Trailer de The Last of us 2 na PGW chocou! E Detroit: Became Human fez o mesmo!

É conteúdo adulto… mas inserido num meio de diversão como são as consolas, as imagens revelaram-se demasiadamente violentas e sem avisos prévios do conteúdo.

Nota: quando da visualização destes dois trailers referidos no título durante a Paris Game Week, fiquei algo chocado com o visualizado. Mas no entanto não me ocorreu escrever nada sobre o assunto. Mas imediatamente o assunto foi abordado por diversos websites e nesse sentido achei que, dada a minha reacção inicial, o assunto deveria efectivamente ser abordado aqui na PCManias.

Atualmente a violência gráfica que se pode criar graças aos meios tecnológicos existentes é algo comum. E novas barreiras são quebradas todos os dias.

As séries e filmes mostram cada vez mais cenas de violência gratuita. São filmes e filmes onde o sangue abunda em quantidade, e as cenas são chocantes. Atualmente até temos séries como Zombie onde a violência gráfica e situações chocantes normalmente associados ao terror são exploradas sob a forma de comédia. É a banalização da violência gráfica e das cenas chocantes.

Séries como The Walking Dead possuem cenas de violência incrível, e mesmo outras séries onde tal não seria tão expectável como Game of Thrones possuem cenas de violência atroz. Até o mais recente Star Trek, o Discovery, optou por mostrar cenas com alguma violência gráfica que não são nada comuns na série.



Quer isto dizer que não deveríamos ficar chocados quando vemos mais cenas destas?

Claro que não! Se isso acontecesse seria preocupante! Seria um aceitar desse tipo de situações como normal, algo que seria preocupante e deveria levar qualquer pessoa a pedir ajuda psicológica. A intenção dessas cenas é chocar e esse efeito, mais ou menos eficaz, dada a nossa condição de seres humanos e não de animais, tem de se manter. Acima de tudo, o repúdio e choque perante a situação tem de existir.

Ver, durante a transmissão da conferência da Sony, na Paris Game Week, a cena de The Last of us 2 onde uma jovem é arrastada pelo cabelo e o seu braço é desfeito com a ajuda de um martelo não é nada que já não tenha sido visto em cenas de filmes ou de séries TV. Nem sequer é das cenas mais chocantes que já vimos, apesar de, tal como referido, ela não deve deixar de chocar! Mas, deve chocar ainda mais pela sua introdução num meio de divertimento de acesso generalizado a pessoas de todas as idades, e predominantemente usado pelos jovens, e muitas vezes sem controlo, como são os videojogos!

Não é que todos os jogos sejam destinados a pessoas da mesma idade, e nesse sentido The Last of us até pode ser um jogo para maiores de 18. Dessa forma, à partida (e já falaremos mais sobre isso mais à frente), só comprará o jogo quem for adulto. Não é que tenha alguma coisa de verdadeiramente adulto aceitar ou até se pretender ter este tipo de cenas explicitas num jogo, até porque a cena, apesar de não ser das mais chocantes já vistas, poderia não ser assim tão explicita, alcançando um efeito semelhante, mas nem vamos entrar por aí. Agora o que não teve nada de absolutamente adulto por parte dos responsáveis da Sony foi colocar esse trailer com esta cena visualmente tão explícita numa apresentação genérica e onde público de todas as idades estava a assistir, misturado com outros trailers banais, e sem sequer um aviso antes de que o que iriam ver era destinado a um público adulto e que, mesmo para esse, o conteúdo poderia chocar ou ser susceptível de ferir sensibilidades. Sim, o aviso de restrição de idades que vêem nos trailers do Youtube não foram sequer mostrados na PGW.

Jogos de Zombies com pessoas deformadas, ou first person shooters são jogos onde se matam personagens que representam pessoas a torto e a direito são algo comum nos videojogos. E a sociedade aceita-as! Mas mesmo perante tudo isso, e de acompanhar a industria à muito tempo, não pude deixar de ficar chocado com o que vi naquele trailer, e a forma como ele apareceu vindo do nada e sem qualquer aviso. Foi pura a simplesmente um tipo de representação visual que achei que não trazia verdadeiramente nada de relevante e que achei, dada a variedade de idades no público que assistia, demasiadamente explicita e brutal e meramente criada com o intuito de chocar. Algo que era dispensável até porque não me parece correcto que Tlou 2 tenha de ser forçosamente um jogo para maiores de 18 apenas porque a equipa resolveu ser explicita em cenas que poderiam ser conseguidas sem uma representação gráfica tão clara. Aliás, vemos esse tipo de cenas onde o efeito é conseguido sem a representação explicita da violência ou da brutalidade quase todos os dias em filmes, alguns deles grandes filmes! O efeito de chocar pode não ser tão grande, mas também se diga que se um filme ou jogo precisa de ir por aí para tentar cativar as pessoas, não se refugiando na sua qualidade para isso, algo está mal. O primeiro Tlou foi o sucesso que foi pela sua qualidade de jogo e não porque nele existissem cenas violentas. Elas existiam e percebiam-se, mas nunca foram tão explicitas como aquela!

Infelizmente Tlou não foi o único jogo que a Sony apresentou na PGW com cenas chocantes. Detroit: Become Human mostrou um trailer onde um pai agride violentamente uma miúda de pouco mais de 6 ou 7 anos com um chicote. Ali a cena não foi explicita, mas não deixou de chocar! É um tipo de conteúdo adulto que não deveria ser mostrado sem alertas. Pouco interessa se o jogo se baseia em decisões morais ou não, uma empresa responsável e que alcança público de todas as idades não coloca aquele tipo de cenas num trailer youtube e numa transmissão a nível mundial que qualquer pessoa de qualquer idade pode ver, sem um qualquer tipo de alerta para o conteúdo.

