Scorpio – HDMI 2.0 ou HDMI 2.1?

A confusão instalou-se quanto à versão do HDMI usado na Scorpio. E há razões para isso!

HDMI 2.0 ou HDMI 2.1? Qual a versão usada pela Scorpio?

Na realidade a resposta, perante os dados fornecidos, é simples, mas a explicação sobre o assunto é um pouco mais complexa. Porque a resposta é na prática mais complicada do que pode parecer.

Atualmente o HDMI existente é o 2.0, um HDMI com 18 Gbits por segundo de largura de banda e capaz de resoluções 4K a 60 Hz.

Este HDMI apesar de ser perfeitamente capaz para as atuais necessidades, revela-se incapaz de responder às novas necessidades. Assim, o mesmo não é capaz de superar os 60 Hz a 4K, o que impede fotogramas acima de 60, e quando do uso de cor 10 bits, ou seja o HDR, ele é incapaz de fornecer 4K verdadeiramente nativos. Basicamente, nos casos onde o HDR está ativo, a resolução de ecrã mantêm-se nos 4K, mas a informação de cor desce para os 1920×2160, o que quer dizer que cada par de pixels na vertical partilham a mesma cor. E isto impede os 4K nativos onde cada pixel se revela verdadeiramente independente.

Publicidade

Retomando o nosso artigo

O HDMI 2.1 resolve uma série de problemas do HDMI 2.0, ao aumentar a largura de banda para 48 Gbits, mas esta é uma evolução que requer hardware novo e cujas especificações só serão reveladas mais para o final do ano.

No entanto os possuidores do HDMI 2.0 não ficarão de mãos a abanar. Certas novidades do HDMI 2.1 não requerem aumentos de largura de banda, e passam apenas por novidades software, como é o caso dos refrescamentos variáveis que permitem o ajuste dinâmico e de acordo com os fotogramas apresentados no momento, do refrescamento da TV (o chamado modo VRR, suportado pela tecnologia Freesync da aMD).

O VRR permite resolver os problemas de screen tearing (se não sabes o que é, lê este nosso artigo), dos soluços de imagem (stuttering) e do lag de resposta. É basicamente uma solução que permite a instalação de softwares nas placas gráficas, como o FreeSync da AMD, e que se sabe que a Scorpio irá implementar.

A questão é que apesar desta e outras novidades do HDMI 2.1 a que todos os fabricantes terão acesso e poderão vir a implementar nos seus produtos 2.0, o hardware que até agora foi anunciado para o HDMI da Scorpio é 2.0, e isso quer dizer que todas as novidades trazidas pelo aumento da largura de banda ficarão de fora da consola, limitando-se a um suporte HDMI 2.1 no que toca à componente software.

Essa limitação inclui acima de tudo a questão dos 4K verdadeiramente nativos com o uso de HDR, algo que se esperava não viesse a ser uma limitação nesta consola, sendo que tínhamos escrito vários artigos a referir que contávamos que a Scorpio fosse o primeiro produto 100% HDMI 2.1.

Apenas como nota, a tecnologia Freesync da AMD foi já implementada numa série de placas da marca, todas elas com HDMI 2.0, conforme o comprova esta página de suporte da AMD.

 

Publicidade

Posts Relacionados

Readers Comments (18)

  1. Isso quer dizer que as TVs HDMI 2.0 poderão estar limitadas? Isto é se as marcas lançarem algum update para as suas portas HDMI… Os monitores suportam freesync mas as TVs não sei como irão suportar.

  2. Isto indica que aquela história de estar preparado/dar suporte para até 12K foi por água abaixo?

    • Vamos lá a ver. Sabes que aqui na PCManias as nossaqs notícias não entram por especulações, e daí teria de dizer, sim.. Não há suporte 12K com o HDMI 2.0 anunciado.
      Mas isso pode vir a ser corrigido, e quem sabe será mesmo um 2.1. No entanto, até ao momento as declarações da MIcrosoft foram sempre no sentido do 2.0, e como entre 2.0 e 2.1 há uma grande diferença
      é muito difícil que a situação seja um mero lapso. Para já o efectivamente dito é isto, a consola terá suporte a características 2.1, mas sob um hardware 2.0.

      Seja como for, isso é um ponto que se deve esclarecer e referir, mas que me parece pouco relevante. Os 4K não são ainda uma realidade. O mercado de Tvs 4K encontra-se ainda em percentagens de dígito único, e daí que falar em resoluções acima disso é pura e simplesmente estúpido.
      4K 60 fps é o que se quer, e isso este hdmi fornece.

      Note que nem todos os HDMI 2.0 deverão vir a suportar carateristicas do 2.1.
      http://appleinsider.com/articles/17/01/04/new-hdmi-21-specification-brings-support-for-4k-at-120hz-8k-10k-resolutions

      • Aconselhas então esperar e adquirir uma futura TV com HDMI 2.1, mesmo que a Scorpio venha para o mercado primeiro?

      • Mas não foi uma crítica ai seu artigo, até porque você se baseou na notícia que estavam falando.

