Suspeito de hack à PSN destruiu computadores para eliminar provas.

Um homem suspeito de ter participado no Hack da Playstation Network destruiu os seus computadores de forma a eliminar eventuais provas contra si.

Todd M. Miller possui 23 anos e está acusado de ter participado no ataque que deitou abaixo a PSN em 2011, e foi agora condenado a prisão domiciliária por obstrução a uma investigação do FBI.

De acordo com a acusação, Miller era membro de um grupo de hackers que dava pelo nove de KCUF clan desde 2008 e que terá estado por trás da organização do ataque aos servidores da Sony e onde foram roubados dados de cartões de crédito de milhões de utilizadores da rede.

No entanto, quando o FBI arranjou um mandato para procurar os computadores de Miller o que descobriu foi que os discos rígidos tinham sido removidos e os computadores destruídos à marretada. E sem os computadores tornava-se difícil provar alguma coisa contra Miller.



Miller não nega as acusações apenas referindo que na altura em que destruiu o computador (o que teria sido pouco depois do ataque), era “imaturo e ignorante, tendo-se aproximado das pessoas erradas na altura errada”. Garante porém que terá aprendido a lição e que o Juiz não o “verá de novo”.

Caso o FBI tivesse deitado as mãos ao seu disco rígido, provando algo contra ele a multa seria de 250 mil dólares e a pena de prisão até 20 anos. Mas sem o mesmo, e dado que nada pode ser provado contra si, o Juiz acredita que dado o arrependimento do homem e o facto de este possuir agora um emprego a tempo inteiro e alguma estabilidade após uma infância tumultuosa o mesmo poderia cumprir a sua pena em prisão domiciliária em vez de ir para a cadeia, e apenas pelo crime de destruição de provas.

E assim se safa alguém que roubou mais de 70 milhões de cartões de crédito e sem se saber qual o destina dado a essa informação.

Fonte: Nakedsecurity.



Posts Relacionados