Trailer de The Last of us 2 na PGW chocou! E Detroit: Became Human fez o mesmo!

É conteúdo adulto… mas inserido num meio de diversão como são as consolas, as imagens revelaram-se demasiadamente violentas e sem avisos prévios do conteúdo.

Nota: quando da visualização destes dois trailers referidos no título durante a Paris Game Week, fiquei algo chocado com o visualizado. Mas no entanto não me ocorreu escrever nada sobre o assunto. Mas imediatamente o assunto foi abordado por diversos websites e nesse sentido achei que, dada a minha reacção inicial, o assunto deveria efectivamente ser abordado aqui na PCManias.

Atualmente a violência gráfica que se pode criar graças aos meios tecnológicos existentes é algo comum. E novas barreiras são quebradas todos os dias.

As séries e filmes mostram cada vez mais cenas de violência gratuita. São filmes e filmes onde o sangue abunda em quantidade, e as cenas são chocantes. Atualmente até temos séries como Zombie onde a violência gráfica e situações chocantes normalmente associados ao terror são exploradas sob a forma de comédia. É a banalização da violência gráfica e das cenas chocantes.

Séries como The Walking Dead possuem cenas de violência incrível, e mesmo outras séries onde tal não seria tão expectável como Game of Thrones possuem cenas de violência atroz. Até o mais recente Star Trek, o Discovery, optou por mostrar cenas com alguma violência gráfica que não são nada comuns na série.



Quer isto dizer que não deveríamos ficar chocados quando vemos mais cenas destas?

Claro que não! Se isso acontecesse seria preocupante! Seria um aceitar desse tipo de situações como normal, algo que seria preocupante e deveria levar qualquer pessoa a pedir ajuda psicológica. A intenção dessas cenas é chocar e esse efeito, mais ou menos eficaz, dada a nossa condição de seres humanos e não de animais, tem de se manter. Acima de tudo, o repúdio e choque perante a situação tem de existir.

Ver, durante a transmissão da conferência da Sony, na Paris Game Week, a cena de The Last of us 2 onde uma jovem é arrastada pelo cabelo e o seu braço é desfeito com a ajuda de um martelo não é nada que já não tenha sido visto em cenas de filmes ou de séries TV. Nem sequer é das cenas mais chocantes que já vimos, apesar de, tal como referido, ela não deve deixar de chocar! Mas, deve chocar ainda mais pela sua introdução num meio de divertimento de acesso generalizado a pessoas de todas as idades, e predominantemente usado pelos jovens, e muitas vezes sem controlo, como são os videojogos!

Não é que todos os jogos sejam destinados a pessoas da mesma idade, e nesse sentido The Last of us até pode ser um jogo para maiores de 18. Dessa forma, à partida (e já falaremos mais sobre isso mais à frente), só comprará o jogo quem for adulto. Não é que tenha alguma coisa de verdadeiramente adulto aceitar ou até se pretender ter este tipo de cenas explicitas num jogo, até porque a cena, apesar de não ser das mais chocantes já vistas, poderia não ser assim tão explicita, alcançando um efeito semelhante, mas nem vamos entrar por aí. Agora o que não teve nada de absolutamente adulto por parte dos responsáveis da Sony foi colocar esse trailer com esta cena visualmente tão explícita numa apresentação genérica e onde público de todas as idades estava a assistir, misturado com outros trailers banais, e sem sequer um aviso antes de que o que iriam ver era destinado a um público adulto e que, mesmo para esse, o conteúdo poderia chocar ou ser susceptível de ferir sensibilidades. Sim, o aviso de restrição de idades que vêem nos trailers do Youtube não foram sequer mostrados na PGW.

Jogos de Zombies com pessoas deformadas, ou first person shooters são jogos onde se matam personagens que representam pessoas a torto e a direito são algo comum nos videojogos. E a sociedade aceita-as! Mas mesmo perante tudo isso, e de acompanhar a industria à muito tempo, não pude deixar de ficar chocado com o que vi naquele trailer, e a forma como ele apareceu vindo do nada e sem qualquer aviso. Foi pura a simplesmente um tipo de representação visual que achei que não trazia verdadeiramente nada de relevante e que achei, dada a variedade de idades no público que assistia, demasiadamente explicita e brutal e meramente criada com o intuito de chocar. Algo que era dispensável até porque não me parece correcto que Tlou 2 tenha de ser forçosamente um jogo para maiores de 18 apenas porque a equipa resolveu ser explicita em cenas que poderiam ser conseguidas sem uma representação gráfica tão clara. Aliás, vemos esse tipo de cenas onde o efeito é conseguido sem a representação explicita da violência ou da brutalidade quase todos os dias em filmes, alguns deles grandes filmes! O efeito de chocar pode não ser tão grande, mas também se diga que se um filme ou jogo precisa de ir por aí para tentar cativar as pessoas, não se refugiando na sua qualidade para isso, algo está mal. O primeiro Tlou foi o sucesso que foi pela sua qualidade de jogo e não porque nele existissem cenas violentas. Elas existiam e percebiam-se, mas nunca foram tão explicitas como aquela!

Infelizmente Tlou não foi o único jogo que a Sony apresentou na PGW com cenas chocantes. Detroit: Become Human mostrou um trailer onde um pai agride violentamente uma miúda de pouco mais de 6 ou 7 anos com um chicote. Ali a cena não foi explicita, mas não deixou de chocar! É um tipo de conteúdo adulto que não deveria ser mostrado sem alertas. Pouco interessa se o jogo se baseia em decisões morais ou não, uma empresa responsável e que alcança público de todas as idades não coloca aquele tipo de cenas num trailer youtube e numa transmissão a nível mundial que qualquer pessoa de qualquer idade pode ver, sem um qualquer tipo de alerta para o conteúdo.

Ainda por cima o que ali se mostra é um conjunto de decisões ligadas à violência que acaba em mais violência O pai não se limita a maltratar a filha, ele espanca-a e com um chicote, e a decisão para resolver a situação parece passar por matar o pai com um tiro de pistola. É violência em cima de violência, e misturada no meio de outros jogos inofensivos e de mera diversão sem qualquer tipo de aviso. É um banalizar da violência que não aceito seja mostrado numa transmissão destas, desta forma tão displicente.



