Técnicas antigas que o tempo apagou

Alguem se lembra do do Commodore 64? E alguém se lembra de como na altura haviam técnicas que conseguiam superar limitações do seu hardware?

Recordando o passado encontramos situações e necessidades que o tempo apagou e que deixaram de ser necessárias, mas que na altura eram autênticos prodígios de técnica.

A situação que vamos falar aqui aplicou-se em várias máquinas, desde o ZX Spectrum ao Atari ST. Mas no entanto, a situação melhor documentada foi no Commodore 64, sendo que será dela que iremos falar.

Para quem não se lembra, eis os gráficos do Commodore 64 num jogo dos anos 80 e num jogo criado para ele bastante recentemente:

Publicidade

Retomando o nosso artigo

Esta pequeno computador que nos maravilhou e entreteve durante tanto tempo, possuia uma resolução de 320×200 e uma paleta de cores com um total de 16 cores, que podiam ser usadas de forma livre em cada um dos seus pixels.

Eis a paleta de cores em questão (a primeira barra, à esquerda, é preta, tal como o fundo do ecrã):

Ora todos os gráficos eram criados com estas cores de cima. E dada a sua pequena variedade, as mesmas eram conhecidas da frente para trás e de trás para a frente. Aliás, apenas pela paleta de cores era possível distinguir-se ao longe se o jogo era do Commodore 64 ou não.

Mas eis que,a determinada altura, num jogo denominado Dragon Breed, as pessoas ficaram surpreendidas quando viram um dragão a aparecer no ecrã, com a seguinte cor:

Apesar de algumas parecenças com o azul da paleta, na realidade este azul turquesa era bem diferente. Vamos comparar com detalhe:

Cortando um pedacinho do azul da paleta, e fazendo o mesmo com o dragão, ampliando, vamos colocar ambos lado a lado.

Como vemos, são dois azuis completamente diferentes. A cor do dragão (direita) é uma cor que não existia na paleta de cores da placa gráfica do Commodore 64!

Como era isto possível? Será que a placa gráfica era programável e permitia o acréscimo de funções não previstas de base?

Publicidade

Retomando o nosso artigo

Claro que não! 🙂 Essas situações só apareceram muitos, mas mesmo muitos anos mais tarde.

Na realidade o que ali estava era uma ilusão óptica, um truque muito bem pensado e que permitia ao Commodore 64 mostrar mais cores do que aquelas para as quais tinha sido concebido.

E como era isso possível?

Bem, muito simplesmente desenhando o dragão 50 vezes por segundo (o refrescamento das TVs), alternando cada um dos desenhos, comum dragão de cor diferente.

No caso, um dos dragões seria este:

E o outro, este:

A cor misturada tem mesmo de ser vista, e não se consegue obter com uma captura de ecrã que, por ser um instantâneo, irá sempre apanhar uma destas duas imagens. Daí que a imagem que mostra o resultado final que visuamizamos tenha de ser algo offscreen e tirada a uma velocidade maior que 1/50 de segundo, de forma a apanhar a transição de ambas as cores, e a cor resultante:

Impressionados? Nem por isso?

Vamos então ver de forma mais alargada o que esta técnica pode fazer. E para isso vamos criar uma grelha com as 16 cores do Commodore 64 colocadas em colunas:

Agora vamos colocar novamente as 16 cores, mas em linhas.

E apliquemos o efeito de cima às duas imagens (infelizmente, sem me aperceber cortei o quadrado final em todas as imagens):

Como se vê, esta técnica permite um total de 256 cores. É certo que visualizando o efeito criado sem ser por foto, algumas cintilam bastante o que as torna pouco usáveis, mas mesmo assim é impressionante.

Mas claro… atualmente o número de cores não é um problema. e esta é uma técnica que caiu em desuso. Mas que merece créditos a quem a criou numa altura onde o número de cores no ecrã era limitado.

 

Publicidade

Posts Relacionados

Readers Comments (2)

  1. Gostos de matérias assim, a pessoa que pensou nisso teve uma sacada genial.

  2. Muito interessante. Curto muito saber desses detalhes técnicos ainda mais quando os caras são tão criativos pra contornar limitações.

Os comentarios estao fechados.