Sony PS4 – For the Payers?

Não, não é bug… é que ao que tudo indica a Sony pretende entrar nos mesmos esquemas dos outros.

Explicar o sucesso de vendas da PS4 não é fácil! A consola não só é a que vende mais, como atinge valores de venda históricos igualando ou superando o maior sucesso da Sony, a PS2.

No fundo há uma série de fatores que explicam esse sucesso, mas acreditamos seriamente que um deles se deveu ao facto de a Sony, nesta geração, ter optado pelo uso de políticas mais clássicas e conservadoras.

Passamos a explicar:

Quando as consolas de nova geração foram apresentadas, apareceram duas propostas diferentes.



Sem entrarmos em grandes detalhes, até porque a história foi o que foi, e não vale a pena estarmos sempre a carregar no mesmo, as propostas que foram apresentadas em Novembro de 2013 eram tão diferentes que a Sony, ao ser a mais mantinha o modelo tradicional das consolas, apostou num slogan que ainda hoje usa: “For the players!”.

Este slogan terá sido, entre muitas outras coisas, um dos fatores de sucesso da PS4. Numa altura onde se via a concorrência a apresentar uma consola cheia de limitações e mais virada para o aspecto lucrativo da mesma, a Sony mantinha basicamente intacto o esquema tradicional de sempre, abdicando desse lucro adicional e fácil, mas mantendo a liberdade que os jogadores sempre tiveram.

Como o tempo veio a demonstrar, essa foi uma escolha correcta, pois como sabemos, a situação correu mal para o lado da Microsoft, que acabou por ter de ceder naquilo que pretendia, voltando ao modelo clássico, mas no entanto, e pelo meio, acabando por danificar de forma indelével a imagem da sua consola.

A frase “for the players”, associada ao que sucedeu tinha múltiplos significados. Não só mostrava uma consola criada quase exclusivamente com os jogos em mente como, face à proposta monetarista e monopolista como a concorrência colocava a sua consola, significava que a Sony abdicava de situações idênticas às que os outros propunham no sentido de agradar e cativar aquilo que considerava serem os seus clientes, os jogadores.

Fosse ou não este o objectivo, até porque como sabemos, empresas são empresas, e os seus objectivos são os lucros, sendo que tudo o que dizem não passa de Marketing criado com o intuito de agradar e consequentemente vender, esta imagem passada conseguiu o seu objectivo e entranhou-se.

Mas agora, após 4 anos em que a Sony manteve esse modelo clássico, sem grandes apostas nas vendas digitais, sem grandes esquemas de monetização nos jogos (micro transacções), eis que a Sony veio mostrar que está prestes a se vergar igualmente a essas realidades no sentido de aumentar os seus lucros.

Não é que não haja consciência que as microtransações e a venda de produtos pagos como a PSN+, as vendas na PS Store, ou outros, são fontes de receitas com uma maior percentagem de lucro do que a simples royalty que advém da venda de jogos no retalho. São receitas  enormes e que, dentro daquilo que cada um pode, estão a ser exploradas pela maior parte das empresas no sentido de aumentarem as suas receitas e diminuírem as probabilidades de prejuízo.



No entanto, ver a Sony vir referir que devido às elevadas receitas que está a ter com a sua loja online e com a PSN, a empresa quer aumentar ainda mais as mesmas, recorrendo futuramente ao “uso adequado” de microtransações, e passando a usar como métrica o número de utilizadores activos na rede, em vez de números de vendas de consolas, tal não deixa de ser um golpe para quem se habituou ao que se tem vindo a passar nestes 4 anos.

Numa lógica de coerência, quando a Microsoft deixou de revelar vendas da Xbox One e se vergou a estas métricas e às microtransações, a situação foi criticada por este ser um esquema que  sonega informação ao consumidor, bem como subverte aquilo que as consolas sempre foram. Agora, com a Sony a adoptar abertamente o mesmo, não podemos deixar de achar que é “tudo farinha do mesmo saco”, e criticar igualmente nesta empresa aquilo que pretendem aplicar e que nunca se achou bem nos outros.

Será que este tipo de situações é prejudicial ao mercado? Não, não é forçosamente. Basta que o tal “uso adequado” seja efectivamente bem ponderado, e a Microsoft, a empresa que mais tem recorrido a este tipo de situações, tem demonstrado que efectivamente, com um “uso adequado” a situação é tolerável.