        Não duvido que se o Scorpio sair com HDMI2.0 (hardware) posteriormente irá sair uma revisão com HDMI2.1, visto que no One Slim há componentes que o One base não pode implementar.

  3. nao entendi a necessidade do freesinc ja que consoles por serem hardwares definidos os problemas de tearing sao minimos ou ate inexistentes.

    • Não são não…
      As consolas por norma bloqueiam os fps exactamente para evitarem esses problemas. Mas a questão é que mesmo com eles bloqueados vais ter muitas vezes quebras de fps. E quando tens a tv a desenhar mais fotogramas do que os fornecidos tens stuttering e tens lag, sendo que se a placa gráfica desenhar fotogramas incompletos (por exemplo 25,7 fps), com a TV a 30 Hz vais ver o meio frame (Tearing).
      Esse é o grande motivo pelo qual os fps soltos não são tão desejados como os bloqueados. E é preferivel num jogo que dê 35 fps, bloquear o mesmo a 30 fps com a TV a 30 Hz do que deixar a TV nos 60 e os fotogramas livres.
      É certo que se o número de fotogramas for um pouco mais alto, género entre os 45 e 60, a coisa já pode valer a pena, pois ganhas em fluidez, mas no entanto vais ter um pouco destes três problemas, só que como estás já com uma cadência de fps mais alta, pode valer a pena.
      Com o FreeSync ou VRR, a TV alterna o seu refrescamento durante o uso. Não só pode alcançar refrescamentos intermédios de acordo com o seu suporte, como, no caso pior, alterna apenas entre os 30 e os 60 hz, sendo que acima dos 45 fps deixa-se estar pelos 60, mas abaixo fixa-se nos 30.
      Mas a ideia é um suporte bem mais extenso a nível de taxas de refrescamento que acompanhe mais os fps, e daí que nem todos os televisores suportarão isto.

  4. Olá Mario. Estou com uma dúvida que vai fugir um pouco o assunto deste tópico, mas queria que me ajudasse a entender um pouco essa coisa de HZ e FPS.

    Estou querendo trocar meu monitor atual. Como é um monitor/tv a qualidade de imagem dele é bem básica, e ligando o meu PS4 PRO numa TV 1080P da Samsung, a qualidade de imagem mudou muito. Por isso estou pesquisando novo monitor e estão me indicando monitores com 144HZ. Mesmo que em full hd, há muita diferença em ter um jogo rodando a 60FPS com monitor 60HZ e outro rodando 144FPS em monitor 144HZ?

    Notar que eu tbm vou usar o monitor para jogar no PC, por isso dependendo da placa vou conseguir rodar os jogos com maior FPS. Estou pensando em uma GTX 1060

    Porém todos os monitores que pesquisei, mesmo com 144HZ, eles usam um painel TN, o mesmo do meu atual monitor/TV, por isso fico em dúvida em relação a qualidade de imagem.
    A diferença de preço de um monitor 1080P de 60HZ para 144HZ é muito grande (de 30% a 60%). Será que vale mais à pena comprar um desses monitores TN com 144HZ ou um com painel IPS com 60HZ?

    Estou achando que esse negócio de 144HZ é mais pra pessoas que jogam profissionalmente ou possuem olhos extremamente “treinados”.

    Os monitores que andei vendo são:
    Monitor Benq Zowie RL2455 – Full HD – Painel TN 24″ – 60HZ
    Monitor ASUS VG248QE – Full HD – Painel TN 24″ – 144HZ
    Monitor ASUS MX239H – Full HD – Painel IPS 23″ – 60HZ

    Se puder esclarecer um pouco sobre este assunto, fico muito grato.

    • Vamos lá a ver começemos pelas tecnologias dos monitores.

      Os ecrãs TN (Twisted Nematic) são os mais antigos. É uma tecnologia já obsoleta, mas muito comum ainda porque é barata e permite monitores a baixos preços. No entanto não tem só desvantagens pois é uma tecnologia muito rápida e permite tempos de resposta elevados, o que em monitores de gaming é algo muito interessante.
      O grande problema deles é a qualidade da reprodução de cor, bem como o angulo de visão, onde as cores distorcem ao olhares para o monitor de lado (mais ou menos depois depende da implementação).

      Os ecrãs IPS são mais recentes e possuem melhores cores, e especialmente melhores angulos de visão. E apesar de poderem ter melhores tempos de resposta, eles são mais dificeis de encontrar que nos TN.

