Resident Evil 7 na Switch é uma negação do conceito da consola

O jogo chegará à consola via Cloud streaming

Resident Evil 7 vi chegar à Switch, mas numa edição especial. Trata-se de uma “Cloud Version”, uma versão do jogo que na realidade não usa o hardware da Switch, limitando-se a fazer o streaming do jogo rendido remotamente por intermédio da internet, e para a consola.

A situação não é exactamente uma novidade. O PSNow por exemplo funciona todo ele desta forma, disponibilizando o serviço vários jogos Playstation. Aliás temos já jogos Switch no Japão, como o Phantasy Star Online 2 da SEGA que fazem o mesmo, recorrendo igualmente à Cloud.

A questão é que a Switch é uma consola elogiada pela sua mobilidade. Uma consola de mesa que pode levar os jogos consigo e permitindo jogar estes em qualquer lugar.

Infelizmente a consola apenas possui conectividade WiFi, o que significa que a ligação à internet não pode ser usada em qualquer lugar, requerendo um acesso wi-fi à internet. A alternativa é a criação de um hotspot num telemóvel que permita à consola ligar-se tornando-a 100% movel.



Ora a questão é que essa situação já não é algo que dependa apenas da consola, dependendo igualmente de um smartphone. Pior ainda, se um telefone pode até ceder internet para umas partidas de switch online, de forma alguma pode garantir uma conexão de elevado tráfego para se jogar um jogo que funciona via Streaming da Cloud.

Basicamente isto é uma situação que retira toda a liberdade ao jogador. Mesmo que seja possível traz custos altos e requer hardware adicional. Neste caso Resident Evil 7 não só obriga a essa despesa adicional para se poder tirar todo o partido da mobilidade da Switch, como custará 18 dólares, que permitirão apenas acesso ao jogo por 180 dias. Após esse período o jogador não terá absolutamente nada.

Isto é algo que contraria o conceito de uma consola móvel. A Switch, quando usada na plenitude das suas capacidades é limitada na sua conectividade internet, e esta situação nega-lhe todas as virtudes. Não tem absolutamente jeito nenhum.



Posts Relacionados