Será o conceito da Lockhart uma boa ideia?

Será que uma consola de nova geração destinada a oferecer a mesma a quem tem apenas TVs 1080p é uma boa ideia? Neste artigo vamos pesar os prós e contras!

Olhando para o conceito da Lockhart, a ideia que pode surgir é que se trata de uma excelente jogada a nível de conquista de mercado.

Criar uma consola, capaz de entrar na nova geração, mas que possui apenas a capacidade gráfica para alimentar TVs 1080p, servindo o mercado destas TVs, e sendo mais barata, soa a algo de extremamente interessante. Afinal, se olharmos para o mercado, a maior parte das Tvs existentes são 1080p ou menos, daí que os 4K, apesar de estarem em crescimento, são ainda um mercado de nicho. E nesse sentido, oferecer uma solução mais económica, que oferece a qualidade de nova geração, mas sem despender performance no cálculo de pixels que pessoas com TVs não 4K nunca veriam, parece uma boa ideia.

Aliás, caso estas consolas trabalhassem numa resolução superior a 1080p (nas não 4K), fazendo downsamplig para 1080p, a qualidade de imagem ficaria ainda superior ao oferecido pelos 1080p nativos, criando-se naturalmente uma espécie de anti-aliasing de alta eficiência.

Uma consola mais acessível garantiria mais vendas e facilidade de penetração no mercado. Independentemente da performance que a consola concorrente pudesse ter, uma consola mais acessível e capaz seria sempre um produto interessante, e certamente venderia bem.



A luta por uma quota de mercado deixaria de passar apenas pelo modelo mais potente, mas igualmente pelo modelo mais barato. E esta situação não parece ter contras…

Ou será que tem?

Segundo o que se tem vindo a referir, os developers dizem que sim.

Aparentemente a maior queixa é a quebra significativa de Ram. Mas neste artigo nem vamos admitir essa situação. Vamos apenas aceitar que a Lockhart está devidamente escalada, e analisar outros possíveis problemas.

Infelizmente, existem uma série de cenários que mostram que um conceito como o da Lockhart poderá não ser algo assim tão bom, e existe mesmo um em que o conceito se poderia mostrar arrasador para a XBox. Vamos ver os vários cenários.

Caso 1 – a Limitação pela consola mais fraca



Existir uma consola menos capaz obriga forçosamente a que os jogos sejam pensados de forma a correr nas duas. Ora elas seriam duas consolas devidamente pensadas para escalar exactamente a mesma coisa, com a mesma qualidade, mas em resoluções diferentes. E tal parece eliminar qualquer problema, especialmente se o CPU for o mesmo (se não for a coisa complica e muito), e a memória e largura de banda adequada igualmente às resoluções e texturas nelas usadas.

Mas esta situação tem um problema. Está a forçar resoluções nas consolas. E a partir do principio que uma correrá a 4K e a outra a 1080p!

Mas a realidade é que se a Microsoft impuser essa limitação e a Sony não fizer o mesmo com a sua PS5, o que poderá acontecer é o aparecimento de jogos na PS5 que tirando partido da totalidade da performance da consola, trabalham com resoluções mais baixas e re-constroem a imagem para os 4K. Teoricamente poderíamos ter um jogo que rendesse nativamente a 1080p, e que com o uso de técnicas de reconstrução avançadas, conseguissem elevar a resolução com elevada qualidade para os 4K.

Tal permitiria usar a performance do GPU no aumento da qualidade gráfica em vez do simples processamento de pixels, e os resultados seriam absolutamente assombrosos a nível do que se poderia obter.

Infelizmente estes jogos nunca poderiam passar para a Xbox, uma vez que caso a Anaconda usasse toda a sua capacidade para render a 1080p, a Lockhart, assumindo o correcto escalamento do hardware pura e simplesmente teria de render a uma resolução 4x inferior, ou seja 960×520. Recorde-se que, comparativamente, isto é menos que as resoluções usada pela Xbox 360 em 2005!



Ora uma coisa é reconstruir uma imagem a partir dos 1080p uma resolução onde a densidade de pixels no ecrã já é elevada, e subir para 4K, mas outra é pegar numa resolução baixa onde a informação presente no ecrã pura e simplesmente não existe e aumentar a mesma.

Vamos ver isso com um exemplo. Vejam a seguinte imagem!

Apesar que a imagem de cima não está a 4K, a imagem original é 4K, e será dela que vamos retirar os extractos que se seguem, obtidos ali na zona assinalada a vermelho.



Esta imagem é então um extrato da imagem de cima, adaptada ao espaço de visualização da PCManias, e que permite ver o nível de informação que é possível conter-se naquele pequeno pedaço da imagem numa TV com resolução 4K.

Seria esta o nível de pormenor que teriam naquele pedacinho de ecrã com uma resolução nativa de 4K.

Vamos ver agora o que teríamos a 1080p. Para isso reduz-se a resolução da imagem total, e retira-se novamente o extracto, re-escalando novamente para a mesma área de ecrã para que se percebam as diferenças. E o resultado é o seguinte:

Como se vê, o nível de pormenor é menor. mas o nível de pormenor para se trabalhar num re-escalamento com novas metodologias é ainda grande. Certamente o resultado nunca seria igual ao original, mas poderia ainda ser surpreendente.



Vejamos agora o que aconteceria se a imagem global fosse 960×512, e que informação haveria neste mesmo pedaço de imagem.

O que temos ali é uma salgalhada de pixels. A informação pura e simplesmente não existe, pelo que se passar de 1080p para 4K poderia permitir resultados supreendentes, aqui a coisa não é tão linear. Porque pura e simplesmente a informação não está lá.

Isto não quer dizer que usando vários fotogramas a coisa não pudesse melhorar, mas a realidade é que o resultado seria sempre sub par, e ao nível da geração anterior.

Para verem com mais detalhe, eis um dos carros ampliados.



4K

Apesar de estarmos a lidar com uma percentagem ridiculamente pequena da imagem global reparem no nível de pormenor que ainda existe no carro. Percebe-se o contorno das rodas, os pilares dos vidros, a grelha frontal, etc.

1080p



A perda de pormenor é gigante. Mas mesmo assim, apesar de com muito menos detalhe, distinguimos as rodas, os pilares e a grelha.

512p

Se alguém consegue perceber que está ali um carro… os meus parabéns pela fértil imaginação!

Caso alguém duvide do que aqui foi feito e queira replicar por si a situação, eis um link para a imagem original. O carro ampliado é o que está à direita do candeeiro no centro da imagem.



Basicamente a ideia a transmitir é que mesmo que a Lockhart usasse IA, ou outra metodologia avançada para a reconstrução da imagem para 1080p, os resultados seriam sempre fracos. Estávamos com algo inferior ao apresentado pela actual geração, e algo que em nada beneficiaria a imagem da consola. Tal obrigaria a que a Lockhart tivesse de render a 1440p o que neste caso já atiraria a resolução para algo mais aceitável na ordem dos 720p.

Seja como for, estarmos em 2025 com ecrãs de 65″ a correr jogos a 720p não parece exactamente algo adequado a uma nova geração. Especialmente quando uma pequena consola de 50 euros a funcionar por streaming poderia oferecer os 4K da Anaconda.

Caso 2 – Uma PS5 de meio de geração

Se a situação de cima já mostra limites ao conceito de Lockhart, o que aconteceria se a Sony lançasse uma PS5 Pro para 8K?

Basicamente a Microsoft ficaria com uma Lockhart numa posição super ingrata. Num jogo onde tanto os 4K como os 8K fossem reconstruidos,  A Microsoft poderia ter de lidar com uma consola que seria forçada a trabalhar em 1080p reconstruidos. Basicamente uma resolução nativa de 2005 para uma consola activa em… 2026



Este cenário seria mau demais para a XBox, o que levaria a Microsoft a provavelmente tornar a Lockhart numa consola de streaming. E isso teria duas consequências:

1 – Basicamente a consola não precisava de ter a potencia que tem e o que se pagou foi em demasia. Ou seja, seria um produto caro para mero Streaming!
2 – A consola mais barata basicamente apresenta uma qualidade muito próxima da mais cara, tornando o dinheiro pago originalmente pela mais cara num desperdício.

Isto parece um bom cenário a alguém?

Caso 3 – O ver os degraus, mas não ver a escadaria.