      Quanto aos Hz elevados, eles são muito pouco relevantes. Os FPS são o número de fotogramas que uma placa gráfica debita por segundo. E quantos mais, melhor!
      No entanto, acima de 60, os nossos olhos já não distinguem grande coisa, e daí que os 60 se tornaram uma referência.
      Os Hz representam o número de vezes por segundo que o monitor/tv desenha o ecrã. E isso quer dizer que a 60 Hz o monitor pode desenhar os 60 fotogramas. A 144 Hz, ele pode desenhar até 144 fotogramas.
      Apesar de mais parecer melhor, não é bem assim. Porque num jogo de 60 fps, um monitor a 144 Mhz continua a desenhar o ecrã 144 vezes.
      Se o jogo desse 60 hz, e o monitor desenhasse 120 vezes, basicamente no tempo de cada fotogramas, o monitor desenhava o ecrã duas vezes, ou seja, vias cada fotogramas em cada 2 refrescamentos o ecrã. Mas 144 hz não é um numero que possa dividir por 60. E isso quer dizer que alguns fotogramas se vão manter por mais do que dois refrescamentos. E este desiquilibrio pode ser visualmente perceptível.
      Basicamente não há muita vantagem em ter mais de 60 hz, a não ser que jogues a mais de 60 fps. Alguns jogadores jogam jogos a mais de 60 e querem monitores que acompanhem, mas isso não é uma vantagem para todos.
      Dado que a 1060 tambem não é uma placa muito adequada a dar mais de 60 fps, é preferivel ligares o Vsync nas drivers e optares por um monitor 60 Hz. Se tivesses uma GTX 1080Ti ou suas, aí sim, recomendaria mais Hz.
      Nota porém que o monitor a 144 Mhz provavelmente tem tratamento de imagem e Interpolação de frames, o que resolve o problema que refiro, e a fluidez de jogo lá será superior. No fundo não há mal nenhum num monitor 144 Hz e se o puderes pagar… paga. Mas neste caso, a minha resposta é orientada na questão do preço, que parece ser o teu problema. E dado que o que se ganha não é assim tanto, não tenhas muito problema se não quiseres pagar mais pelos 144 Hz.
      Mas o ideal é 144 Hz num painel IPS ;), seguindo de 60 num painel IPS. Os TN evita se puderes.

      • PERFEITO Mário. Obrigado pela sua explicação, sempre bem detalhado e de acordo com a realidade de quem pergunta.
        Vou seguir seu conselho e optar por um monitor IPS, mesmo que 60HZ. Aqui no Brasil vai ser difícil achar IPS 144HZ por preços justos.

        Me corrija se eu estiver errado, mas há vários vídeos mostrando a diferença de imagem em 60HZ e 144HZ, porém como vamos conseguir distinguir as diferenças se estamos a olhar estes vídeos em um monitor de 60HZ? Tem muito entusiasta que ao invés de ajudar acaba atrapalhando. Não se colocam no lugar de quem pergunta. Você passa o que espera, preços, qualidade…etc e os caras acabam falando pra vc comprar um produto que custa 2X, 3X mais caro do que vc está disposto a pagar… daí fica difícil.

        • Estes monitores 144 hz normalmente fazem interpolação de imagem, pelo qie colocares um jogo 30 fps em ambos notas mais fluidez no de 144.
          Isso é um ponto a favor dos monitores com maior refrescamento. Mas a questão que me colocas é se isso justifica o maior custo. A resposta é sempre relativa na medida que é melhor. Mas é muito melhor? Sofre-se muito não tendo isso? Não!
          Digamos que não é uma necessidade, é um luxo.

          • Os 144 hz de um monitor que corra a 30 fps não aumenta a fluidez, pois os fotogramas que ele desenha a mais são repetidos, a imagem ganha qualidade mas não me parece que haja mais fluidez, pois ele mostra 2 ou 3 frames iguais e depois é que faz a alteração, ou seja o tempo de resposta é dada pelos 30 fps…digo eu

          • Importante

            Antes do mais o meu pedido de desculpas a ambos Vitor Calado e acima de tudo Rafael Peres a quem dei a informação.
            As conversas sobre monitores a meio de um artigo sobre consolas deixaram-me confuso, e a certa altura a minha resposta estava já direccionada para a tecnologia das TVs. Isso aconteceu pois respondi a isto ontem em plena páscoa, e na festa com a familia, via telemóvel, com pausas pelo meio do que escrevia, o que ajudou a essa confusão.

            Eis aqui a correcção:

            Os monitores por norma não fazem interpolação. Daí os seus baixos tempos de resposta.
            O refrescamento mais alto tem como consequência exactamente a repetição de fotogramas nas frequências mais baixas, podendo criar-se uma situação de o número de fotogramas não ser repetido por igual, mas com isso a acontecer num espaço de tempo muito curto (neste caso 1/144 de segundo), o que é pouco perceptível.
            A vantagem está nos fotogramas acima de 60 que nos monitores de 60 Hz requerem Vsync ligado, mas nestes, até 144 fps, não.
            O Vsync pode depois causar problemas com fotogramas abaixo dos 60, tendo de ser ligado e desligado, um problema que nos 144 Hz não existe.

            No fundo isto em nada altera o que disse quanto ao facto de 144 Hz não ser verdadeiramente uma necessidade, mas ser efectivamente melhor e a melhor compra. A questão é que entrei pela questão da interpolação de imagem e não deveria tê-lo feito pois a pergunta não era sobre Tvs.

Deixe um comentario

O seu e-mail nao sera publicado.


*