A justificação da Sony é que estes são jogos adultos para adultos, e isso até se percebe e não somos contra esse tipo de jogos. Tlou é um jogo onde o mundo é brutal e sem regras e mostrar isso no trailer é compreensível pois mostra essa realidade. Aceita-se isso, mas não se concorda é necessáriamente com a forma explicita e sem avisos como a coisa foi mostrada misturada no meio de outros jogos perfeitamente banais e onde alguns deles até se destinam a um público mais jovem. E isto não quer dizer que não concorde que os videojogos explorem temas mais obscuros ou negros. Mas tambem tenho de dizer que não me parece que a violência assim tão explicita seja absolutamente necessária numa publicidade colocada numa transmissão de acesso a todos para demonstrar uma eventual maturidade de um jogo!

Por exemplo o trailer de Tlou 2 não mostra a profundidade do jogo ou verdadeiramente a sua maturidade. Na realidade nem sequer mostra o jogo em si, apenas um trailer com personagens quase todas elas desconhecidas e até fora do contexto do jogo anterior. Analisando o trailer só pelo seu conteúdo, ele não chega a definir verdadeiramente o jogo ou a sua jogabilidade, sendo que o visualizado não é mais do que pura violência que, eventualmente alguem se achou deveria ser explicita para chocar mais.



Isto é o mesmo que, por exemplo, em Battlefield, nos trailers em que se mata os inimigos com uma faca, em vez de ver estes meramente a cair, víssemos com pormenor a faca a cortar a barriga ou o pescoço. Isso seria algo desnecessário, que no contexto de um jogo, não traz nada de interessante, mas que certamente também ajudaria a criar o ambiente de brutalidade da guerra e seria plenamente justificável nesse âmbito! Mas não, por norma não vemos isso! Porque tal é desnecessário , e naquele trailer, mais do que o grafismo, ou a qualidade das actuações, o que chama mais a atenção é a brutalidade e desumanidade da cena exposta assim de forma tão banal a tudo e todos. Pessoalmente não considero que o trailer pretendesse mostrar um conteúdo adulto, algo que poderia ser conseguido de outra forma, considero que aquele trailer tinha mesmo a intenção de chocar.

Pensem… se a cena fosse de sexo explicíto (não necessariamente uma violação), como reagiriam ao ver aquilo numa transmissão para todas as idades? Isso chocar-vos-ia? Se sim, porque motivo esmagar-se um braço com um martelo não vos choca? Se isso acontece certamente algo errado se passa aqui, o terror, a desumanidade e a brutalidade, deveria chocar mais que tudo o resto. O sexo é um acto natural, mas a violência é um acto animalesco!

Voltando à questão de quem compra estes jogos para adultos serem adultos, há que se ter consciência que muitos dos jogos são pedidos pelos miúdos, e comprados pelos pais. E eles possuem mais de 18 anos! Nesse sentido, eles entregam aos miúdos conteúdos que nem imaginam que existem. Acham que os pais vêem o 18 na capa que indica a idade? Claro que não, estão afinal a comprar um jogo que está ao lado de outros como Super Mário e num tipo de loja maioritariamente frequentada por adolescentes! Já vi essa realidade a acontecer com pais a comprarem o GTA a pedido para os filhos e que acabaram por o não levar porque o dono da loja sabia que o destinatário era um miúdo e alertou o pai para o conteúdo real do que ia levar. Mas quantos donos de loja conhecem os clientes todos?

Isto só fica mal a uma Sony que, escondendo as suas reais intenções, decidiu fugir à realidade e dizer publicamente que não aceitava o Cross Play para proteger as crianças. Mas depois, mete conteúdo destes numa transmissão mundial, sem qualquer alerta. Mesmo sendo a desculpa das crianças uma forma de se fugir a uma realidade que, como já referimos até percebemos e compreendemos, a Sony borrou aqui a pintura toda ao não manter aqui uma coerência naquilo que diz! Se há efectivamente uma política de protecção de menores, a Sony deveria pedir desculpas pelo erro cometido na falta dos alertas.

É certo que as pessoas devem ser educadas para saber distinguir entre um videojogo e a realidade. Mas expor jovens regularmente e de forma banal a este tipo de violência é algo que a sociedade faz agora com alguma regularidade, e isso é preocupante. A banalização de algo assim não pode nunca trazer nada de bom, quanto mais não fosse pelo facto que a temática pretendida poderia ser mantida, pelo menos na publicidade ali mostrada, sem existirem cenas tão explicitas!

Por exemplo, ainda ontem vi Taken 2, um filme onde se matam pessoas de início ao fim. E apesar da acção e da violência que existe associada às mortes, as cenas não eram explicitas. E isso não impede o filme de ser excelente!

Para finalizar e deixar a situação clara, percebam que aqui a crítica não é feita ao conteúdo de dois jogos que se sabem ser destinados a um público mais adulto, mas sim a dois pontos:

  • a forma explicita e gratuita como Tlou, mostra uma cena de extrema violência que se acredita não tinha a necessidade de ser visualmente tão explicita.
  • A falta de avisos e alertas de conteúdos adultos existentes nos trailers difundidos, mundialmente, para pessoas de todas as idades, de Tlou e Detroit: Become Human.


Posts Relacionados

Readers Comments (30)

  1. Mário, parabéns pelo texto! Concordo com Tudo que disse e confesso que há muito me preocupa essa banalização da violência nos games, até aliada com novos recursos gráficos. É de fato uma pena! Eu tenho uma filha de um pouco mais de 2 anos e meio e fico a minha esposa sempre diz: ” Por isso que gosto da Nintendo, Bianca vai jogar Mário, yoshi.rs”! Eu a compreendo cada dia mais!rs

    • Alexandre Oliveira 7 de Novembro de 2017 @ 10:05

      Neste caso não tem a haver com a marca da consola a sua filha com essa idade só joga o conteúdo que lá for colocado.
      A PS4 também tem Knack, Sonic, crash…etc etc etc….
      Agora no youtube a conversa é outra, caso ela esteja a assistir sem supervisão dos pais com a conta youtube dos pais facilmente tem aceso a conteúdo a maiores de 18 e sem aviso !
      E sim vai acabar por esbarrar em conteudo improprio.

      Isto é um assunto que dá para muitos pontos de vista e tem muita matéria, o que é certo é que cada vez mais o fácil acesso a conteúdo adulto está garantido!

  2. Eita…
    Como eu disse em um comentário que esta sobre moderação, no primeiro trailler de The Last of Us para a PS3, tens um tiro de escopeta calibre 12 na cara de um estalador, a voar pedaços de cérebro para a lente e não vi esse ataque de sensibilidade.. Ou então Joel e Ellie escondidos atrás de uma parede e uma bomba explode dois caçadores a voar membros pelo ar…

    […SPOILER…]

    Como expliquei não colocaram certas cenas nesse trailler da PS3, não porque iriam chocar, mas para proteger o enredo do jogo, repito jogaria o jogo no mesmo ímpeto se visse no trailler se soubesse que ao longo do jogo iria tentar violar a Ellie?

