Óculos VR da Microsoft são os mais baratos e dispensam uma câmara para o tracking. Mas colocam várias questões!

microsoft-vr

A Microsoft apresentou uns óculos de realidade virtual que dispensam a ajuda de uma câmara para se localizarem no espaço. São baratos, usam tecnologia de ponta… mas as especificações não foram divulgadas!

No passado dia 26 de Agosto a Microsoft realizou um evento onde falou de realidade virtual, realidade aumentada, e mesmo de uma realidade mista entre estas duas. E como surpresa, a empresa de Redmond apresentou um capacete VR que ninguém tinha conhecimento que andava a desenvolver.

Este capacete foi realizado em parceria com uma série de empresas, como a HP, Dell, Lenovo, Asus e a Acer, que os passarão a vender. Como novidade absoluta, estes capacetes trarão seis graus de sensores de movimento que afirmam serem capazes de dispensar qualquer câmara ou outro aparelho para serem detectados no espaço. Isto quer dizer que estes óculos permitirão que a pessoa se mova no espaço de forma livre, apesar de na liberdade acabar por ser sempre limitada uma vez que os capacetes não se livram do cabo que os liga ao PC.Estes óculos serão colocados à venda a partir de 299 dólares, sendo que atualmente os óculos mais baratos no mercado são os da Sony, para a Playstation, com um preço de 399, e esses necessitam do controlo de uma câmara para detecção de movimentos.

hololens - Virtual Accessories

Apesar de não haver uma data certa para o lançamento, a Microsoft aponta a primavera de 2017 para data de lançamento. Mas curiosamente não revela as especificações dos óculos, e mais ainda, só revela suporte dos mesmos para PC, ignorando a sua Xbox One!

E é aqui que começam a aparecem as questões!

Quem se recorda das várias notícias que foram aparecendo quando do desenvolvimento dos óculos da Sony, terá presente que a ideia inicial era a criação de uns óculos cujo custo não fosse superior a 250 dólares.

E nesse sentido a Sony tinha uns protótipos iniciais com resolução de 720p, e com um refrescamento de 90 Hz.

No entanto, após conferenciar com diversas pessoas que tinham já testado óculos da concorrência, estas referiam que os óculos da Sony deixavam muito a desejar com aquelas especificações. E nesse sentido a Sony aumento a resolução para os 1080p, e o refrescamento para os 120 hz.

Não é que seja impossível melhorar o produto da Sony…  Os Razer OSVR HDK 2 possuem capacidades superiores ao VR da Sony, com um ecrã de 2160 x 1200 pixels, por um preço idêntico. No entanto, no campo do conforto e qualidade geral, deixam muito a desejar.

Mas mesmo isso é com menor qualidade de construção e um preço idêntico… e não 100 dólares inferior! E ainda por cima estando estes óculos dotados de sensores de movimento adicionais.
Daí que a questão sobre as especificações do que ali estará a 299 dólares parece mais do que merecedora de ser posta!


Naturalmente a questão não se colocaria se a Microsoft tivesse revelado as especificações gerais… Mas não o fez … Daí que a dúvida fica claramente no ar, e parece mais do que pertinente!

Mas uma outra questão paira no ar… e suporte para a Xbox One?

Ao que tudo indica a Microsoft quer guardar o VR para a sua Scorpio, de forma a poder dar um suporte com maior qualidade. A questão é que criar um produto VR, mostrando interesse no VR, e não revelar o interesse em dar suporte imediato ao mesmo quando a Microsoft possui uma base de mais de 20 milhões de utilizadores da sua atual consola Xbox, guardando o VR para a Scorpio, é algo um pouco incompreensível, especialmente quando a concorrência está a dar esse suporte à sua consola atual com características semelhantes às da One.

Esta situação faz lembrar um pouco algo do género: “Hei, temos aqui um produto que queremos que comprem, mas apesar de lhe podermos dar suporte na nossa Xbox, não o vamos fazer porque isto ainda não interessa verdadeiramente. A nossa consola é fraca demais para vos dar a qualidade pretendida”.

Como se compreenderá, mesmo não sendo essa a intenção, a imagem passada, face a uma PS4 que está a dar esse suporte, é de um aparente reconhecimento de inferioridade que não tem de existir.

Os verdadeiros motivos são que a Microsoft está a apostar tudo na sua Scorpio, anunciando cada vez mais a mesma (aliás é raro o dia onde a Microsoft não fala dela), querendo ter o VR com suporte exclusivo para a mesma!

