Scorpio é a consola desejada, mas será a Microsoft a empresa que se espera?

Estivéssemos à uns anos atrás, na era da 360 e esta era uma questão que não se poria. Mas atualmente é necessário colocar-se a questão. Estará a Microsoft à altura de fazer justiça à sua excelente consola, ou será que esta se vai perder num hardware de topo sem suporte?

A Scorpio foi já apresentada e é uma consola que bate todas as expectativas. É uma consola de meio de geração, mas mesmo assim uma consola de topo.

A sua disparidade face ao que a Xbox One pode oferecer é notória, o que pode trazer algo de muito mau ao mercado caso tal se venha a reflectir nos jogos numa geração que, queira-se ou não, ainda é pertença da consola base.

Mas comecemos pelo ponto que nos  interessa nesta fase, a comparação com a PS4 Pro, e aqui, especificações por especificações, a Scorpio bate a consola da Sony em todos os aspectos. Daí que perante uma potência bruta superior, a Scorpio parece destinada a reinar sobre a PS4. Mas será que é mesmo assim?

Bem, é certo que muitos poderão argumentar que a potência foi um dos fatores decisivos do domínio da PS4 sobre a Xbox One, uma potência que agora parece aqui, basicamente na mesma proporção, invertida e a favor da Scorpio face à PS4 Pro.

Publicidade

Retomando o nosso artigo

Mas esta referência não só não é 100% verdade, como neste caso há situações muito especiais em jogo que necessitam de ser contabilizadas.

Para começar, a história demonstra claramente que a performance não é, nem nunca foi o fator principal de vendas, e analisando todas as gerações terminadas até hoje, nunca em nenhuma foi a consola mais potente que vendeu mais. A consola vencedora foi sempre aquela que mais se destacou pelo suporte e pela inovação, mas nunca, mesmo nunca, a mais potente. Algo que caso venha a acontecer nesta geração não pode ser dissociado de uma realidade, o fraco suporte dado pela Microsoft à sua consola Xbox que fica atrás do oferecido a 360 e muito atrás do oferecido pela Sony à sua PS4.

Mas como referido há situações especiais em causa, nomeadamente o facto de estas serem consolas 4K, e de o mercado de TVs 4K ser, na sua globalidade, ainda muito pequeno face aos 1080p.

Ora sendo uma TV 1080 um produto perfeitamente funcional e sem qualquer problema, o investimento numa troca para uma tecnologia que não traz verdadeiramente nada de novo senão um refinamento numa qualidade de image que já consegue ser excelente, não é algo que seja feito de animo leve por todos. Basicamente isto nada tem a ver com a passagem do SD para o HD onde as vantagens eram claras e enormes. É que se ali se passava do mau para o muito excelente, aqui passa-se do excelente para o óptimo, e isso revela-se apenas um refinamento.

Da esquerda para a direita: 4K,Full HD 1080p, HD 720p, SD

Mas não tendo estas consolas jogos exclusivos, a situação piora ainda mais uma vez que as vantagens dos 4K nem sequer são percepcionadas por 92% do mercado que verifica as publicidades, quando muito, a 1080p.

Fica em aberto então apenas a possibilidade de os jogos a 1080p sofrerem melhorias significativas, mas isso é uma situação problemática pois caso a evolução seja superior a pequenas melhorias gráficas, e melhoria dos fotogramas, a disparidade para a base torna-se demasiadamente relevante, criando clara insatisfação em 26 milhões de utilizadores da base que basicamente se sentirão numa geração anterior.

Daí que esta gestão da performance da Scorpio seja algo problemático e algo que necessita de ser lidado com luvas. Apesar da vantagem desta consola para a PS4, a realidade é que esta última se encontra muito melhor posicionada para oferecer as melhorias face à consola base, sem criar na população PS4 um descontentamento face às melhorias que podem ser apresentadas.

Seja como for, a Microsoft define a Scorpio como uma consola Premium, e isso será algo que se deverá refletir no preço. Acreditamos porém que o mesmo não deverá idealmente ser acima dos 450 euros, se bem que há quem refira que duvida que a consola custe menos de 500.

É certo que a Xbox One tambem custou 500 no seu lançamento, mas esse foi um dos claros motivos pelos quais a Xbox One arrancou mal. A consola era mais fraca a nível de potência que a PS4, mas estava inflacionada pela presença do Kinect que nunca teve verdadeiramente qualquer uso. Aqui 500 euros seriam igualmente um valor alto, mas algo muito mais justificável que no caso da One.

Seja como for, perante a realidade do mercado atual da concorrência, com a PS4 Pro a 400 euros e a PS4 a 250 euros, atrair as pessoas da concorrência obrigando-as a pagar mais, terá de ser algo feito com fortes atractivos. Atractivos que passam para além do hardware, mas igualmente por um suporte de jogos que seja, no mínimo, idêntico ao da PS4.

E esse é o maior problema.

Sim, a Xbox One tem grandes títulos exclusivos nesta geração, e os mesmos deverão ver melhorias na Scorpio. Exemplos são Gears of War 4, Sunset Overdrive, Ryse: Son of Rome, Dead Rising 3, Ori and the Blind Forest, Forza Horizon 3, Halo 5: Guardians e Forza Motorsport 6.

Publicidade
Aproveite o código de descontos PCManias
Casetips

Retomando o nosso artigo

Mas não só estes títulos são poucos, como actualmente a fonte dos mesmos secou. O início do ano de 2017 ficou já na historia como o melhor início de ano a nível de suporte de sempre. E isso foi oferecido apenas na Playstation, onde já tivemos jogos exclusivos como Gravity Rush 2, Yakuza 0, Nioh, Nier, Persona 5, e um dos melhores jogos da Sony de sempre, Horizon Zero Dawn.

Do lado da Xbox, como exclusivos, tivemos Halo Wars 2 e Voodoo Vince Remastered..

Infelizmente as coisas não parecem muito melhores daqui para a frente para a Xbox. A Sony tem uma lista enorme de exclusivos anunciados para este ano, mas do lado da Xbox espera-se um possível e ainda por anunciar Forza Motorsport 7 (O terceiro Forza Motorsport a ser lançado na One), e depois Sea of Thieves, Cuphead, e Crackdown 3, mas sempre fazendo a referência necessária que, apesar destes jogos serem esperados para este ano, nenhum deles tem ainda uma data de lançamento oficial, esperando-se, perante o avançar do ano, e continuidade da falta de confirmações, que não sofram o mesmo destino de Scalebound e Fable Legends que foram, sem aviso, cancelados.

Daí que surja a questão. Qual a razão que poderia levar um potencial comprador de PS4 a mudar-se paraa  Scorpio? O preço já vimos que não, e o suporte… parece que muito menos!

Daí aquilo que sempre dissemos, a E3 este ano será essencial, e a Microsoft necessita de anunciar uma carrada de títulos, alguns que possam ainda sair este ano, e outros que saiam logo no início de 2018. Caso isso falhe, a Microsoft falha, e a Scorpio, apesar de ser tão apetecível, poderá ficar-se apenas por isso mesmo.

Infelizmente, nesta fase, se há títulos exclusivos das first party da Microsoft, eles são totalmente desconhecidos, e nem sequer há rumores sobre os mesmos. Restam porém as Second Party, e eventualmente exclusivos comprados a terceiros. E o desinvestimento da Microsoft na E3 também não augura verdadeiramente muito de bom.

Mas isso é algo a ver e uma dúvida que apenas a realização efectiva da E3 irá tirar!

Naturalmente há depois outros argumentos a favor da Scorpio. Tais como o facto de os jogos de terceiros correrem melhor na Scorpio que nas Playstation, mas no entanto este é um argumento que, pelo menos sem mais dados, convence pouco, uma vez que nunca foi queixa generalizada dos possuidores das PS4 a falta de performance das suas consolas, mesmo na consola base.

Publicidade
Aproveite o código de descontos PCManias
Casetips

Retomando o nosso artigo

Acima de tudo o fator limitador aqui é a falta de exclusivos na Scorpio, algo que a Microsoft já referiu numerosas vezes. tal como será lógico, a empresa não pretende hostilizar a sua base, e esta não sendo uma consola de nova geração, não se pode definir pelos exclusivos. Daí que todos os jogos Xbox correrão na Xbox One, e como Phil Spencer deixou bem claro na entrevista ao Gamasutra, quando questionado se não tinha receio de que a One pudesse sofrer com a ideia de se suportar a Scorpio convenientemente, a Microsoft impõem que os jogos sejam feitos para a One e optimizados para a One, sendo que a Scorpio pode melhorar sobre essa base, mas nunca será aceitável que o procedimento seja o contrário, com os jogos a sofrerem cortes na One. A Xbox One é o denominador comum a respeitar.

Naturalmente que aqui as First Party, por uma questão de promoção, serão quem irá tirar mais partido das consolas de meio de geração. As Thirds apenas se preocuparão com um bom jogo nas consolas base, e depois melhorar texturas e resolução para as outras. Afinal as grandes vendas serão na base, e não nas outras consolas, daí que nem sequer lhes interessa hostilizar ou alterar esse mercado.

Há ainda que ser considerado que a Sony irá responder à realidade Scorpio, e isso deverá acontecer com descidas de preço que tornem as suas consolas mais interessante. E com uma Pro a 300 ou 350 euros, e uma PS4 a 200 ou 250, a Scorpio a 500 poderá não ser assim tão atraente como isso.

Depois a Sony temainda uma série de trunfos na mão, como os Bundles! A Sony tem os direitos de Marketing de Destiny 2, Call of Duty: WWII, e Star Wars: Battlefront 2, com pelo menos dois deles a aparecerem na PS4 base e na PS4 Pro. Sim, eles irão aparecer na Scorpio, mas a Microsoft não pode publicitar os jogos e a publicidade irá passar uma imagem de que são exclusivos PS4. É um trunfo para além dos exclusivos que está na mão da Sony.

