Os avanços da tecnologia na preservação de dados.

A tecnologia avança e no futuro os dados poderão permitir memórias de capacidades gigantescas e capazes de resistir a temperaturas extremas preservando os dados por mais de 1 milhão de anos.

No filme de 1978 Super Homem, Kahl-El acciona os mecanismos na sua citadela no gelo usando cristais que inseria em tubos. E aquilo que na altura parecia ficção de baixo nível poderá na realidade vir a ser o futuro.

Os cientistas trabalham num tipo de memória baseada em vidro que poderá armazenar até 360 Terabytes de informação por mais de 1 milhão de anos. Esta memória é resistente o suficiente para resistir temperaturas acima dos 1000 graus célsius.

O segredo foi o controlo de um poderoso e rápido femtosencond laser e com oq ual conseguiram escrever 300 Kb de dados em nano estruturas de quartzo fundido.



Este femtosecond laser, capaz de emitir poderosos feixes de luz, pode codificar até três camadas de dados de futos nanoestruturados em vidro e com apenas 5 micrometros de distância (0.001 mm). Ainda de acordo com os cientistas o femtosecond laser grava dados em 5 dimensões (tamanho, orientação e posição tri-dimensional da nanoestrutura).

Apesar de neste momento a tecnologia estar muito primitiva, a equipa do Optoelectronics Research Center, da Univerdade de Southampton conseguiu já provar a viabilidade da tecnologia, referindo na boca do Professor Peter Kazansky:

É excitante saber que criamos o primeiro documento que provavelmente sobreviverá à existência da humanidade. esta tecnologia poderá guardar as provas da civilização; Tudo o que aprendemos não ficará esquecido.

A equipa quer agora parceiros para estudar a viabilidade do projecto para ser implementado comercialmente.



Posts Relacionados