    Neil já havia comentado desde o anúncio desta continuação que o primeiro Tlou é sobre uma história de amor e de como a união dos dois personagens a tentar sobreviver nesse mundo moldou essa relação, que no final pode se ver… Eu mesmo na época critiquei muito o final de TLoU e agora, com mais idade entendo perfeitamente o final, Joel só queria salvar sua filha Ellie …

    TloU 2 é sobre uma história de ódio…

    Já pararam para pensar de onde vem esse ódio?
    No trailler da PSX apos Ellie tocar a música, Joel pergunta até onde ela iria, e Ellie responde “até não sobrar nenhum.”

    O trailler da PGW não mostra exatamente quem são as personagens, nem em circunstâncias estavam a sofrer desse modo mas com o decorrer do jogo tenho certeza que entenderam, em circunstâncias está cena aconteceu e que não haveria uma forma de ser mais branda, pois se não acabaria por estragar a história do jogo como um todo…

    Como já disse pegue o primeiro The Last of Us como exemplo:
    A cena em que a filha de Joel morre em seus braços chorando, será que terias o mesmo impacto ao jogar com Joel sempre com o rancor sobre Ellie, não por culpa dela, mas porque ela a faz lembrar como seria cuidar de Sarah nesse mundo caótico, se está primeira cena fosse resumida em algumas linhas em um fundo negro, ou então que após toda aquela fuga antes de encontrar o soldado entrasse uma tela preta ao invés de se mostrar o tamanho da dor que ele sentiu…

    Se ainda não me fiz entender repito, TloU é de conteúdo adulto, e esta é uma história de ódio, podem apostar que haverá mais coisas e muito mais terríveis nesse jogo.. Se estão já nesse ânimo por esse trailler melhor não pegar no jogo.

    Quanto ao contexto da apresentação que é como o Mário disse uma situação em que na havia avisos e etc etc… Só tenho uma pergunta se foste tu a tentar demonstrar os teus jogos, aguardaria a reação do seu público ou explicaria calmamente cada conteúdo do trailler, ex:

    “… Nesse trailler veremos Kratos a cortar alguns monstros e seu filho ajudar…”

    Ou colocaria um aviso antes do trailler. “…Atenção este trailler de um jogo que nunca foi mostrado contém cenas de violência se és uma pessoa que é mais sensibilizado por favor retiresse da sala e fique na curiosidade…”

    Ou então a melhor de todas as hipóteses, após gastar alguns milhões no game, após muitas e muitas horas de programação, vem o Drucman com um pen-drive a entregar ao evento, e os sempre responsáveis o dizem :

    “.. Epa não tens um bosque colorido que possamos mostrar..”

    Aí o Neil responde “.. Essa é uma história de ódio, onde a protagonista irá caçar e matar a tudo e todos..”

    “…Não mas isto está muito violento…”

    Esperemos a PSX,a E3 ou outra feira para promover o jogo..

    Aí Neil tem de lhe responder: “…é o enredo do jogo, não é apenas uma cena, mas o contexto do jogo como um todo…”

    Como já disseram eles tem uma história para contar, então deixem que contem, antes que digam que é boa ou ruim, muito violenta ou muito tranquila..

    • Quanto ao trailler de Detroit só tenho uma pergunta, viste o trailler como jogador ou como espectador?

      Acho que estiveste trocado de lugar e nem percebeste…

      O jogo é todo sobre suas escolhas, se bem não me engano é a única coisa que pode fazer no jogo para interagir com a história é decidir…

      Então olhas tens ao menos uns trinta pontos em que podes interagir e mudar aquela história e o único que lhe chama a atenção é o que para salvar a menina o Android atira no agressor? Se és um espectador faz até algum sentido mas como jogador…

      Jogos são entretenimento, podes ser um ladrão de bancos em GTA5, podes ser um caçador de tesouros em Uncharted, podes ser um assassino em AC origins… e veja aqui neste podes fazer com suas escolhas mudar totalmente o rumo do jogo… Mas se como já não bastasse a crítica estar em cima por tal jogo não passar uma boa história, agora tens a crítica em cima por mostrar um ponto diferente em seu jogo

      “o que farias em tál situação?”.

      Se for em GTA, já sei a resposta se for em AC origins também já sei o que faria, mas em Detroit não é muito violento, passo…

      Se calhar preferiam uma game play em que o Android vai cortar uma torta para servir e tens de decidir:

      Se corta uma torta da esquerda para a direita ou se da direita para a esquerda…

      […SPOILER…]

      Segundo o raciocínio de espectador Mário me recomendaria este jogo? Tomb Raider?

      Ou me avisaria antes que em determinado momento Lara sofrerá uma violação e terás de lutar para impedir tal ato?

      https://youtu.be/dCYNmwT6I0Q

      • Vi o jogo como ser humano responsável, By-Mission.
        Alguem que se preocupa com o estado da sociedade a desumanização da mesma, a violência crescente e a forma com as crianças são expostas a ela.
        Foi dessa forma que vi o trailer.
        Aqui a minha crítica não foi nunca ao jogo ou ao seu conteúdo. Tu ainda não percebeste isso!
        A crítica foi que a Sony estava a fazer uma transmissão mundial e visualizada por um público maioritáriamente menor. Daí que mostrar cenas de Tlou e de Detroit… sim. Mas mostrar aquelas cenas, e a menores, e ainda por cima sem aviso, achei irresponsável.
        Lamento se não percebeste ainda isso!
        Quanto a Tomb Raider, a cena de tentativa de violação está no jogo. Um jogo PR 18 num mundo igualmente brutal. Mas como,referi a critica nunca foi ao jogo e dado que essa cena nunca foi colocada em trailers e muito menos mostrada em feiras sem aviso de conteúdos de idade, não é neste aspecto que falo sobre ela.
        E era só isso que, no mínimo, se pedia.

        • Mário por favor…

          Tens um filho dentro de sua casa e responsável pelo que este assista, quer seja na Internet, TV ou jogos…

          Olha que duvido muito que haviam crianças naquele palco, e mesmo se houvessem não pagariam seu ingressos sozinhas…

          Agora se é pelo stream que está se doendo… Por favor se tens um filho que acessa a Internet sem supervisão a culpada é a Naughtdog e o seu martelo infeliz…

          Mas deixa estar…

          É parte essencial do ser “..Humano Responsável..” tentar se eximir de sua responsabilidade e a passar para terceiros….

