Sony afirma que não lançará consolas como telemóveis. PS4 Slim foi confirmada, e PS5 pode sair em 2018 ou 2019!

Andrew House em uma reunião de acionistas em Tóquio confirmou a PS4 Slim e voltou a falar da NEO. Deixou ainda saber que o ciclo de vida previsto para a PS4 é de 5 a 6 anos e que a empresa não pretende com as consolas entrar nos esquemas dos telemóveis.

Finalmente notícias que deixam entrar alguma luz naquilo que já parecia ser um futuro negro para as consolas. Mas vamos por partes!

Para começar, a Sony confirmou que a PS4 Slim será uma realidade!

Se sobre a Neo Andrew House já se tinha pronunciado, a Slim ainda era um rumor, mas a mesma foi referida por Andrew House numa reunião de acionistas realizada em Tóquio, ficando assim confirmada a sua existência.

Andrew house referiu que a Neo e a Slim serão os últimos “upgrades” da Playstation 4, e que esta consola terá um ciclo de vida previsto de 6 anos.



Andrew House explicou que o negócio dos telemóveis é muito diferente do das consolas, com os utilizadores de telefones a fazerem upgrades a periodos curtos como um ou dois anos. Para a Sony os ciclos de vida de uma consola continuarão a ser de 5 ou 6 anos!



No entanto a Sony acredita que há potencial em consolas como a NEO. Consolas que no fundo apenas trazem inovação tecnológica adicional para quem pretender um pouco mais, mas que não são pensadas como concorrentes ou mesmo capazes de terem software próprio. Andrew House refere que tais restrições existem e serão garantidas porque o cliente é importante e não o pretende perder.

Apesar de não haver datas para o lançamento da Slim e da Neo, a Sony deverá apresentar e lançar ambas ao mesmo tempo. Isso porque com ciclos de 5 ou 6 anos, a PS5 deverá sair para 2018 ou 2019!

Basicamente este discurso é um pouco diferente do da Microsoft. Aqui não se fala em algo que passa para além do conceito de gerações. Perante estas palavras percebe-se que a Sony não promete e nem sequer quer isso! As gerações continuam a existir, e consolas como a Neo, segundo a empresa, não alteram essa realidade, sendo concebidas para apenas acrescentarem algo mais ao existente a quem estiver disposto a pagar mais por isso.

Se na prática a diferença será ou não muita face ao discurso da Microsoft  é algo que iremos ver.

Mas o que virá no futuro é algo que só poderemos confirmar quando lá chegarmos. Agora face ao que sempre foi o mercado clássico das consolas, este é um discurso que certamente agrada mais.

A questão é se podemos acreditar que as novas consolas se manterão limitadas como prometido!



Posts Relacionados