A ideia da Microsoft com a Lockhart é oferecer uma solução competitiva a nível de preço. Uma consola que possa funcionar tão bem como a mais cara, mas a um preço bem inferior, e trabalhando a resoluções inferiores.



Ora apesar de tal poder parecer uma boa manobra comercial, sabe-se que os criadores de software não estão entusiasmados com a ideia. Para além dos problemas anteriores, o que é mais abordado é a fraca potência da consola. Segundo o que se fala, a consola é, a nível de especificações, comparada a uma PS4 Pro algo melhorada.

Ora aceitando que o CPU, o SSD e a RAM não são prejudicadas, estaríamos a falar apenas de performance gráfica. E sem sabermos quais os ganhos envolvidos, refere-se que este será um GPU de 4Tflops, que apontará aos 1440p, exactamente o mesmo que faz atualmente a PS4 Pro. Mesmo com mais RAM, um SSD e um bom CPU, isto é um prender da consola superior a algo não muito melhor gráficamente que o oferecido pela atual geração

Ora o que nos parece estar a acontecer é que a Microsoft está de tal maneira focada nesses degraus que são a luta pelo inicio da nova geração, que falha em ver que as consolas tem já um longe percurso, que define uma escadaria.

Daí que se coloca a questão:

Como é que a Microsoft vai convencer as pessoas que uma consola de nova geração com menos de 6 Tflops e com especificações semelhantes à PS4 Pro é mais capaz do que a Xbox One X, superior à PS4 Pro, ainda por cima sendo vendida ao mesmo preço ou mais cara que a X?



Repare-se que a Xbox One X está a ser vendida a 350 euros a um ano do lançamento de novas consolas. Daí que mesmo que ela desça para 300 euros 2, 2020, a Lockhart será lançada a um preço que não será inferior. Estamos a falar de um GPU de última geração, de um SSD e de um CPU de topo!

Mas mesmo assim, a nível de capacidade teórica da placa gráfica, estamos a falar de algo inferior à X. Algo que não é capaz de atingir os 4K, quando a X conseguia. Colocando na Lockhart um jogo de atual geração, temos CPU de sobra, temos velocidade de disco acelerada, temos memória de sobra, mas o GPU não tem performance para ir aos 4K nas mesma condições da X. Com retrocompatibilidade de jogos, é um salto para a frente numa mudança de geração, que deixa o pé atrás.

Daí que mesmo que se explique às pessoas que a X não tem Ray Tracing, que a X não tem SSD, que a X não tem tanta RAM, quando alguém compra uma consola que é teoricamente mais potente que a que a sucede certamente vai querer suporte para ela.

A Switch não tem as capacidades gráficas das consolas de mesa… E tem o The Witcher, o DOOM, o Alien Desolation (até melhor que a versão PS4), o Sniper elite 3, e tanto, tantos outros jogos. Daí que mesmo que capada gráficamente o suporte está lá! E se a Switch tem, porque a X, com mais Tflops não pode ter?

Ah… mas a X não tem o CPU da Lockhart. Pois não… nem a Switch tem o CPU da PS4 ou Xbox One… e os jogos estão lá!

Ah, mas a X não tem SSD. Pois não… e a Switch tambem não tem um HDD como a PS4 e a Xbox One… e os jogos estão lá!

Basicamente o que nos quer parecer é que a Microsoft se pode estar a meter por caminhos onde as pessoas não vão perceber o corte de suporte à X. E isto porque a consola que a sucede possui menos capacidade de processamento gráfico que ela, e nem todos os jogos de nova geração usarão mais CPU do que o que X pode oferecer.

Ora todos sabemos que os jogos Switch estão na Switch não porque a Switch seja milagrosa, mas porque a Switch tem performance suficiente para o fazer. Ou seja, não há milagres no CPU e nem no cartão de memória. Basicamente os jogos estão lá porque o CPU e a velocidade de leitura do cartão são suficientes para o que o jogo exige, e nunca levaram as consolas de mesa ao limite nesses parâmetros. Se tal não acontecesse o jogo não estaria lá!

Mas explicar isso às pessoas? Nem todos os jogos da futura geração usarão o novo hardware ao máximo. E se é assim, porque motivo a X não pode ter esses jogos? É mais potente!

Sinceramente não gostava de ser eu a ter de explicar isto a um mercado de massas! Especialmente dado que a ideia da Microsoft é alcançar o mercado PC e nesse mercado ela vai alcançar uma grande variedade de hardware com capacidades diferentes.

Daí que não me admiraria se a Lockhart até viesse a fazer mais cortes do que a mera resolução, e não me admiraria que níveis de detalhe aparecessem nas Xbox de forma a poder livrar o CPU de chamadas de desenho e poder meter os jogos na X.

Ou por outras palavras, uma das consequências da Lockhart poderá ser o tornar a Xbox num PC perdendo o que resta da identidade consola.

Nota final: Naturalmente que não sabemos o que será a Lockhart, ou quais os planos da Microsoft para ela. Na prática a coisa pode nem sequer ser como aqui descrita. O artigo baseia-se em realidades actualmente existentes e não em tecnologias ou técnicas futuras que são nesta fase desconhecidas. Basicamente este é apenas um cenário possível, e baseado naquilo que é a tecnologia actual e que todos conhecemos. Falar para além disso seria especular demais, pois apesar de já sabermos que IA aplicada ao video pode fazer uma reconstrução de imagem de nível superior, duvida-se muito que com resoluções originais tão baixas, a mesma possa fazer milagres! E dado que o Ray Tracing, algo que deverá ser standard na próxima geração, é aplicado à imagem debitada antes de qualquer tipo de processamento de re-construção, a qualidade no resultado final perante uma resolução tão baixa ainda se torna mais complexa de se perceber.

Basicamente o que eu refiro em cima faz certamente parte das queixas que se tem vindo a referir existirem vindas dos criadores de software perante a existência de uma consola como a Lockhart. A mesma vai limitar o que pode ser feito, e isso não é bom nem para quem compra a consola mais barata, nem para quem compra a mais cara, podendo, dependendo do caso, até afectar quem comprar a da concorrência.

 

 



90 Comentários
Antigos
Recentes
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
By-mission
By-mission
5 meses atrás

Eu via a Lockhart pelo caso 1 hoje me fizeste pensar no caso 3 e creio eu que a Dona Sony vendo as ridículas vendas da sua PS4Pro não vai meter o pé na poça outra vez. Digo a PS4 foi uma console praticamente impecável nessa geração retirando o maior erro da geração que é a PS4Pro…
Se no próximo ano mesmo em desvantagem a Sony vir de conversinha de meio de geração (como já estão aparecendo alguns rumores) acho que eu como alguns milhares de jogadores mais atentos vão ficar no receio de dar o salto..

Não digo que serão todos mas sim existe bastante pessoas que apesar de não precisar de um diploma em computação sabe a diferença entre a PS4 e a PS4Pro!

AlexandreR
AlexandreR
Responder a  By-mission
5 meses atrás

Para que esperar para a ps5 pro?
Jogar 8k? A ps5 e a Xbox scarlet vão estar perto da resolução 4K ou até vão ser nativos
Vão ser poucas as pessoas que vão ter televisores 8k 😅
Ainda hoje o 4K não está implementado corretamente…
Só temos 4K em alguns canais e alguns streamings (Netflix), até os dvds continuam a ser vendidos a resolução de 1080p.
Acho que poderá haver revisões do hardware como é costume, mas não creio numa ps5 pro ou numa versão a meio da geração

Carlos
Carlos
Responder a  Mário Armão Ferreira
5 meses atrás

Mario, qual a resolução ideal para termos um salto equivalente ao do ps3 para ps4 com possíveis 12tf dos rumores do xbox scarlett? 1440p ou 1800p?

AlexandreR
AlexandreR
5 meses atrás

Algo me diz que isto vai ser uma “selva” quando sair a nova geração!
Já viram a quantidades de consolas que vão existir ?
Os programadores vão ter que fazer versões para: Xbox one, Xbox X, Xbox lockhart, Xbox Scarlet, ps4, ps4 pro e ps5!
Isto é o que vai acontecer para os programadores, no início da geração, havendo jogos em ambas as gerações ( também devido ao número de consolas já vendidas no mercado)
E depois é como o Mário refere a lockhart ter menos performance que a X…
Eu acho que a ps4 pro e a Xbox x ainda vão ser pelos menos suporte das companhias third Party.
Se adaptam o jogo para a lockhart porque não fazer o mesmo para a ps4 pro e Xbox x?
Os acionistas querem dinheiro e mais jogos venderem, melhor…
Sinceramente acho que ainda vamos ter um suporte e lançamento de jogos na ps4 pro e Xbox x durante no mínimo uns 3/4 anos ou talvez mais!
O que sendo verdade, só a partir daí começamos a ver mais partido das consolas da nova geração

bruno
bruno
Responder a  AlexandreR
5 meses atrás

E o resultado da caixa de pandora aberta com as consolas de meio de geracao.