Não queremos com este artigo dar a entender que a Scorpio está condenada… porque isso não é verdade! A consola é ultra desejável e nada lhe temos a apontar. Mas o artigo pretende mostrar que a simples existência da consola não chega e que a Microsoft tem grandes desafios pela frente face a um adversário que tem superado as expectativas dos seus clientes.

Daí a questão do título. A xbox é a consola desejada, mas será a Microsoft a empresa que se espera? Será que ela estará à altura do que se necessita para que a Scorpio possa ajudar a virar a mesa, ou irá continuar na senda de erros que trilhou com a Xbox One?

 

Publicidade

Posts Relacionados

Readers Comments (83)

  1. Para mim, a MS não é a msm da era do 360, está pior, mais gananciosa! Quanto a Scorpio, se for verdade os rumores do ps5, algo que vc cansou de prever aqui, Mario. Penso eu, que o Scorpio já nascerá morto! O mercado terá Nintendo e Sony vendendo quase a msm coisa nos EUA, Sony dominando na Europa e Nintendo dominando no Japão, quanto a Scorpio? Venderá alguma coisa nos EUA, muito menos na Europa e no Japão, flop total! Creio se o Scorpio for o que estou a pensar, por conta de um suposto teaser que seja de um ps5, a MS vai deixar de fazer consoles daqui pouco tempo, mas deixemos o tempo mostrar se a minha intuição estará certa ou errada. Do switch, aparentemente está certa, contrariando muitos caixistas por aí, mas repito: Se a Sony mostrar algo do ps5 para 2018, Adeus Scorpio!

    • A Europa e o Japão são terrenos da Sony, pode existir o scorpio ultra que o PS4 base vai vender mais sempre. No melhor dos cenários, o que o Xbox faz é igualar vendas em mercados importantes da Europa, mas superar, nunca. Existem vários europeus comentando tanto aqui no PCmanias quanto na Eurgamer e por acaso você já viu algum defendendo a Microsoft?
      O próprio Mário a cada 5 artigos 1 é uma cutucada na Microsoft, e já era assim mesmo no 360. O Playstation é um produto consolidado na Europa e o Xbox é visto como o produto que quer tirar o Playstation do mercado. É tipo aquela festa onde tem a Pepsi e Coca Cola. Independente do cenário, será sempre a coca primeiro e talvez a pepsi depois.
      As chances da Microsoft são e sempre foram o mercado americano.
      Agora se o rumor sobre o PS5 for verdadeiro, apresentado esse ano para lançar em 2018, pode afetar vendas do Scorpio, mas vai ser um tapa na cara gigante de todo mundo que está esperando que a Sony vai combater a Microsoft com jogos. Vai mostrar mais uma vez, o que todo mundo não quer ver, que a Sony pode até ter vários jogos em desenvolvimento, mas sim ela se rendeu a guerra futil de especificações por que ela sabe muito bem que isso está vendendo mais consoles do que jogos exclusivos.
      E eu digo futil por que um PS5 em 2018 deve bater no máximo uns 8 tflops, potência essa que não necessita de outra resposta de hardware da Microsoft para continuar brigando assim como o Scorpio não necessita de um PS5 como resposta, o PS4 Pro é um bom Hardware nada explorado ainda. No final, seria apenas um produto para dizer que tem o console mais potente do mercado.

      • Concordo com a parte do hardware: é completamente inútil uma PS5 em 2018. Como bem dizes 8-12Tflops, quando podemos ter uma nova geração com 20 ou até 40 (não custa nada sonhar) em 2020/2021, não cai nada bem.

        Do resto… é claro que não. E já escondeste melhor a tua imparcialidade Fernando, mas aposto que o balde de àgua fria que a festa que não ocorreu quando a Scorpio foi anunciada te deixou assim, logo a ti, que querias já um recomeço de geração em 2013 e já apostavas num forte declínio de qualidade da Sony nessa altura. Mas desinformação sempre foi o teu forte.

        Aqui o grande problema não são os europeus que não vêm as virtudes da Xbox. São os que são quase obrigados a um sistema a procurar por todas as vias fechar os olhos às asneiras da Microsoft.

        Alguma coisa acima é mentira?

        Há uma thread no Neogaf em que se fala silêncio da Sony face às semanais notícias sobre a Scorpio por parte da Microsoft: as respostas são quase unânimes – enquanto a Microsoft só faz promessas vazias sobre sistema de jogos com qualidade a Sony está a deixar os exclusivos falar e vender o seu hardware, entregando um sistema de jogos com qualidade.

        Depois temos esta excelente entrevista em que o Phil Spencer fala do X-box game Pass como um Netflix dos videojogos, a tentar passar a ideia que para termos jogos singleplayer com qualidade só através de subscrições mensais.

        Logo a companhia que pode financiar tudo e que curiosamente se fartou de cancelar exclusivos (jogos que mal foram cancelados, apesar de os teres enumerados como mais valias anteriormente, te apressas te a dizer que eram pedaços de lixo overrated chegando a criticar profissionais com largos anos na industria).

        Enquanto isso, tiveste Near: Automata, Persona 5 yakusa 0 e Horizon ZD na PS4.

        E mais uma vez: a Pro não vende nem metade do que a base vende. se as pessoas só quisessem especificações tê-la-iam comprado.

        • Bruno… hoje aprendi que o facto de sermos europeus, significa que temos automaticamente o cérebro programado para gostar somente de Playstation.

          Isto faz lembrar o episódio de ontem do ”Pesadelo na Cozinha”, em que a culpa dos clientes se levantarem para ir embora por estarem fartos de esperar, se devia à presença do Chef, mesmo que na prática só fosse mais uma pessoa para atender num dia já de si fraco.

          É caso para dizer que quando o dançarino não sabe dançar, é porque o chão está torto…

          • Sim a programação cerebral é perfeitamente razoável.

            Já a marca ter qualidade no suporte que dá é uma utopia, dado que ninguém compra uma consola pelo catálogo de jogos mas pelo chip que ela tem lá dentro.

      • Fernando, a Sony não precisa provar nada quanto a jogos, e sim, a Microsoft! Vir o ps5 em 2018 não é nada de anormal, pois seria o fim do ciclo de 5 anos do ps4, fora que a Sony daria um tapa de luva na MS, pois vc sabe muito bem que nessa briga de fanboys sonystas e caixistas, os games são coadjuvantes e a discussão de tflops protagonista. Quanto a mercado, o PlayStation é forte nesses citados por ti, tb é fato que a Nintendo é tão forte quanto a Sony nos EUA e principalmente no Japão, mas parece que a Nintendo não existe pra ti pois vc nunca a cita. A verdade é que o que a MS conquistou com o 360 em alguns mercados, ela os perdeu novamente por más políticas e por ter um objetivo traçado em lucro por lucro, com desrespeito aos seus consumidores. É ainda bem que a justiça não tardou, nem falhou! O problema não e nem foi o Xbox, e sim, a empresa por trás desses produtos.

        • Todo mundo tem um objetivo traçado no lucro. Por qual motivo existe PS4 Pro?
          Por qual motivo a Sony falou de especificações durante tanto tempo com o PS4?
          Especificações vendem consoles a mais de uma década, e vender consoles faz com que pessoas comprem jogos para essas plataformas.
          Agora realmente acha normal o PS5 em 2018 pouco após o PS4 Pro?
          Se acha normal também vai achar normal um Xbox novo logo em seguida afinal o scorpio faz arte do ciclo do Xbox One e o rival do PS5 deve ser um vedadeiro produto de nova geracao.

          E sobre a nintendo, eu sou cliente da nintendo e assim como todos os jogadores hardcore do mundo, ninguém ve a nintendo como console principal. Todo mundo tem um nintendo mais um xbox, ou um nintendo mais um PlayStation ou Nintendo e mais os dois.
          A nintendo pode fazer o que ela quiser, ja faz muitos anos que os meus jogos favoritos não aparecem em versões dignas no console da empresa. E eu não estou falando de exclusivos.
          Por que quando as pessoas defendem video games, aparentemente só existem jogos exclusivos no mundo, como se todos não jogassem nada além disso.

          • Sabes o que também vende consolas? Jogos. E já o fazem há mais de uma década, com as consolas Nintendo, com as consolas Sony etc.

            Ninguém diz que a potencia não é importante. Mas os exclusivos são e serão sempre o que distingue uma consola porque nunca a consola mais potente foi a que vendeu mais.

          • Pessoalmente discordo Fernando. Vê o historial das consolas e diz-me uma única geração que seja onde a consola mais potente foi a que vendeu mais!
            Não há! Nunca a consola maia potente foi a que vendeu mais.
            Porque o que vende verdadeiramente consolas são os jogos. Quantos mais e quanto maior a variedade… melhor! Há gostos para tudo… e tudo se enquadra. Se um jogo pode vender uma consola que seja, porque ignorar isso?
            A PS4 não vendeu mais por ser mais potente. Vendeu mais porque a Sony na era PS3 teve de alimentar a sua consola com grandes exclusivos para que ela vendesse. E a PS4 apanhou o lanço e a ideologia que estava na mente das pessoas de que era uma consola com grande suporte e diversidade de exclusivos. Depois aí sim, entra a performance como segundo fator.
            Mas uma coisa eu te garanto. Se a Microsoft não tivesse cometido os erros que cometeu e que obrigaram a que, mesmo sabendo que a consola era menos potente, tivesse feito uma consola logo à partida de 1.3 Tflops, mas vendida 50 euros mais barata, eu não sei se o mercado estaria como está.
            Olha a Switch. Onde está a performance? E olha as vendas iniciais!
            Ah e tal… é portátil! E a Vita? Não era? E tambem não arrasava com tudo na altura? Aliás como demonstrei já aqui, o delta face à PS3 era até menor que o da Switch face à PS4. Ou seja, a Vita era mais proxima da PS3 do que a Switch é da PS4.

