Piloto automático da Tesla não evita acidente que qualquer humano evitaria

O piloto automático da tesla é um pedaço de software que funciona baseado em sensores. E como todo o hardware… falha!

Quem acredita que o tempo em que os carros conduzirão sozinhos está aí à porta, desengane-se. Apesar dos grandes avanços, estes sistemas de piloto automático precisam de ser vistos como meros auxiliares à condução, mas não dispensando nunca a atenção do condutor.

No que toca a pilotos automáticos, a Tesla é a empresa que maiores avanços apresenta, com os seus carros a serem efetivamente capazes de conduzir sozinhos.

Mas no entanto, como qualquer peça de hardware equipada com software está sujeita a bugs e falhas!

Ainda recentemente tivemos notícia de um acidente com um Tesla onde o condutor faleceu e onde o piloto automático não foi capaz de evitar um acidente. Mas nesse caso não tivemos muita informação, pelo que fica sempre a dúvida sobre o que poderá ter acontecido e quais as circunstâncias exatas do acidente.

Mas agora temos um relato de um condutor chinês que filmou um acidente em que esteve envolvido. E o que vemos… choca! E choca porque não há verdadeiramente nada de anormal, nada de velocidades, nada de necessidades de manobras perigosas… nada!

Na realidade o acidente é tão ridículo que nunca deveria ter acontecido. E qualquer pessoa, mesmo sem carta, seria capaz de evitar o mesmo.

Eis o vídeo:

Os resultados do acidente são mínimos. Como se vê na foto de cima, apenas chama amassada devido ao raspão no carro. Mas a questão é: Porque houve acidente? Até porque podia ser maior!

 O piloto automático da Tesla é uma tecnologia fantástica, mas como todos os softwares e hardwares, nunca será perfeita. Esperemos é que possa melhorar pois caso como o que aqui se relata… não se compreendem.

A Tesla já confirmou e reconheceu que o piloto automático estava ligado durante o acidente.

Publicidade

Posts Relacionados

Readers Comments (4)

  1. Fiquei impressionado negativamente com isto, mas há um longo caminho pela frente ainda… Ah! Há um erro na escrita do título, Mário! Está testa ao invés de tesla. Até +

  2. Hennan Santos Carvalho 13 de Agosto de 2016 @ 0:55

    Achei suas críticas bem pesadas a um sistema que ainda está em desenvolvimento. Além disso, você comete um erro grave em sua avaliação. Nenhum sistema é perfeito, mas ele não precisa ser perfeito para ser melhor que o atual. Se o piloto automático se mostrar melhor que a média dos motoristas já é suficiente para ser adotado. Outro ponto é que o acidente foi imbecil, mas vejo cenas piores do que essa diariamente. Nem por isso vamos proibir o ser humano de dirigir; já que ele não é perfeito.

    • Não podes nunca comparar um sistema destes a um erro humano. Imagina que em vez do carro era uma pessoa que ali estava. A pancada que apenas riscou o carro era suficiente para partir um braço, e com a queda na estrada da pessoa sabe-se lá que mais pode acontecer.
      E quem seria o responsável pelo acidente? O condutor que nem ia a conduzir! Seria a Tesla?
      Se a pessoa morresse, quem responderia em tribunal? O condutor que não tem culpa nenhuma, ou os engenheiros da Tesla?
      Há uns tempos atrás coloquei um artigo sobre questões morais ligadas a estes produtos. Se o acidente tivesse mesmo de acontecer e o carro tivesse de chocar contra pessoas, certamente o condutor desviaria o carro para onde ouvesse menos pessoas. Ou se houvessem crianças tentaria evitar as mesmas. Mas e um sistema destes?
      Não vamos desculpar um sistema que por muito bom que seja falha redundantemente como no caso de cima. Há demasiadas variáveis em causa que levam a que estes sistemas ainda estejam longe de poderem ser perfeitos e como tal eles devem ser encarados como um cruise control assistido, mas nunca como um piloto automático que não dispensa nunca a atenção do condutor, esquecendo as tretas e paleio de Marketing da Tesla. E assim continuar a responsabilizar o condutor.

Os comentarios estao fechados.