Samsung apanhada a alterar resultados dos benchmarks nos seus smartphones

Nvidia e ATI já o tinham feito nos PCs, mas eis que a situação chega aos smartphones. A Samsung detecta a presença de benchmarks e altera a realidade do smartphone para obter melhores resultados.

samsung-galaxy-s3-iii

Apesar de os benchmarks nos smartphones terem um interesse bastante reduzido, os mesmos são usados como comparativo da performance geral de um aparelho, fornecendo assim uma ideia daquilo que se poderá esperar do mesmo.

Ora sabendo disso a Samsung resolveu aldrabar um bocado a coisa. Mas infelizmente foi apanhada com a boca na botija.

Esta situação já se tinha verificado anteriormente nos PCs com a Nvidia e a ATI que possuiam nas suas drivers código e shaders alternativos optimizados para os benchmarks de forma a obterem melhores resultados. Aqui com a Samsung a situação foi um bocado diferente, mas o resultado é o mesmo: Valores aldrabados.



Assim, para poder mostrar ao mundo as supostas performances do seu processador de 8 núcleos que equipa o Galaxy S4 a Samsung recorreu a uma artimanha. E dado o comportamento nos benchmarks que não batia certo com o comportamento em outras aplicações,  o pessoal da Anandtech resolveu investigar.

O que descobriram? Bem, o Samsung S4 possui código escondido que, na presença dos principais softwares de benchmark (AnTuTu, Benchmark Pi, Linpack e outros) faz overclock ao CPU e ao GPU, aumentando o GPU dos 480Mhz para os 532 Mhz.

A pior parte desta situação nem é o facto de existir um overclock colocado especificamente para aldrabar os resultados, mas sim que estas velocidades de relógio não podem ser obtidas de forma alguma pelo utilizador nas restantes aplicações. Ou seja, se um utilizador quisesse colocar o Exynos 5 a 532 Mhz para uma outra aplicação, pura e simplesmente não conseguia. E os motivos pelos quais a samsung restringe estas velocidades são simples: O Smartphone aguenta-as bem, mas apenas por curtos períodos de tempo, o que as torna adequadas a um benchmark, mas não para uso intensivo continuado.

Por outras palavras… os benchmarks para smartphones deixaram de ser de confiança.



Posts Relacionados