Mas tolerável ou não, isto é mais uma daquelas subversões de um mercado que agradava a miúdos e graúdos e que cada vez mais, em vez de procurar cativar estes, se destina a explorar “consumidores inveterados”, mesmo que isso possa danificar a qualidade do que sempre foi o jogo para os restantes. E como sabemos, isto é o que se passa agora. Mas após isto, a ânsia dos lucros não vai parar, e virá mais alguma coisa, e depois mais alguma coisa, e depois mais alguma coisa coisa. E quando dermos por ela estamos num mercado semelhante ao que vemos nos smartphones, onde a diferença entre o “Gaming” e o “Gambling” (jogo a dinheiro), acabam por se se confundir.

É com bastante tristeza que vemos as empresas a vergarem perante o facilitismo do lucro. Como referido, sabemos que é para isso que elas existem, mas a realidade é que a Sony não se tinha vergado a ela, e que perante esta mudança tão radical, o slogan “for the players” perde o sentido e quase que poderíamos  brincar com ele usando o termo “for the payers”.

Afinal o que a Sony está agora a admitir, é que quer aumentar os lucros, e que com as microtransações os seus clientes lhes paguem mais…



Posts Relacionados

Readers Comments (31)

  1. Esses caras nunca devem ter lido a fábula do pato dos ovos de ouro…

  2. Logo cedo li uma matéria que a EA poderá deixar de fazer um novo fifa todo ano. Assim o jogo jogo iria ser comercializado como serviço…..

    Não ficou muito claro na matéria como seria esse serviço, mas o rumo que a industria de games está tomando é péssimo!

    • Há quem ande todo contente!
      Põem serviços a pagar em cima de serviços pagos… e aplaudem
      Lançam consolas de meio de geração… e aplaudem.
      Eu não sei onde isto vai parar… mas o certo é que começo a achar que estou a mais aqui. Isto era suposto ser uma industria de entretenimento, mas o que vejo agora é uma industria de exploração de vício, com dinheiro e mais dinheiro metido à mistura.
      Sempre gastei dinheiro nisto, mas ao menos sentia que o fazia para alcançar o que eu queria! E fazia-o… alcançava a Xbox, a Playstation, a Nintendo e outras. Mas agora querem duplicar a necessidade de despesas, e isso faz com que eu deixe de sentir que estou a gastar o dinheiro onde quero, mas sim onde eles me estão a obrigar.

      • Isto está a ficar cada vez pior Mario, ás vezes passo por profeta da desgraça pois não me canso de o dizer, mas esta industria está, ou melhor, já é a industria mainstream mais cinica e exploratória de todas, e quando pensamos que não pode ficar pior, é quando estes tipos inventam outros esquemas ou elaboram os já existentes, de forma muito criativa admito, de forma a ficarmos com menos, por mais.

        Se para nós que andamos nisto à anos, e todos os dias, já se começa a tornar confuso, imagino para o consumidor comum, que aos poucos se vai apercebendo do volume de treta e vicio que engole esta industria, mais tarde ou mais cedo aborrece-se e afasta-se, foi assim que ocorreu o crash nos anos 80, e não sei se não seria o melhor.

        Na parte que me toca, não dou um cêntimo a estes chulos, sejam eles Microsoft, Sony ou até a Nintendo que já meter o modo hard em season pass’s, a única forma de combater esta praga é com a carteira, porque a única linguagem que esta gente percebe é dinheiro.

        Digam não a esta porcaria.

        • O Brasil se antecipou a tempos e já taxa os games não como software, mas como jogos de azar**, acho que se continuar assim eles vão ter razão nisso.

          ** Isso não é exatamente preciso, mas é quase como se fosse, ficam próximos a máquinas caça níquel.

  3. Pois é!😒

    Depois desse muita gente deve ter descido do pedestal.

    • Aqui não há pedestais, até porque ninguém no seu perfeito juízo apoia estas práticas, logo é com pesar que vejo a Sony a mudar um diretor que fez um trabalho excelente, por outro que tem mais experiência na área do chulanço, isto é mau para todos nós, quer se goste de PS ou não, foi por causa da Sony e do PS+ que hoje em dia recebes jogos gratuitos no Gold, e pela mesma lógica, seria o não da Sony ás más práticas que faria a Microsoft e os demais a voltar atrás nestes esquemas, e ainda por cima sendo lider de mercado, mas pelos vistos já perdemos esse ”aliado”.

      Acho particular piada é estares mais preocupado em apontar o dedo a quem sempre criticou estes esquemas em vez dos próprios esquemas, como quem diz, tomem lá que agora também vão ter… patético no minimo.

      A grande diferença aqui é que a Microsoft que tu tanto defendes, já anda nestas andanças de esquemas e afins desde que esta geração começou, ao passo que a Sony ainda se vai começar a falar disso.

