Sony reafirma ao seu suporte aos jogos Single Player

Durante a apresentação na Playstation Experience, a Sony reforçou a sua dedicação ao suporte de jogos de jogador único.

Durante a Playstation Experience, o CEO da Sony Interactive Entertainment America, Shawn Layden veio reforçar o suporta da empresa aos jogos de jogador único.

Layden mencionou que na SCE Worldwide Studios há muita “devoção e amor” ao contar de histórias e à narrativa naquilo que as pessoas chamam de “jogos de jogador único”. A Sony coloca os ovos todos nesse cesto porque, como Layden refere, é algo que eles fazem bem.

Esta é curiosamente uma frase que vai de encontra ao que o analista Leweis Laiden referiu à uns tempos atrás, e onde ele referia que a posição da Sony nesse campo, devido a ser uma empresa que se dedica ao entretenimento em geral e ao cinema em particular, é privilegiada.

Layden acrescenta que não quer ir ter com as suas equipas e dizer algo como “Li numa revista que há algo chamado Jogos como Serviço, criem-me algo assim“. Pelo contrário, a SIE cria jogos como Horizon Zero Dawn, God of War, Detroit: Become Human, Uncharted, The Last of Us, e será nesse tipo de jogos que se continuarão a apoiar de forma muito forte.



Ainda durante a PSX experiencia , o Director de Marketing da Guerrila, Hermen Hulst, tinha referido que Horizon Zero Dawn era de longe o jogo de maior sucesso da so estúdio, e curiosamente também é o primeiro jogo do estúdio desde à largos anos, sem componente multi jogador. Daí que Hulst acredita que os jogos Single podem acrescentar um tipo de experiência mais mágica e sem quebras. Acredita ainda que haverá sempre mercado para este tipo de jogos e que eles são de uma importância fulcral.

Esta é uma ideologia que partilhamos. Acreditamos seriamente que os jogos venderão quando forem bons, sejam single ou multi, mas que os single são uma forma mais realizadora de se jogar nos tempos de cada um e de acordo com a disponibilidade de cada um.



Posts Relacionados

  Subscribe  
newest oldest
Notify of
Igor
Visitante
Igor

De fato esse Shawn Layden revelou muita coisa, mas algumas delas simplesemente foram ignoradas.👏👏👏

José Galvão
Membro

Quando se anda de tópico em tópico a criticar uma atitude infeliz que tem zero influência em relação ao que se discute aqui diariamente, então é sinal que a argumentação atingiu níveis muito baixos, porque quando não se tem muito por onde pegar, então toca a arranjar coisas patéticas dignas de uma novela mexicana, quando na realidade se faz de parvo perante um certo jogo lançado em early access que por acaso até cobrou por dlc antes do lançamento, e que corre num estado absolutamente lastimável, mas isso não é o mais importante, o que interessa de facto é que o tipo da Sony foi áspero para alguém na plateia………….

GABRIELA PACHECO
Visitante
GABRIELA PACHECO

Atitudes como esta não torna sua opinião mais valida. Foca no artigo que isso que interessa.

bruno
Visitante
bruno

Querias responder ao Igor?

É que respondeste ao José…

Carlos Zidane
Visitante
Carlos Zidane

Estou bastante satisfeito com o que a Sony tem feito nos seus jogos, a excessão de Gran Turismo Sport, que pra mim é uma decepção gigante.
Porém essa linha de trabalho de jogos com histórias envolventes é fantástico.
Não tenho paciência pra ficar dando tiros a torto e a direito sem grandes objetivos, já até joguei bastante multiplayer no passado, no PC, mas agora não curto mais.
Fico feliz que a Sony e até mesmo Nintendo não caiam nessa de querer SOMENTE lançar coisas genéricas pra arrancar dinheiro das pessoas (EA).
Um modelo que eu detesto é o de Destiny por exemplo, ou The Division. “Joguei” os dois pelo YouTube antes de me decidir se valia a pena (faço isso com todo jogo antes de comprar) inclusive baixei a demo do The Division… O que eu achei, repetitivo, nenhuma emoção. É como estar num loop de tiroteios e upgrades sem sal.
Por outro lado quando vi Detroit Became Human, fiquei bastante animado, sendo grande fã de Heavy Rain e Beyond Two Souls, esse me parece ter bom potencial, e a Kara já tem mais carisma pra mim que a Aloy.

E claro, o ideal é que se tenha de tudo e pra todos.
Não estou menosprezando quem curte os tiroteios, é só o meu lado sendo contado.

PS: E é incrível que em dezembro de 2017 tenha que se deixar isso escrito pra que alguém não se ofenda por pouca coisa.