Pachter acredita que ou a Microsoft remove o Kinect ou a guerra das consolas está perdida.

Michael Pachter tem vindo desde sempre a alertar que a Microsoft tem de se mexer uma vez que claramente está a ficar para trás face à Sony. E acredita que só há solução removendo o Kinect.

 

xboxone-kinectic

O analista da Wedbush Securities, Michael Pachter tem vindo, sempre que pode, a pronunciar-se sobre as possíveis estratégias da Microsoft para que esta apanhe a Sony na guerra entre a Xbox One e a PS4, e no seu último webcast, Pach Attack, refere que a única forma de haver sequer alguma hipótese é remover o Kinect da equação.

Penso que o a grande mudança potencial é retirar o Kinect do pacote. Se retirarem o Kinect não tenho a certeza que isso signifique uma Xbox One diferente. Penso que isso significa uma Xbox sem Câmara e Microfone na caixa. Mas se pensarmos o que o Kinect faz e para o que é necessário… é necessário se quisermos jogar jogos que suportem o Kinect, e na realidade não há nenhum, com excepção do Dance Central e Kinect Sports na 360. Quero dizer que o resto que existe não são assim tão divertidos e que não acredito que muita gente os tenha comprado ou se preocupado com eles.

Publicidade

Retomando o nosso artigo

Naturalmente que há aqui uma questão, os comandos de voz que muitos consideram uma boa característica, mas Pachter acredita que provavelmente o SmartGlass poderá substituir a recepção audio do Kinect. Assim a sua crença é que apesar de a Microsoft estar a tentar passar a imagem de que a sua consola oferece efectivamente 100 euros mais do que a PS4, a mensagem não passa e a PS4 está a vender bastante mais.

Publicidade

Retomando o nosso artigo

Assim, a Microsoft só poderá ter sucesso real com um corte de preço, mas um esperar pela altura oportuna é uma má jogada pois nessa altura a Sony poderá  descer o preço também. Assim a proposta é o corte do Kinect o mais rápido possível.

A Microsoft tem de se livrar do Kinect e descer o preço para os 400 euros já, ou a Sony vai ganhar. Acho que a Microsoft se preocupa com isso e pensa num corte de preços, e a única forma de isso acontecer é retirar o Kinect. Acredito que isso vai acontecer, mas não na primeira metade de 2014.

Analisando as palavras de Pachter, podemos constactar aquilo que ele partilha de uma opinião que temos desde o dia em que a Xbox One foi lançada: A Microsoft terá, e irá certamente, lançar uma versão da Xbox One sem Kinect.

O problema é que na nossa opinião, mesmo isso não será suficiente. Para além de tal ser um rude golpe quer para os compradores originais, quer para a Microsoft que perde assim o ultimo elemento que prende a sua consola à visão originalmente apresentada, a remoção do Kinect poderia efectivamente descer o preço para algo igual, mas mesmo assim haveria ainda uma diferença. A potência da Xbox One seria sempre inferior à da Playstation 4, pelo que mesmo a preços iguais a oferta nunca seria igual. E esta situação da potência é algo que não pode ser argumentada. É um facto técnico, e que que se vê claramente nas diferenças dos jogos multi-plataforma.

Seja como for, acreditamos numa XBox One sem Kinect, o que já não acreditamos é que isso acabe por fazer muita diferença, até porque a remoção do Kinect pode ser respondida com a inclusão da PS Camera na PS4, mantendo o preço, o que inverteria a actual situação do mercado com a PS4 a oferecer a câmara e a Xbox não, criando uma situação algo ridícula para a Microsoft que sempre apresentou o Kinect como o coração da consola.

Publicidade

Posts Relacionados