    • Igor, tá comemorando a vacilada da Sony?

      Quer mesmo é ver os clientes do PS4 se lascarem?

      Isso diz muito sobre a comunidade Xbox, que é extremamente imatura e alguns até mal caráter como o XMG.
      Você pode até não os seguir, mas segue a cartilha religiosamente desses sujeitos que tem a desaprovação do próprio Phil, como vimos na BGS.
      Alguns da Sony também são bastante estúpidos, mas, o que importa realmente é o mercado ser pró-gamers, não pró-contas bancárias de executivos.

      Essa história de Xbox vs PlayStation é uma das maiores besteiras do nosso tempo.
      Aqui no site você vê todas as falhas sendo debatidas, independente do time do coração.

      • Carlos… eles não acham isso. Não se apercebem que a maior parte das falhas foi da Microsoft e acham que porque falo mais deles estou a tomar partidos.
        Agora quem tiver dois dedos de testa olha para o mercado e percebe que realmente algo esteve mal. E se esteve mal é porque tive motivos para falar.
        Quanto à X, eu adoraria estar aqui a elogiar essa consola, até porque analisando a consola só por si ela certamente merecia. É a melhor consola de sempre!
        Mas eu não consigo ser anti Gamer, e defendo essa parte mais do que tudo. A X é uma divisão do mercado interno Xbox tal como a Pro o é na PS4. Mas no caso da Pro as melhorias ainda são poucas e claramente estamos perante ofertas semelhantes para um mesmo produto. Já no caso da X a diferença para a One é de tal forma chocante que a consola personifica basicamente uma nova geração encapuçada. Mas na realidade para o cliente nâo há verdadeiramente nova geração nenhuma pois a consola é da mesma geração. É uma situação deveras complexa que tenho muita dificuldade em enquadrar. Ter jogos a 1080p numa e a 1440p na outra, não gosto, mas compreendo face às realidades que são explicadas para estas consolas. Ter 720p numa e 1800p na outra sendo que ainda podemos levar texturas HD na melhor é que já é uma diferença tão grande que supera o que a 360 tinha da One.
        E dizer que isto é a mesma consola… não me entra nem a tiro.

        • “A Xbox One X é para quem percebe de videojogos”

          By Phil Spencer

          http://www.eurogamer.pt/articles/2017-11-09-a-xbox-one-x-e-para-quem-percebe-de-videojogos

          Nós é que ainda não percebemos nada disto, e porquê?
          Porque pessoas como tu e eu que temos a XO original, somos clientes de segunda categoria, que não percebe muito disto.

          • O que Phil não parece entender é que ele tem neste momento duas ofertas. A mais barata e menos atraente, e a mais cara e mais atraente. Mas esquece-se que pelo meio, com preços intermédios há soluções intermédias que possuem exctamente os mesmos jogos e que se distinguem ainda por ter uma selecção de exclusivos que as suas consolas não possuem.
            Isto não é sequer uma crítica, é apenas uma constatação de uma realidade, e frases como estas certamente não agradam à base Xbox. Eu sou um dos que sempre tive Xbox e que não gostei mesmo nada dessa frase.
            Já não tinha gostado das de Mattrick, e não esperava ouvir outras a dividir os fans outra vez…

          • Pior fiquei eu, jogando desde o megadrive não entendo nada de jogos não tenho uma TV 4k 🙁

            Spencer falou com a CNBC em Nova Iorque e explicou que a Xbox One X é a consola mais poderosa do mundo e que se destina aos consumidores que percebem a sério de videojogos, para os que querem o melhor.

            Questionado sobre o público alvo da Xbox One X, Spencer disse: “É os mais entendidos sobre os videojogos e que têm uma televisão 4K, que querem ver os melhores visuais possíveis.”

            “Esta caixa é direccionada para o consumidor que mais joga e mais dinheiro gasta,” acrescentou Spencer sobre a sua nova consola que está disponível nas lojas por 500€.

            Sou pobre por isso não tenho a One X, faz sentido… Obrigado o convite Phill depois de suas lindas palavras, todos que não percebem de jogos (levam a sério e gastam mais) com certeza vão entrar para o lado verde…

          • @Mario

            Fora a frase que lembra bem o Mattrick:

            “a X pertence a uma família de consolas Xbox One e que se os consumidores preferirem, existe uma Xbox One S muito mais barata e que corre os mesmos jogos.”

