Valores de ocupação de memória dos jogos Switch mostram que a memória interna disponível de origem é um engodo!

Numa era onde o digital cresce e a Nintendo se propõem a um serviço de vendas na sua consola, para quem aderir ao mesmo o custo da consola acresce, como já tinha sido dito, forçosamente, do custo de um cartão de memória. O que nunca se pensou foi que tal pudesse acontecer logo ao fim de 2 jogos!

Estamos em 2017, e goste-se ou não, os jogos vendidos digitalmente começam a ser uma grande fatia do mercado.

Naturalmente a Nintendo tem consciencia disso, e como tal ela mesma possui um serviço de vendas digitais para a Switch.

Infelizmente, para esse uso, a memória disponível na Nintendo Switch é na realidade… um mero engodo! Os 32 GB são parcialmente usados pelo sistema, e esse é o real motivo pelo qual a memória está lá. O que sobra, 26 GB, para além de certamente no futuro ser reduzido com actualizações e melhorias do sistema, não serve minimamente para sustentar a consola num serviço digital.

E o que acontece é que, para quem pretender usar a consola desta forma, o cartão de memória se revela absolutamente indispensável!



Mas, caso se vá para o digital, para quantos jogos serve então a memória (26 GB) que está disponível?

Bem, Mário Kart 8 usa 7 GB de espaço… e Zelda, Breath of the Wild, como já tinhamos referido, usa 13,4 GB. Isto quer dizer que com estes dois jogos ficam com 5.6 GB livres!

Mas se por exemplo quiserem instalar Dragon Quest Heroes 1 e 2, ambos os jogos vão requerer 32 GB! E isso quer dizer que os 26 GB já não chegam.

Em qualquer dos casos, com apenas dois jogos estão a saturar a pouca memória da Switch, o que quer dizer que a ocupação acaba por ser enorme, e para estas pessoas, um cartão não é algo que as pessoas possam comprar como alternativa, mas sim algo que necessitam forçosamente de comprar.

Torna-se coerente questionar-se como é que uma empresa lança uma consola e um serviço para a mesma, não a dotando de capacidades para o usar, obrigando a uma compra adicional para que tal possa acontecer. Mas vindo de uma empresa que vende consolas portáteis sem o respectivo carregador, isto não é exatamente uma surpresa.

O mais problemático da situação é que a Switch fica dependente da qualidade do cartão ali colocado, não tendo a Nintendo assim verdadeiro controlo sobre as performances de leitura, mesmo que o seu leitor seja capaz de boas performances. E neste mercado um cliente pode adquirir um cartão super rápido (dependente da qualidade do leitor usado pela Nintendo na consolas),  ou algo com performances tremendamente decepccionantes, sendo que o preço pago, salvo burla, será aqui decisivo.

Não é normal uma empresa deixar que as performances do seu sistema fique nas mãos de uma escolha do cliente, mas aqui… isso acontece!

 



Posts Relacionados