O que esteve bem, e o que esteve mal na apresentação da Microsoft na E3

A Microsoft fez a sua apresentação na E3, e sinceramente esteve bem melhor a apresentar a sua Xbox One do que na apresentação oficial. Analisemos o melhor e o pior da apresentação.

pub

Com a apresentação da Microsoft na feira E3 completa podemos agora analisar a mesma e ver onde a Microsoft esteve bem, e onde esteve mal.

A nosso ver o ponto onde a Microsoft esteve melhor foi no facto que cumpriu a sua promessa: A E3 foi dedicada aos jogos e finalmente vimos jogos em quantidade na sua nova consola.

Mais ainda a feira permitiu mostrar exclusivos Xbox de qualidade, apesar de a ordem de apresentação ter estado um bocado deturpada e a apresentação ter, mais uma vez, sido aberta com um título não exclusivo, Metal Gear Solid V.

Publicidade

Retomando o nosso artigo

Seja como for, no campo dos exclusivos ficamos a conhecer RYSE: Son of Rome, Killer Instinct, Sunset Overdrive, Forza 5 (já previamente apresentado), Minecraft: The Xbox One Edition (esta é uma versão exclusiva, mas o jogo poderá igualmente sair ainda em outras consolas), Quantum Break, D4 , Project Spark, Crimson Dragon, Dead Rising 3, Below, Black Tusk Project TBC, Titanfall e HALO (o que vimos seria CGI, efectuado tempo real com o motor do jogo, ou apenas um filme?)

Outros jogos não exclusivos apresentados foram Witcher 3 e Battlefield 4 (que terá conteúdo de download exclusivo para a consola).

Finalmente uma apresentação de uma consola, com conteúdos de consola e para os jogadores. Neste aspecto a Microsoft fica de parabens.

Soube-se igualmente, em informações obtidas fora da apresentação, que RYSE: Son of Rome deixará de necessitar obrigatoriamente do Kinect, E se isto se confirmar a Microsoft poderá estar a assumir uma política de abdicar das potências reservadas para o periférico a favor da qualidade global dos jogos. E isso seriam excelentes notícias.

De todas as apresentações Metal Gear Solid V foi o que mais me impressionou, mas ao não ser exclusivo da consola, poderia ter sido apresentado noutra posição. Quantum Break também se mostrou impressionante pela forma como mistura video e jogo sem se perceber onde começa um e acaba o outro. Mas o facto é que o que se viu, mais uma vez, não mostrava nada de jogo jogado.

Mas nem tudo foram rosas na apresentação.. Uma falha técnica ensombrou a mesma quando Battlefield 4 se recusou a executar.


Assim talvez até tenha sido bom quando se percebeu que Battlefield 4 não estava a ser executado na Xbox One, mas sim num PC. Tratava-se da versão PC do jogo, a correr num PC com especificações bastante superiores às da Xbox One. No entanto ficou a promessa de que o jogo correrá na consola a 60 fotogramas por segundo e não temos dúvida que isso virá a acontecer.

Publicidade

Retomando o nosso artigo

bf4 pc

Mas a parte pior da conferência foram os comentários machistas e sexistas usados durante a apresentação do jogo Killer Instinct. Tudo aconteceu de forma espontânea, tendo sido de uma irresponsabilidade tremenda.

Para apresentar o jogo trouxeram uma mulher para o palco, e posteriormente, para lhe dar uma valente coça e mostrar como ela não prestava com os jogos chamam um homem para controlar a outra personagem. Até aí a coisa poderia ter passado despercebida não fora o facto de, durante o enxerto de porrada que a personagem controlado pelo homem dava na personagem da mulher, este se ter saído com a frase: “Relaxa, deixa acontecer, daqui a nada está tudo terminado“, algo que poderia ter sido tirado directamente de uma cena de violação. Esta situação já mereceu vários artigos de recriminação como este do Kotaku.

É certo que a associação está na cabeça das pessoas uma vez que nada do que acontecia fazia tal associação. E sinceramente quando ouvimos a frase a situação nem nos ocorreu. No entanto o website onde visualizávamos o stream recebe lateralmente feeds directos do facebook, twitter e Yahoo, e foi literalmente inundado de mensagens de censura, particularmente vindas de mulheres. E sim, as mulheres também compram consolas.

Soube-se ainda que os jogos Xbox One custarão 60 euros, e como tal podemos esperar pagar mais do que isso uma vez que os actuais, também anunciados a esse preço, custam sempre à volta de 69 euros. A consola em si custará 499 euros, um preço astronómico e que a revista Forbes considera mesmo perigoso para a consola.

Numa análise ao preço a Forbes refere que a esse preço apenas os mais fanáticos a tentarão obter nesta fase, e esses são actualmente os que mais desagrado tem vindo a mostrar face a toda a polémica que tem vindo a rodear a Xbox One com as questões de privacidade e DRM, particularmente nos usados. E tendo a Microsoft mostrado uma consola que pretende alcançar um audiência mais ampla, este preço parece um contra-senso. E toda esta situação é agravada caso a Sony bata o preço da Microsoft.

Publicidade

Posts Relacionados