Rumores sobre a próxima Xbox One e sobre a PS5 aparecem em força. E o da PS5 indica que o Navi poderá ser exclusivo da Sony.

Há várias afirma afirmações que tem vindo a público sobre as futuras consolas da Sony e Microsoft e que carecem ainda de confirmação. No que toca à Microsoft é apenas uma data, mas a parte da Sony é bem, bem maior, e a ser verdade não só consubstancia a real possibilidade de uma PS5 para 2019, como aponta no sentido de a Microsoft ter de vir a recorrer a uma solução própria para a o hardware da sua futura Xbox.

O mercado tem estado bastante cheio de afirmações sobre as futuras consolas, quer da Microsoft, quer da Sony.

Após a Microsoft ter vindo dizer que está a trabalhar na próxima Xbox, as afirmações de diversas fontes sobre as futuras consolas não pararam.

Do lado da Xbox a informação está mais limitada e nesta fase, de palpável há apenas um rumor sobre a possível data de lançamento. Ele é avançado pelo website Thurot, dirigido por Paul Thurrot que se sabe ter uma relação muito próxima com a Microsoft, e que assegura que tem informações que a próxima Xbox está apontada para 2020, tem o nome de código Scarlett, e não será apenas uma consola, mas sim uma série de variantes, ou família de consolas (atrevemos-nos a atirar um nome inédito a esta familia, baseado no ultimo halo, o de Xbox infinity).

Fonte



Houve ainda um outro rumor que correu mas que a Microsoft nega, referindo ter sido uma má tradução das palavras de um representante Asiático. Esse rumor, de certa forma associada ao outro, referia de que a futura Xbox seria apresentada em 2019 para ser lançada em 2020, mas a Microsoft, oficialmente, refere que é mentira e que nesta fase a empresa ainda não tem qualquer janela prevista para apresentar uma futura consola.

Fonte

Fica a informação!

Do lado da Sony, a informação que apareceu é bem mais interessante e sumarenta. É que várias fontes avançaram dando a conhecer que a PS5 usará não só CPUs Zen, como usará uma arquitectura Navi!

Mas o mais interessante é que aqui não estamos a falar de uma adaptação do Navi, mas sim o Navi puro! As fontes não referem ainda se a PS5 usará um SOC ou uma solução de CPU e GPU separada, parecendo que a segunda hipotese está na mesa, um rumor que já tinha vindo a público em tempos.

Mas a coisa é bem mais curiosa do que isso. É que segundo as fontes, o Navi não será apenas algo adaptado para a PS5. Na realidade, segundo elas, o Navi foi criado especificamente pela AMD para a Sony e para a PS5!

Como forma de descer custos deste investimento, a Sony permitirá o uso da arquitectura nos PCs, assim sendo, caso esta situação se confirme, é questionável se a Sony autorizará uma futura Xbox basear-se nela, remetendo assim a Microsoft para a criação da sua própria solução personalizada.

No entanto o mesmo rumor refere que a Vega foi criada para a Apple, e no entanto, isso não impediu que esta arquitectura fosse normalmente usada.

A informação é bastante detalhada, o que lhe dá alguma credibilidade. Segundo a mesma, o contrato era de tal maneira interessante para a AMD que a empresa decidiu dedicar 2/3 da sua equipa para a criação e desenvolvimento do Navi, o que limitou e muito o desenvolvimento da Vega, que acabou, devido à falta de recursos e de horas de engenharia, por sair bastante abaixo das expectativas.

Uma aposta que terá funcionado bem, até porque atualmente a AMD está a ter mais receitas neste campo do hardware personalizado do que na venda de hardware Gamer para PC, algo que é mais entusiasmante quando se vê que ao contrário dos restantes mercados a criação de produtos personalizados está a aumentar e a tornar-se numa fonte de sustento fiável da AMD.

Mas há que questionar. Porque motivo haveria a AMD de aceitar tal contrato, e de dedicar a maior parte da sua equipa a ele?

Bem, a saúde financeira da AMD nem sempre foi como agora, e faz agora uns anos estava mal… muito mal!



Na altura em que a Sony lhes propôs este contrato a AMD enfrentava um dilema: Possuindo uma capitalização de mercado de 15.25 mil milhões de dólares, a empresa lutava para ter lucros. Em comparação, os seus concorrentes eram gigantes como a Intel e Nvidia que possuíam capitalizações de  254.1 mil milhões de dólares e de 158.2 mil milhões de dólares respectivamente, sendo que ambas apresentavam receitas na ordem dos mil milhões.