            Quanto ao facto da Nintendo ser ou não principal é irrelevante. O que interessa é que ela é vista como relevante e essencial. Porque tem software diferente.
            E é isso que falta na One. Os exclusivos em quantidade que a tornem diferente e a tornem vista como uma consola essencial.
            Atualmente o que as pessoas veem é uma consola mais fraca nos multi e uma consola com menos suporte nos exclusivos e onde o real interesse de compra apenas reside no facto de atualmente ser em média mais barata.
            E isto não é opinativo. É fatual!

            Quanto à PS5 em 2018. Ela surgiria 5 anos após a PS4, um ciclo normal. A Pro chama-se PS4, tem vantagens sobre a PS4 e custa apenas mais 50 euros. Ou seja, estás a pagar apenas para teres melhorias.
            Uma PS5 em 2018 não anularia nenhuma das vantagens da Pro.
            Seja como for, só vejo a PS5 em 2018 se a Scorpio vendesse mesmo muito ou as vendas da PS4 caissem. Porque senão só a vejo em 2019.

      • Fernando, parabéns pelo texto! Concordo plenamente contigo, sou leitor assíduo do PC Manias e tenho acompanhado suas opiniões. De antemão, deixo claro que possuo tanto o Ps4 quanto o Xone. Não concordo com Mário neste texto, a MS é uma empresa que como qualquer outra comete erros e acertos, que fique claro que acertou mais que errou! Phill Spencer já declarou, bem como outros membros da equipe Xbox, que haverá toda uma reestruturação na atenção aos estúdios internos bem como na facilidade que os desenvolvedores terão na utilização do Hardware do scorpio. Dizer que são os jogos da Sony que proporcionam imersão no mundo de fantasia por serem focados no single play…kkk como disse um leitor aqui do site chega a ser engraçado. halo possui oum dos universos mais criativos da história dos games!
        Essa desvalorização do multiplayer é fruto de um visão de mundo individualista, onde o indivíduo se diverte sozinho…o multiplayer é social!
        O olhar europeu ou japonês de desconfiança com a MS ultrapassa a dimenssão dos video jogos sendo influenciada por questões históricas, políticas, econômicas e culturais. Sou apreciador de jogos eletrônicos, acompanho informaçãoes sobre este universo e afirmo: A Ms tem atendido minhas expectativas! aguardemos a E3.

        • Carlos conta também com fatores ambientais, genéticos, psicossociais e climáticos, nesse enumeração de disparates que fazes. Seja o que for que te impeça de falar de suporte e exclusivos, está bem para a lista.

          Phil Spencer anda a fazer declarações semelhantes desde 2014 e a única coisa que produziu foi o cancelamento de Ips inovadores, fecho de estúdios e trazer novo hardware para cima da mesa deixando uma das épocas mais vazias da consola.

          Mas dado que as tuas expectativas estão bem atendidas seja o que for que a Microsoft entregue, o que é tão íntegro como aquele que primeiro elogia e depois de cancelado, critica, está tudo bem.

          Claro, é muito mais imersivo o multiplayer competitivo que não traz nada de novo a não ser a maravilha que são as microtransacções, que uma história que prende o jogador. Mas claro Halo possui um dos universos mais criativos… no multiplayer creio, onde esta toda a história certo? Porque senão é o singleplayer…, mas nesse caso não estaremos a falar do último Halo mas do 2001, porque o último é melhor nem comentar. E claro, os outros singleplayer é tudo batido só essa cópia descarada de Alien é que não.

          E isto foi o último filme dos Monthy Python, senhoras e senhores.

          • Bruno…lol…tu acreditas mesmo naquilo que escreves, ou é uma voz interior que te sussurra durante o sono, todas estas magnificas ilações e conclusões que me deixam maravilhado…será que as marcas das consolas são um tópico assim tão deslumbrante que justificam intervenções como a tua? e já agora como a minha? ou o mundo está a ficar todo louco, ou fui eu que deixei de tomar os medicamentos…ehehe

          • Provamente os medicamentos.

        • Carlos… mas há quanto tempo é que o Spencer anda a falar em reestruturação?
          Lançaram a XO, e já vão lançar outra, tiveram tempo para se reestruturar e projectar outra consola, mas ainda não houve tempo para criar estúdios novos, houve tempo foi para fechá-los.

          Halo é um bom jogo, mas dos mais criativos?
          Metal Gear sim sem dúvida, aquilo é mais que um universo, é toda uma mitologia, o Halo é uma cópia descarada do Aliens de Ridley Scott e James Cameron, é (era) sim um FPS de qualidade com uma OST magistral (até ao 3) e o responsável por impulsionar o género nas consolas, hoje em dia não passa de uma velha glória a nível de história e narrativa, mas ouvi dizer que anda a lutar para ser alguém nos esports.

          Em relação à tua visão do SP e MP, acho-a no minimo caricata, deves ser daqueles que acham que jogos SP são uma actividade masturbatoria para pessoas anti-sociais, por acaso deste-me uma ideia para um artigo.

        • É inegável os pontos positivos que o multiplayer trouxe, entre eles jogar com qualquer pessoa em qualquer lugar do mundo(que tenha internet é claro). Eu mesmo quando comprei meu 1° PS3 (fat e usado com defeito) em 2010 fui logo destravando pois não tinha capital financeiro para pegar os jogos, mas com um jogo aqui outro acolá a minha “diversão” ficou entediante então resolvi travar o console para jogar multiplayer o que me fez ter um novo ânimo para jogos.

          Porém nem tudo são flores e o multiplayer também tem seus pontos negativos, pois mesmo nos consoles há os cheaters, há os que não usam código mas aproveitam de certas falhas que o jogo possui(falta de punição) e há aqueles que parecem criancinhas de 6 anos que mal começa a partida ficam com xingamentos a todos, tanto os adversários quanto aos do mesmo time e isso são fatores que te fazem ter uma raiva do multiplayer.

          Um fator que notei foi que, com a inclusão do multiplayer, alguns jogos (ainda da geração passada)deixaram de oferecer o modo de tela dividida e isso também quebra o social, pelo menos da proximidade. Se antes primos ou amigos jogavam ao teu lado, agora é cada um no seu aparelho (o fim do memory card tb incentivou).

          Enfim, gosto do multiplayer, mas o single me chama mais a atenção.

      • Neste momento, perante as especificações da Scorpio” não acredito numa PS5 antes de 2019. Mas tudo o que diga são especulações.

    • Apesar de o passado ser realmente uma referencia, eu não posso avaliar o que a Microsoft será por ele. Posso ter indícios, mas não certezas.
      Eu não chamaria gananciosa à Microsoft. Eles usam táticas e posturas por vezes arrogantes e isso não só neste mercado como em todos os que estão, mas é inegável que os seus produtos são bons e justificam.
      Agora a realidade é que a Microsoft, com excepção dos sistemas operativos nunca conseguiu ser líder em mais nada. E não foi por falta de tentar. Mas a forma como impõem aquilo que quer em vez do que o cliente quer, sempre ditou insucessos. E quando se deu bem foi quando copiou as formulas das outras empresas. Basta ver como a 360 com um suporte first ao nível do da Sony teve o sucesso que teve, e o Surface se está a dar bem a imitar a Apple. Mas mal as políticas mudam e a empresa tenta impor as suas…
      Eu não sei prever o sucesso da Scorpio. Sei apenas dizer que a consola é excelente, mas que não lhe basta isso. É preciso suporte… e sem ele…

  2. Opinião totalmente voltada a meu gosto pessoal

    Li uma entrevista do Satya Nadela, deve ser um grande administrador. Mas pensa excessivamente no lucro e sofre de falta de imaginação (é o que pude concluir) como a maioria dos industriais.
    Quando precisamos de gente com visão sobretudo nesse mercado.
    Veja por exemplo Steve Jobs, ele fez a Apple ser o que é por estar voltado ao produto não ao lucro. Não bastasse ser um sonhador, diz uma frase como; “as pessoas não sabem o que querem até que mostremos a elas”. Isso mostra não só imaginação comum mas vai além.
    A MS parece não estar realmente ligada em como um todo a comunidade quer ou gostaria que fosse levado seu sistema, até tentaram algo com Kinect, mas não deu, essa história de Windows play anywhere e etc por favor tenha dó… a Sony apesar de não ser um gênio, consegue ter uma visão muito, mas muito melhor.
    Eu pessoalmente não cresci jogando multiplayer, o forte da MS.
    Sou totalmente o mundo de aventura e fantasia que a Sony entrega; uma experiência mais completa.

    Saiu um rumor de que o PS5 chegaria no segundo semestre de 2018, pela pessoa que falou sobre o Pro. Daí alguma coisa pode haver.
    Se isso acontecer, e a Sony falar a respeito do PS5, o Scorpio já se torna automaticamente INVIÁVEL.

    Não compraria mais o Scorpio em 2018 e esperaria o PS5 sem dúvida. Não tenho dinheiro infinito.
    PS4 normal ainda conseguirá rodar jogos atuais até que o PS5 esteja no mercado caso seja mesmo verdade essa informação.
    tenho interesse no 4k e nos exclusivos da Sony, FIQUE CLARO – pelo intervalo de um ano não vale a pena gastar dinheiro num Xbox 4k.

    • O rumor não especifica qual a consola, apenas diz que será uma nova PS. Se realmente for a PS5, será um enorme tiro no pé. A Sony até pode ter tudo preparado, mas eu esperaria a reacção do mercado à Scorpio, e depois, se necessário, anunciaria a eventual PS5.

      Tanto quanto sei pode ser a sucessora da Vita.

      Mas mais uma vez, a Pro está a vender menos que a Vita no Japão.Isto não augura nada de bom para a Scorpio, e mostra que estas consolas de meio da geração são um erro.

      Como o artigo indica o grande problema da Scorpio é o facto de ser uma consola de meio de geração. A consola é uma grande obra de engenharia mas que demonstra que nem passados 4 anos há hardware que justifique uma nova geração.

      E com o catálogo que a Sony tem para os próximos anos, a próxima E3 está praticamente ganha (a não ser que a MS tenha uma grande bomba preparada e será difícil).