E e exatamente por haverem pessoas que preferem aguardar para ver o que vai sair (e noa tenhas duvidas que esse numero vai existir) que acredito que a estrategia da MS em lancar duas logo no inicio e correta. Nao ha volta a dar ao assunto – quem vai dar o salto sabendo que ha um risco de um modelo mais poderoso poder ser lancado depois? Isto vai prejudicar as adopcao incial (que e dos fatores mais cruciais ao sucesso de uma nova geracao), as vendas inicais e comprometer o sucesso da nova geracao a nao ser que as empresas venham jogo desde o inicio com os dois modelos.

Claro… pelo historial da MS sabemos que lancar novo hardware numa mesma geracao com features unicas (algo que a Sony nunca fez ate a Pro e mesmo a Pro foi conservadora nesse aspeto), nao e problema nenhum, portanto que ninguem se iluda ao pensar que lancar dois modelos de inicio impede a empresa de lancar mais um modelo mais tarde, ou ate que a empresa tera problemas em deixar a consola de entrada com problemas em acompanhar o resto.

Sobre os valores da PS4 Pro, na lockhart, isso e a coisa que para mim e mais dificil de compreender. O Fernando referiu corretamente que isso pode ser valores brutos em RDNA, o pode inidicar que a performance pode estar proximo da X em GCN. No entanto acredito que uma RX 5500 ja ultrapassa a X em potencia… por isso nao compreendo muito bem esta decisao para uma nova geracao, a nao ser… preco.

O risco desta estrategia e apenas um: a MS nao sabe o que a Sony esta a fazer ou quais os planos da empresa. Logo definir modelos de entrada e outros… so sera util se houver uma clara ideia dos niveis de performance espectaveis.

AlexandreR
AlexandreR
Responder a  Mário Armão Ferreira
5 meses atrás

Infelizmente aconteceu isto…
Mas atenção, os jogos podem ser criados de raiz para a scarlet e ps5 e depois serem adaptados para a lockhart.
E se a mesma não acompanhar, corta se na resolução!
Pelo menos se eu fosse diretor de programação de um estúdio, era o que iria fazer.
Pelo menos é uma opção que os estúdios tem. Claro que iria limitar os estúdios First party , mas os Third party não tem que fazer igual. Diria que irá limitar os estúdios da Microsoft

bruno
bruno
Responder a  Mário Armão Ferreira
5 meses atrás

Sim seria esse salto, mas com os 4K em cima, nao sei se seria um grande salto. estamos na mesma a falar de 2 a 3 vezes (e preciso nao esquecer que precisaste de um sistema de 4.2 tflops ou de 6 tflops) para rodar os jogos da atual geracao a 4K (reconstruidos).

bruno
bruno
Responder a  Mário Armão Ferreira
5 meses atrás

A Pro e a X fazem reconstrução. São aliás a base da atual geração, a 30 FPS, 4K reconstruídos. Tens um salto de 3x, sensivelmente.

Eu lembro-me desse artigo e tu mesmo consideras 4 TFLOPS extra para melhorias que não resolução. O mesmo que a MS considera da ONE base para a Lockhart.

bruno
bruno
Responder a  Mário Armão Ferreira
5 meses atrás

Para 1080p são necessários 6.67 TFLOPS GCN. Isso qto da em TFLOPS Rdna?

bruno
bruno
Responder a  AlexandreR
5 meses atrás

Podes cortar na resolucao ate um limite.

O que ninguem parece compreender e que tendo mais recursos de hardware nao poes so resolucao. Isso ocorreu com a atual geracao porque as consolas foram feitas para isso e porque haviam directivas internas a proibir que os jogos nao fossem lancados na base.

A questao e que podes usar os recursos do GPU para modelos mais detalhados, efeitos como animacoes, e reaccoes e maior detalhe. Basicamene, maior numero de poligonos!

Nao e so cortar!

Alias, falou-se imenso da Switch mas o que e que a Switch tem recebido? Alien Isolation que foi um titulo cross-gen de 2013/2014 e que rodou na 360 e PS3.

The Witcher 3, um titulo de inicio de geracao cujo grafismo fica abaixo do que foi conseguido em exclusivos como Rise Son of Rome ou Infamous SS.

Ou wolfenstein, que por si mesmo tb nao e o pinaculo no que diz respeito a grafismo. Coloca um titulo como RE2 ou AC Origins a tentar rodar nesse sistema e ve se da!

Estes GPUs premitiram efeitos de particulas, mundos abertos imensos e detalhados com imensos elementos no ecra, reconstrucao de resolucao e muita muita coisa.

bruno
bruno
Responder a  Mário Armão Ferreira
5 meses atrás

Desculpa-me Mario, mas com o panorama atual de hardware nao ha placa no mercado que justifique um salto geracional. E sim, enquanto cliente quero um salto igual ao da PS2-PS3, mesmo que para isso a geracao precise de 7-8 anos. Prefiro esperar mais e ter um bom hardware (e basta olhar para o proximo ano para se perceber que esta geracao aguenta a vontade ate 2021) do que ter uma nova geracao que e tudo menos isso. E como venho a dizer ha anos, os precos das placas estao altamente inflaccionados para o que e oferecido.

Eu acho tudo isto (que e preciso entender nao passam ate agora de rumores e a realidade pode ser bem diferente) e estranho, sobretudo a MS sentir necessidade de anunciar ja a Scarlett (e pelos vistos o anuncio esta para breve).

Que e um salto minusculo, isso e, mas ja por isso digo que 2021 e a data ideal.

bruno
bruno
Responder a  Mário Armão Ferreira
5 meses atrás

Pelo contrário! Com as consolas a serem lançadas neste intervalo de performances e com os GPUs a custarem o que custam atualmente, o mais provável é até que lancem a meio de geração a ser o salto que esta devia ter sido nos próximos 2 ou 3 anos.

Estás placas são as performances limitadas por arquitecturas dos 28 nm!

daniel
daniel
Responder a  Mário Armão Ferreira
5 meses atrás

O salto pode ser um pouco maior do que dizes, caso seja RDNA 2.0, mas tirando isso, perfeita a análise. Eu entendo que o Lockhart pode ser a oportunidade de muitos colocarem 1 pé em uma nova geração já no início dela, só que nunca os 2 pés, coisa que só o Anaconda e o Ps5 farão. Uma coisa que eu não entendia, mas agora compreendo é que o Anaconda ficará sim limitado, principalmente na questão dos exclusivos, pois se uma The Initiative da vida (estúdio que eu aposto muito) resolver elevar a outro patamar o nível dos gráficos e mantendo uma boa tx de quadros, mas para isso precisarás descer para um 1440/60 checkerboard. Ainda assim o jogo ficaria lindo, talvez imperceptível numa tela de 60 polegadas 4k. O problema é que na hora que fizer o escalonamento para o lockhart, e ter que buscar algo abaixo de full HD, talvez um 900P, ai começa a surgir o problema, pois esse jogo numa TV 4k (será o padrão no médio prazo) ficará uma bizarrice. Um Lockhart nunca abaixo de 1080P prejudica o Anaconda sacrificar um pouco de resolução em prol dos demais elemntos que não sejam a resolução de um jogo.

Carlos
Carlos
Responder a  Mário Armão Ferreira
5 meses atrás

Mario, se a Sony vir somente com um console de 11tf o console mais fraco da Microsoft vai ficar de escanteio. O PS5 vai ser o console base das desenvolvedoras, o mercado não vai adotar o mais fraco como padrão se ele for muito mais fraco que o ps5, a única chance do lockhart vingar e atrapalhar na evolução dos jogos é se o ps5 não for tão bom quanto acham que será.

Carlos
Carlos
Responder a  Mário Armão Ferreira
5 meses atrás

Estou falando do lockhart.

Carlos Zidane
Carlos Zidane
5 meses atrás

Ler esse artigo que é muito bem feito a propósito, dá até desânimo pra falar a verdade.