A AMD era assim, fruto de má gestão passada, uma pequena empresa que se via afogada. E competir com estas empresas era um problema pois a mesma não conseguia obter engenheiros de qualidade em quantidade para competir com os seus rivais.

Não se sabendo se há ou não veracidade nesta situação, a realidade é que uma proposta destas caia na AMD como a salvação da empresa. As alternativas eram uma aposta primária no serviço de hardware personalizado, ou uma aposta em continuar sozinha a lutar pela liderança gráfica para gamers PC.

Perante a realidade económica da empresa, a resposta para qual adoptar era simples e coerente! E por isso nada nos espantaria que tudo o que aqui é referido fosse efectivamente verdade. A aposta no hardware personalizado garantiria à empresa as receitas e a parceria com uma empresa que já foi lider tecnológica, detentora de grandes equipas de engenheiros competentes e direitos sobre milhares de patentes permitiria a criação deuma base mais firme para o futuro.

E nesse sentido, a AMD terá aceite esta proposta da Sony.

É lógico e é coerente. Apesar de faltar apenas saber-se até que ponto há veracidade total na situação apesar de se saber desde à muito tempo que a Sony colaborava com a AMD na criação do Navi.

Fonte 2

Seja como for, como diz o ditado, onde há fumo há fogo, e a questão da gestão dos recursos por Koduri sempre foi motivo de polémica com a CEO da AMD. Daí que  saber-se que a Vega saiu abaixo das expectativas é algo que nos leva a acreditar que os ganhos de performance da Navi poderão ser bastante palpáveis face à Vega, e a criar alguma expectativa sobre o que aí poderá vir.

Numa outra temática, mas que poderá estar relacionada, e dar credibilidade ao que aqui é referido, recentemente apareceu ainda um rumor sobre a AMD que refere que a Navi apenas sairá para o meio de gama. Uma situação que poderá ter algum fundamento caso este rumor anterior seja verdade uma vez que o Navi estaria a ser feito com o objectivo principal de oferecer performances meio de gama a baixo custo.

Fonte

Falta agora saber-se a geração seguinte, apenas referida como Next Gen é igualmente aposta de alguma empresa (Microsoft?), ou se é já uma tentativa da AMD de voltar ao mercado PC, ou apenas de evoluir para continuar competitiva!

Até porque a possibilidade de na próxima consola a Microsoft se virar para a Intel também está em cima da mesa! A intel é quem equipa os Surface da Microsoft, quem equipa a sua Cloud, e prepara um GPU capaz de concorrer com a Nvidia e AMD em 2020.

Fonte 1
Fonte 2

A realidade é que caso esta situação seja completamente verdade, dado que a Navi aparenta estar pronta, nada impede o lançamento de uma PS5… e esta poderia até ser já lançada em 2018 como os primeiros rumores indicavam. O mais coerente é porém que se aguarde até 2019 para melhorar a qualidade de produção e descer os custos.

Lembrem-se porém que nada disto é confirmado.

 





Posts Relacionados

newest oldest
Notify of
By-mission
Visitante
By-mission

Um rumor que até pode ter uma lógica, uma arquitetura exclusiva e um pouco fora da curva do que se espera da AMD, e um padrão da Sony PS, PS2 e PS3 possuíam arquiteturas exclusivas, no caso ter uma arquitetura exclusiva seria uma imensa vantagem por parte da Sony, mas é algo que não sai barato, será que a Sony recém saída da pior crise de sua história estaria disposta a pagar essa conta..

Mário Armão Ferreira
Visitante

Quanto ao que dizes, repara nas vantagens que a Sony teria aqui face ao que fez no passado. É que a Sony ao contrário das arquitecturas passadas que foram criadas do zero, aqui pega não só em algo que existe, e cria algo dentro do mesmo segmento. Basicamente aqui o que é produzido ajuda a AMD a dar o salto e a obter a posição competitiva de mercado que queria.
Ora isto certamente traz beneficios enormes, até porque o Navi pode ser usado numa multitude gigante de máquinas, ao contrário dos chips anteriores. Logo terá sido bem mais barato produzir algo aqui do que foi antes.
Uma arquitectura dedicada permite coisas inovadoras. Todas as PS foram inovadoras em alguns aspectos, e o Navi se calhar tambem vai ser. Acrescenta a isso toda a compatibilidade anterior, e a AMD fica com algo muito importante nas mãos.