          • Que palco By-mission? Eu vi em directo e não estava no palco. A conferencia foi transmitida em directo para todo o mundo.

            Depois estás a esquecer-te de uma coisa. Do facto se ser legalmente obrigatório que aqueles trailers sejam antecedidos pelos avisos de conteúdos. É por isso que as versões Youtube possuem esse aviso.
            Concordes ou não com o que digo tens de entender que há o direito legitimo e mesmo constitucional das pessoas quererem proteger as crianças deste tipo de conteúdos.

            Olha o que outros dizem:

            “Naughty Dog, Sony, and the ESRB have covered their own asses by rating games like this as Mature or 18+, etc., but ultimately you’ll be able to see kids playing this on Twitch and glorifying in the violence. This is nothing new. But as the Uncanny Valley draws closer to reality, and as the violence turns from humans vs monsters/aliens/zombies to realistically depicted human-on-human brutality, it’s getting harder and harder to justify these violent delight”

            “Of course The Last of Us Part 2 is going to be violent game, because the series is set in a violent world. There’s no time for worrying about spilling too much blood when you’re one of few survivors remaining in the post-apocalypse, and more-or-less every person left alive are those who have done whatever it takes in order to survive.

            But to strip that violence of its context, place it in a trailer and therefore attempt to sell a game on the back of a claw hammer turning a young girl’s arm to mush? That’s SAW levels of gratuity, and it suggests that the necessary violence in The Last of Us has been replaced by the fetishized violence of an Eli Roth film.”

            “The desperate violence of the first game worked great, but it wasn’t its selling point — here, a spotlight is placed upon it so bright that it leaves every other facet of the trailer in darkness”

            “That may not be the case, but considering that this is only the second trailer we’ve seen for The Last of Us Part 2, it’s pretty discomfiting. Hopefully this doesn’t reflect the nature of the game itself, as while I am all for The Last of Us Part 2 plummeting to darker depths, brutalizing children just for the shock factor is completely at odds with what I loved about its predecessor.”

            Quanto às crianças, parece-me que não terás filhos. Porque aqui a responsabilidade não é de quem cria os conteúdos para um mercado que os quer, ou de quem permite aos seus filhos aceder à TV ou à Net. É de quem não regulamenta e fiscaliza esse mercado e de quem não obedece às regras já existentes no mesmo.

            Aqui não há um eximir de responsabilidades. Um pai que deixa um filho ver uma apresentação de jogos da Sony não estaria certamente à espera de ver ali cenas de violencia daquele tipo. Ou achas que estava?
            Por muito que controles o que o teu filho possa ver, se os maus conteúdos aparecem no meio de situações que seriam de se esperar ser inofensivos, o que se pode fazer.
            Porque chamar a atenção ao que se passou é ser-se responsável. É querer apenas que a regulamentação criada para proteger a sociedade funcione. É um direito!
            Neste caso o que me parece é que não estarás a ver as coisas como deve de ser (talvez alguma falha de comunicação da minha parte?). Mas não se desculpa algo que, a meu ver, não tem desculpa.

            É que, na parte que me toca, bastava um ecrã de alguns segundos com um 18 e este artigo não existia. Porque bem ou mal, suficiente ou não, o alerta legal estava dado. E daí para a frente não era nada com eles pois o alerta tinha sido, tal como previsto, dado.

          • Como não estaria a espera? Se faz um ano e não há uma única nota sobre The Last of Us 2, a jóia da coroa PS….

            A toda feira que se passa eu fico justamente aguardando para saber justamente deste jogo… Que como já disse inúmeras vezes é +18…

            Como vc mesmo disse o estava a ver em direto certo?

            O assistiu pelo smartphone, notebook ou pela TV? Ou melhor pelo próprio PS4…?

            Agora que se localizou no tempo poderias me dizer como um pai responsável, um adulto que tem suas responsabilidades estaria um de seus filhos a mecher em qualquer um destes equipamentos sem sua supervisão???

            Ontem mesmo estava jogando e na party chat entrou uma criança de uns 8 ou 9 anos, este era adicionado de um amigo que estava na party…

            Como já fiz muitas vezes pedi a criança para chamar um adulto ou o pai ou a mãe, para lhe explicar que ele estava conversas com desconhecidos e que este era um jogo com muita violência…

            Assim sendo era melhor os próprios pais escolherem com quem é quais jogos ele poderia jogar…

            Mas isto é minha opinião não foi uma nem duas já aconteceu isso comigo,mas uma cinco vezes com crianças diferentes e de idades diferentes, teve um tão novo que para não o assustar, chamei a minha esposa para conversar com este, para que não entrassem mais em partychat de estranhos, está criança devia ter no máximo uns 6 anos…

            Mas diga lá isto também é culpa da Sony, ou dos pais que compraram o console e que deixam seus filhos sem supervisão.

            A mesma situação se aplica ao stream não sabes o que irá ser mostrado não deixe seu filho assistir,jogar ou pesquisar simples assim..

          • By-mission. Para a manutenção de uma relação salutar que temos à alguns anos, não vou responder a isto.

            Desculpa qualquer coisa mas o assunto é sensivel e temo que possa descambar.

          • Ok, eu peço desculpas se não consigo ver a situação como vc viu, mas não por insensibilidade da minha parte ou por ser uma questão referente a PS4, a mim seria a mema coisa se fosse em uma conferência da da Nintendo ou da Microsoft…

            Não estou aqui como dizem a tentar incendiar o tópico, só queria que como viste na sua perspectiva, e a exemplificou no texto, querias que visse o meu ponto de vista, e que também tenho argumentos válidos quer gostem ou não..

            Mas se não me fiz compreender ou se o aborreci em algum momento, deixo aqui o pedido de desculpas e não comentarei mais este tópico.

          • Obrigada By-mission… é apenas que estamos a discordar num assunto sensível. E acredito que se calhar até defendemos pontos de vista semelhantes, mas não nos estamos é a entender bem.
            E eu nunca discordei dos teus argumentos… achei apenas que os meus continuavam era válidos.