      Exclusivos vendem consolas por muito que alguns gostem de negar essa realidade e como já era de se prever a MS estagnou e a Sony continua com a grande aposta que ao longo de décadas sempre a definiu e fidelizou clientes.

      • Bruno, adoraria que fosse uma sucessora da Vita podendo ligá-la a tv, ainda mais com o sucesso do switch, mostrando que há mercado para esses produtos, mas não creio que a Sony se arrisque por aí. Penso que de fato é um ps5 para o Scorpio não ter chance nenhuma no mercado, e até arrisco que alguns jogos saiam em simultâneo entre ps4 como The last of us parte 2, por exemplo. Com o switch foi um sucesso estrondoso o lançamento do Zelda, alavancando o console, na Sony seria uma bela jogada tb, creio eu! Ter a opção de jogar tlou no ps4 em 1080p ou em 4k no ps5. Abraços…

        • Depois da Pro, Edson, já não espero nada e sim tens razão a Sony pode cometer essa maluquice.

          Na minha opinião, será um erro enorme.

          O hardware é muito mais poderoso mas tanto quanto sei, somente mais do mesmo, e está numa fase de evolução ascendente: isto significa rapidamente será ultrapassado.

          Em 2020/2021 teríamos hardware para um salto monstruoso de performance com gráficos a rondar o fotorrealismo. estamos a falar de 40Tflops (20 para ser mais realista), e potencialmente um equilíbrio entre as plataformas.

          Além disso é como disse. A Pro não vende tanto como a versão base, que continua a ser a favorita e a Sony não andou a fazer os anúncios surpresa da PSX por acaso (na realidade foi devido à Scorpio creio eu).

          E a PS4 continua a ser líder de vendas.

          Penso que antes de mais a Sony pensará numa descida de preço das consolas de mesa e só depois no lançamento de uma nova consola, mas isto só se a Scorpio fizer mossa.

          Outra coisa: a potencial Vita2 não se ligaria à TV per se, mas seria um complemento portátil da PS4, com títulos partilhados, isto no meu conceito.

      • Uma PS4 portátil estilo switch capaz de correr jogos ps4 mesmo que em modo dock poderia ser um sucesso de vendas.

        • Estava a pensar mais numa PS Vita 2 com núcleos jaguar + GCN, cujos os jogos corressem na 4 também (ao fazer isso, não é preciso dock).

          A portátil seria como um complemento a vender com a de mesa ou à parte.

          Mas isso também é um conceito interessante.

        • Tb acho, Mário! Não sei se venceria o switch nas vendas, mas faria frente, sem dúvida, e estaria em minhas mãos! Rsrsrs

  3. A resposta à tua pergunta Mário, é não!
    A Microsoft não é a empresa que que a Scorpio merecia, aliás, a Microsoft não é a empresa que a industria dos videojogos precisa e merece.

    Desde o dia em que a Xbox One foi anunciada e consequentemente lançada, que ficou claro o objectivo da empresa, se na sua revelação quis controlar o mercado de usados ao mesmo tempo que pretendia ser o solho molhado da NSA, no seu lançamento deixou bem clara a sua estratégia, popular o conceito do videojogo como serviço, e com isso inundou todos os seus exclusivos de microtransações.
    A Microsoft desde cedo que tentou treinar a sua audiência a aceitar um futuro em que é normal e aceitável que o videojogo seja como que uma espécie de poço da aldeia, que pode explorar como bem entende, o que eles não estavam à espera foi da reacção da sua própria comunidade que deu um murro na mesa, pois não só foram para a concorrência em largos numeros, como os que ficaram, se insurgiram contras as práticas da Microsoft em jogos como Forza 5, que tinha um sistema de microtransações tão agressivo ao ponto de revoltar os fãs, obrigando a Turn 10 a reformular a economia do jogo.

    Com a Scorpio a Microsoft, pela boca de Phil Spencer, planeia um futuro em que o videojogo, será forsosamente um serviço, e para isso terá que ser na sua maioria, online, seja em co-op ou competitivo, com o claro intuito de explorar o poço da aldeia e vender subscrições Gold.

    ”Jogos como Zelda e Horizon Zero Dawn chegam e têm uma boa prestação, mas não têm o mesmo impacto de antes, porque os grandes jogos por serviços estão a capturar uma grande quantidade da audiência.”

    By Phil Spencer…

    Horizon Zero Dawn bateu recordes em termos de novas IP’s, Zelda…só vendeu mais que a própria Switch que está a ser um sucesso, que piada de gestor…

    Basicamente é a Microsoft a dizer que o que está a dar são jogos baseados em serviços ou seja, jogos carregados de microtransações e com o intuito de vender mais subscrições do Xbox Live, e para isso tem que ser a mesma velha formula dos jogos online competitivos, co-op e afins, o que o Phil Spencer acha, é que os jogos com ênfase no SP, numa boa aventura e com narrativa, como fizeram e ainda faz a maioria dos melhores jogos desta industria, devem dar lugar a jogos para esports que permitam chular ainda mais o desgraçado que já pagou full price pelo jogo.

    E ainda por cima querem tornar-se na Netflix dos videojogos, o Xbox Game pass, carregado de palha que foram buscar ao fundo do baú, quando na realidade o Netflix joga muito com conteúdo novo e exclusivo, coisa que é rara para os lados da Xbox..

    E a brincar, a brincar, a Xbox já tem 3 serviços pagos, Gold, EA Access e Game Pass, qualquer dia é uma renda…

    • O mais impressionante é que vêm para aqui dizer que esses serviços são uma enorme vantagem. Que pagam menos.

    • LOL milhares de horas de diversão, grandes momentos tanto Online como Off e tu com a tua sapiência infinita dizes assim de ânimo leve que a MS nem deveria existir no mundo dos videojogos, felizmente para os 50 milhões que diariamente se divertem no LIVE e mais uns tantos milhões que se divertem off line, tu não riscas nada nesta industria…Graças a Deus

      E já agora, o Horizon e o zelda venderam muito mas custaram muito, jogos como o Pokemom GO e similares “venderam” muitooooo mais e custaram muitooooo menos, se não entendes um conceito tão básico da Gestão, problema teu, agora não digas que pessoas que ocupam cargos de elevado desempenho em empresas conceituadas a nível mundial são uma piada como gestores…lol, nem sei porque é que me dou ao trabalho de estar a escrever estas coisas, nem sequer vou arranhar a superfície das tuas convicções…enfim, e para terminar, um concelho de amigo:
      Se a Microsoft nunca te apontou uma pistola á cabeça para te obrigar a comprar os seus produtos, LIVE, EA Access e Game Pass, simplesmente não os compres e deixa que pessoas burras como eu seja enganado por esse monstro horrendo, afinal de contas as pessoas inocentes que a MS engana todos os dias nem são teus parentes, nem tão pouco teus amigos ou vizinhos, preocupa-te em gerir o teu dinheiro e deixa que os outros façam o mesmo com o deles…fica bem

      • Vitor…A Microsoft que também me proporcionou milhares de horas de diversão, é aquela que me recordo da Xbox original e especialmente a da 360, a Microsoft da XO nem por isso, a Microsoft que temos desde a revelação da XO, é um perigo para a industria.

        Sabes o que é sapiência infinita?
        Comparar Horizon ZD e Zelda com Pokemon GO para referir custos, isso é o que eu chamo de esperteza saloia…

        Quanto à forma que tu gastas o teu dinheiro, epá quero lá saber, tu preferes usar o teu tempo a encontrar todos os pêlos púbicos de um jogo por causa do gamerscore e eu prefiro usar esse tempo noutros jogos, noutras experiências, expandir os horizontes noutros sistemas, não admira que não levantes voo e permaneças na relva.

  4. Fernando Molina 1 de Maio de 2017 @ 13:54

    Meu medo não é nem a Microsoft ser ou não a empresa que se espera, já sabemos que nessa geração ela não será, pelo menos pelas declarações, tá claro que ela só está preocupada em ter o console mais potente, meu medo mesmo é esse rumor do PS5 pro final de 2018 ser verdadeiro, aí sim nós consumidores estamos ferrados

    • Mais uma vez o rumor refere “a next-generation PS system”. Pode não ser necessariamente a PS5.

      Seja como for, será uma enorme asneira. A Sony tem aqui a oportunidade de conseguir um enorme salto geracional, se esperar até 2020/2021. Pode ser que tenhamos uma geração com 40 Tflops de potencia, a acreditar no roadmap da AMD, e num sistema não tão restritivo quanto este.

      Seria de esperar que após as vendas desanimadoras da Pro, do que ocorreu com a PS3 (em que a PS2 continuou a vender bem muito depois do lançamento da sucessora), tanto a Sony como a MS tivessem compreendido que gerações longas são receitas vitais para a saúde do negócio.

      • Espero que você esteja certo Bruno. No rumor parece ter algo como PS4 Pro Slim também, esse acho bastante improvável mas…
        Um sucessor do Vita por outro lado pra combater o Switch (ou não) já nem sei o que pensar pois, o Vita foi mais subaproveitado que qualquer coisa, exceto no Japão onde a galera curte aqueles jogos peculiares de RPG de namoro e os escambau.

        • O Switch está a ser um sucesso e a Sony já está em melhor saúde financeira para arriscar aí, por isso…

          Além disso, a AMD tem umas ofertas muito interessantes no campo dos chips móveis que dariam origem a um produto com uma excelente integração com a PS4, imitando o que a Switch pode fazer, mas com jogos partilhados semelhante ao que se passa na Ps4/Ps4pro. E depois estamos em 2017, a Vita fará 6 anos.

          Mas é como dizes: a Vita foi abandonada. Se a Sony o lançar terá que apresentar muitos bons argumentos, para convencer os consumidores. a começar por um preço entre os 100 e 150.

      • Estou perdido… de que rumor falam? Estou em viagem por uns dias e não tenho lido nada.

        • Notícia da eurogamer pt do mesmo analista financeiro que preveu a Pro: nova geração PS em 2018.