E quando leio um comentário do tipo, “vou esperar sair o Pro”, e tem tido bastante desses comentários, imagino como isso poderá prejudicar o andamento da nova geração a entregar o que ela realmente será capaz.

bruno
bruno
Responder a  Carlos Zidane
5 meses atrás

Exatamente. Esta sera a postura das pessoas e por isso e que lancar dois modelos logo no inicio e uma necessidade – ou entao a taxa de adocao sera mais reduzida que na geracao passada.

bruno
bruno
Responder a  Mário Armão Ferreira
5 meses atrás

A unica coisa que a Pro trouxe foi um acrescimo de resolucao. Sobre o impedir que as consolas fiquem 6 anos estagnadas isso nao depende da Pro e esta consola nao impediu coisa nenhuma, porque roda os mesmissimos jogos, sem diferenca gerais excepto a melhor resolucao e o HDR.

Sobre o esperar – e como digo, as pessoas agora vao espera-lo. Tiveste reaccoes neste site de pessoas a dizerem que nunca mais apoiam modelos de lacamento e aguardam. Pode nao ser toda a gente mas havera quem vai esperar. Antes desta geracao as pessoas sabiam apenas da Slim.O mesmo modelo, somente mais pequeno. Agora sabem que a o modelo base e a Pro, logo ou as empresas se comprometem em nao lancar o modelo mais poderoso (o que ainda assim cria duvida, ou lancam os dois no inicio.)

Sobre o chuchar no dedo sem a evoucao tecnologica, nao tenhas duvidas que nao ha problema para muita gente em esperar um catalogo mais composto e recheado na nova geracao.

E relativamente ao tipo de pessoas que o vao esperar.. e muito simples, serao os later adopters aqueles que foram seduzidos para trocar de consola esta geracao pelo preco convidativo da Ps4 e pelo cansaco de uma geracao de 7-8 anos, Cansaco este que nao existe na atual geracao, sobretudo com Ghosts e TLoU part II a chegar em 2020.

Sobre o retroceder a evolucao, isso nao impede. Se a lockhart permitir os mesmissimos jogos (e neste momento estamos apenas a especular) mas a 1080p com a Anaconda a permitir o mesmo a 4K entao a parte do grafismo puro esta coberta no modelo base e o melhorado (tal como ocorreu com a Pro e a X apenas permite o mesmo a maior resolucao) oferece apenas maior acuidade visual sobre o mesmissimo jogo.

Tu esqueces que os 12 Tflops tem que permitir 4K. Logo nao deves compara-los com os 1.3 Tflops a 1080p mas com os 6 Tflops/4.2 Tflops a 4k. E tens nos dois casos um aumento de 2-3x.

Concordo contigo e que e arriscado porque e preciso definir o standard, e ao contrario desta geracao o standard base nao esta definido logo e um gambling. Se a Sony avancar com 8 Tflops para 1080p e 16 Tflops para 4K esmaga a Xbox.

Fernando Molina
Fernando Molina
5 meses atrás

Estou começando a ficar desanimado com essa nova geração, penso em pegar um Scarlett no lançamento, mas agora fica complicado pagar um absurdo em um novo console e saber que ele será limitado por um de menor potencia e que provavelmente custará metade do valor, aí penso em então investir inicialmente no PS5, mas aí uns 2 dois anos depois já começam aparecer noticias de uma versão Pro do mesmo, acho que pela primeira vez vou esperar um bom tempo pra entrar em uma nova geração, culpa dessa porcaria de geração atual que deu o pontapé nesse maldito conceito de consoles premium

Rui
Rui
5 meses atrás

Nao existe nada oficial ainda é tudo especulação e rumores.

Eu pessoalmente e li o artigo todo agrada me esta ideia da lockhart, da uma hipótese de escolha ao consumidor, eu nao acredito que seja tao intrusiva a lockhart face a anaconda no fundo é a mesma maquina com um gpu inferior e se ha coisa que as consolas sao boas é no escalonamento e otimização a switch é um exemplo.

Quem comecou com esta pratica de consolas mid gen nao foi a microsoft foi a sony, agora provalmente a microsoft vai estrear o modelo de duas versões com diferencas de performance no lancamento.

Dois apartes a questao da resolução, estamos em 2019 e os 1080p e abaixo sao a grande maioria por isso calma la com os 4k e especialmente nos 8k que ja se fala por ai, eu próprio tenho a one X e nao optei por comprar para aonde tenho a consola um ecra 4k, jogo a 1080p. E nao prevejo que em 2026 os 4k sejam a maioria ate acho que os 1080p podem dominar cada vez menos claro ate perto de 2028. Logo a ideia de uma consola de nova geracao mas com um gpu para os 1080p 1440p nao me parece descabida.

E por fim o beleza dos graficos e fotorealismo, as atuais consolas já tem gráficos sensacionais e fotorealistas, sao bonitos mas sao estáticos e aqui entra o ryzen das proximas consolas a verdadeira revolução nao esta no grafismo mas na interatividade dos jogos, na fisica, na ia.

Isto aliado a memoria maior mais rápida, ao ssd, e a gpu mais poderosos e modernos.

Imaginemos que a lockhart é tudo o que se diz por ai, alguem duvida que uma maquina daquelas nao mete uma X e uma pro no bolso? Se o cpu for o mesmo da anaconda nao é preciso temer nada.

Ewertom
Ewertom
Responder a  Mário Armão Ferreira
5 meses atrás

@Mário desculpe-lá mas a Sony também foi pelo mesmo caminho ou até bem antes da X ser imaginada ou a concepção de uma nova consola com as especificações da Pro se dão do dia para a noite?

Rui
Rui
Responder a  Mário Armão Ferreira
5 meses atrás

O problema aqui sr mario na minha opiniao é os jogos sao cada vez maiores e mais complexos, os devs nao querem é trabalho extra nem sessoes de crunch a otimizar os jogos para as várias consolas, da mais poderosa a anaconda julgo, à switch.

Eu percebo eu se fosse dev preferia pegar na anaconda e espremer a consola ao máximo sem me preocupar depois de andar a cortar para todas as outras e atenção cortes por vezes nao bastam precisam depois de trabalho extra com otimizações específicas.

Vamos ver se o cpu for 100% igual estou tranquilo.

daniel
daniel
Responder a  Rui
5 meses atrás

Não é bem assim Rui. A Questão é que qualquer coisa entre 2.5k e 4k já fica maravilhoso, mas o problema é que para elevar o patamar do jogo como um todo, aumentando física, IA, número de interações no cenário, taxa de quadros, etc, pode ser que o Anaconda e o Ps5 precisem se aproximar mais e mais de um 2,5K ao longo do tempo. O Ps5 não terá essa preocupação (pelo menos inicialmente), ao passo a Microsoft o terá, pois para acompanhar essa proporção, terás que descer a 900p, 720p… e por ai vai no lockhart, como o Mário relatou bem ai em cima. Não vou entrar no mérito de que o Xcloud de alguma forma pode sim auxiliar e complementar aquilo que o lockhart venha a necessitar, mas isso não é algo concreto no dia de hoje, e pode inclusive não ser para a grande maioria das pessoas que venham a obter o console baixo custo, pois este tem fator atrativo principalmente em países subdesenvolvidos. E será atrativo jogar em resolução sub fullHD em 2022, 2023? Eu compraria um lockhart tranquilamente, até porque me facilitaria em ter o combo Xbox+ Gamepass e Ps5+ Exclusivos, muito em função do fator Brasil, mas cada caso é um caso.

Livio
Livio
Responder a  Rui
5 meses atrás

E nem foi a Sony, foi a Nintendo com o New 3DS, afinal a Nintendo cria e Sony e MS copiam!! 😛

Ewertom
Ewertom
Responder a  Livio
5 meses atrás

KKKKKKKKKKkkkkkkkkk…Sem graça.

Julio Esteves
Julio Esteves
5 meses atrás

Mário parabens pelo texto.
Penso que é ariscado lançar 2 consoles, sendo um mais economico nos recursos. Se a MS optar por isto, a SONY vai responder despejando todo o potencial nos seus jogos fisrt party, assim teremos a
Confirmação de exclusivos vendem consoles. Pelo demonstrado graficamente em Death stranding e Ghost of tsushima comparado ao que se tem sido oferecido pela MS as vantagens estão do lado da SONY. Como você mencionou anteriormente a MS está apostando em todos os cavalos e infelizmente transmite a sensação que não sabe o que está fazendo ( e a NINTENDO com sua filosofia vem consolidando seu sucesso).