    • By-mission… cortar braços a monstros é jogo. Não existem monstros nem existem estaladores.
      Naquele trailer há muito realismo, e a cena era idêntica se a câmara não mostrasse os ossos a esmagar. Como eu disse, há tanto filme que faz isso e não deixam de ser bons filmes.
      Ver Kratos a matar monstros ou pessoas a matar pessoas, com um dos maiores realismos gráficos alguma vez apresentado é diferente.
      E sim… avisaria na sala que a cena contem imagens para maiores de 18. É isso que a lei impõem e é por isso que está o 18 na caixa
      Expor menores a este tipo de situação não acho algo normal. Vemos todos os dias pessoas aos tiros na rua, a matarem-se umas às outras. Precisamos mesmo de depois de um trailer de um Shadow of the colossus, que de realismo não tem nada, mostrar algo assim?
      Quanto a Tlou, ele não tem uma cena de violação… tem uma cena onde se pode supor que iria haver uma violação. Mas nem isso é certo.
      Mesmo essa cena não a acho “bonita”! Posso gostar dos jogos e da história, mas achar essas cenas “bonitas”. Não, não acho e nem acharei. Acho-as apenas necessárias para a história.
      Desde que comecei a jogar jogos que “eliminar” inimigos faz parte dos jogos. Mas causar-lhes dor e mostrar cenas realisticas em trailers sem os respectivos avisos obrigatórios por lei… não acho normal.
      Como não acho normal mostrar um filme com cenas chocantes ou sexo na tarde de sabado na TV. Para isso há outros horários!
      Mas a sociedade perdeu um pouco a noção de onde parar. Basta olhar para os maços de tabaco com todas aquelas pessoas deformadas. Em que é que isso ajudou? Nada… o tabaco vende na mesma, e a sensibilidade das pessoas ao choque que aquele tipo de coisas deveria trazer, diminuiu. A coisa banalizou-se.
      Percebe que não há aqui uma crítica ao jogo. Há uma critica à forma banal como estas cenas foram mostradas. Eu sempre adorei os jogos do David Cage e adorei o Tlou. Vou comprar os dois!
      Mas isso não implica que o que foi mostrado, como foi mostrado, tenha sido algo correcto. Na PGW podiam ter escolhido outra cena qualquer. Tanto um jogo como outro tem horas de jogo. Mas escolheram cenas polémicas, e ao fazerem isso, mostrar o rating de maiores de 18, tal como estão nos trailers do youtube era o mínimo dos mínimos que se exigia.

  3. Vamos ver, nem me chocou nem um pouco as cenas de partir o braço a um boneco virtual com um martelo virtual, mas eu sei diferenciar a ficção da realidade, como a Paris Game week não é uma feira para adultos, os conteúdos mostrados deveriam ser seleccionados de acordo com a lei e com o bom senso, a Sony procedeu mal ao apresentar cenas que podem perturbar alguns principalmente os jovens e de forma gratuita sem necessidade alguma de o fazer, ou então apresentou essas imagens prepositadamente para criar polémica e para se falar mais do jogo e isso ainda seria bem pior…é apenas a minha opinião

  4. Entendi e obviamente respeito a sua opinião Mário.
    A Sony provavelmente depois dessa repercussão toda deverá tomar mais cuidado, afinal, eu pelo menos não esperava esse auê, quando vi achei até de certa forma acima do normal, mas nada demais.

    Pra mim pessoalmente, mais visceral ou mais sútil, violência é violência. O erro da Sony aqui, e concordo, é somente sobre os avisos ao público. E a mancada da desculpa esfarrapada do cross play.

    Quanto a estarem promovendo algo dessa forma mais explícita, não consigo enxergar mal nisso, é um jogo e quantos outros não rendem tanto dinheiro explorando ela de uma forma ou outra. Não sou nenhum sociopata, sei separar as coisas, há os que são desequilibrados, mas a humanidade é violenta, basta vermos na história, onde se enforcavam gente em praça pública ou decapitava e se levava a família pra assistir, já li sobre isso, e várias outras barbáries.
    Bastaria um vírus descontrolado em uma pandemia mundial pras pessoas acabarem umas com as outras por conta de água e comida.
    Um colega meu aqui da rua, foi esfaqueado e morto por 50 reais, a 30 metros do meu portão, as crianças saíram a rua e provavelmente viram ele caído sangrando.
    Outro foi baleado 3 vezes e ficou lá como um monte de lixo na rua…
    Não é um jogo desse que vai tornar a humanidade mais cruel ou insensível, ela já é.

    Desculpe o tom do comentário mas, acho que as pessoas que criticarem a violência no jogo estão sendo ou inocentes ou hipócritas.
    Na época de GTA San Andreas, por exemplo, foi uma palhaçada muito maior, não faltavam os messiânicos jornalistas, psicólogos, especialistas, palpiteiros, tele-evangelizadores a falarem que o jogo era o pivô de todos os problemas comportamentais dos jovens.
    Será que quando Caim acabou com Abel ele estava vendo alguma série violenta?!
    Só falta vir algum fanboy querer se aproveitar e “cutucar” que a Naughty Dog “perdeu a criatividade” e está apelando pra isso por não ter outros recursos…
    A cena do braço foi supercitada, mas a do martelo na cabeça da dona lá foi, mais impactante pra mim, mas nada demais também.
    Quando criança, eu e o Brasil inteiro nos divertimos vendo o Rambo fatiar soldados inimigos, então, já estamos vacinados.

    Resumindo: avisa o povo que vai ter gente se fudendo, tá tudo certo.
    Não quer crossplay e não quer falar a verdade? Fica calada, o silêncio não comete erros Sony. A Microsoft não quis no passado, o que será que alegaram? Diz o mesmo então.

    Detroit Became human também teve um trailer sensacional. E acho que quem atira no pai é a menina, fiquei com essa impressão.

  5. Excelente este seu artigo Mário, também penso exatamente como você! Bom saber que há gente que ainda se importa! Parabéns!

  6. Queres a minha opinião sincera Mário?
    Acho que estás a exagerar, tu e muitas das pessoas que se estão a insurgir contra a violência que está presente no jogo, e são essas tomadas de posição que por vezes impedem os videojogos de crescer muito além do entretenimento teen pelo qual é generalizado, e a arte não merece esse tipo de rótulos, mas passo a explicar as minhas afirmações.

    Na minha opinião, a violência presente em jogos como TLOU e nos jogos em geral, não é violência mas sim uma representação glorificada e algo cartoon da verdadeira violência, e para provar isso, vou mostrar um vídeo de um politico norte-americano, Budd Dwyer que convocou uma conferência de imprensa, tendo cometido suicido em directo.
    Aviso desde já que são imagens perturbadoras:

    Nota: video removido pela moderação – imagens demasiadamente chocantes.

