Tim Cook espera uma migração maciça de utilizadores Android para o iPhone 6

Por muito respeito que tenhamos e temos pela Apple, esta ideia de Tim Cook só pode dar para rir.

Tim Cook

Após a presentação do iPhone 6, Tim Cook teve um encontro com alguns jornalista, onde referiu que este evento tinha sido um dos mais importantes da história da Apple

Tim Cook refere que este é “a mãe de todos os upgrades” e que prevê que muitos utilizadores Android façam finalmente a mudança para a Apple uma vez que os seus produtos são “significativamente melhores em todos os sentidos”. O website em que nos baseamos para a notícia refere mesmo no seu título aquilo que usamos no nosso, que Tim Cook espera migração maciça de utilizadores Android para o iPhone.

Caro Tim Cook… Que a Apple tenha perdido o toque aceita-se! Até o poderá recuperar. Mas afirmações destas… nem sei o que pensar delas.



Será que na Apple não há mesmo a noção do quanto o iPhone se atrasou face ao Android?

Eu possuí vários produtos Apple, era fan Apple, e converti-me com o 5S, após vários anos a comprar produtos que eram basicamente iguais. Pegando num 5S e num iPhone 4 o que via? Estéticas à parte, o mesmo telefone… apenas mais rápido e com uma função extra aqui e ali.

Já a concorrência estava vários anos à frente, e o iPhone 6 não fez mais do que… tentar apanhar.

Posso descrever algumas situações que me apanharam de surpresa quando troquei o meu iPhone 5 por um Note 3.

1 – No meu iPhone 5 perdi horas a conseguir configurar o meu iPhone e o sistema de navegação do meu BMW para activar as funções Office e a Internet. Aliás até escrevi um artigo sobre o assunto que se tornou extremamente popular nos fóruns da BMW, mostrando que o problema era geral.
Curiosamente quando entrei no meu carro com o meu novo Note 3 imediatamente foram detectadas todas as funções existentes no carro e tudo se configurou automáticamente. Aliás até funções anteriormente não existentes foram activadas. Agora, ao contrário do que existia antes, quando recebo uma chamada visualizo a foto de quem me liga no ecrã do automóvel. Algo que nunca existiu com o iPhone 5.
E quando reproduzo uma música a capa do album aparece igualmente no ecrã. Algo igualmente inexistente no iPhone a não ser que ligado por cabo à porta USB do carro.



2 – Quando tive o meu novo telefone estive uns dias fora, tendo tirado umas fotos. Algumas dessas fotos foram a paisagens e tiradas em posições e angulos bastante incomuns e onde o obturador dificilmente poderia ser pressionado por falta de visualização do ecrã. Mas no novo telefone o comando verbal “Capturar” efectuava o disparo. O iPhone nunca aceitou comandos verbais na câmara.

3 –  Ainda no âmbito dessa viagem coloquei as fotos dos diversos smartphones dos participantes numa pen para mandar revelar. E como não podia deixar de ser… esqueci-me das minhas próprias fotos.
Felizmente não estava com um iPhone, e dessa forma pude ligar-me por Bluetooth à máquina de revelação e passar todas as fotos.

4 – No meu iPhone 5 comprei a versão 32 GB. Mas ela rapidamente se revelou pequena devido às fotos. Infelizmente comprar um novo iPhone estava fora de hipotese, pelo que tinha de andar sempre a passar coisas de um lado para o outro. Aqui comprei um Note 3 igualmente com 32 GB, mas por mais 40 euros adquiri um cartão de memória classe 10 que me expandiu a memória para o dobro, e que dedico às fotografias e vídeos.

5 – Mal entrei em casa com o novo smartphone este avisou-me que na minha rede wi-fi estavam presentes 2 computadores e uma smartTV, questionando se queria configurar partilhas de ficheiros. Ao aceitar vi nos PCs um icone que acede ao smartphone por wi-fi, podendo colocar a tirar de lá e para lá o que quiser. Na smartTV basta-me pressionar o botão de partilha integrado nas aplicações do sistema do Note 3 e imediatamente o que estou a ver está a passar no ecrã da TV. Sejam fotos ou filmes Full HD, tudo passa imediatamente e sem atrasos ou engasgos. E até as legendas são passadas. No iPhone isto só era possível com uma aplicação específica e… nada de legendas.

Poderia continuar. Com situações como o S Voice em Portugues vs Siri em Inglês, fotos com 2 câmaras, reconhecimento de escrita com a S Pen, gráficos dinâmicos, anotações sobre o ecrã e fotos, enfim, tantas, mas tantas coisas que no iPhone eram e ainda são uma miragem que não vejo como alguem poderia alguma vez pensar em retroceder.

Acima de tudo há uma liberdade que prezo. O facto de não estar preso ao que a Apple acha que é bom para mim. E se isso até se pode aceitar em alguns casos onde a segurança pode ser posta em causa, ter vídeos no formato mp4 que não reproduzem nos produtos Apple só pode ser considerado como ridículo.

De forma resumida, não há nada que fizesse anteriormente no iPhone que não faça actualmente no Android. Mas o contrário…



Posts Relacionados