Suspeitas sobre pressões para paridade nos jogos sobem a ritmo elevado

Phil Spencer negou essas pressões. Mas como os especialistas dizem, tal era apenas espectável pois a posição oficial de uma empresa terá de ser sempre essa. Já na prática a pressão poderá existir.

Há ou não há pressões para que haja paridade nos jogos entre as versões consola e alguma paridade entre as versões consolas e PC?

Isso é algo que com certeza nunca saberemos. Negociatas existem e casos onde pagamentos de uma empresa prejudicam a concorrência ou, no mínimo, beneficiam a sua marca, são aos milhares.

Infelizmente provar essas situações é normalmente difícil, e quando a ocorrência é uma prática com anos, onde em uma altura ou outra, todos acabaram por fazer o mesmo, atirar pedras tendo-se telhados de vidro é algo que poucos fazem.

Assassins Creed tem estado no meio de polémica devido à paridade existente entre as consolas. Mas mais ainda, surgiram recentemente indicações de que os fabricantes de consolas (e isto incluiria Microsoft e Sony) estariam a pressionar a Ubisoft no sentido de limitar a versão PC do jogo de forma a que esta seja igualmente limitada a 30 fps.

Publicidade

Retomando o nosso artigo

Apesar de a Sony nunca se ter pronunciado, Phil Spencer teve uma participação via Twitter onde negava qualquer pressão nesse sentido.

Apesar de ser claro que a Ubisoft não mente quando diz que AC: Unity é bastante exigente a nível de CPU, e que este é o factor limitativo nas consolas, e disso não temos dúvidas quando vemos que o jogo exige como processador mínimo para PC um Intel Core®-2500K, recomendando um Intel Core® i7-3770, uma clara evolução face ao Intel Core2Quad Q8400 pedido como mínimo para Assassins Creed IV: Black Flag, e onde um Intel Core i5 2400S era o recomendado (menos do que o actual mínimo), as dúvidas sobre o real motivo da paridade de resolução entre consolas mantêm-se no ar, e quanto ao PC não há motivos para que os sistemas mais poderosos não possam atingir os 60 fps.

Por isso voltemos à questão. Está ou não a haver pressão para a paridade?

A posição oficial da Ubisoft é de silêncio, a da Sony é de silêncio, e a da Microsoft é de negar.

No entanto, como bem se referiu nos mais diversos locais, essa seria sempre a posição oficial da Microsoft. Independentemente de ser verdade ou não! Nunca em nenhum caso a Microsoft ou qualquer outra empresa iria reconhecer qualquer tipo de pressão.

Mas eis que surgiram novos dados que levantam novas questões.

A Ubisoft realizou recentemente uma acção de sensibilização junto de pelo menos uma escola, e um utilizador do Reddit aproveitou para obter um conjunto de respostas a questões que outros utilizadores da mesma rede lhe pediram para colocar:

Ubisoft escola

Publicidade

Retomando o nosso artigo

Na apresentação estiveram presentes um arquitecto de jogo, um programador e uma senhora da secção de recursos humanos.

Eis o que o utilizador conseguiu saber face a cada uma das questões que lhe foi pedido que tentasse averiguar (note-se que apenas vou referir as partes relevantes para este artigo, e que o referido é de acordo com as declarações do utilizador):

Questão –  30 ou 60 fps?

Aqui a pergunta nunca chegou a ser colocada pois durante a sua intervenção, o Arquitecto do jogo referiu que a equipa aponta sempre para 60 fps, mas que algumas “limitações” tem forçado os 30 fps em jogos mais recentes. Sem qualquer questão sobre o assunto, o arquitecto terá avançado por sua iniciativa a indicação que a empresa está a ser pressionada para fazer o mesmo com as versões PC.

Questão – Vocês tem consciência de que a decisão de bloquear os fps a 30 fps nos vossos jogos, como AC: Unity, em gerado uma reacção negativa? Se sim, o que pensam disso?

Esta questão foi colocada no final da conferência, na sessão de perguntas e respostas, e a resposta foi que a equipa, nesse tipo de jogo tem de optar entre a fidelidade visual e a fluidez. No entanto, mais uma vez eis que surge a indicação implícita de que a Microsoft (e aqui surge pela primeira vez um nome específico de uma empresa), estaria a forçar um framerate bloqueado no PC tambem. Mas após um breve sorriso referiu que “seja como for os nossos olhos não vêem mais de 24 fps”, e piscou o olho!

Questão – Qual foi o impacto da IA nos APUs das consolas?

Curiosamente o utilizador refere que lhe foi dito que a equipa, em alguns jogos, teve de usar a Cloud da Microsoft em vez do APU devido a limitações de hardware.

Naturalmente não se pode confirmar a veracidade destas questões e respostas. Trata-se de um mero utilizador do Reddit cuja credibilidade é questionável.

Mas que a conferência existiu é um facto, e a foto aqui existente é fornecida pelo utilizador em causa. E o seu relato deixa claro que as pressões são uma realidade (O seu relato total pode ser lido aqui).

Independentemente de tal poder ser falso, esta situação tornou-se do conhecimento público e espalhou-se por vários fóruns que acusam agora a Microsoft de forçar a paridade entre as versões. E se o faz no PC, mais depressa o faz nas consolas onde a concorrência é mais directa.

Não temos como confirmar a situação, pelo que o que aqui trazemos é mais um relato da situação do que outra coisa, mas não deixam de ser situações curiosas que são referidas, particularmente a ultima que parece mostrar que a Xbox One é por vezes, em jogos Ubisoft, forçada a recorrer à Cloud, mas nada é referido quanto à PS4. Ora tal a ser verdade,dado que a consola da Sony não possui esse recurso e nunca nenhum jogo se revelou diferente, ou inferior, tal levanta a questão sobre como se resolve o problema nessa consola, ficando no ar a ideia que a referida limitação não tem existido na PS4. Mas sinceramente há que questionar tudo isto que é referido.

Seja como for, não tomem a situação como verdadeira uma vez que não temos como a confirmar, e a fonte não merece qualquer confiança. Mas que a mesma ajudou a aumentar as suspeitas sobre as pressões, isso ajudou!

Publicidade

Retomando o nosso artigo

Nota: outros alunos confirmaram a conferencia e que tal foi efectivamente dito. No entanto todos aceitam que os representantes possam apenas ter sido infelizes na escolha de palavras.
 

 

Publicidade

Posts Relacionados