A questão é que uma prometida potência maior constantemente relembrada condiciona não só as vendas da concorrência, mas igualmente as vendas atuais das suas consolas (e não interessa se vende bem ou mal, se vende agora mais ou menos do que antes, interessa é que o condicionalismo é uma realidade e as vendas seriam superiores se não estivesse condicionada).

E com a falta de suporte VR durante todo o 2017, começando o mesmo apenas a ser dar os primeiros passos na consola em 2018, tal poderá levar muitos a não conseguirem conter-se, optando por uma PS4 na altura já com bastantes títulos e experiência na área, para o experimentar.

Basicamente com a Scorpio está a fazer algo que na gíria se chama “colocar os ovos todos na mesma cesta”, pensando que com isso cria atrativos muito mais fortes para a consola. A questão é que se a Sony resolve pagar o que está a acontecer com a mesma moeda, anunciando pouco antes do lançamento da Scorpio, uma PS5 bastante superior, para dali a um ano… a estratégia da Microsoft pode revelar-se mais danosa do que benéfica.

E por isso tudo isto deixa-nos a pensar… Com uma série de questões que ficam à espera de resposta!

 

Publicidade

Posts Relacionados

Readers Comments (22)

  1. Não creio que a Sony há de anunciar um ps5 ano que vem, até pq, se o fizer, matarão a pro rapidamente. Quanto ao VR, Phil Spencer disse que o VR será interessante no dia em que terem games de verdade, e não demos.

    • Luciano S. Carvalho 4 de Novembro de 2016 @ 14:52

      Concordo com essa parte de games de verdade, vide Gran Turismo Sport que para VR não será jogável, somente terá um modo tour.

    • PS4… Standard, Pro, Slim… Tudo PS4.

      Pensa nisso! A Sony tem de dar pelo menos 5 anos à PS4… não à PRO!

      A PRO não prende verdadeiramente a Sony em nada! É apenas uma PS4!

      • Eu não consigo ver desta maneira,se temos a Slim porque lançar um console mais potente ao qual tenho possibilidade de mais resolução nativa e frames em um jogo ao qual meu parceiro mais velho não pode acompanhar.Porque se for assim temos um console High com 2 anos de vida util.Muito pouco tempo para poder tirar proveito de sua força extra.Na minha opnião PS5 só em 2019 ou 2020.Porque tenho uma nova GPU e uma CPU clockada para aumentar minha performance,sendo esta atual ao meu olhos pelos títulos lançados estavam muito boas.Esperando apenas mais optimização,o epilogo de U4 esta ai para mostrar.

        • Quem referiu 2 anos? A PS4 não morreria com 5. O suporte continuaria.
          O que terminaria seria isso sim a exclusividade da consola.
          A PS4 Pro existe apenas para que quem tem uma PS4 possa tirar partido dos 4K. Não é um novo modelo. E o que ela prometeu trazer trouxe!
          Ela não foi criada para ser melhor que a PS4 (apesar de isso ser algo que forçosamente tinha de acontecer). Ela foi criada para permitir jogos da PS4 a 4K.
          Não tentes ver na consola muito mais do que isso. Porque não existe.
          Naturalmente eu não te garanto um anúncio de uma PS5 para 2018. Mas deixo esta ideia sempre no ar para que se tal acontecer ninguém ser apanhado de surpresa. Afinal, percebendo-se o contexto da Pro, que a Sony tem deixado bem claro (é uma PS4 premium), nada impede isso.
          E dado que as condições financeiras da Sony não estão para deixar a empresa 2 anos na mó de baixo, eu continuo a acreditar seriamente na possibilidade de uma PS5 em 2018. Mas é apenas uma possibilidade, não uma certeza.

          • Quando me refiro vida útil,coloco em questão que uma empresa jamais visualiza um velho produto como rentável por muito tempo,colocando na cabeça do consumidor que a mudança seria o ideal.Mas de que forma isso é feito(reduzindo os jogos lançados para o produto mais velho e lançamentos também com gráficos mutilados aquém daquilo que a plataforma suporta como render máximo)E quanto ao suporte sabemos que a maioria das empresas começam a abandonar o velho produto em menos de 1 anos após lançarem o novo.

  2. Acredito que não deva seguir esta linha visto que não pode matar uma consola que para produzir gerou um custo.
    Estao há gastar “Gordura” que ganharam com o PS4 e não vejo que como algo bom arriscar um console PS5 para competir com Scorpion.
    O que a mesma tem que pensar é se MS vender mais no mês de Novembro e Dezembro mesmo com o lançamento da Pro, a Sony vai ter que mudar a estratégia.

