Nintendo arrasou na E3. É a clara vencedora e mostrou como a conferência da Microsoft foi fraca e como a Sony fez bem em não comparecer.

A conferência da E3 da Nintendo foi directa ao assunto. Não esteve com rodeios, e apresentou aquilo que os fans querem ver… Muitos jogos, muito conteúdo ingame, muito suporte e muitas novidades de interesse.

A conferência da Nintendo na E3 foi o que se chama de “um tiro na “mouche””. As revelações sucediam-se e todas elas mostravam-se significativas para o universo Nintendo, sendo todos eles bem montados, com cenas ingame e não CGIs ou animações.

A Nintendo chegava mesmo a detalhar pormenores da jogabilidade de alguns jogos como em Luigi’s Mansion 3, mostrou um suporte third party impressionante e revelações que mostravam aquilo que se quer e se procura, jogos com humor, divertidos e com jogabilidade incrível. Sinceramente, e aqui cada qual poderá ter uma opinião diferente, até porque há pessoas que pura e simplesmente não apreciam o estilo da Nintendo, esta foi a melhor das conferências que vi na E3, batendo a da Microsoft, a da Square Enix e a da Ubisoft. A conferência da Nintendo apontou ao coração do gamer, e acertou em cheio.

E gostos à parte, a E3 trata-se de conseguir passar uma mensagem, de mostrar jogos, de conquistar o público de mostrar o que aí vem e com o que se pode contar. E isso, independentemente de se gostar da Nintendo ou não, foi claramente conseguido aqui, tendo bastado 42 minutos para isso.

First Party. Oh yeah Baby!

Se houve empresa que mostrou suporte First Party ao nível que se espera para o produto que possui foi a Nintendo: Luigi’s Mansion 3, Animal Crossing: New Horizons, e o remake de The Legend of Zelda: Link’s Awakening foram títulos de peso. Mas o melhor aqui é que ao contrário das restantes conferências onde o CGI foi dominante (no caso da conferência da Microsoft, e os minutos de cenas ingame contaram-se pelos dedos), aqui não houve nada disso, e o jogo era mostrado a ser jogado, eram detalhadas as características do jogo, de forma divertida, e que mostravam aquilo que o jogo realmente é!



Algumas das revelações eram acompanhadas de descrições informativas sobre modos de jogo, caracteristicas do jogo, dos modos online, da existência de co-op, das armas, da sua criação, da evolução, etc. A Nintendo, ao contrário de todos os outros, não se apoia no grafismo, ou pretende contar uma história. O que a Nintendo quer é garantir que os seus jogos são divertidos, e transmitir essa ideia. E conseguiu-o com sucesso! Link’s Awakening, Luigi’s Mansion 3 e Animal Crossing: New Horizons foram excelentes exemplos nesse campo.

Depois tivemos outros títulos exclusivos como Mario and Sonic at the Olympics, Ultimate Alliance 3, Astral Chain, Daemon X Machina, and Fire Emblem: Three Houses que foram mostrados com algumas novidades.

Third Party. Double Oh Yeah Baby

A questão é que quem não aprecia os títulos da Nintendo viu nesta conferência que a Switch é muito mais do que isso. E jogos como The Witcher 3: Complete Edition foram uma surpresa que certamente apanhou muitos desprevenidos, especialmente por incluir todos os DLCs e expansões. Este é um dos jogos mais emblemáticos dos últimos anos e o jogo que colocou a CD Projekt Red no mapa de empresas cujos jogos não se podem perder (e que podemos adiantar correrá a 720p com a consola na dock e 540p com ela fora dela).



O trailer mostrado mostra que, apesar de alguns cortes, a Switch consegue manter o essencial do jogo e oferecer a quem o jogar nela a experiência única que este jogo trouxe.

Mas tivemos outras novidades. Panzer Dragoon, Contra: Rogue Corps, Trials of Mana, Spyro: Reignited Trilogy, e Resident Evil 5/6 e até mesmo o Super Lucky’s Tale da Microsoft. Sim… o exclusivo Xbox passa para a Switch na parceria entre as duas empresas, contendo tudo o que o original tinha e ainda mais. Tendo sido um jogo basicamente ignorado na Xbox, ele tem agora uma nova oportunidade de conquistar novamente o público.

Anúncios

A Nintendo basicamente deu aos fans aquilo que eles mais pediam. O Super Smash Bros. Ultimate vai receber novas personagens tais como Erdrick da série Dragon Quest e ainda o Banjo and Kazooie, algo que mostra que a Nintendo está a beneficiar de jogos da parceria com a Microsoft, que por sua parte não parece levar qualquer jogo Nintendo para os seus clientes da Xbox, limitando-se a amealhar os dinheiros das receitas. Este duo não aparecia nas consolas Nintendo desde a Nintendo 64.

Mas o mais surpreendente estava para vir. Um trailer da sequela de The Legend of Zelda: Breath of the Wild’s. Tudo se passa após a queda de Calamity Ganon, sendo que aqui ele acorda e ataca tanto o Link como a Zelda. O jogo ainda não tem data e nem sequer nome, sendo que tudo o que foi anunciado foi o seu desenvolvimento. Foi a parte mais semelhante com as restantes apresentações de tudo o que a Nintendo mostrou, mas que é realmente especial dado o sucesso do primeiro jogo.