    • Fernando Molina, eu acredito que nós já estamos ferrados kkk
      Desde o anúncio do PS4 Pro pelo menos eu nunca mais me senti confortável como jogador. Até pensei em ir pro PC por ódio desses meio de geração, mas os exclusivos me prendem totalmente aos vídeo games.

      • O mesmo aqui.

      • Fernando Molina 1 de Maio de 2017 @ 14:59

        Bem isso mesmo kkkk

        Mas o problema pra mim nem é começar uma nova gerção em 2018, o problema é que essa geração nem decolou ainda, é só vermos a geração passada e as novas Ips que tivemos, Uncharted com duas continuações, Gears com 3 continuações, série Batman Arkham com 2 continuaçõs, só pra citar alguns, coisa que nem de longe vimos nessa geração, só vemos brigas e rumores por console mais potente, e o gamer realmente preocupado com hardware poderoso monta um PC(mas é só minha opinião)

        • Bem a verdade é que, em termos monetários, uma Scorpio ou uma Pro sairá mais barato a quem quer montar o PC para os 4k, pelo menos no que a hardware diz respeito. Placas para isso costumam custar mais que a Pro inteira e ainda falta o resto.

          Dito isto, concordo contigo a 100%.

          Para mim estas consolas de meio de geração são apenas uma forma de segurar público nesta geração (sobretudo o que costuma fugir para o PC para jogar o mesmo com mais fotogramas e maior resolução, como o Mário bem disse quando os rumores da Pro surgiram e eu na altura não via o porquê), se as políticas se mantiverem. A verdade é que podemos estar a olhar para uma geração que pode durar mais que a anterior (mais uma vez se as políticas se mantiverem e não começarmos a ter exclusivos).

          Horizon ZD veio provar que há muita vida no hardware de 2013 e que ele é mais que capaz de se aguentar pelo menos por mais 4 anos (e jogos para esses 4 anos já os temos anunciados, pelo menos no caso da PS4), contrariando todas as declarações apocalíticas que se seguiram às revelações das atuais consolas em 2013, em que esta geração não iria durar tanto.

          Mais uma vez se as políticas se mantiverem.

          Aqui o grande problema são as grandes thirds como a EA, que querem maximizar lucro e não querem ter que otimizar. E MEA, foi o mais recente e melhor exemplo disso.

          Mas é como dizes, faltam mais jogos. O próximo Batman, o próximo Fallout, etc.

  5. Assim como acontece no Windows, eu sempre vi a Microsoft como o problema de tudo, pois os produtos são bons mas a empresa é gananciosa e mentirosa.

    Eu particularmente nao gosto do Phil Spencer é óbvio que ele pensa somente nos interesses da empresa, oque é normal porem ele faz isso mentindo e iludindo os jogadores. Fico impressionado como ele mente bem. As pessoas realmente acreditam nele.

    Microsoft nao vai gastar dinheiro com exclusivos de alto nivel. todo mundo sabe!!. e vai continuar investindo em jogos baratos como Recore, we happy few , CupHead etc…. Com o intuito óbvio de continuar enganando as massas enquanto lucra emcima dos jogos de terceiros.

    Pra mim o Scorpio vai passar por ser o mesmo que o PS4 Pro, ta ai no mercado e pouca gente realmente se importa e vão continuar comprando o modelo mais barato.

  6. Eu duvido que a Sony vai abaixar o preço do PS4 Pro. Fazer isso é dizer para o consumidor comum, que sim, o Xbox Scorpio é o melhor console e o PS4 Pro é mais barato por que tem o hardware mais fraco.
    O consumidor comum é aquele cara que não sabe o que significa memória RAM e pensa que o Pro roda todos os jogos em 4K.
    O preço ajuda a compor a imagem do que se quer vender. A Microsoft lutou por um tempo pra não ter que vender o Xbox One a 349 dólares.
    Eu acho que a estratégia da Sony será manter o preço que já é menor do que o especulado para o Scorpio e usar o marketing para dizer que o console tem 8,4 Tflops FP16.
    Quem conhece alguma coisa sabe que em jogos complexos, FP16 da um ganho mais baixo do que a diferença entre os dois consoles e os verdadeiros beneficiados são jogos de tablet ou visualmente simples tipo mantis burn racing.
    Mas no ouvido do consumidor comum, isso seria tipo o PS3 que tinha 2tflops…

    • Humm… não?

      Desde quando é que baixar o preço é admitir uma coisa dessas quando basta ligar a consola a uma Tv 4k e mostrar Uncharted e Horizon ZD?

      Basicamente a Sony estará a dizer: temos aqui uma consola mais barata que faz o mesmo e que por acaso até tem jogos que a aproveitam.

      • Aí entra a propaganda. Um consumidor comum não sabe diferenciar 900p de 1080p. Ele não joga games a menos de um metro da TV mas ele leu,ouviu ou assistiu alguém dizer que tem diferenças e até aprendeu a procura-las.
        O fator psicológio pesa muito. Na época do Xbox One S nunca mais foi falado sobre especificações de forma aprofundada. As notícias diziam em rande parte que o console é menor, mais poderoso e tem saída 4K.
        Você tem ideia de quantas pessoas acreditam que o Xbox One S fecha a lacuna de potência para o PS4 por causa da história de mais potente?

        • Tudo bem, mas não será o preço a fazer isso, até porque a PS4 era mais barata que a ONE e vendeu.

          E a Sony bem se farta de publicitar os 4k da Pro. A única margem de manobra da Microsoft serão os Bluray 4k, que eu esteja a ver.

          Da mesma forma com a PS2 e Xbox Original.

          Eu sempre disse que a PS4 vendeu devido ao momento da Sony com exclusivos e às asneiradas da Microsoft, com DRMs e proibição de usados.

          Mas esta teima só se tirará quando a Scorpio chegar. Até lá são conjunturas.

        • Outra coisa, não podemos dissociar o sucesso do ONE S da chegada do RDR original à retrocompatibilidade da ONE. Foi mais ou menos na mesma altura.

    • Hoje estou só a aprender coisas novas, quer dizer que se a Sony baixar o preço, significa que reconhece que tem uma consola inferior à Scorpio…da mesma forma que baixou o preço no dia de lançamento da Switch por ter uma consola superior???
      Estou confuso…

      E para tua informação, o consumidor comum, não quer saber de RAM, quer saber de jogos, bons jogos, e se o preço for apelativo, melhor ainda, estão-se nas tintas para TFlops e afins, isso é para a fatia mais pequena do mercado, ”nós”, e jogos é coisa que a Xbox não tem, além do facto de que, na Europa a Microsoft só conhece o UK, é só um de dezenas de paises.

    • Não te esqueças de quatro coisas.
      1 – Apesar das melhorias que as consolas de meio de geração podem trazer a 1080p, elas são feitas para levar os jogos a 4K. Algo que, mesmo para quem tem uma TV 4K não é necessáriamente uma necessidade.
      2 – A Pro efectivamente dá-te 4K. Não são nativos, mas não são re-escalados. E o resultado do que obtens é muito próximo do nativo. Se isto for obtido a menos 150 ou 200 euros vale bem a pena.
      3 – O motivo pelo qual a Sony avançou com a Pro um ano antes foi exatamente para ter margem de manobra nos preços e poder assim combater algo da Microsoft. E os analistas dizem que as análises dos lucros da Sony para 2018 preveem já uma descida de preços.
      4 – A scorpio é fantástica e não tem nenhuma das limitações face à base da Pro. Mas o certo é que se rege pelas mesmas regras desta. E é devido a esse entrave que a Microsoft vai ter aqui um dilema. Tem de convencer que a Scorpio é o que é, mas ao mesmo tempo tem de a limitar para não quebrar e dividir o seu próprio mercado.

  7. Sendo o Scorpio o console que eu espero que seja na relação serviço/benefícios, pra mim tudo bem, já seria uma aquisição natural futuramente. Estou satisfeito com o Xbox One, me rende momentos memoráveis de entretenimento na Live. E isso não tem a ver com o que Ps ou Nintendo oferecem, e sim a EXPERIÊNCIA que tenho especificamente com o console.

    Ratifico que, pelo menos no Brasil, o Xbox é o que oferece melhor suporte e abrangência varejista, e portanto, me sinto mais seguro e tranquilo de investir nos consoles da Microsoft. Eu jogo on line Gears 3 até hoje com alguns amigos do X360, esse seria um exemplo prático de suporte que uma empresa de consoles oferece, ao passo que aqui e ali vemos com frequência servidores de jogos relativamente recentes sendo fechados. Fora os jogos recentes de 2016 que pude apreciar.

    Um outro exemplo de suporte: A própria Xbox Live. Melhorias e features + jogos novos chegando continuamente, como um bom serviço deve ser. Suporte vai muito, mas muito além de prospectar lista imaginária de exclusivos, é o conjunto da obra para o usuário final.

    Não gosto de entrar no mérito de comparar empresas, porque cada uma tem seus prós e contras, embora eu considere a Nintendo a mais anti-consumidor das 3, mas pelo menos no Xbox One, como gamer, não tenho do que me queixar, exceto quanto à line up exclusiva da Microsoft, que pelo menos esse ano ainda não me animou tanto.
    Mas como eu prefiro avaliar um console pelo todo, no conjunto entre exclusivos, multiplataformas e serviços, o Xbox PRA MIM se sustenta bem.

    Tem coisas a melhorar, como qualquer outra. Não tiro a razão de quem questiona coisas aqui e acolá, respeito o contraditório, só não me vejo obrigado a entrar na mesma maré das lamentações e fatalismos, ou endossar chavões já batidos na internet quanto a exclusivos, pois tenho minhas opiniões calcadas na experiência como jogador.

    • Jairo, eu também jogo online Uncharted 2 até hoje na PS3. E sim também reparei no fecho de servidores de jogos tanto na 360 e na PS3. Este tipo de suporte que referes é comum às duas, incluindo as melhorias e features na PSN.