Livio
Livio
5 meses atrás

Então a ideia da Lockhart disponibilizar 1440p é que na pior das hipóteses o console disponibilize 720p.

Carlos
Carlos
Responder a  Livio
5 meses atrás

Acredito que será para 1080p, quem tem tv 4k “pq pra jogar em 1440p tem que ser na tv 4k”, irá de anaconda, não faria sentido o cara comprar o lockhart.

Tem milhões de jogadores dizendo que não precisam de 4k e que 1080p já tá ótimo, o lockhart é pra esses caras que tem tv 1080p.

Livio
Livio
Responder a  Carlos
5 meses atrás

Falei em 1440p(máximo) na Lockhart mesmo, porque segundo o que venho entendendo é que com 4K na Scarlet terás 1080p no Lock, caso algum jogo tenha o máximo de 1440p na Scarlet terias o máximo de 720p no Lock.

Se o Lock apresentar no máximo 1080p caso um jogo fique a 1440p na Scarlett o mesmo jogo ficaria abaixo dos 720p no Lock. Foi assim que entendi.

@Carlos com o Lockhart a pessoa jogaria em 1080p com supersampling, assim como é no PS4 Pro

Rui Teixeira
Rui Teixeira
5 meses atrás

É possível que a MS não esteja muito preocupada com o que irá acontecer 2 ou 3 anos depois do lançamento das consolas de nova geração, e como tal lhe resultará irrelevante se a Lockhart será ou não capaz de correr esses jogos a resoluções decentes ou se limitará a consola mais potente. Vou colocar aqui um cenário muito mau, mas que cada vez mais o vejo possível, isto tendo visto muito pessoal a comprar ou a querer comprar uma XBoxOne porque está convencido que vai poder jogar todos os jogos por 1€.
A Microsoft irá entrar muito forte na próxima geração, uma consola mais barata para atrair o publico mais casual, que não tem tanto interesse em jogos a 4K, ou um publico que não tenha 400/500€ para investir numa nova consola logo de início, e vendo uma consola mais acessível será muito tentador, e esse público mais casual ignora se a consola num futuro irá correr os jogos decentemente ou se irá prejudicar a outra consola. Ao mesmo tempo a MS coloca ambas a consolas com uns 3 meses de oferta do gamepass, colocando as consolas ainda mais atractivas para este público que não tem muito dinheiro para investir, tendo logo de início acesso a todos os exclusivos e todo o catálogo do gamepass, centenas de jogos pelo preço de uma consola. A MS nos primeiros 2/3 anos irá criando a cada passo ofertas muito tentadoras do gamepass, as que já fez, o serviço a 1€ por x tempo, atraindo o máximo de usuários possíveis.
Desta forma irá, pura e simplesmente, destruir a concorrência, a Sony não terá forma alguma de combater isto, uma consola mais barata, até mesmo a scarlet pode vir a ser mais barata que a PS5 tendo specs semelhantes ou até mesmo superiores. A Sony por muitos jogos bons que consiga lançar nunca conseguirá combater a estratégia da MS, porque esta também irá lançar muitos jogos, uns melhores do que outros, mas certamente irá apostar forte num bom catálogo.
A MS se conseguir manter esta estratégia por 2 ou 3 anos, irá, possivelmente, obter um monopólio, a Sony sem capacidade de oferecer os mesmos serviços ou algo que faça frente aos da MS, ficando-se apenas por grandes jogos, muito provavelmente não conseguirá vender muitas consolas, levando ao fim antecipado da PS5.
Agora se a Sony conseguir aguentar os 2/3 primeiros anos da próxima geração, a MS pode vir a ter problemas, porque mesmo tendo tanto capital, este não vai dar para suportar esta estratégia por muito mais tempo, os serviços irão aumentar de preço, as limitações da Lockhart começarão a ser notáveis e a Sony poderá dar uma reviravolta ao mercado.

Isto é apenas um cenário possível, mais ou menos provável, não sei, mas devo confessar que me assusta.

bruno
bruno
Responder a  Rui Teixeira
5 meses atrás

O que dizes espelha toda a nosso preocupacao sobre o GamePass.
E acredita que esse cenario sempre esteve em cima da mesa. Nenhuma empresa esta neste negocio para perder dinheiro e a viabilidade financeira do Gamepass com jogos do estilo control e muito duvidosa.
E podes acreditar que a Sony nao ignora isso, dai ambas as empresas estarem a apostar em aquisicoes e por isso ambas estarem a ser muito discretas com isso. E mais, a retrocompatibilidade ser importante porque permite ofertas na Plus.

Na minha opiniao, a unica forma de a Sony conseguir combater isso, e lancando (e isto pode parecer um contra-senso), um hardware mais poderoso. Porque o hardware poderoso (para base a 1080p e outro para 4k com a mesma filosofia da Pro) e exclusivos a tirarem completo partido dele, concorrem com a estrategia da MS. Mais uma vez, dai exclusivos importarem. E que na guerra entre subscricao e consolas a diferenca esta nos exclusivos! Porque a verdade e so uma, enquanto a Sony nos da Days Gone, God of War, Death Stranding o que tiveste da MS foram Sea of Thieves sem nada para fazer la dentro, CRackdown 3 e os jogos mais recentes anunciados no XO19. Os jogos de maior valor chegam de 3 em 3 ou de 4 em 4 anos.

Brunoab
Brunoab
Responder a  Rui Teixeira
5 meses atrás

Lembro do rumor que a MS cortou o cheque em branco do xbox.

Eu acho que eles não vão subsidiar por tanto tempo assim gamepass por 1 real.

Nem no Windows Phone eles duraram tempo suficiente subsidiando a plataforma para conseguirem quota de mercado, não vejo eles fazendo o mesmo para video game.

Os fã boys do xbox disseram que era mentira o corte do cheque em branco pq a MS lançou o xoneX e comprou uns estudios flopados de jogos lixo e por isso baratos, o que eu digo que o subsidio do xbox acabou, agora o xbox tem que andar com as proprias pernas.

Brunoab
Brunoab
5 meses atrás

Isso já aconteceu no Outerworlds.

fizeram pra o xoneS e aumentaram a resolução para o xoneX

fizeram para o PS4 e aumentaram a resolução para o PS4 PRO.

resultado? melhor versão é no PS4 e PS4 PRO auhuhauhauha

E vc não falou no PIOR, a MS quer que os desenvolvedores façam o jogo para XoneS, xoneX, anaconda e scalett.

Imagine o salto geracional no xbox, com jogos tendo que fazer cutscene e outras gambiarras para rodar em HD enquanto no PS5 tudo vai ser feito de cara para usar o SSD.

AlexandreR
AlexandreR
5 meses atrás

Já que estamos a falar da Xbox….
Dizem que a Xbox mais poderosa irá ter 12 TF e 16 Gb de ram, sendo 3 GF de ram para o software da consola.Temos estado preocupado com a lockhart que pode ser um travão para o salto geracional, e então os 13 Gb de ram para os jogos??
Desculpem me, mas parece muito pouco!
Eu estava a contar com um mínimo de 24 Gb de ram, acho que 16 é muito “justo”!

daniel
daniel
Responder a  AlexandreR
5 meses atrás

Talvez o Mário possa explicar melhor, mas segundo rumores, um dos já vários benefícios que o ssd nvm2 trará é a alocação de parte de sua capacidade de armazenamento na “virtualização/complemento em memória ram, talvez por conta de sua altíssima velocidade isso seja possível, ai eu não sei direito kkk. Mas nesse mesmo rumor que fala dos 12 TF e 16gb do Anaconda cita algo relacionado a isso.

AlexandreR
AlexandreR
Responder a  Mário Armão Ferreira
5 meses atrás

Então poderia ser uma solução por parte da PlayStation!
Mas será de difícil uso?
Tal maneira que seja mais difícil a programação na mesma?

bruno
bruno
Responder a  AlexandreR
5 meses atrás

Não…

Vamos lá a ver.. os SSD tem diminuído de preço sim mas ainda estão mais caros que os discos mecânicos!

Quando os SSD foram confirmados nas consolas de nova geração muita gente assumiu que ia substituir o disco interno normal.. mas isso pode nem vir a acontecer.