Conclusões e porquê a Nintendo venceu a E3

No global a E3 da Nintendo era aquilo que se espera de uma E3, mas apesar de muitas surpresas a Nintendo ainda foi mais longe e criou grandes expectativas nos fans. Nenhuma outra empresa tem o lineup que a Nintendo mostrou ter para o ano que se avizinha, sendo que apenas a Sony tem algo a nível de qualidade e quantidade em títulos já conhecidos e altamente esperados para serem lançados nesse período.

Basicamente a Nintendo mostrou o que mais ninguém mostrou… Novos títulos, títulos excitantes, e que estarão disponíveis em breve. Comparativamente, o  que vimos na conferência da Microsoft basicamente foi a reciclagem de alguns títulos já conhecidos, e muitos indies e CGI, com poucas novidades de peso, e ausência de datas de lançamento e de amostras de jogo jogado.



E isto acaba um pouco por dar razão à Sony para estar ausente. Porque uma apresentação de E3, com novos títulos a serem lançados em breve, foi o que a Nintendo teve, e isso nem a Sony nem a Microsoft estavam em condições de mostrar.

Eis a Nintendo Direct da E3 2019 na integra!



newest oldest
Notify of
Carlos Zidane
Visitante
Carlos Zidane

Realmente tudo é uma questão de gosto, não tem absolutamente nada pra mim na Nintendo.

Ewertom
Visitante
Ewertom

Eu já sou o oposto,tudo da Big N é ouro,só jogão.Este Zelda é goty novamente,fora o lado artístico de Luigis Mansion e diversão.e outras pérolas digitais.

Carlos Zidane
Visitante
Carlos Zidane

Fico mais que feliz por você e “triste” pela minha indiferença sobre esses jogos, eu queria gostar (claro) mas não dá, engraçado que eu amava os jogos da Nintendo quando tinha entre 8 a 14 anos, depois, infelizmente se perdeu completamente.

A boa notícia é que tem conteúdo que não acaba mais em outras plataformas que eu amo atualmente e tenho a perspectiva de continuar assim por muitos anos, Deus me ajude a chegar lá.

Edson
Visitante
Edson

Eu como fã me deliciei! Incrível é que uma boa parte desses games serão lançados esse ano.

nETTo
Visitante
nETTo

A Microsoft sai da E3 com uma exibição morna pra fria, praticamente o ponto alto da Conferência foi a presença de um ator no palco pra Cyberpunk jogo multiplaforma.

A nintendo foi bem mesmo, muitos remasters multi plataformas e exclusivos da casa e thirds, excelente.

A square pro meu gosto pessoal também arrebentou.

Livio
Visitante
Livio

[OFF] Aos apoiadores e admiradores de serviços parece que vem mais um serviço por aí: Square Enix

Daí já temos EA, Ubsoft, MS, Sony….

Mas a carteira dos apoiadores é igual coração de mãe, sempre cabe mais um pagamento de serviço.

nETTo
Visitante
nETTo

Outro Off: Saiu artigo da Eurogamer hoje no qual entrevistam a equipe por trás do novo Xbox Scarlet, a polêmica aqui está no fato de que durante a apresentação do Scarlet foi referido por um engenheiro da Microsoft que o Scarlet seria 4x mais poderoso que o Xbox One X, isso mesmo, em tese eles deram a entender que teriamos + um console de 24TF. No entanto no artigo do eurogamer deu-se a conhecer que na vrd o termo “4x” foi usado em referência ao CPU e não ao GPU, o que de certa forma se conclui que em pouquissimos dias já temos o primeiro 180 dado pela Microsoft.

nETTo
Visitante
nETTo

Eu como bom caixista que sou e defensor dos serviços assinei todos, por absolutamente todos os meses, viva os serviços

Carlos Zidane
Visitante
Carlos Zidane

Não gosto desses serviços porquê eles me acorrentam, tirando a sensação de liberdade que sempre tive. Se continuar assim chegará o ponto em que os jogadores estarão completamente “escravizados”, mais pagando que recebendo qualidade.

Edson
Visitante
Edson

A pergunta que faço para vcs do Hardware, se a Nintendo fizer uma espécie de switch 2, sucessor do atual switch, até onde poderemos chegar em comparação com o ps4/one, ps4pro/ one X e ps5/Scarlett ? Mário, Bruno, etc… Quem poderia dizer algo a esse respeito? Falo na questão de performance msm. O que teremos de avanços na questão de chips mobiles, pq dá a entender que a Nintendo está voltando a apostar em games third paty, na verdade, dá a entender que as thirds estão apostando na Nintendo e gostando do resultado. Exemplo disso foi a versão do MK 11 que vendeu mais no switch do que nas outras versões no lançamento do game nos EUA e a Nintendo não vendia mais uma versão multi plataforma do que os outros há 15 anos.

Ewertom
Visitante
Ewertom

@Edson ainda é muito cedo para pensar nisto:e caso ocorra a base sempre vai limitar o mais forte,e o que verá caso ocorra é o mesmo que estamos vendo no dias atuais,resolução mais alta ou fps mais estáveis.

Edson
Visitante
Edson

Po, ninguém me respondeu!rs

Vitor PG
Visitante
Vitor PG

Microsoft não é nem peixe pequeno,é krill,provou que não precisa da maior estrela de toda E3(SONY) pra fazer feio e passar vergonha

Shin風林火山
Visitante
Shin風林火山

A Nintendo se fizer tudo direitinho como está fazendo agora, pelos próximos 10 anos será imbatível. Absolutamente nada que a Microsoft ou Sony fizer vai parar a Nintendo de crescer e levando em conta que eles tem o online mais barato e a plataforma com maior valor comercial, eu diria que toda a indústria tem um problema.