Técnicas de animação que espantaram o mundo em The Last of us 2, nem sequer são novidade no mercado

Apesar das técnicas usadas não serem novidade, a mestria da Naugty Dog melhorou as mesmas a um ponto que não se julgava temporalmente credível de se ver na actual geração.

A ultima divulgação da Naughty Dog sobre o seu motor usado em The Last of us 2, explica muito bem o porque da incredulidade de alguns face ao que foi mostrado. No entanto, para membros da industria activos essa reacção ficou-lhes muito mal, uma vez que a técnica usada nem sequer foi criada por este jogo, apesar que a Naught Dog a refinou a um nível que ninguém esperava ver aplicado tão cedo, e muito menos na atual geração.

A realidade é que quem duvidou que o que ali estava fosse verdade, terá de engolir em seco. A tecnologia que permite aquele tipo de animações interactivas e com transições perfeitas denomina-se “Motion Matchmaking” e já existe no mercado aplicada em jogos desde Fevereiro de 2017.

A técnica foi aplicada pela primeira vez no jogo “For Honour”, e mostrou ao mundo como era possível melhorar-se e em muito a tecnologia de transição entre animações diferentes.

No entanto, aquilo que vemos em The Last of us, não é apenas a aplicação da tecnologia… é uma versão completamente revista, actualizada, melhorada e personalizada pela Naughty Dog, que leva a coisa a um patamar de qualidade que não se esperava ver tão cedo, mas apenas daqui a uns anos, ou seja já com a futura geração já presente no mercado (uma questão de tempo e não de tecnologia).



O jogo consegue combinar um grafismo de elevada qualidade, do melhor que se faz actualmente, e que já se tornou um padrão na Naughty Dog, com este sistema de animações, tornando esta combinação o jogo em algo que realmente sobressai face a tudo o que existe.

Basicamente explica-se que a tecnologia em vez de aplicar uma animação para uma coisa e outra para outra, mistura tudo dentro de um balde, dividindo as mesmas em várias partes constituintes, sendo que o sistema, de acordo com as acções do jogador, vai buscar as animações ou as partes das animações criando animações intermédias baseadas nas misturas do existente, e adequadas e realistas, fazendo transições perfeitas e realistas. O resultado é um aspecto fluido e realista que permite manter os tempos de reacção e resposta que são necessários em jogos exigentes, mesmo aqueles estilo Uncharted.



Basicamente todas a animações são capturadas a partir de movimentos reais e nesse sentido, mesmo as partes das animações criadas em tempo real são contextualizadas e realistas.

Certamente o jogo terá ainda muito mais para revelar no que toca às tecnologias, uma vez que é já habitual a Naughty Dog deixar o mundo incrédulo com aquilo que produz. Para já fiquemos apenas a saber que as animações visualizadas no jogo eram reais, sendo que a contextualização das mesmas com os cenários são algo que já vem do primeiro jogo, e do sistemas de “lasers” implementado e que já vem do primeiro jogo, tendo sofrido diversas melhorias e que permite à personagem ter a percepção dos objectps com que pode interagir na sua envolvente, e permitindo a interação dinàmica com o que existe à sua volta.

Basicamente toda a tecnologia ali implementada, apesar de estar num patamar que mais ninguem alcançou, era já conhecida, com a tecnologia de lasers de Tlou, que na altura tambem levantou acusações de ser scriptada a ser de 2012, e o resto apresentado na GDC de 2016 e usado comercialmente pela primeira vez em 2017.

Eis um video de 2016 sobre a apresentação da tecnologia que serviu de base à Naughty Dog:

E o nosso artigo de 2012 sobre os lasers de The last of us.



Posts Relacionados

  Subscribe  
newest oldest
Notify of
Andrio
Visitante
Andrio

Hum, Interessante…. Isso dá mais credibilidade do que foi mostrado na E3
ND deve surpreender novamente.