O SSD pelo que foi confirmado vai servir como scratchpad isto é completamento a RAM. A tecnologia não é nova, já existe em placas gráficas profissionais da série Radepn pro que possuem SSD como RAM.

Sobre a gestão, a nova geração irá contar com um elemento presente nas Vega – o HBCC ou high bandwidth cache controller.

É uma evolução dos nove engines da ONE que automaticamente gere a memória entre RAM rápida e ram mais lenta priorizando os dados.

Shin
Shin
5 meses atrás

4k é inútil para a maioria das pessoas e a razão é simples mesmo para aqueles que possui TVs 4k e conteúdo sub é bem escalado. É por isso que a Sony sabendo disso investiu no seu 4K uprendering.

4TF no Lockhart é muita coisa , 8x o Xbox One. As pessoas tem que parar de ver essa medida teórica como factual, rDNA rende 44% sobre Vega no mesmo Float. Xbox One X era 6TF mas um GFX7 nos seus registradores e Polaris na GPU. Isso leva RDNA GPU a pelo menos 70% de ganhos portanto, esses 4TF são como 7TF, quase 2x mais que o PS4pro. Isso faz Lockhart um dispositivo 4K para jogos dessa geração. Leve em conta que ele usa GDDR6 e esse clock sugere um chip baseado em Navi14, portanto é bem provavel que tenha barramento de 192 bits e bus de 336GB/s. Ele tem um SSD ligado a PCIe, e o acesso deve ser 1,5GB/s, isso significa que em 2 passos ele enche toda a memória reservada para textura que pode ser de até 4GB. A bola fora sa Microsoft é memória 12GB é pouco assim como 16GB é pouco para Anaconda mas partindo do ponto que serão jogos equivalentes aos atuais com Ray-Tracing faz sentido. Desenvolvedores passando problema com 12GB? Isso é o mesmo que dizer qhe eles passam problema com o One X, não faz sentido.

A estratégia da Microsoft com Lockhart não é os 1080p e sim substituir o One X por uma divisão mais barata e compatível com a nova geração. Eles oferecerão poder equivalente ao One X por menos de $399. Então será Lockhart dentro da disputa. Enquanto Anaconda é fora da disputa, será claro é mais para marcar presença em uma gama superior ao PS5.

Lockhart vai atrapalhar o PS5? Não! Vai ajudar. O PS5 vai ser 2x mais capaz, o que Lockhart roda a 30 PS5 roda a 60. Você não vera marketing sobre resolução das marcas mas sim sobre Ray-Tracing, no caso o Lockhart é nível Ray-Tracing Neon Noir por software e Anaconda e Nível Turing com aceleração de hardware.

O importante para essa geração é que os consoles sejam bons em Tessellation e o geometry assembler deve diminuir o número de testes aumentando o rendimento. Mais geometria, mais Shaders e portanto, personagens rasterizados de forma mais realista.

Lockhart também facilita a vida da Nintendo, a Nintendo pode lançar em um futuro próximo um Tegra muito próximo a Lockhart. Exemplo Tegra Xavier NX que é uma versão capada desse mesmo chip oferece até 1,5TF com 6TF de convergência. Um Tegra pós ampere de 7 ou 5nm Samsung com RTcores e DLA Cores dará a Nintendo compatibilidade com recursos nextgen. Aí até o PS5 vai passar sufoco.

Tim Sweeney outrora disse que para rodar Samaritan que foi, o primeiro demo com VXGI era necessário 2,5TF. Ele falou isso com base no hardware da GTX590 na época. Estamos longe disso, a questão é que VXGI é a base para o Ray-Tracing Híbrido que como diferença fundamental usa o Ray Casting para executar os testes de cada interseção por pixel, podemos entender que para 4K Ray-Tracing, 10TF é o recomendável, exatamente o que vemos de uma RTX2080.

Isso significa que Anaconda de 12TF é como uma RTX2080Ti? Eu duvido.

Shin
Shin
Responder a  Mário Armão Ferreira
5 meses atrás

Não é genérico é real, por isso RX5700XT obtem resultados igual ou melhores que Vega VII em todos os cenários, sendo essa uma GPU de grande porte com 60CU, HBM2, o dobro de largura de banda e memória. O Digital Foundry mesmo fez um comparativo.

Tem uma coisa que você não entendeu ainda o comparativo baseado na contagem de dois sistemas distintos é algo alto e teórico, o que manda mesmo é o rendimento por ciclo de instrução e foi isso que melhorou em rDNA. O que Vega demora 12 ciclos rDNA demora 7 ciclos, portanto, no mesmo Float rDNA tem um rendimento 70% superior
comment image

E nos estamos vendo nosso apenas instruções por ciclo nas Warps, não estamos vendo as outras melhorias na arquitetura. Geralmente em cada geração Vega a AMD acumulou até 15% de ganhos sobre o design sem mudar a arquitetura. Eles também trouxeram recursos a nível de compartilhamento de memória que diminui a latência de framebuffer e também fizeram melhorias sensíveis na capacidade da arquitetura em trabalhar com matematicas distintas.

Nos também não estamos vendo as otimizações semi personalizadas ou tão pouco e precipitado tirar conclusões desse hardware sem está a par do resultado. Pode ter certeza que se a Microsoft está investindo nesse hardware com uma ênfase menor no número é por que eles o consideram funcional. A Microsoft é uma empresa de Market, eles gostam de números que valide sua propaganda, se eles estão apoiando um número menor significa que eles não irão usar este número como sua plataforma de propaganda e sim usar outra coisa. E outra coisa será a capacidade de rodar games nível esta geração melhor que o One X e o Ray-Tracing de entrada.

Shin
Shin
Responder a  Mário Armão Ferreira
5 meses atrás

Vega VII é 13,3TF
RX5700XT é 9,7TF

Nesse teste demonstra 3% de variação no desempenho médio, 38% de variação nos Floats.

Por si só você está vendo a diferença de eficiência da arquitetura. De fosse 4 TF seria como 5,56TF mas One X não é Vega 20, One X é uma GCN 1.1 modificada. Então você viu por si só como RDNA oferece muito mais com menos Floats.

E nem precisamos levar em conta outras diferenças como por exemplo o fato de HBM2 escrever com muito mais baixa latência uma quantidade muito maior de bits por pulso de clock, a largura de banda ou tamanho que deveria oferecer desempenho muito melhor a Vega VII mas que Navi 10 se emparelha. Também não estamos vendo o software.

bruno
bruno
Responder a  Shin
5 meses atrás

Shin, a ONE X e Polaris ou a geracao 4 da GCN. Quando a GCN ainda era 1.0, a geracao 1.1 (agora conhecida como GCN 2) e aquela que equipa as consolas base.

Ha tambem que levar em conta o fator principal que torna a questao da arquitetura irrelevante – o facto de em metade dos ciclos de reogio a RDNA fazer o mesmo que a Vega (o todas as GCN antes dessa). Basicamente tem uns enorme aumento de eficiencia mas nem sempre e assim, dependendo da tarefa. Isto leva a menor exigencia de ram e menor necessidade de bandwith.

Mas nao faz milagres, porque, mais uma vez, ha que ter em atencao que o computena GCN funciona precisamente pelo uso das unidades iddle.

E nas consolas o uso do compute no GPU e explorado ao maximo (coisa que devido a Nvidia nao ocorre tanto nos PCs).

Basta ver que os jogos que suportam compute ativo chegam a ultrapassar o equivalente nVidia. Olha RoTR ou Hitman, por exemplo!

E em termos de compute a RDNA nao oferece grandes melhorias face a GCN – e preciso ver quantas.

Por isso estamos a falar no maximo de 40 a 50% de diferenca face as consolas pro.

Livio
Livio
Responder a  Mário Armão Ferreira
5 meses atrás

Sugestão: Coloque os cálculos antigos e compare com os dos 44%

Shin
Shin
Responder a  Mário Armão Ferreira
5 meses atrás

Eu não sou fanático pela Nintendo eu só mantenho na cabeça que lá no passado em 1984 a Nintendo salvou o mercado de jogos estabelecendo a sua configuração e o que a Nintendo fazia era algo próprio diferente da Atari ou PCs. Isso deu a eles quase 10 anos de monopólio da indústria o que atraiu olhares de grandes players orientais e ocidentais. Então tudo que foi criado desde então provém de produtos submetidos aos ideais da Nintendo. O PS1 por exemplo ele é todo montado como uma plataforma que copia o Snes com jogos em formato CDROM. Já o PS2 além de incluir as coisas da Nintendo, inclui as coisas da Sega e a Sega foi a única empresa de consoles que era equivalente a Nintendo.