      O suporte a exclusivos significa mais jogos no catálogo, o valorizar do hardware e o desbravar caminho no que pode ser feito.

      Por isso é importante.

      O preocupante é termos uma nova consola à vista e nada de exclusivos para já nesta época.

      • qual jogo exclusivo de 360 que fechou recentemente e eu não percebi?

        • Forza Motorsport 2, por exemplo. E eu não disse nada de “recentemente”.

        • O ultimo servidor desligado que me lembro, um jogo de 2007.
          Mas me vem a cabeça agora mais recente o desligamento do servidor de gran turismo 5. Um game de 2010.

      • Bom, não quero abrir discussão entre Playstation x Xbox, pois já tenho minha opinião formada a respeito, e a expus em diversas outras oportunidades, e não tenho a intenção de mudar a opinião de ninguém. Já tive um ps4, e estudo a aquisição do Switch.

        Apenas não sou adepto da teoria que chamo de “Exclusivocêntrica”, onde os jogos exclusivos são o centro de tudo e de todos nas plataformas gaming, desconsiderando e desqualificando diversos outros fatores igualmente importantes num console de jogos moderno.

        Fica inviável sustentar essa teoria,principalmente quando ligo o meu console e constato uma realidade diferente daquela que alguns veículos de internet tentam passar. Prefiro ter uma visão mais abrangente e desprendida a respeito do assunto, calcada na minha experiencia com o console.

        Percebo uma certa esquizofrenia sobre esse e outros assuntos, o que é uma pena, acaba sendo uma oportunidade perdida.

        • Também não é disso que estamos a falar mas da importância dos exclusivos, tema do artigo.

          E comentar e partilhar opiniões é isso mesmo: gerar ideias e novas opiniões. Se realmente não queres mudar opiniões então estás no sítio errado ;D

          Responde-me só uma coisa:

          Seria a mesma coisa para ti não teres Gears 3?

          Teres a Microsoft a trabalhar na Live e o resto tudo de terceiros?

          E já que compraste 3 consolas, porque não o PC?

          • O espaço de comentários é para EXPOR opiniões, e não propriamente muda-las. A não ser que tenhas pretensão de moldar a opinião das pessoas de acordo com a sua, o que é radicalmente diferente. Se queres faze-la comigo, já lhe adianto que será inútil, pois não comecei a jogar videogame ‘ontem’, são quase 3 décadas jogando e curtindo as mais diversas propostas.

            E o tema do artigo, usando um pouco de interpretação de texto, não é sobre a importância dos exclusivos em si, e sim da M$ como empresa de games, dentre o qual jogos exclusivos da M$ estão inseridos. Algumas coisas do artigo eu simpatizo, mas uma em particular eu não concordo, que é induzir as pessoas a achar que lista de exclusivos resume um suporte de um console, desconsiderando tudo que cerca um console moderno. É aí que questiono firmemente, pois entendo a palavra SUPORTE como algo abrangente.
            Sobre a pergunta que me fez, eu lhe faço outra pergunta (nesse caso retórica, se quiser nem precisa responder):
            – Porque eu teria que necessariamente escolher um Pc? Não posso simplesmente preferir jogar em console?
            – Gears 3 é um jogo melhor só por ser exclusivo?

            E pra finalizar, joguei diversos jogos próprios da Microsoft como Ori e Sunset, somado a outros terceiros, e tenho tido entretenimento de qualidade. Se você e outros tem fetiche por certos jogos somente por serem exclusivos, saiba que não me incluo nesse grupo. Vejo jogos de uma forma mais generalista, abrangente. Se eu me interessar, eu jogo, independente do selo.

          • Para quê expor opiniões se não for para motivar discussão? E para quê discutir se não for para para gerar ideias e novas opiniões? Expor uma opinião só por si é uma atividade sem sentido e infrutífera, ainda mais num espaço como este.

            Se as pessoas num mesa só poderem falar quando se lhes dirigirem a palavra nunca ninguém fala. Da mesma forma, se todos só estivermos a expor opiniões, então para quê comentar um artigo?

            A minha pretensão é discutir um tema, não comentar e depois dizer que a opinião está formada e esperar que ninguém me interpele. Primeiro porque uma opinião não é um facto. Segundo, porque não se vem a um espaço destes escrever um comentário e depois esperar que ninguém diga nada.

            Na realidade o tema do artigo é sobre a capacidade da MS em dar suporte à Scorpio, no que diz respeito a exclusivos. Primeiro porque a Scorpio é uma consola, em segundo para provar que o Hardware é capaz e para distingui-lo da concorrência e isso só se faz com os exclusivos.

            Se já passaste por 3 gerações sabes perfeitamente que sempre assim foi.

            O centro num consola é o catálogo de jogos e o que ajuda a diferenciar a consola da concorrência são os jogos, uma coisa não existe sem a outra ou então não estaríamos a falar de uma consola.

            Dizer que o suporte não é centrado em exclusivos é ignorar a parte consola da consola (extamente o que a MS fez em 2013). Tudo o resto são características adicionais que só funcionam na associação com os jogos em si.

            Concordaria contigo na medida em que podem definir a experiência de jogo, mas mais uma vez no contexto do artigo não se aplica porque fora a potencia do hardware e jogos, nada distingue estas consolas entre si no resto.

            Perguntas:

            1 – Porque para o que usas o PC é a plataforma ideal. Tem tudo e hoje em dia montá-lo na sala, com comando a funcionar é fácil. Mas sim podes preferir a consola e neste caso a minha pergunta é:

            Porque preferes consola ao PC?

            2 – Na realidade Gears 3 não exisitiria se não fosse exclusivo. Era esse o sentido da minha pergunta anterior: se não tivesses esse exclusivo, seria a mesma coisa?

            De acordo, mas o ponto é: se não fossem exclusivos, não os tinhas. Ou se os tivesses noutra plataforma, provavelmente não estarias a jogar na Xbox? Ou estarias?

          • Não, seu intuito, como o de alguns, é tentar moldar a opiniões dos outros com a sua. E como eu lhe deixei claro que a minha visão a respeito do assunto e que a princípio não tenho porque muda-las por causa de 1 artigo ou opinião divergente, já lhe causei alvoroço. Se quisesse somente conversar cordialmente sobre o tema, terias um comportamento diferente, mas não, estás agindo como um fanático lunático.

            Seu raciocínio é repleto de vícios, sedimentados pelo o que chamo de esquizofrenia da internet. Repetindo sempre os mesmos chavões, como ‘exclusivos’ isso, ‘gerações’ aquilo, Pc como plataforma ideal pra jogos. Não coloque suas escolhas como supremacia para a dos outros, seria bom aprenderes isso como principio de vida, meu caro.

            Se o PC é plataforma ideal pra você, pra mim não é. Tenho uma realidade de vida que é propícia em jogar no console, por ser mais direto e objetivo, mesmo eu tendo um PC suficientemente bom pra jogar, mas prefiro console. É simples.

            E novamente, SUPORTE significa apoio (procure no dicionário). Jogos exclusivos são apenas 1 dos tantos apoios que é conferido a um console. Uma boa plataforma on line, call center eficiente e atenção ao feedback do usuário também é SUPORTE. Mas se você tem uma visão limitada e insistes em centralizar tudo em jogos exclusivos, sinto muito. Continue com ela, não tenho a menor intenção de muda-la.

            Você quer distorcer o que falei. Independente de como Gears 3 surgiu, se eu gostar do jogo, irei jogar, seja exclusivo ou não. Esse é o meu ponto. conhecer como e onde surgiu, serve apenas para conhecimento geral. Jogador de verdade se importa basicamente em usufruir do conteúdo conforme sua própria conveniência.

            Note, não quero retirar ou mudar seu fetiche pelos exclusivos. O Xbox tem os seus, eu adoro Forza Horizon, por exemplo, mas eu acima de qualquer coisa eu aprecio bons jogos num console. Apenas não sou adepto deste fetiche.

            É como meu irmão mais velho dizia “como eu só tenho 1 videogame, todo jogo é exclusivo”. Sábias palavras…

          • Bem Jairo, não sou eu que ando a chamar lunático fanático aqui, pois não?

            Também não ando a tratar uma discussão como o obrigar de alguém a mudar de opinião. Muito menos ando a tentar calar as outras pessoas só por que acho que a minha opinião não deve ter contra argumentação.

            E muito menos disse que o PC era o melhor, só te perguntei porque preferes consolas ao PC, se exclusivos não são importantes para ti (Algo a que respondeste).

            O que não respondeste foi à pergunta: seria a Xbox a mesma coisa sem Gears 3? Eu não te perguntei se o jogarias se fosse multi, não perguntei se o jogo seria menos se fosse multi, perguntei se terias a consola sem o jogo, ou se terias a consola se o jogo estivesse numa PS exclusivamente, e nesse caso se sentirias falta de jogo se não o tivesses (explicando detalhadamente a pergunta para evitar má interpretação futura).

            Muito menos ando a tentar ridicularizar as tuas opiniões ao dizer que tens um fetiche “exclusivocêntrico”.

            E também não te perguntei a definição de suporte (mais uma vez a tentar ridicularizar), só te disse que o suporte mais importante numa consola, uma máquina feita para ter jogos, são os próprios jogos, e neste caso o que distingue uma e outra são os exclusivos. Tudo o resto é acessório sobretudo porque nem há grandes diferenças entre elas a esse nível.

            Algo que tu reduziste a um vício esquizofrénico da Internet. Mais uma tentativa de ridicularizar para me calar.

            Afinal que tom cordial é que queres?

          • Nota da moderação: Evitem insultos ou palavras que possam ser consideradas insultuosas.

          • Bruno, e quando estou lhe impedindo de expor o que pensa? você pensa o que achar melhor, meu caro. Já compreendi que seu intuito desde o início foi provocar-me, o que reforça o termo fanático-lunático usado por mim antes.