Ainda por cima o que ali se mostra é um conjunto de decisões ligadas à violência que acaba em mais violência O pai não se limita a maltratar a filha, ele espanca-a e com um chicote, e a decisão para resolver a situação parece passar por matar o pai com um tiro de pistola. É violência em cima de violência, e misturada no meio de outros jogos inofensivos e de mera diversão sem qualquer tipo de aviso. É um banalizar da violência que não aceito seja mostrado numa transmissão destas, desta forma tão displicente.



A justificação da Sony é que estes são jogos adultos para adultos, e isso até se percebe e não somos contra esse tipo de jogos. Tlou é um jogo onde o mundo é brutal e sem regras e mostrar isso no trailer é compreensível pois mostra essa realidade. Aceita-se isso, mas não se concorda é necessáriamente com a forma explicita e sem avisos como a coisa foi mostrada misturada no meio de outros jogos perfeitamente banais e onde alguns deles até se destinam a um público mais jovem. E isto não quer dizer que não concorde que os videojogos explorem temas mais obscuros ou negros. Mas tambem tenho de dizer que não me parece que a violência assim tão explicita seja absolutamente necessária numa publicidade colocada numa transmissão de acesso a todos para demonstrar uma eventual maturidade de um jogo!

Por exemplo o trailer de Tlou 2 não mostra a profundidade do jogo ou verdadeiramente a sua maturidade. Na realidade nem sequer mostra o jogo em si, apenas um trailer com personagens quase todas elas desconhecidas e até fora do contexto do jogo anterior. Analisando o trailer só pelo seu conteúdo, ele não chega a definir verdadeiramente o jogo ou a sua jogabilidade, sendo que o visualizado não é mais do que pura violência que, eventualmente alguem se achou deveria ser explicita para chocar mais.

Isto é o mesmo que, por exemplo, em Battlefield, nos trailers em que se mata os inimigos com uma faca, em vez de ver estes meramente a cair, víssemos com pormenor a faca a cortar a barriga ou o pescoço. Isso seria algo desnecessário, que no contexto de um jogo, não traz nada de interessante, mas que certamente também ajudaria a criar o ambiente de brutalidade da guerra e seria plenamente justificável nesse âmbito! Mas não, por norma não vemos isso! Porque tal é desnecessário , e naquele trailer, mais do que o grafismo, ou a qualidade das actuações, o que chama mais a atenção é a brutalidade e desumanidade da cena exposta assim de forma tão banal a tudo e todos. Pessoalmente não considero que o trailer pretendesse mostrar um conteúdo adulto, algo que poderia ser conseguido de outra forma, considero que aquele trailer tinha mesmo a intenção de chocar.

Pensem… se a cena fosse de sexo explicíto (não necessariamente uma violação), como reagiriam ao ver aquilo numa transmissão para todas as idades? Isso chocar-vos-ia? Se sim, porque motivo esmagar-se um braço com um martelo não vos choca? Se isso acontece certamente algo errado se passa aqui, o terror, a desumanidade e a brutalidade, deveria chocar mais que tudo o resto. O sexo é um acto natural, mas a violência é um acto animalesco!

Voltando à questão de quem compra estes jogos para adultos serem adultos, há que se ter consciência que muitos dos jogos são pedidos pelos miúdos, e comprados pelos pais. E eles possuem mais de 18 anos! Nesse sentido, eles entregam aos miúdos conteúdos que nem imaginam que existem. Acham que os pais vêem o 18 na capa que indica a idade? Claro que não, estão afinal a comprar um jogo que está ao lado de outros como Super Mário e num tipo de loja maioritariamente frequentada por adolescentes! Já vi essa realidade a acontecer com pais a comprarem o GTA a pedido para os filhos e que acabaram por o não levar porque o dono da loja sabia que o destinatário era um miúdo e alertou o pai para o conteúdo real do que ia levar. Mas quantos donos de loja conhecem os clientes todos?

Isto só fica mal a uma Sony que, escondendo as suas reais intenções, decidiu fugir à realidade e dizer publicamente que não aceitava o Cross Play para proteger as crianças. Mas depois, mete conteúdo destes numa transmissão mundial, sem qualquer alerta. Mesmo sendo a desculpa das crianças uma forma de se fugir a uma realidade que, como já referimos até percebemos e compreendemos, a Sony borrou aqui a pintura toda ao não manter aqui uma coerência naquilo que diz! Se há efectivamente uma política de protecção de menores, a Sony deveria pedir desculpas pelo erro cometido na falta dos alertas.

É certo que as pessoas devem ser educadas para saber distinguir entre um videojogo e a realidade. Mas expor jovens regularmente e de forma banal a este tipo de violência é algo que a sociedade faz agora com alguma regularidade, e isso é preocupante. A banalização de algo assim não pode nunca trazer nada de bom, quanto mais não fosse pelo facto que a temática pretendida poderia ser mantida, pelo menos na publicidade ali mostrada, sem existirem cenas tão explicitas!



Por exemplo, ainda ontem vi Taken 2, um filme onde se matam pessoas de início ao fim. E apesar da acção e da violência que existe associada às mortes, as cenas não eram explicitas. E isso não impede o filme de ser excelente!

Para finalizar e deixar a situação clara, percebam que aqui a crítica não é feita ao conteúdo de dois jogos que se sabem ser destinados a um público mais adulto, mas sim a dois pontos:

  • a forma explicita e gratuita como Tlou, mostra uma cena de extrema violência que se acredita não tinha a necessidade de ser visualmente tão explicita.
  • A falta de avisos e alertas de conteúdos adultos existentes nos trailers difundidos, mundialmente, para pessoas de todas as idades, de Tlou e Detroit: Become Human.


Posts Relacionados