    • A parte das vendas tens razão… Mas a questão é que realmente há a questão das novas consolas que pode simplesmente explicar tudo. Varemos se assim é ou não, porque se não for, a Sony estará com problemas entre mãos.
      E sinceramente tal até se calhar seria bom para nós. Pode ser que a PSN+ melhorasse as sua ofertas, e os exclusivos passassem a cumprir datas de lançamento.

      Agora não te esqueças nunca de uma coisa. O suporte que a Sony dá à consola é à PS4. A PS4 PRO é uma PS4! Ela é encarada como uma versão da PS4, como uma Slim mas premium!
      O que a Sony tem de garantir é 5 anos de exclusividade mínima à PS4, não à PS4 Pro. E para além do mais, uma PS5 não implica a morte da PS4 que pode manter-se mais tempo e com suporte no mercado!

      • Mas é neste ponto que me refiro,se a Sony tem somente compromisso de pelo menos 5 anos com o ps4 então os seus clientes PREMIUM estão a ficar somente a ter compromisso por 2 a 3 anos. É isto que me refiro e não consigo enxergar o Pro como uma PS4,tendo esta visão que me refiro.Porque se for assim temos em 2019 uma nova plataforma Sony se colocarmos a vida do PS4 tirando a PRO em 6 anos

        • A tua visão é de repeitar. Mas não te esqueças do oficial. A PRO é uma PS4.
          Mas mais do que oficial ou sem ser oficial, por muito respeito que a Sony ou outra empresa tenha pelos clientes, se houver a ameaça de a Scorpio quebrar as vendas da Pro, vais ter uma PS5. Aliás não vejo as as finanças da Sony a permitirem outra lógica.

  3. Interessante. Curiosidade pra experimentar esse VR, o da Sony (por hora parece ser o mais interessante) mas essa tec de não precisar de câmera é ótimo, será que o Kinect ajudaria?! Kkkk
    E a curiosidade de ver como será esse Scorpio… Que ideia miserável anunciar um produto com 1 ano e meio de antecedência… :/

    • Nesse aspecto acho que, mesmo concordando contigo, a jogada foi de génio. A situação condiciona as vendas da PS4 e cria expectativa para o produto.
      O que já não sei se terá sido bom, e aí acho que a empresa que estudou a manobra não tinha os dados todos é para as vendas da S, que acabam igualmente condicionadas. E isso torna a carta da arriscada porque se por qualquer motivo a Scorpio falha (preço, marketing, políticas, jogada da Sony, etc)… A Microsoft prejudicou-se!

  4. Eu acho que ele quis dizer que não está interessado em ter o VR no Xbox enquanto os jogos forem pobres e extremamente carentes de conteúdo como 100% dos jogos do Playstation VR. Eu acho que essa tecnologia não está pronta ainda para jogos de peso e penso que daqui a um ano, o VR será um elefante branco nas contas da Sony e um peso na estante de muitas pessoas.

    • Já experimentaste? O VR para jogos vai valer zero…. eu não estou a ver ninguem a ter aquilo horas perdidas na cabeça. Para mim aquilo vale pelas experiencias interactivas. E nisso ele está fantástico desde já!
      Eu era um ceptico, experimentei e já encomendei um… Só que mesmo que o receba antes não vou abrir antes do natal ;).
      Vai ser experiencias VR para todos nessa noite :D.

      • Mas o Kinect também era ótimo para experiências interativas…
        É um dinheiro considerável para investir e não ter retorno. A Microsoft sabe com o Kinect 2 o que um investimento mal pensado pode causar. A Sony também sabe por que está tentando empurrar o move até hoje, o mesmo move de 5 anos atrás e impreciso para os dias atuais.
        A Sony corre o risco de ter que tentar vender o mesmo PSVR sem atualizações até no PS5 por que não vai ter retorno.
        O VR tem tudo para fracassar, faltarão jogos AAA, em muitas pessoas da incômodo e náuseas e o principal, o que o primeiro kinect e o wii tinham na época em que foram sucesso, a possibilidade de jogar com outras pessoas lado a lado, falta ao VR.
        O que fez os sensores de movimento ter a época áurea foi a interação entre as pessoas. VR significa se isolar em um mundo só seu. Todos os jogos que vendem milhões hoje em dia o fazem pelo componente Multiplayer, a interação social, exemplos: GTA V e o online, Call Of Duty que quas não tem mais campanha, Star Wars Battlefont, Destiny…
        Não tem como o VR dar certo quando a máquina mais barata custa o preço de outro console. Vai vender muito abaixo das projeções.

    • Luciano S. Carvalho 6 de Novembro de 2016 @ 5:42

      Concordo totalmente Fernando.

Os comentarios estao fechados.