            Você novamente distorceu o que falo. Não disse que exclusivos não são importantes, apenas não os coloco num plano digamos… “celestial”. Eles são tão importantes quanto um bom catálogo de multiplataformas e boa rede on line, pra mim, porque um console de jogos é um conjunto, e não fragmentos. Reitero que não tenho fetiche por esse ou aquele fator, nesse caso os exclusivos.

            Estamos num impasse, Bruno: Você coloca os exclusivos acima de tudo, enquanto eu os considero importantes, mas dentro de um plano maior. Como ficamos? Queres que eu concorde contigo, e assim ficares feliz? Essa minha visão sobre o assunto vem desde a transição do gamecube-wii, traçando um paralelo entre a minha experiência de jogo x mercado de jogos. A cada ano, só solidifica.

            Você quer discutir e levar a conversa para aquilo que você considera certo, mas eu lhe deixei claro minha posição sobre, e isso lhe incomodou. Eu relatei no 1º comentário a minha experiência pessoal com o Xbox, que julgo ser suficiente para eu ter base daquilo que considero bom pra jogar. A margem de questionamento para um relato de experiência pessoal é pequena, a não ser quando esta realmente vem a complementar, como um diálogo e bate papo sobre games. O que nem de longe foi o seu caso.

            O que falei antes foi que alguns usuários na internet afora (ou aqui mesmo) sofrem de esquizofrenia da internet e tem fetiche pela palavra exclusivos. Mas se achaste que foi contigo, sinto muito. Sinal que a carapuça serviu.

            Eu respondi a sua pergunta, basta interpretares minimamente um texto. É ruim conversar quando alguém constantemente distorce o que você fala. Então, dou minha conversa contigo por encerrada, pois não foi muito produtiva.

          • Nota da moderação: Esta conversa está encerrada.

          • Mais uma vez insultos… Eu não disse que o Jairo me está a impedir de expor o que penso. Disse que o Jairo me está a tentar impedir de contra-argumentar, com insinuações de que o estou a forçar a alguma coisa, ou de que estou a insistir no mesmo, chegando a tentar envergonhar-me de alguma forma (lamento, mas não funciona).

            Quando a verdade é que continua a não responder a uma simples pergunta. E ambos sabemos porquê não sabemos?

            Mais uma vez Jairo, como disse antes, isto não é uma conversa sobre consolas (aliás o Jairo é que tem sempre batido na mesma tecla de que estamos a avaliar consolas, por alguma razão), mas sobre a importância dos exclusivos, no panorama das consolas.

            A sua opinião sobre a importância dos exclusivos já a deu no inicio e não foi isso que lhe perguntei. Muito menos pus em causa a sua experiência com a Xbox. Isso já o Jairo disse antes e nunca pus em causa.

            A sua reacção para evitar esta discussão sempre foi passar a ideia de que eu o estou a pressionar e a não escutar, quando na verdade o Jairo tem alterado o que eu lhe digo, e fugido ao que lhe pergunto com acusações de que estou a tentar força-lo a algo (meu caro, basta parar de teclar e assunto resolvido).

            Mais uma vez lhe digo, isto é um espaço de discussão. Não pode impedir as pessoas de argumentar consigo.

            Não se trata de levar a conversa para o que considero certo, trata-se da sua falta de argumentos quando chegarmos a um certo ponto, algo que se torna evidente com esta sua resposta. E como a falta de argumentos é muito difícil de assumir mais vale parar a meio enquanto temos pé e tentar distorcer uma simples pergunta numa acusação de que estou a manipulá-lo, quando a verdade é que evita pura e simplesmente responder à pergunta.

            E não, não respondeu à pergunta: fugiu à pergunta. Bem pode tentar fingir isso, mas o texto escrito não muda e o que escreveu continua para acima para todos verem.

            Realmente não foi uma conversa produtiva, mas quem se esconde por trás de argumentos vazios, recorrendo das táticas a que o Jairo recorreu para evitar uma discussão construtiva é como falar para uma parede.

        • Tenho que concordar Jairo, existe um fetiche estranho por exclusivos, sejam eles sobre o que forem.
          Eu acho difícil alguém que compra Halo e Gears of War, comprar um game do tipo Voodoo Vince, mesmo que fosse um lançamento novo 2017 com gráficos e gameplays modernos.
          Eu nunca tocaria nesse jogo, sendo exclusivo, sendo feito pela empresa que produziu o console que eu comprei, não importa, eu acho esse game uma bobagem. Mas, como alguém que está na internet eu tenho que ver gente dizendo que a microsoft precisa de games exclusivos com temas maduros e não infantis como Halo e Gears, mas em outra ocasião o mesma pessoa está lá rasgando elogios a Rachet and Clank…

          Existem perfis de jogadores e o Xbox atrai quem gosta de shooters, corrida e jogos de ação em geral mas com algum forte componente online.
          Eu duvido muito que um game ao estilo The Last guardian tivesse vendas decentes no Xbox. Games ótimos como Sunset Overdive e Quantum Break, que são mais focados em single player, não foram nenhum sucesso estrondoso com o público do Xbox. Assim também é fato que jogadores do Playstation que gostam desses tipos de jogos, não trocariam de console caso a Microsoft resolvesse criar varios games desse tipo.
          Ja a realidade, o Xbox é um produto que atende ao consumidor que pretende atingir. Pincipalmente aos jogadores do multiplayer onde atende tanto com multiplataformas quanto com jogos esclusivos.
          A grande parte desses que passam os dias reclamando dos jogos do Xbox, são jogadores que quando pegam um gears of war ou um halo, jogam a campanha na dificuldade padrão, fazem duas partidas do multiplayer e encostam o jogo na estante.
          Para quem quer levar o Xbox ao estilo Playstation, a plataforma realmente nunca vai atender, vai ir pra internet falar que o console não tem suporte, que 2017 está aí sendo um arraso pra Sony, vários jogos lançados (e ja encostados na estante) e no Xbox One só poeira.
          Enquanto isso, eu ligo o Xbox One e vejo milhares de jogadores online em uma partida de Halo 5, Gears of War 4 recebendo conteúdo essa semana, Forza Horizon 3 recebendo a segunda expansão.
          Eu concordo, o suporte vai além de encher a plataforma de jogos exclusivos, muitos deles esqueciveis.

          • Onde eu assino o comentário, Fernando?

            Penso o seguinte: cada qual com seu cada qual. Não estou no Xbox One por aquilo que eu acho que deveria ser ou ter de Playstation ou Nintendo nele, mas pelo que o Xbox oferece de forma geral. Há aspectos a evoluir, claro, como qualquer outro console, mas me espanta a esquizofrenia na internet com relação ao assunto.

            Se eu não estivesse satisfeito com o perfil de jogos, era só comprar um Playstation ou Switch. Gosto de simplificar as coisas. Se bem que 95% dos jogos que aprecio são multiplataformas, então nem ia fazer tanta diferença prática pra mim.

            Se eu fosse um jogador cujo perfil fosse calcado no fetiche de exclusivos, estaria com o Switch ou wii u. Os jogos da Nintendo além de bons, me dão muita nostalgia, mas acho a proposta do Xbox mais consistente de forma geral, uma boa mescla de exclusivos – serviço – multiplataformas.

            Não me apego a uma coisa só e a hipervalorizo ou coloco elevada a 5º potência, prefiro algo equilibrado.

          • Sempre disse aqui que o principal motivo da minha compra do 360 foi o Forza e o que reforçou a compra foi o Alan Wake. No One novamente foi Forza (além do console ser a edição ex-limitada) e foi reforçada pelo Quantum Break.

            Por coincidência os motivos foram por exclusivos e alguns Single Player, então se a MS focasse em exclusivos e possivelmente em mais jogos SP(caso fossem do meu agrado) eu tenderia a trocar, o que se traduz que discordo dessa parte do seu comentário.

            Não houve inversão no seu comentário? Vejo o Xbox com jogos com visão mais adulta, pois priorizam o shooter e consequentemente aconselhável para maiores de 18 anos.

          • O que importa é isto:

            PS4 – 56.4 Mi
            Xbox ONE – 28.9 Mi

            Isto é resultado da satisfação do cliente o que é resultado direto do catálogo..

            A não ser por cada Xbox vendida em formato físico sejam vendidas mais 5 em formato digital, acho que a visão de que só um tipo de jogo e que os públicos são distintos não funciona a longo prazo.

            O argumento da potencia não
            funciona porque a) nunca a consola mais potente foi a mais vendida e b) já há consolas mais potentes e não estão a vender tanto.

            O argumento do jogo não funciona porque a) o mesmo tipo existe noutra plataforma e b) não há nada na gameplay desses jogos que seja exclusivo da plataforma. Não é correto dizer que a Xbox é uma consola para shooters. O mais correto é dizer que a Xbox é uma consola que só tem shooters.

          • Não quero exatamente discordar nem concordar, mas o teu comentário parece-me que acaba a anular-se a si mesmo. E sinceramente, não o entendo. Será talvez de o reformulares?

            Começas por falar em fetiche por exclusivos. Mas depois toda a conversa acaba por se fechar em Halo5, Gears 4 e Horizon 3, jogos que são… exclusivos.
            A frase final deixa-me ainda mais perplexo quando dizes que o suporte vai além de encher uma plaforma de jogos exclusivos quando falas em novo conteúdo para esses jogos. E isto porque toda a mensagem supostamente quer mostrar que uma consola não vive só de exclusivos, mas centra-se em três exclusivos e no suporte exclusivo aos exclusivos.
            Sinceramente não sei bem o que concluir daqui.
            Será que o que queres dizer é que conteúdo adicional exclusivo a jogos exclusivos que se repetem a cada dois anos é melhor que nova oferta?

            É que sinceramente não percebi! E não estou a gozar ou a ser sarcástico, não percebi mesmo o que queres dizer pois a mensagem começa num sentido e depois parece anular-se a si mesma.

            PS: Relendo novamente se calhar até nem tenho razão no que digo em cima. Parto do principio que estávas a tentar concluir algo, mas se calhar não estavas e estavas apenas a falar livremente. Se tal é o caso o meu comentário fica sem sentido.

