Revelação da AMD sobre os CPUs Zen levanta a questão: Que CPU usará a Scorpio?

Há especulações para todos os tipos sobre o CPU da Xbox Scorpio. Mas quando a AMD vem referir que CPUs Zen em soluções customizadas associadas aos GPUs Polaris só acontecerão em 2018, a Xbox Scorpio vê-se perante um problema.

Qual será o hardware da Scorpio?

De acordo com o website Alemão Compubase, Lisa Su, CEO e Presidente da AMD terá referido no passado dia 20 que os CPUs Zen não aparecerão conjugados com os GPUs Polaris em soluções customizadas antes de 2018, e essa informação vem matar muitos rumores, mas igualmente colocar muitas dúvidas.

A ser verdade tal situação (e não excluímos a hipótese de surpresas), ficamos assim a saber que dificilmente a Playstation Neo usará os CPUs Zen Light referidos em alguns rumores, o que nos leva de volta à informação inicial de que a consola usará um CPU Jaguar com maior velocidade de relógio, tornando-se assim, efetivamente, numa PS4 com basicamente apenas maior poder gráfico.

Mas e a Scorpio?



A Scorpio da Microsoft possui um problema maior, o facto de necessitar de alimentar 6 Tflops de performance, ou seja 1,8 Tflops mais do que o que a Neo oferecerá. E se a NEO já aproxima o Jaguar das suas performances máximas teóricas, vemos que esta solução não pode oferecer muita mais margem de manobra para aguentar com um GPU superior. E dessa forma, caso use um CPU Jaguar, ficará extremamente limitada pelo CPU.

Mas porquê esta referência ao Jaguar na Scorpio?

A questão é que de momento a AMD não possui nenhuma alternativa conhecida na relação performance/consumo que seja capaz de ser uma verdadeira alternativa ao Jaguar para uso em APUs. Daí que a questão se torna premente!

As alternativas da Microsoft passam então pelo uso do Zen, mas numa solução base e não customizada fornecida pela AMD, ou pela adopção de um outro CPU ao estilo do Carrizzo e baseado em núcleos PUMA+. No entanto esta última opção acaba por elevar o consumo energético da consola uma vez que, como vemos com o Carrizzo, ficamos com um processador cujo consumo nada tem a ver com o dos Jaguar (mais de 7x superior). Para além do mais, o PUMA+ não suporta certas caracterisitcas do Jaguar que levaram à sua escolha e que dificultam a posterior compatibilidade directa do software.

Sem dúvida uma revelação que vem colocar várias questões. Mas infelizmente respostas para já não há!



Posts Relacionados