By-mission
Visitante
By-mission

Esse corretor ainda me mata de rir. Lol
Só depois que consegui corrigir.

Veja o cell além de uma arquitetura única, (acho que o único CPU na história rápido o suficiente para fazer cálculos de GPU) também tinha olhos vistos muitas aplicações em futuros, computadores, TV e etc… Viu se frustrado pela dificuldade de o programar, tenho para mim que fora algo que custou largas dezenas de milhões de dólares a se produzir e que no fim só deu a luz a PS3. Aqui seria justamente o contrário ela banca um contrato de exclusividade quer pós otimização ou por nomenclatura a exclusividade se perde indo para outros equipamentos.

Brunoab
Visitante
Brunoab

Outra coisa, imagine a equipe de engenharia da Sony.

A) demitir todo mundo e comprar um solução pronta da AMD

B) manter os cérebros da sua (sony) equipe de engenheiros ocupados desenvolvendo algo em parceria com a AMD.

Lembre, o que começou a queda da Sony foi o CEO que “reestruturou” a Sony demitindo os engenheiros que foram para a LG e Samsung.

Ennio Rafael
Visitante
Ennio Rafael

Nesses rumores o que me deixa de orelha em pé é a possibilidade de diferentes consoles serem lançados simultaneamete. Mas acredito que é quase inevitável mesmo, o mercado de PCs e Moveis funciona assim.

Edson Nill
Visitante
Edson Nill

Não seria essa ” família”, vários consoles com preços diferentes, Mário? Um standart, um Premium e quem sabe até um híbrido TB, todos recebendo os msm jogos, tentando abordar um maior número de consumidores. Pq se notarmos, a Microsoft quer empurrar gamepass nas pessoas e aumentar a sua base de usuários, por isso que creio em algo assim.

AlexandreR
Visitante
AlexandreR

Eu estou curioso!
Basicamente as 2 novas consolas vão garantir 4k e 60 fps
A questão é…
Como iram justificar o poder adicional das consolas?
9 Tflops já garantem isso…
Para que 12 ou mais?

Danilo Marciel
Visitante
Danilo Marciel

Para jogos mal otimizados e retrocompatibilidade eu diria temos ai no mercado jogos que rodam a 1080P 30FPS no Xbox One X como se explica isso o.O

Andrio
Visitante
Andrio

Mário já existe algum detalhe tecnico sobre NAVI?

Mário Armão Ferreira
Visitante

Praticamente nada… Sabe-se que será a 7nm e que suportará HDB e GDDR6.
Mas mais nada!

Lucas
Visitante
Lucas

Seria interessante se a Microsoft utiliza-se Intel, de longe são os melhores no que toca a processador. o problema seria o preço?

Carlos Filho
Visitante
Carlos Filho

Mário, vc criticou a antecipação do anúncio do novo Xbox na E3 e até concordei contigo mas, Phil Specencer deu uma entrevista alegando ser uma forma de garantir aos consumidores a continuidade no interesse da Microsoft na divisão Xbox. Inclusive ele fez uma alegoria muito interessante: ” antes, a divisão de jogos era como uma banda de garagem, podia existir mas sem fazer muito barulho… Agora, com uma mudança radical na percepção da MS sobre o mercado de games, a divisão passa a ter mais apoio na empresa.”
Estou na espectativa para um texto seu sobre o Xbox Scarlet.

bruno
Visitante
bruno

Carlos, ele disse isto este ano? Tens certeza? Eu não vi essa declaração, mas acreditando em ti, ele confirma completamente o que aqui se tem defendido, isto é, que a divisão estava com a corda no pescoço e que raramente deu lucro.

Já no tempo da 360 tinhamos visto uma redução de exclusivos com o avançar da geração (mas com o kinect nunca se percebeu se isso se devia ao dispositivo ou a fatores externos). Esta geração o caso foi flagrante. E com essas palavras ele acaba de confirmar o que eu sempre suspeitei – A divisão Xbox teve cortes no financiamento e por essa razão se fecharam estúdios, se cancelaram jogos, e depois de se ter centrado todos esses recursos na nova consola tornaram a investir em exclusivos.

bruno
Visitante
bruno

Isto é inédito e levanta muitas questões…

Mas antes de tudo Mário, alguns pontos, associados a esse rumor.