    Este vídeo perturbou-te de alguma forma?
    Eu sei que a mim perturbou-me, e porquê?
    Porque quando confrontado com sangue real, morte real, o cérebro humano consegue perceber a diferença e processa-o de forma diferente.
    Pessoas comuns como nós não querem violência real como a mostrada no vídeo, pois não existe glória, cabeças que rebentam ou chuva de ketchup e ninguém tem ultimo discurso dramático.
    Violência nos videojogos é estilizada e cartonesca, e tem que ser porque todos nós percebemos quando é a sério, logo é demasiado perturbador para ser entretenimento.

    Como ávido jogador nos últimos 34 anos, já joguei praticamente de tudo o que se pode considerar violento, desde Ninja Gaiden a God of War, e no entanto não consigo sequer segurar numa arma quanto mais disparar, nem uma galinha sou capaz de matar,

    Só o desconforto que este vídeo pode causar demonstra que todos percebemos facilmente o real do imaginário, nas no entanto isto já não deixa ninguém desconfortável:

    https://www.youtube.com/watch?v=IP0gR7nPqIw

    Com o vídeo de Budd Dwier, a repentina perda de uma vida de forma trágica é o que nos choca, ele mete a pistola, prime o gatilho, o som nem é alto e cai redondo no chão, tem sangue sim, mas nada de olhos esbugalhados ou piruetas no ar ou tudo o que as pessoas acham engraçado acerca da morte num videojogo, e achamos essa violência divertida porque não é violência, partir o pescoço a um gato não deve ser nada divertido mas no entanto crescemos a ver Tom & Jerry.

    Mesmo os jogadores que gostam dos jogos mais gore, não gostam de violência, verdadeira violência, pois essa sim choca, é desconfortável, é repugnate, não num jogo, por mais realista que seja como o TLOU porque o que temos nos nossos jogos é uma paródia digital e cartoon da verdadeira violência, logo toda esta indignação acerca do que foi mostrado, é a meu ver descabido.

    Não vou negar que a Sony devia ter postado a classificação etária antes de cada trailer, mas não vou condená-los por uma tecnicalidade, a mim como pai, incomoda-me muito mais estar a jantar com a minha familia e do nada surge violência a sério, sem aviso, e com o meu filho, isso sim, choca-me, não um jogo que contextualiza a sua violência que em momento algum a senti gratuita, mas isso sou eu, e cada um sabe da sua sensibilidade.

    • Galvão… se concordas com o facto que a classificação etária deveria estar lá, concordas comigo a 100%.
      Eu nunca critiquei, ou pelo menos tive intenção de criticar o jogo, ou a violencia do mesmo. Apenas o fiz no contexto em que foi apresentado, ou seja, sem qualquer aviso legal.
      Mas ao contrário de ti, eu condeno a Sony. Condeno-a acima de tudo porque, como sabes, ela usou o argumento da defesa das crianças para algo que lhe interessava, mas na primeira situação onde a defesa das crianças deveria ter efectivamente existido, por uma “questão técnica”, ela não apareceu.
      E tal como digo no artigo, isto foi borrar a pintura.

    • Mário, eu aqui concordo tanto com o José, como com o ByMission.

      Estamos a falar de um trailer de uma conferência. É mais que óbvio que o publico alvo seria alguém adulto, não uma criança. E sobre a transmissão… boa sorte ao pai que tentar aguentar a criancinha ao longo da hora e meia em que se houve um tipo qualquer a falar em inglês.

      No fundo é mais uma não-questão, como as acusações de racismo de RE5 ou a tão famosa cena de suposta violação colocada em Tomb Raider (podemos no máximo dizer que houve intenção disso, mas que não passou disso), que muitos ativistas quiseram transformar em símbolo de opressão masculina (na realidade só revelou a força da personagem e celebrou a mulher enquanto ser de força e capaz de lutar, mesmo nas piores circunstâncias).

      E sobretudo, nem é de agora, porque trailers chocantes sempre foram uma constante na E3, e muito piores:

      https://www.youtube.com/watch?v=N1oDwd8290w

      Resident Evil Outbreak – no final um soldado da Umbrella a ser devorado por ratazanas infectadas. Havia outra versão em que há um tipo a ser eviscerado por um zombie, enquanto está consciente, mas esse não encontrei.

      https://www.youtube.com/watch?v=A9UbtVWTr2c

      Assassins Creed Unity – decapitação. Este para mim é horripilante. Onde estiveram as vozes em protesto?

      Se formos a ser sérios, só o facto de podermos ter demonstrações de CoD, como as que houve, deveria ser suficiente para um 18+ nas mesmas. E violência nestas feiras, sempre as houve, basta ver os shooters que todos os anos são apresentados.

      Acho que aqui o que verdadeiramente incomodou, tanto a ti, como as outras vozes jornalísticas em protesto, não foi tanto a violência representada, mas os seus alvos: mulheres e crianças.

      A minha intenção não é celebrar isso, e nem a Sony nem os estúdios responsáveis por isso tiverem esse intento, mas sim o de precisamente, causar incomodo. Chocar. Tudo no sentido de apresentar o jogo como o é.

      Detroit quis que sentíssemos o peso e urgência em intervir (quem deixaria a podre criança ser vítima do pai?), numa história crua e cruel. O que mais me choca contudo é que já é o segundo trailer em que violência contra uma criança é mostrado, mas só este é que esteve envolvido em polémica.

      Lembras-te do primeiro gameplay? Um dos outcome seria a menina a cair do telhado:

      https://www.youtube.com/watch?v=QD1pbWCJcKQ

      Last of Us, por outros lado, não só mostrou a dura realidade do Universo do jogo, ao mesmo tempo que nos mostra personagens femininas que mesmo após violentos ataques físicos, são capazes de se levantar e lutar.

      Mas quando tens demonstrações de combate incrívelmente violentas, como no primeiro jogo, não entendo o porquê de tantao proteste. Tens aqui um tipo a ser esfaquiado e quando implora pela vida leva um tiro de caçadeira na cara. Isto não é violência gráfica?

      https://www.youtube.com/watch?v=8ZYkj0glnqs

      Continuo a achar que isto é tudo um exagero. Não há maior nem menor violência, essa sempre houve, o que há desta vez, é violência que incomoda e muito, por causa dos alvos.

      • “Estamos a falar de um trailer de uma conferência. É mais que óbvio que o publico alvo seria alguém adulto, não uma criança. E sobre a transmissão… boa sorte ao pai que tentar aguentar a criancinha ao longo da hora e meia em que se houve um tipo qualquer a falar em inglês.”