Quando você olha o PS2 ver que a Sony começa a se distanciar da gestão dos jogos e montar suas plataformas de internet. O objetivo não era mais ser console mas sim um PC e com isso atraiu esse grande player a Microsoft para um combate direto.

Então chega a geração anterior e atual e ver esse combate épico entre quem domina o market digital e estabelece sua plataforma como única abstração de domínio de acesso para o jogador conectado.

O que a Nintendo está fazendo? Ela estsva dizendo, Hey boys Vídeo game não é isso e por isso fez o Wii. Por outro lado a Nintendo pós o Wii U começou a ouvir os executivos da industria ocidental e resolveu por a cabeça no mercado digital mas foi uma experiência fracassada gerando o Wii U. Então agora eles trazem a sua plataforma de mão para formar esse sistema híbrido. De fato o Switch já não é um console padrão da Nintendo, ele é o PS3 da Nintendo portabilizado, a Sony tentou fazer um PS3 portabilizado com o PSvita e falhou pois a Sony não entende bem o mercado de Laptops, é por isso que falha até em Smartphones, a Microsoft é a mesma coisa.

Então o Switch se transformou em Nibiru para essa indústria. Por que? Todos sente sua presença cada vez mais forte mas estão cegos por que o identificam como um portátil quando na verdade a plataforma é o Market Digital Nintendo usando seu segmento de maior estabelecimento, mas sem deixar a TV.

Se você olhar toda essa coisa não demorará pra entender que o market digital da Nintendo é uma ameaça a todos os demais market, pois as pessoas vão sempre confiar mais na Nintendo devido a seu histórico que os demais setores.

Carlos Zidane
Carlos Zidane
Responder a  Shin
5 meses atrás

E olhe que você não é fanático Nintendo, imagine se fosse hehehe

bruno
bruno
Responder a  Shin
5 meses atrás

Vamos la ver…

A PS1 copiar o SNES nao sei, mas nao te podes esquecer que o projecto PS comecou como um SNES! E depois virou outra coisa, quando a Nintendo decidiu ir com a Phillips e desistiu do projecto. Nao se pode culpar a Sony por aproveitar o trabalho que fez.

E o sucesso da PS1 foi somente um: o uso do CD que requeria menos royalties e menos custos para os devs (alias, se eles hoje se queixam gostaria de saber como seria nos anos 80) – Mark Cerny disse na entrevista que com cartuchos as o lucro por jogo para o estudio deria de 1$ e nada mais! A Nintendo continuou nos cartuchos enquanto PS e Sega ja iam para os CDs.

O que sei e que em termos de hardware a Sony puxou completamente pelo 3D enquanto Sega e Nintendo nao o fizeram e, ainda mais, revolucionou completamente o conceito de comando com o primeiro dualshock que foi pensado mais em ergonomia ao passo que nintendo e Sega ainda estavam com os controladores mais arcade.

Sobre a PS2, so te chamo a atencao que o hardware nessa consola deixava a dreamcast a milhas e sobre a sony perseguir outras coisas que nao jogos , e ridiculo que numa das geracoes em que os worldwide studios comecaram o seu output com imensos franchises que ainda hoje vivem tu venhas e digas esse disparate imenso. So para teres nocao, God of War, The Getaway, Primal, Killzone, Jak and Dexter, Sly Cooper e Ratchet e Clank sao dessa epoca.

Nao foi a toa que a consola ainda e a mais vendida de sempre.

Ewertom
Ewertom
Responder a  bruno
5 meses atrás

@Bruno vamos lá ver a sua posição sobre o PS1 onde tivemos a verdadeira inauguração do mundo em 3d,mas não na profundidade que tivemos com Mario 64 ,onde foste pegar que somente a Sony tinha jogos em 3d?fiquei curioso agora!e sobre o controlador algo te escapou pois o N64 foi o promeiro console que vinha com uma alavanca propria para se dirigir no novo mundo 3d e a se descobrir que após 2 ou 3 do PS1 a Sony lançou o dualschock com as alavancas?

bruno
bruno
Responder a  Ewertom
5 meses atrás

O que eu escrevi (e esta la escrito, mais claro que isto impossivel) e que a PS1 foi a primeira consola a puxar pelo 3D. E foi! Nao digo que inaugurou o 3D nem nada do genero. Mesmo a saturn (a minha primeira consola) estava no meio termo entre 3D e 2D. Tomb Raider, neste aspecto foi uma enorme revolucao na industria!

E relembro apenas que a PS1 com o primeiro dualshock foi lancado em 1994/1995 enquanto a N64 chegou em 1996.

Depois falo de ergonomia e tu vens me com o manipulo analogico.

bruno
bruno
Responder a  Shin
5 meses atrás

O nome correcto, Shin, e 4K checkerboard rendering.

Sobre as tua contas, a ONE tem 1,3 Tflops, 8 vezes isso da 10,4 Tflops. Onde e que 4TFlops RDNA dao 10.4 Tflops GCN? Tanto quanto sei, tu tens somente um ganho ate 40% sobre a versao mais recente da Vega e apenas em rasterizacao pura e nao compute.

E vou recordar-te apenas que as estimativas em que te baseias sao todas tiradas no PC, onde o hardware nao e utilizado. Nas consolas a historia e outra – tens o hardware a ser utilizado ao maximo, com grande aposta no compute.

Sobre a memoria – e apenas expectavel que os SSD utilizados nas futuras consolas possam chegar a maiores velcidades que o permitido pelo PCIe. A Sony tinha uma patente sobre o assunto, foi publicado aqui neste site. O ponto e que podes ir a um maximo ate de 20 Gb/s so com alteracoes ao controlador.

Mais ainda, com HBCC teras uma gestao muito eficiente da memoria, e melhor, praticamente automatica.

Sobre as tuas consideracoes sobre a nova geracao a minha opiniao e que estas completamente errado. E o salto grafico?Tudo o que dizes e bonito… se os jogos forem o mesmo de hoje sem melhorias graficas nenhumas… Mas isso nao e o que se espera de uma nova geracao. E com melhorias graficas em cima… estamos a olhar para uma maquina na melhor das hipoteses a 1080p, mas que tera que servir de base a proxima geracao. E dai a duvida se efectivamente permitira o mesmo salto em grafismo que uma consola a 12 Tflops com 4K CBR.

Logo, e relembro que a natureza da lockhart e ainda um misterio completo, apesar de a lockhart ate poder ser uma especie de revisao da ONE X, que suportara certos jogos (algo que cai na visao de fim de geracoes – mas nao fim de lancamento de hardware), a duvida e: sera suficiente para aguentar a proxima geracao completamente?

O que e 6 TF de convergencia num chip tegra?

Carlos Zidane
Carlos Zidane
Responder a  Mário Armão Ferreira
5 meses atrás

Mário, no seu conhecimento, esses SSD que vão equipar os consoles novos, eles usarão essas conexões conhecidas do PC ou deverão ter algo proprietário ainda mais rápido? E a capacidade, qual número em GB acredita que terão?

bruno
bruno
Responder a  Mário Armão Ferreira
5 meses atrás

Eu nem diria SSD e HDD expansivel por USB, dado que 128 GB podem ser bons para um híbrido armazenamento do que está em uso e RAM, mas não te permitem armazenamento de títulos de nova geração.

E andar a trocar de HDD exteriormente é um trabalho muito mais penoso que pura e simplesmente instalar/desinstalar títulos qd necessário.

O que me parece é que o SSD servira do tal scratchpad carregando ficheiros dos saves do jogo mais ficheiros necessários para continuar a correr o jogo, enquanto que o grosso – todos os dados e presto continua no tipico HDD e o carregamento do necessário para a scratchpad vai sendo feito em background.

Ou seja, terás SSD acelerado como scratchpad e um típico hhd ou até mesmo SSD, mas convencional para te guardar apps, videos e o grosso dos jogos.

E até pode ser que com este sistema deixe de ser necessário instalar jogos em fisico no HDD.