          • E vendo o histórico de respostas dos leitores desse sítio é mais fácil vermos um deles irem para o Xbox caso esta venha oferecer uma diversidade de gêneros de jogos do que você ir para o PS, pois é só sair um título de PS4 que já vem falando de defeitos, foi assim com Uncharted 4, The Last Guardian, Horizon e até com o beta do Gran Turismo Sport.

          • Prefiro pagar por um jogo e encostar ele, do quê comprar uma jogo na versão Ultimate que não vem o jogo completo mais expansões.

            https://www.microsoft.com/pt-BR/store/p/Forza-Horizon-3-Edi-o-Ultimate/9NBLGGH4RQ1K

            Mas se tem pessoas que preferem ficar pagando expansão fazer o que né….

          • Somente os fanáticos (desculpem, mas fãs sem discernimento são isso) pelo Xbox dizem que exclusivos não importam. Porquê sabem que esse é o calcanhar de Aquiles da MS. Pessoal da Sony e Nintendo claramente comprando os consoles por eles.
            Ter uma opinião equilibrada onde se reconhece os valores tudo bem, mas desmerecer algo que está escancarada pra todo mundo, aí já é ser leviano.

  8. Claramente podemos ver a torcida contra Xbox neste artigo vcs merecem é a Sony anunciar um PS5 pois no começo da gen jogos não importavam só gráficos agora é o contrario mas a Sony vem com PS5 e o discurso de vcs muda rapidinho para potencia, puro fanatismo em favor da Sony mas semana que vem lançam um artigo morde assopra para se apresentarem como imparciais.

    • Claro… só um ponto: jogos sempre importaram. O grande problema é que a falta de argumentos da trocida contra a PS sempre quis minimizar os jogos a gráficos. Já tivemos aqui pessoas a dizer que os gráficos prejudicavam os jogos só por causa de em resolução a PS4 ganhar. Isto porque essa mesma torcida veio da 360 habituados a defender a consola com maior resolução e depois viram-se como se viram.

      Aqui sempre se defendeu que nunca a consola mais potente foi a mais vendida, mas sim a que tinha os jogos que as pessoas queriam. Da mesma forma que se procurou demonstrar que a Xbox ONE seria capaz de grandes jogos.

      Da mesma forma que se escreveu que o facto de a consola numa época em que teve bastantes exclusivos não ter sido sucesso de vendas era mau para a industria.

      Os argumentos sempre foram os mesmos, o que é há quem não goste de ouvir.

    • Acho interessante que fales em torcida, sabes, pessoalmente acho que as torcidas dos clubes de futebol deviam acabar, são maioritariamente compostas por delinquentes e broncos, usam o futebol para na cobardia da protecção do grupo, roubar e agredir, mas uma coisa eles não falham, se o clube não tiver resultados, insultam os próprios jogadores e até o presidente.

      No universo dos videojogos é bem diferente, no caso especifico da Xbox e da sua situação actual, a torcida em vez de reclamar por resultados, ainda dá palmadinhas nas costas, de facto o presidente ainda é o mesmo, o treinador também, a equipa idem, o estádio é que é diferente, mas a filosofia mantém-se.

      A Xbox faz-me lembrar um clube que temos em Portugal, o Sporting (que por acaso também é verde), iam ganhar tudo, não ganharam nada e estão num isolado 3º lugar, o problema?
      O problema é que o mundo inteiro está contra eles.

      Eu acho isto da torcida contra a Xbox e toda essa forma de pensar, um autêntico fenómeno, é a filosofia do coitadinho, ”eu não faço nada pela vida não porque não arregaço as mangas, mas porque o mundo está todo contra mim”, santa paciência…

    • O fanático, seja de qual lado for, é ruim, pois ele usa o espaço de comentários para provocar as pessoas, sob o pretexto de discutir contra-argumentar o comentário alheio. É facilmente identificável esse perfil de usuário, que ao meu ver é deplorável.

      Cada console é capaz de grandes jogos, aliás, tanto ps4, Xbox One e wii u possuem grandes jogos já lançado, mas o fanatismo distorcem todo o contexto de um mercado plural agindo como militância na internet. É preciso entender que cada usuário tem seu nível de experiência, seja ela boa ou ruim.

      Essa militância age como se estivesse numa cruzada rumo a forçar as pessoas a acreditar que o Xbox One “não tem jogos”, ou que a PSN “vive off”, ou resumindo a discussão em “torcidas”, resgatando coisas frívolas e baixas lá da época do x360, como alguns gostam de faze-lo.

      Um um dos problemas que identifico é que alguns pegam um fragmento ou situação e a hiperbolizam (exageram), a colocando como peso de um todo. Por exemplo, é um fato de que o ps4 recebem excelentes jogos japoneses, e isso é louvável, mas isso não torna o Xbox ruim, apenas se espera que a M$ apresente um bom conteúdo próprio para o 2º semestre, independente do ps4 em si.

      Por fim, uma coisa não anula a outra: Ter um hardware que propicie um bom pacote gráfico e taxa de quadros tem sua importância, mas não anula a possibilidade de chegarem mais jogos interessantes, sejam eles exclusivos ou multiplataformas, afinal, são jogos.

  9. Difícil de entender alguns comentários…
    Não sei qual a dificuldade de assumir que jogos exclusivos se não for o maior fator é o segundo na compra de um console.
    A geração passada a sony começou com o pé esquerdo, foi arrogante e prepotente ao lançar um console supercaro. Pagou por isso a geração toda. Mas como foi que ela saiu do buraco? Lançando variedade de? EXCLUSIVOS.
    Isso que o xbox tinha uma melhor rede online, serviços de indies e etc….
    A MS nessa geração queimou a largada, mas para se redimir trouxe alguns novos exclusivos, mas nada que fosse impactante como na era do 360. Trouxe também vários serviços como: EA Acces, retrocompactibilidade, bons jogos grátis para assinantes e futuramente GamePass. Mas aparentemente nada disso foi possível de salvar o Xbox. Digo salvar no quesito vendas.
    Ultimamente Phill vem sendo cobrado por jogos exclusivos, ele afirma que jogos exclusivos são importantes e que está trabalhando para reforçar o catálogo de jogos exclusivos do Xbox.
    Se até o chefe da divisão afirma que jogos exclusivos são importantes, pq alguns consumidores ainda insistem em dizer que não?
    Será mesmo que jogos exclusivos não são importantes?
    Seria mais fácil dizer: “jogos exclusivos são importantes sim, mas eu amo xbox e prefiro ficar com ele”.

  10. Jogadores ou Garotos Fans Xbox não jogam:
    Single Player;
    Jogos Japoneses;
    Exclusivos;

    Os mesmos preferem ao invés disso:
    Multiplayer;
    Live;
    EA Access;
    Game Pass;
    Retro;
    E agora , especificações técnicas.

    E na visão deles Phill Spencer sempre vai estar certo, independente do que o mesmo venha a impor na divisão de games da Microsoft.
    Como não me encaixo neste perfil de consumidor é bem fácil eu me negar a comprar o Scorpio e talvez até vender meu One assim que terminar de jogar os jogos que nele eu adqueri.
    Recentemente em declaração de Phill Spencer, o mesmo diz que o Xbox não investe em jogos single com grande aceitação como Horizon Zero Dawn e o novo Zelda pois estes apesar de terem feito sucesso tanto de critica quando em vendas não tem o mesmo impacto do passado, deixando assim uma indicação de que realmente o Xbox está na direção do Multiplayer somente, jogos como State of Decay 2, Sea of Theaves e Crackdown 3 além claro de Forza 7 já nos mostram esta tendencia, jogos fincados no modo multiplayer, e sinceramente pra mim se num futuro tivermos somente jogos competitivos online nestes dias eu terei parado de jogar games.

  11. Realmente muitos aqui se superam em comentários, pega um artigo de visão pessoal do Mario e o torna como verdade absoluta e ao invés de debater o tema proposto pelo mesmo, armam discussão qual é o melhpor qual lucrou mais etc e vai.
    Outro artigo cita lucro da divisão e NT e PS e realmente estão de parabéns, referente a MS a mesma não disponibiliza estes dados porem pegar no texto informar s aumentos conforme o Mario cita.
    Ai vem os analistas financneitos achando que MS esta a falir realmente esta complicado.

  12. Acredito que no início da geração que não havia games fortes para impulsionar as vendas e consolidação do produto a briga entre as marcas ficava em especificações técnicas, mas hoje com o mercado consolidado nas mãos da Sony os games farão a diferença.

  13. Jogos exclusivos que joguei nesta geração:

    Forza5
    Ryse
    dead rising 3
    Os dois primeiros foram day one, a escolha não era muita

    Killzone
    Resogun
    (também comprei day one, o killzone o resogun foi de borla)
    Infamous second son
    uncharted 4

    Jogo videojogos todos os dias, e mais umas horas ao fim de semana, jogo muito mais na xbox, não por ser melhor, ou por ter melhor online, nem por ter melhor suporte, jogo mais na xbox porque é nela que tenho dezenas de amigos, que já vêm dos tempos do halo2 na xbox 360, e onde tenho melhor gamescore, que para mim é um incentivo extra para terminar os jogos em todas as suas vertentes, para mim terminar um jogo não é chegar ao fim, mas sim tirar todas as conquistas ou troféus, de resto para mim não vejo quase diferenças nenhumas entre a xbox ONE e a PS4, ambas tem os seus pontos fortes e os seus pontos fracos e se tivesse 200 platinas e 200 amigos na PSN, certamente defenderia a SONY em vez da MS, mas são apenas os meus gostos pessoais e as circunstâncias da vida que me fizeram percorrer um caminho verde em detrimento de um mais azulado, isso não faz com que eu seja dono da verdade, nem faz da PS4 uma má consola, nem da Xbox uma fora de série, apenas aconteceu assim…fiquem bem

Os comentarios estao fechados.