        Porque motivo o público alvo seria adulto??? Só se for o que pagou os bilhetes, mas isso é o mesmo que dizer que uma gota é representativa do oceano. Aquilo foi transmitido a nível mundial.
        E crianças sabem falar Inglês… A minha afilhada com 6 anos já fala alguma coisa de Inglês. A irmão com 8 já mantêm diálogos. Pode não dominar a parte técnica, mas fala! O meu primeiro contacto com o Inglês tinha cerca de 4 anos!
        Mas isso é irrelevante… as crianças estão lá para ver as imagens dos jogos… querem lá saber o que é dito! Se na hora e meia de transmissão somares as partes faladas, não tens mais de 15 a 20 minutos… os restantes 60 são imagens de jogos!

        E penso que se está a estereotipar a definição de criança, pensando apenas em idades baixas do género 2 ou 3 anos…
        https://pt.wikipedia.org/wiki/Crian%C3%A7a

        Daí que mais uma vez tenho de recalcar o que já disse.

        O que está em causa não é a violência de Tlou… Ela era expectavel. Ela existe, está em tudo o que nos rodeia no dia de hoje. Há uma banalização da violência. Mas não é por isso que deixarei de comprar o jogo.

        O que está em causa é a violência explicita, com um nível de grafismo quase realista, sem alertas, num trailer que se fosse visto fora de contexto ninguém saberia que era de Tlou 2, que era desnecessário (basta ver o primeiro trailer que, mostrando o mundo brutal e inclusive mortos, não tinha violência gratuita e explicita, mas apenas a Ellie a tocar viola, marcou pelos bons motivos, a qualidade). Tudo isto numa transmissão de “uma conferência” (por mim até lhe podiam chamar gala ou seminário, ou o que quiserem pois na prática é uma transmissão e apresentação de jogos) em sinal aberto e para um público que é, maioritariamente menor, e sem alertas.
        Mas mesmo isso tudo até teria se calhar passado ao lado se não fosse o facto que a Sony argumentou em tempos que a sua política de protecção das crianças era um fator! Mas ali borra a pintura com essa postura! Onde esteve a protecção das crianças ali? É uma questão de falta de coerência no diálogo, aquilo que tanto se critica na Microsoft nas vezes que o faz, e que agora a Sony também fez.

        E não, o que me incomodou não foram as mulheres e as crianças… Poderia quando muito dizer que isso tambem me incomodou, mas o que incomodou mesmo foi a falta de sensibilidade. Mostra aquele trailer a alguém sem o logo da PS4 e o de Tlou, e pergunta-lhe o que viu!

        Ninguem que não saiba o que ali está te vai dizer que viu um trailer de um jogo e muito menos um trailer de Tlou 2. Vai dizer que viu um pedaço de um filme CGI (apesar de não o ser e ser em tempo real), e um filme bastante violento. Mas dizer que aquilo é Tlou 2… esquece!

        Tudo isso está mal. Aquilo foi um intuito de chocar. Da Naughty Dog que, tão elogiada foi com o saber contar de histórias, que quis conseguir chamar a atenção num trailer de alguns segundos. E optou por uma cena que marcasse! Mesmo que a mesma só se identificasse com Tlou porque o logotipo do jogo aparecia no fim.

        Agora não estou a criticar o jogo. Tlou sempre foi violento… e continuará a ser! A violência em jogos para maiores de 18 é “normal”. O que questiono é se realmente justificava escolher aquele pedaço em particular, até porque nenhuma das personagens que viste se reconhece e nem se sabe que papel terão no jogo, e o trailer não mostra absolutamente nada do jogo ou permite a associação directa a ele.

  7. O que foi ruim do traile de tlous 2 nem foi a violência,mostra que o jogo continua cruel e seu público não espera diferente,o problema é que não apareceu em nenhum momento Ellie ou Joel isso sim foi mto decepcionante

  8. Mário:

    Primeiro desejo uma boa recuperação para o seu sogro.

    Sobre o tema abordado no artigo, confesso que desde sábado eu estava com vontade de comentar o que fiquei impedido devido voltar meu tempo livre para a família, até trabalhos acadêmicos foram deixados de lado e agora vou ter de recuperar tempo.

    Entendo a sua justificativa mas infelizmente só concordo contigo sobre a Sony ter omitido o aviso de conteúdo para maiores de idade e gostaria de comentar aqui cada parte de sua justificativa:

    *Falta de aviso de conteúdo violento: Isso foi um erro por parte da Sony, visto que acessei o stream e não fui solicitado a informar a minha idade(se bem que meu login estava ativa no momento), é um erro que concordo com você. Entretanto se o aviso estivesse lá, quem garantiria que menores de idade não iriam ter acesso ao conteúdo? É algo facilmente burlável, seja por informar uma idade fictícia, seja por criar uma conta falsa no Google, aliás criar conta falsa é o que vemos muito em sítios sobre jogos em que a pessoa é banida e cria uma nova para voltar a acessar.

    *Violência explícita quase a nível realista: Quando estava assistindo a Live também achei o teaser violento, mas não a nível de repugnar, tive uma reação contrária pois pensava que era uma nova IP e aquilo chamou a atenção. Quando vi o final até fiquei surpreso que seria TLoU2, mas passados alguns minutos lembrei que o primeiro TLoU já tinha este tipo de violência, o trailer que o Bruno citou é um exemplo, atirar num estalador ao meu ver é tão explícito quanto, até a barra de ferro que perfura as costas de Joel ao meu ver é explícito e o que falar do que aconteceu com os irmãos Henry e Sam no próprio jogo?

    Sobre o nível realista então como ficará o futuro? Se em um PS4 você ficou admirado então como ficariam os jogos na próxima geração? Até mesmo no XOX? Vi em uma resposta que a violência em BF/CoD é justificada por mostrar como é o combate em uma guerra, mas se você ver o ambiente em TLoU é praticamente o mesmo, o personagem luta para sobreviver.

    *Proteger as crianças: Acho que o comentário “proteger as crianças” foi uma colocação infeliz, primeiro que esta desculpa esfarrapada da Sony tem como objetivo evitar os casos de pedofilia. Já atrelar esta frase ao conteúdo exibido não cai bem e só alimenta o discurso de pessoas que defendem um lado(consoles) gerando comentários desnecessários para o artigo, algo que foi visto logo após a citação da mesma.

    Sobre Detroit vejo o jogo como o meio de ver como será a reação das pessoas quando colocadas na situação. Se você está ali de frente a um agressor, cuja vítima não tem como se defender e você sendo o próximo alvo em potencial(mesmo que no vídeo não mostre isso) o que você iria fazer? Eu teria a mesma reação e até lembra casos em que a pessoa é vítima de um assalto e momentos depois pensa em mil coisas que levam a reagir e principalmente a agredir o assaltante(mesmo que esta vítima ficou paralisada o tempo inteiro).

