Revelação da AMD sobre os CPUs Zen levanta a questão: Que CPU usará a Scorpio?

ZEN

Há especulações para todos os tipos sobre o CPU da Xbox Scorpio. Mas quando a AMD vem referir que CPUs Zen em soluções customizadas associadas aos GPUs Polaris só acontecerão em 2018, a Xbox Scorpio vê-se perante um problema.

Qual será o hardware da Scorpio?

De acordo com o website Alemão Compubase, Lisa Su, CEO e Presidente da AMD terá referido no passado dia 20 que os CPUs Zen não aparecerão conjugados com os GPUs Polaris em soluções customizadas antes de 2018, e essa informação vem matar muitos rumores, mas igualmente colocar muitas dúvidas.

A ser verdade tal situação (e não excluímos a hipótese de surpresas), ficamos assim a saber que dificilmente a Playstation Neo usará os CPUs Zen Light referidos em alguns rumores, o que nos leva de volta à informação inicial de que a consola usará um CPU Jaguar com maior velocidade de relógio, tornando-se assim, efetivamente, numa PS4 com basicamente apenas maior poder gráfico.

Mas e a Scorpio?

A Scorpio da Microsoft possui um problema maior, o facto de necessitar de alimentar 6 Tflops de performance, ou seja 1,8 Tflops mais do que o que a Neo oferecerá. E se a NEO já aproxima o Jaguar das suas performances máximas teóricas, vemos que esta solução não pode oferecer muita mais margem de manobra para aguentar com um GPU superior. E dessa forma, caso use um CPU Jaguar, ficará extremamente limitada pelo CPU.

Mas porquê esta referência ao Jaguar na Scorpio?

A questão é que de momento a AMD não possui nenhuma alternativa conhecida na relação performance/consumo que seja capaz de ser uma verdadeira alternativa ao Jaguar para uso em APUs. Daí que a questão se torna premente!

As alternativas da Microsoft passam então pelo uso do Zen, mas numa solução base e não customizada fornecida pela AMD, ou pela adopção de um outro CPU ao estilo do Carrizzo e baseado em núcleos PUMA+. No entanto esta última opção acaba por elevar o consumo energético da consola uma vez que, como vemos com o Carrizzo, ficamos com um processador cujo consumo nada tem a ver com o dos Jaguar (mais de 7x superior). Para além do mais, o PUMA+ não suporta certas caracterisitcas do Jaguar que levaram à sua escolha e que dificultam a posterior compatibilidade directa do software.

Sem dúvida uma revelação que vem colocar várias questões. Mas infelizmente respostas para já não há!

Publicidade

Posts Relacionados

Readers Comments (3)

  1. Sinceramente, fico triste com a situação atual da AMD. Suas CPU’s estão em uma situação lastimável. Perdem em tudo para as da Intel e a situação fica ainda pior quando se vê que as Intel Core M, que são destinadas ao mercado de ultraportáteis e tablets, batem em tudo as Jaguar das consolas. A AMD está ficando muito para trás nas cpu’s e precisa urgentemente colocar as Zen no mercado para não cair no esquecimento.

    • Na realidade a situação não é bem assim, mas infelizmente a noção que tens é a que o público em geral tem.
      Na realidade, o DirectX 12 e o Vulkan, apesar de serem APIs gráficos, possuem como maiores beneficiários os CPUs. É neles que se verifica o maior ganho com estes APIs ao se remover a carga das chamadas de desenho existentes nos APIs de alto nível.
      Mas mais do que isso, estes novos APIs permitem pela primeira vez uma distribuição adequada das tarefas pelos diversos núcleos do CPU.
      Ora com a AMD a usar CPUs com mais núcleos, os ganhos obtidos com os seus processadores com os novos APIs batem de longe os ganhos obtidos nos Intel, diminuindo tremendamente a diferença de performances que sempre existiu e que ainda hoje se acredita existir como sendo maior do que é.
      No entanto é inegável que o IPC ou número de intruções por ciclo de relógio processadas pelos CPUs AMD são inferiores aos Intel. E isso só será superado com os Zen.
      Seja como for, as vantagens da Intel só se revelam nos desktops, pois a ausência de placas gráficas de qualidade nos APUs da Intel eliminam-na como alternativs para as consolas.

Os comentarios estao fechados.