Primeiro, que a Navi será, afinal, o primeiro GPU a estrear com nova arquitetura pos-GCN e que a Next-Gen será uma evolução disso, ou seja, sem duvida será baseado no trabalho feito na Navi. Isto confirma a minha suspeita inicial de que a AMD estaria a desenvolver a nova arquitetura com as fabricantes de consolas, e contraria o artigo que fiz aqui em que se estimava que a Navi seria a ultima GCN.

Segundo, que isto ao invés de apontar para o lançamento em 2019, aponta para 2020 (porquê não sei, mas é o que diz o rumor no link em baixo que deixo para quem quiser ler):

https://wccftech.com/exclusive-amd-navi-gpu-roadmap-cost-zen/

Terceiro, o nome de código desta nova arquitetura seria KUMA (aceito teorias), antes de ser mudado.

Quarto, que infelizmente o Navi não será modular, como esperávamos, mas sim monolítico.

https://wccftech.com/amd-navi-gpus-not-using-mcm-feature-monolithic-die-radeon-rx-gaming-cards/

Agora isto levanta imensas questões se analisarmos as informações todas.

Primeiro: como será essa nova arquitetura? o Wccftech, sempre se referiu ao pós-GCN como o Zen dos GPUs. Ora o Zen foi para o bulldozer duas coisas: um salto enorme em performance e permitiu o design modular (EPYC e Threadripper); Além disso o mesmo site sempre afirmou que esperava um salto enorme em performance do GCN para a nova arquitetura. Tudo o que sabemos é algo sobre a adoção do vLIW.

Segundo: e a MS? Se isto for verdade, ou está placidamente à espera que o design no Navi termine para aproveitar e adotá-lo, ou então escolherá outra via? Será Intel ou nVidia (tendo em conta do Ray Tracing do DX)?

Terceiro: a Sony ao desenvolver isto, não tem noção de que outras empresas como a MS (se a anterior for a primeira opção), podem melhorar sobre o que ela fez? Será entregar segredos em bandeja de prata…

Quarto: se no ponto nº 2 é a segunda opção, isto é a MS partiu para outra empresa, porque é que isso ocorreu? Foi a MS que tomou primeiro essa decisão, ou tomou em consequência? Porquê, no primeiro caso? No segundo, porque é que a AMD se comprometeu assim com apenas uma empresa quando tinha duas clientes que lhe asseguravam lucros?…

Há muitas questões nisto tudo.

Fernando
Visitante
Fernando

Vocês estão esperando por uma revolução tecnológica com a próxima arquitetura de GPU que simplesmente não existe. As próximas gerações de hardware ainda serão basicamente sobre aumento de desempenho bruto com menor aumento de consumo de energia possível.
A demonstração de Cyberpunk 2077 que a Eurogamer presenciou estava rodando em hardware de geração atual GTX 1080, e segundo a Eurogamer tinha total visual de nova geração.
Assim como o pessoal acredita muito que o Ryzen foi uma grande revolução, que também não foi. Toda evolução de CPU dos últimos 6 ou 7 anos é basicamente sobre desempenho. Tem CPUs de 2009 que ainda conseguem rodar games como Battlefield 1 em 60 fps. Não tem como esperar que consoles tenham um impulso significativo de CPU quando tem um compromisso grande com consumo e refrigeração. Não tem por que CPUs de 2013 com overclock e melhorias de cache e coerência não conseguirem se manter até 2022.
O maior salto visual dos últimos anos são os recursos de iluminação e pronto. Não é como na geração do Xbox 360 e do PS3 que os consoles simplesmente não tinham os recursos técnicos necessários para o foto-realismo. A única coisa que falta ao hardware atual é o desempenho, e é isso que a nova geração vai buscar.
Parem para pensar por apenas um minuto e imaginem o tipo de jogo que seria possível criar no PS4 Pro e no Xbox One X com jogos pensados apenas para esses sistemas, sem obrigação de atingir 4K. Tanto PS4 Pro quanto Xbox One X podem se manter como consoles competitivos até 2022 ou 2023. Apenas as versões base precisam morrer. Quebra de geração com arquitetura x86 é algo que não faz sentido. Já passaram os dias de escovar bit, já não estamos mais na época de arquiteturas exóticas. Os consoles são basicamente PCs. Uma HD7970 de 2011 ainda roda muitos dos jogos de hoje na casa dos 45fps em 1080p no ultra. A mesma coisa uma GTX690, que nem para o directx 12 é elegível.
Um exemplo ainda pior, tem gente rodando jogos atuais em intel Core 2 Quad com desempenho de 60fps. Jogos com físicas bem melhores que aquelas executadas na época em que esse processador foi lançado, em 2007.