    Por fim este é o meu ponto de vista. Embora estaja em defesa da violência aplicada ao teaser eu não sou um cara violento, sabe quantas vezes saí na mão com outra pessoa, mesmo quando criança? Nenhuma. Só acho que este tipo de violência sempre esteve no primeiro jogo e em outros jogos mundo afora.

    Espero que tenham entendido o meu ponto de vista, escrevi rapidamente aproveitando um tempinho livre que tive. O texto pode conter erros ortográficos e até ficar sem sentido.

    • Livio… eu é que parece que não consegui ainda expressar o meu. Certamente a culpa está a ser minha, e é preocupante pois dado que escrevo aqui todos os dias, se a mensagem não passa se calhar é melhor dedicar-me a outra coisa.
      Tudo o que eu refiro sobre o trailer vem no seguimento de uma única coisa, a falta de avisos.
      Se eles tivessem existido, eu não escreveria uma palavra sobre o assunto e estaria a dizer o mesmo que tu. Basicamente as criticas que faço sobre o realismo gráfico, violencia gráfica, trailer que não se associa ao jogo e intenção de chocar só se prendem com essa situação. Uma falta de alerta numa empresa que tentou passar uma imagem de protecção de crianças. O que refiro são agravantes face a essa situação, porque não alertar sobre um tlou, um jogo num mundo violento, onde o trailer fosse semelhante ao primeiro com a Ellie a tocar viola, nem merecia reparo.

      Espero que desta vez percebam o que estou a dizer, porque acredita que me está a fazer pensar o não conseguir passar esta mensagem.

      • Pois algo aconteceu por neste artigo você não conseguiu se expressar.

        Pode ser devido a questões familiares, já que você nos falou sobre seu sogro.

        No entanto é de se perceber que a maioria só acordou contigo sobre a falta de avisos por parte da Sony, mas teu texto aparentou criticar a violência apresentada nos teasers e foi isso que percebi, foi isso que outros comentaram aqui, foi isso que alguns que acompanham o sítio me falaram via whatsapp.

        Mas também o erro não é seu pois foi noticiado sítios afora que algumas pessoas ficaram incomodadas e pelo timming deu a impressão que você era mais um incomodado, quem saiba se o artigo tivesse saído uns dias depois a reação seria outra.

        E o engraçado que depois de 4 anos como leitor do PCManias esta foi a 1ª vez que vi grande parte dos leitores não concordarem contigo.

        PS: Até me falaram via Whats que depois de você tanto jogar Zelda e Mario que agora faz protesto #NoViolence!!! Claro que falaram isso no tom de brincadeira!

        • Sim… Critica a violência… Dada a falta de avisos 😉
          Mas aqui acho que o problema foi outro. Dado que alguns sites criticaram a violência pela violência, o meu foi na onda.
          Eu ali crítico a violência, crítico a escolha do trailer, crítico uma série de coisas… Porque foram mostradas sem aviso. Nada mais.
          De resto, como tenho tentado dizer, Tlou é o que é. Um mundo violento. É mesmo o Detroit é um jogo David Cage que eu adoro.
          Criticar a violência nestes dois jogos seria ridículo… Há tanto jogo violento e eu nunca falei disso. Bolas, olha o GTA que eu adoro e até já defendi em comentários que as pessoas devem distinguir o real da ficção. Aqui o problema foi uma falta de avisos quando a Sony uns meses atrás se tinha referido a uma proteção das crianças, algo que eu aqui não vi.

          Realmente… Aqui falhei a toda a linha…talvez porque fui na senda de outros sites ou me alonguei demais. Mas o facto é que tenho de repensar se vale a pena manter uma página assim se não consigo passar a mensagem.

          • Oxi que é isso? A 1ª vez em 4 anos(pelo menos para mim) em que a mensagem não foi passada de forma clara e ficas na dúvida se vale a pena manter a página?

            Se PCManias fosse um daqueles sites que só fala boatos e que nada é concretizado eu concordaria, mas ficar desanimado devido 1 artigo entre aproximadamente 1460(em 4 anos)dos que acompanhei não ter passado corretamente a mensagem não é motivo para não manter uma página

          • Será o primeiro?
            No artigo tem uma parte a negrito. Está lá desde sempre. É o núcleo da mensagem. Eu leio-o e interpreto o que quero dizer. Mas algo falha…

  9. Alexandre Oliveira 7 de Novembro de 2017 @ 9:58

    Na minha opinião a mensagem no artigo é bem clara e faz todo o sentido,
    claro que a Sony não pode passar um trailer destes sem o aviso da classificação etária! (embora sabemos que mesmo com esses avisos quando os miúdos querem ver vêm!).
    Eu já levo mais 25 anos a jogar e mesmo quando era menor sempre tive acesso a conteúdo para mais de 18 nem que fosse através de amigos quanto mais agora que está á distância de um click!
    Mas a Sony enquanto instituição tem de dar o exemplo isso é certo !!!

    Onde o artigo se baralha é quando se diz que a violência podia não ser tão explicita (ai já está a entrar nas decisões da equipa do jogo).
    Já vimos dezenas de filmes que eram classificados para maiores de 18 e que nas sequelas decidiram optar pelos PG 13 e arruinaram completamente os filmes tudo para abranger as massas e não ser explicito em algumas cenas! esqueceram-se que os filmes iniciais eram bons não só mas também pela violência explicita está entranhado neste tipo de conteudo.
    A violência explicita ou não é quase que obrigatória dentro de um contexto claro!
    Um Call of Duty deveria mesmo ser brutal !! A Guerra não é bom e tem de passar a mensagem que jogar num sofá é porreiro, mas que ser chamado para combater a serio é completamente brutal e desumano !!

    Em todo o caso embora o artigo tenha entrado por areias movediças, o objectivo do artigo é claro e repito faz todo o sentido!

  10. Também concordo com o Alexandre Oliveira, em minha opinião, a mensagem passada pelo artigo é bem clara. Se alguns não entenderam ou disseram não entender, paciência! Mas não acho que seja culpa sua Mario. Para mim, foi um de seus melhores textos, ainda mais se levando em conta que seu texto não abordou um assunto simples qualquer! Tanto que eu que raramente comento, resolvi lhe parabenizar pelo texto e importância do assunto, pois como já havia dito e repito novamente, concordo com tudo o que foi escrito.

Deixe um comentario

O seu e-mail nao sera publicado.


*