            Ou seja, a partir de 07/11/2017 se queres a melhor qualidade no jogos(algo que prometemos para a finada Xbox One original) para consoles comprem uma X, senão comprem uma S com a pior qualidade de todos.

          • A Microsoft está perdidinha nessa geração, jogou fora tudo que conquistou com o 360, e essas declarações do Spencer é só mais um dos vários tapas na cara que os consumidores, que como eu, dou suporte ao One desde seu lançamento, levaram, sinceramente, foi meu ultimo console da Microsoft, mas pra eles não faz diferença nenhuma, eu não entendo de jogos mesmo

      • Tem tanto a desaprovação de Phil Spencer que vão receber um Xbox One X vindo direto da sede da Microsoft com o conhecimento e consentimento dos cabeças da empresa.

        Errou feio ao generalizar falando de uma comumidade inteira.

        Também exitem indivíduos mau caráters no meio Playstation.

        • Isso soa a pagamentos… por bons serviços prestados. A isenção, se havia, perdeu-se perante essa situação pública.

          • Se for assim então a Eurogamer PT que esses dias fez um papelão choramingando para a Microsoft enviar um Xbox One X e que acabou dando certo por que receberam o console como vários jogos e assinaturas de serviços também está vendida assim como vários outros sites, youtubers, analistas, etc…
            Não existe mais ninguém isento e nunca existiu, esquecem tudo o que veêm ou leêm por aí, sejam elas sobre Xbox ou Playstation por que a Sony também dá e deu consoles para a mídia, isso não é exclusivo de uma empresa, inclusive não é exclusivo da indústria de jogos.

          • A Eurogamer é uma empresa… não é um particular!
            E á mulher de Cesar não basta ser séria. Há que parecer séria!
            Sabes quantas propostas de publicidade vindas inclusive de representantes da Sony e Microsoft já recusei?
            Mas não há pessoas isentas… há só “idiotas” como eu!
            Mas antes “idiota” e honesto que “chico esperto” e viciado. Eu pelo menos penso assim! São valores… que nem todos conseguem ter!

          • Que fique bem claro Mário que não estava me referindo a você.
            O que quiz dizer é que isso infelizmente é uma prática comum, 99% da mídia é parcial seja para lado ou outro, uns mais outros menos.

          • Eu sou parcial para um lado quando um utilizador me argumenta com argumentos parciais para o outro. Isso é verdade! Mas como diz o ditado, quem com ferros mata, com ferros morre.

          • Mário, não querendo estar a tomar partidos, até porque não tenho nada a ver com o assunto, mas não acho que sejam pagamentos ou algo em redor dessa palavra.
            Se por um lado também me faz confusão ver os reviewers armados em chicos espertos no twiter a mostrar consolas que nem são deles e que não lhes custaram um tostão, já para não falar de jogos e viagens pagas, também compreendo que para a maioria dos sites que fazem disso actividade como a Eurogamer.pt, deve ser praticamente impossivel comprar todas as consolas e sobretudo, as dezenas de jogos que saiem todos os meses, porque se assim fosse, apenas tinhas IGN’s e pouco mais.

            É algo que nunca me fez confusão nem me causa desconfiança.

          • Falo por mim… Não me sentia imparcial se recebesse algo de alguma empresa.
            Tu nestas coisas és correcto, mas sabes que se meteres aqui algo de um website chamado Xbox mil graus ou um PlayStation lifestyle o outro lado vai questionar a imparcialidade do que é dito pelo simples facto do nome possuir a referência a um dos produtos.
            Agora pega nisso e acrescenta o saberes que ele recebe produtos de graça do marca que está no nome do site!
            O que achas que acontece? Que beneficia ou prejudica a imagem?

          • As coisas não são assim tão lineares Mário, os criticos de cinema não vão comprar os filmes, os de smartphones também não, não ganhavam para a renda sequer.
            Eu não vou duvidar de alguém que faz uma review ao Galaxy S8 só porque o recebeu da marca, da mesma forma que não vou duvidar da Eurogamer ou da Famitsu só porque recebem o material para analise das marcas, sempre funcionou assim.

            Agora dúvido sim de uma IGN cujos seus servidores estão alojados na Xbox Live, ou na Gamespot que já teve claros casos de corrupção como aquele reviewer que foi despedido por ter dado uma má nota a um jogo que tinha imensa publicidade no site, e é devido a essas cumplicidades que cabe a cada um de nós saber em quem confiar de acordo com o que vamos observando porque acima de tudo é uma questão de confiança.

