obra prima um jogo como poucos, agora no PS4 onde era para o jogo se sentir em casa devido ao maior poder de processamento, ele vem com essas decisões questionáveis mas no geral é um remake de respeito

Deixe um comentario

O seu e-mail nao sera publicado.


*