Shin
Shin
Responder a  Mário Armão Ferreira
5 meses atrás

Tegra Xavier ele é um filho da arquitetura Volta, ele possui 2 nucleos DLA capazes de acelerar operações Fp16 e Int8 como os Tensor. Os desenvolvedores podem encaminhar qualquer operações de matemática simples para essa rede de núcleos livrando os CUDAs para operações complexas.
comment image

O conceito lembra um pouco o V0 e V1 do PS2 que eram co processadores simples de aceleração. Os núcleos DLA estão regido por um ARM A5 bem como possuem seu próprio DMA, então o que eles fazem é colher, resolver, despachar de maneira simultanea aos CUDAs, inibindo qualquer penalidade.comment image

O que eu penso é que a Nvidia assim como a Imagination vai usar um RTU separado dos CUDA em futuros Tegra. A Nintendo pode se beneficiar se isso acontecer, obtendo uma geração portátil Ray-Tracing sem os compromissos de energia.

Fernando
Fernando
5 meses atrás

Vamos fazer uma suposição, se os 4tflops RDNA 2 que é a arquitetura da próxima geração for superior em rendimento real aos 6tflops GCN 4 do Xbox One X, o lockhart é um tremendo acerto. É um console para 1440p e não 1080p. Para quem não sabe, a relação entre 1440p e 4k é a mesma do que 720p e 1080p, é mais de 2x, logo é praticamente a diferença de desempenho. Também devemos lembrar que tecnicas vancadas de anti aliasing e reconstrução temporal hoje fazem com que a resolução nativa não seja tão importante, e possivelmente para o consumidor comum em uma TV 4k simples, ele provavelmente não vai sentir que está vendo uma imagem de baixa qualidade, e para quem tem tv 1080p, ainda verá um jogo com supersampling, ou seja, altissima qualidade de imagem. Então, lockhart se bem executado é uma das melhores ideias que eu já vi, mas para ser bem executado, precisa ser capaz de lidar com a carga de CPU e do SSD tão bem quanto o console maior, e não tenho muitas duvidas de que pelo menos com o CPU isso será totalmente possível, e claro, ele não pode custar igual o PS5.

Agora o lockhart só vai limitar a geração se os jogos forem construídos visando 4K para ele, mas assim como penso que o Xbox One basico não limitou em nada a rockstar na hora de fazer o RDR2 espetacular no X, não acho quenum console com a mesma arquitetura, design e conjunto de recursos vai limitar alguma coisa.
E veja bem, a RTX2060 limita a RTX2080 em alguma coisa?

bruno
bruno
Responder a  Fernando
5 meses atrás

Estas a partir de um pressuposto errado. E alias, ja aqui publicamente te queixaste de nao veres a X explorada ao maximo, por isso o que dizes ainda faz menos sentido.

A RTX 2060 atualmente nao limita a RTX 2080 porque ambas estao a rodar jogos desenhados para 1.8 Tfops 1080p. Logo, sendo ambas mais poderosas rodam o mesmo com efeitos extra.

Agora, quando fizeres um jogo que explore completamente a RTX 2080, se tiveres a obrigacao de rodar o jogo na 2060 entao podes apostar que vai limitar.

E o mesmo que se passou antes desta geracao ser lancada. Os GPUs das atuais consolas nao estavam limitados em nada pois todos os jogos estavam feitos com base na 360 e PS3. E ambas rodavam os mesmos jogos sem problemas. Mas depois comecaste a ver jogos feitos explorando ao maximo a maior quantidade de memoria e as outras unidades do GPU, jogos esses que nao rodam na 360 ou PS3. E nao achas que estes ficariam limitados?

Fernando
Fernando
Responder a  Mário Armão Ferreira
5 meses atrás

Enquanto você pensar que estamos nos anos 2000 com hardware exótico e único, essa discussão é inútil. A mesma arquitetura com diferentes níveis de potência faz a mesma coisa cada uma na sua escala.
Xbox one e Xbox One X, e PS4 e PS4 Pro tem 3 anos e 2 gerações de melhorias na diferença entre eles. Esse é um caso em que o hardware inicial comprometeu o posterior.
Uma geração é definida em torno do conjunto de recursos que uma arquitetura possui. Lockhart e Anaconda vão compartilhar um baseline. A situação atual é sem precedentes, tecnologia idêntica, somente diferentes níveis de performance.
E o conceito do console é ter uma caixa prática em que pode jogar seus jogos sem se preocupar com outras coisas, somente ligar e sair jogando. Todo o ponto nostálgico ao qual você é apaixonado, nada mais foi do que limitação técnica, altos preços de hardware e a baixa tecnologia disponível.
E sim não é só resolução e fps que se alteram, podr reduzir ia níveis de AO, textura, sombras, draw distance, AA, RT… isso tudo não importa, o baseline está lá, o core do game é o mesmo.
Quer um exemplo onde isso funciona, conversões do Nintendo switch. O Switch é um console de baixa potência que possui recursos técnicos para executar todos os efeitos que um PS4 ou One executam. E o que acontece, baixa resolução, menor framerate, texturas mais borradas, iluminação mais simples, um ou outro efeito ausente, mas o baseline é o mesmo, e seria ainda melhor se os devs não estivessem forçando resolução HD.
Essa será a geração mais democrática de todas. Se importa apenas em jogar e esta bem com sua TV fullhd, tem uma opção barata. Quer melhor performance e visuais e esta disposto a pagar mais caro, tem sua opção também.
Eu sinceramente não consigo ver onde isso é ruim.

Carlos Zidane
Carlos Zidane
Responder a  Fernando
5 meses atrás

Sobre a parte final do seu comentário, eu acho razoável a idéia de um console 1080p pra quem não pode comprar uma tv 4K e um videogame caro, abrangendo um público maior, principalmente no Brasil onde é tudo tão caro, mas o que pega pra mim é que os jogos estão demorando demais pra sair, e se os caras ainda tiverem que ajustar pra 4 ou mais aparelhos… aiaiai
E ainda tem essa possibilidade horrível de a base, segurar o potencial de toda a cadeia, o que é pior ainda.

Seria o ideal mesmo 1 Xbox e 1 Playstation principais, sem versões Pro ou versões de entrada, porquê consoles não são celulares.

Vejo vantagens e desvantagens nesse sistema novo aí, mas se pudesse escolher, seria um console único e central de cada empresa com preço/performance equilibrados e que se exprema o máximo que ele puder do day one até o último e todo mundo receba a mesma experiência.

bruno
bruno
Responder a  Carlos Zidane
5 meses atrás

A adaptacao, se devidamente feita, nao demora muito. No caso da Pro bastaria a implementacao do sistema de rendering no motor o que Mark Cerny referiu poder ser feito por so uma pessoa.

Carlos Zidane
Carlos Zidane
Responder a  bruno
5 meses atrás

Hmm, ok. Melhor assim então.

bruno
bruno
Responder a  Fernando
5 meses atrás

Nem sei por onde comecar no teu comentario… O Switch possui todos os recursos tecnicos para executar todos os efeitos que um PS4 ou ONE executam?? Ok, e onde estao os titulos que provam isso?

Porque ate agora o que eu tenho visto e a consola receber maioritariamente titulos cross-gen que sairam tb na PS3 e 360 ou de inicio de geracao mas baseados em motores da geracao passada (caso de The Witcher 3).

Muito longe de um RE2 Remake ou AC Odyssey para te dar um exemplo, ou mesmo Sunset Overdrive.

Uma geracao vai muito alem daquelo que e definido pela arquitetura. Senao bastar-te-ia nesta geracao uma placa GCN com 320 stream processors na ONE e ja seria uma “nova geracao”… claro, no fim os jogos nao seriam muito diferentes daquilo que tiveste antes mas enfim. Alias se estas curioso, espreita as APUs que equipavam o nanopc da AMD e ve que jogos conseguem rodar antes de vires para aqui escrever disparates.

Melhoria de arquitetura e novas arquiteturas todas as consolas tiveram, mas para alem disso, contaram tb com aumento substancial de potencia, memoria e recursos. Tudo isto define uma geracao, nao somente a mudanca de arquitetura!

O Mario nao esta a falar de hardware exotico e unico e mais uma vez, la porque o hardware existe no PC nao significa que nao seja exotico por si mesmo. O GPGPU foi exotico, o cell foi exotico e o RT neste momento e exotico – exotico refere-se a computacao que foge daquilo a que os DEVs estao habituados.

Esta a falar de salto de potencia e nao ha nada de exotico nisto – todas as geracoes tiverem um salto de potencia, mesmo aquelas que nao sao exoticas.

error: Conteúdo protegido