            No teu caso é diferente, a tua linha editorial é completamente diferente, focas-te praticamente em artigos sobre aspectos tecnológicos, algo que depende de muita pesquisa, não fazes reviews com frequência, fazes de vez em quando e de um jogo que compraste, mas imagina que fazias mas tinhas que comprar todos os jogos?
            Era impossível, mais valia fechar as portas.

            É certo que o clima de desconfiança em relação aos media está mais alto que nunca, já nem os youtubers escapam, mas felizmente existem excepções à regra, casos raros como o teu cuja seriedade e honestidade nunca esteve em causa, a não ser por pessoas egocêntricas e sem capacidade de pensamento independente, os teus artigos fazem a diferença pela qualidade do conteúdo e por ser diferente, inédito até, logo até ao dia de hoje sempre depositei total confiança nas tuas palavras, mesmo que nem sempre esteja de acordo, nem toda a gente pode ser o Mário mas isso não significa que só porque aceitam coisas das marcas que são alvo de desconfiança, acredito que aceitam porque de outra forma não seria possível, e tu bem sabes como este meio é dispendioso.

        • Eu não sabia disso, você acompanha os caras então, bom ter uma confirmação.
          E mais importante, se eles vão receber um Xbox como um sem número de YouTubers, pra mim não há quem me convença, que se um homem adulto, com instrução (nada básica) se recusa a pegar a mão de outro, e com câmeras registrando tudo, isso só tem um nome; desprezo.
          Como alguém pode ganhar a vida criando animosidade entre jovens influenciáveis e adultos de baixo QI, ou ainda, de má fé.

          Errei em generalizar mesmo, tem fãs do Xbox aqui mesmo nos comentários regulares, mas eles tem moral pois são pessoas coerentes, agora a parte da comunidade que inclui XMG, você e mais um monte aí, não contribui uma vírgula pra esse ambiente e só polui com distorção, despeito, paranóia, desinformação, agitação, querendo sempre desmerecer gente que faz um trabalho sério e profissional, como o editor do site.
          Doença. Isso mesmo, fanboys como você e XMG são uma doença dos tempos modernos, onde a tecnologia evolui mas certas mentes estão ancoradas na estupidez. Isso tá em todo lugar também.
          Falo isso com toda serenidade, não tô com raiva.

          Não perco mais um segundo da minha vida com gente assim.

          Peço desculpas ao Mário e demais leitores por bater de frente assim, pois isso também não contribui. Só ignorar mesmo que fica tudo certo, isso é arrogante de se fazer e dizer mas, quando se pede chuva tem que lidar com a lama.

          Então aqui é meu ponto final.
          Pode espernear a vontade,
          felicidades

          • Carlos. por favor não desenvolvas mais a conversa… Está a entrar por caminhos pouco desejados. Obrigada!
            Da mesma forma espero hombridade o suficiente para não ver resposta!

          • Mário,

            Curioso para saber agora qual será a sua atitude quanto as inúmeras ofensas aqui feitas por esse cidadão arrogante e achador dono da verdade. Nem vou inumerá-las por que foram muitas e ao contrário do que o mesmo disse, eu não vou me sujar nessa lama.

            Se me lembro bem você disse que não toleraria mais esse tipo de comportamento e que tomaria medidas para evitar que isso voltasse a acorrer.

            Não lembro de ter dito nada acima que pudesse ter justificado esse tipo de agressão gratuita. Será que foi só por que não disse algo que mesmo gostaria de ouvir!?

            Será que quem aqui quem normalmente demonstra ter mais afinidade com a Sony, possui um filtro que torna suas ofensas menos desrespeitosas e mais digeríveis.

            A ironia é que quem acusa os outros de serem imorais, de criar animosidade e de terem mentes ancoradas na estupidez é quem as acabou por praticar ao tesser essas mesmas palavras.

            Pelo menos espero que esse comentário não seja censurado, por que aqui não quis ofender e nem atacar ninguém, somente quis espressar a minha indignação com esse ataque pessoal e atitude desprezível.

          • Sabes Igor…eu não censurarei, mas a hombridade que eu gostava que existisse… não existiu.
            Não se pode mexer nas abelhas e depois reclamar porque elas picam. E é o que estás a fazer. Tu tens noção do que escreves e a forma como escreves (não és só tu, eles tambem, mas tu vais pelo mesmo caminho)?
            Vamos é deixar a conversa por aqui, porque a dar vermelhos será como no futebol… um para cada lado.

          • Desculpa Mário, mas aqui não faltou hombridade não, só respondi para que essa pessoa não fique se achando superior aos outros e muito menos dona da verdade.

            I am done with it!

Deixe um comentario

O seu e-mail nao sera publicado.


*