Valores de ocupação de memória dos jogos Switch mostram que a memória interna disponível de origem é um engodo!

Numa era onde o digital cresce e a Nintendo se propõem a um serviço de vendas na sua consola, para quem aderir ao mesmo o custo da consola acresce, como já tinha sido dito, forçosamente, do custo de um cartão de memória. O que nunca se pensou foi que tal pudesse acontecer logo ao fim de 2 jogos!

Estamos em 2017, e goste-se ou não, os jogos vendidos digitalmente começam a ser uma grande fatia do mercado.

Naturalmente a Nintendo tem consciencia disso, e como tal ela mesma possui um serviço de vendas digitais para a Switch.

Infelizmente, para esse uso, a memória disponível na Nintendo Switch é na realidade… um mero engodo! Os 32 GB são parcialmente usados pelo sistema, e esse é o real motivo pelo qual a memória está lá. O que sobra, 26 GB, para além de certamente no futuro ser reduzido com actualizações e melhorias do sistema, não serve minimamente para sustentar a consola num serviço digital.

E o que acontece é que, para quem pretender usar a consola desta forma, o cartão de memória se revela absolutamente indispensável!



Mas, caso se vá para o digital, para quantos jogos serve então a memória (26 GB) que está disponível?

Bem, Mário Kart 8 usa 7 GB de espaço… e Zelda, Breath of the Wild, como já tinhamos referido, usa 13,4 GB. Isto quer dizer que com estes dois jogos ficam com 5.6 GB livres!

Mas se por exemplo quiserem instalar Dragon Quest Heroes 1 e 2, ambos os jogos vão requerer 32 GB! E isso quer dizer que os 26 GB já não chegam.

Em qualquer dos casos, com apenas dois jogos estão a saturar a pouca memória da Switch, o que quer dizer que a ocupação acaba por ser enorme, e para estas pessoas, um cartão não é algo que as pessoas possam comprar como alternativa, mas sim algo que necessitam forçosamente de comprar.

Torna-se coerente questionar-se como é que uma empresa lança uma consola e um serviço para a mesma, não a dotando de capacidades para o usar, obrigando a uma compra adicional para que tal possa acontecer. Mas vindo de uma empresa que vende consolas portáteis sem o respectivo carregador, isto não é exatamente uma surpresa.

O mais problemático da situação é que a Switch fica dependente da qualidade do cartão ali colocado, não tendo a Nintendo assim verdadeiro controlo sobre as performances de leitura, mesmo que o seu leitor seja capaz de boas performances. E neste mercado um cliente pode adquirir um cartão super rápido (dependente da qualidade do leitor usado pela Nintendo na consolas),  ou algo com performances tremendamente decepccionantes, sendo que o preço pago, salvo burla, será aqui decisivo.

Não é normal uma empresa deixar que as performances do seu sistema fique nas mãos de uma escolha do cliente, mas aqui… isso acontece!

 



Posts Relacionados

Readers Comments (19)

  1. É ridículo, mas a Sony conseguiu ser ainda pior com a Vita e seu cartão proprietário… E caríssimo!!!

    • Sim. No que toca a cartões obrigatórios, a Vita ainda domina pelas piores razões.
      Mas no entanto na Vita sábias que o tinhas de comprar (tal como o carregador da 3DS), aqui sem informação poderias ir ao engano, julgando que os 32 GB dariam para algo (afinal num tablet dão para muito).

      • No caso da Vita os cartões eram proprietários da Sony, ou seja, a questão da performance devido a marcas duvidosas não existia, na Switch a conversa é outra, e além disso, foi um dos aspectos que ajudou a afundar a Vita.

        A questão do cartão é mais um episódio acerca da actual tendência que a Nintendo tem de maximizar o lucro a todo o custo, nem que para isso ”empurre” os custos de fabrico para o consumidor, já o faz com a New 3DS ao omitir o carregador, agora com a Switch prepara-se para ir ainda mais além, pois empurra para o consumidor não só a capacidade de armazenamento como a capacidade básica de carregar os comandos, é de facto um engodo, pois a brincar a brincar, a Switch mais jogo custa quase 500€, é de loucos.

        • José, concordo com tudo que escreveu, mas sobre essa de garantir qualidade com cartão proprietário, ao meu ver não cola! Se fosse preço decente, tudo bem, mas eram caríssimos como muitas outras coisas da Sony. Quanto ao switch, torço muito que a Sony faça um híbrido tb para termos concorrência, até pq, ela já colocou 2 ps4s no mercado, não custaria nada ela criar um híbrido parrudo para termos 2 opções e a Nintendo baratear o preço das coisas, como aconteceu com a amd vs Intel nas cpus.

          • Vamos lá a ver. O querer controlar as performances da consola não é algo de mau. Muito pelo contrário!
            A PS4 e a One trazem um disco com performances controladas, e dificilmente consegues colocar lá discos muito mais lentos pois os discos SATA base, mais MB menos MB são todos muito semelhantes e os de origem até nem são dos mais rápidos.
            A questão é que se o fizeres foi opção tua e não porque foste obrigado, mas seja como for, estamos a falar de performances de HDDs que, mais MB, menos MB são muito parecidas nos base subindo depois nos melhores.
            A Switch e a Vita foram diferentes. No caso da Vita o cartão era comprado à parte, o que não devia acontecer pois sem ele a consola não funcionava. E a Sony, querendo controlar as performances só aceitava os seus cartões e bem caros.
            Foi um erro crasso!
            O problema aqui foi a ausência de uma memória interna que pudesse servir de tampão às performances (cache das leituras), permitindo assim o uso de outros cartões! Isso resolveria o problema!
            A Switch sempre pensei que poderia fazer isso. Mas não, não possui qualquer memória tampão, mas sim e apenas a RAM e o armazenamento.
            Ou seja, não permitem nivelar performances de leituras.
            Ao não serem suficientes, e obrigarem a memória externa, mas permitindo acessos livres, a Nintendo não tem como controlar as velocidades de leitura. E com os SDs a coisa não é como nos HDD. Há cartões super lentos e super rápidos, há os que lêem rápido e gravam rápido e os que lêem rápido e gravam super lento, os que são rápidos em pequenas escritas mas lentos em grandes ficheiros e vice versa. Enfim, há de tudo!
            Um dos motivos pelos quais os smartphones ponderaram abandonar os cartões, e atualmente, suportando-os para fotos e vídeo, até nem permitem a instalação de apps nos mesmos é exactamente essa. Não prejudicares a performance do smartphone com um cartão que é um lixo, vindo depois dizer que o smartphone é lento.
            A Nintendo aqui, incompreensivelmente deixa tudo nas mãos do utilizador.

  2. Infelizmente tá me parecendo que vai acontecer com o switch o mesmo que aconteceu com o Wii u, shadow of war anunciado ontem sem versão para o console Nintendo, o mesmo para mass efect Andrômeda, read 2 e outros grandes jogos para esse ano, vamos aguardar

    • Fernando, quanto a games multi, provavelmente ele terá bem menos do que os outros, e lhe digo que não é nem tanto pelo hardware e sim pelas políticas da Nintendo e seu modelo de negócio retrógrado. Quanto a fracasso, creio que não! Msm a Nintendo fazendo de tudo para dar errado mais uma vez, fizeram um console com conceito interessante, com tudo para ser um sucesso. Não creio que terá o msm sucesso do ps4, nem creio tb que chegará próximo às vendas do 3ds, mas como o wiiu, não creio msm! O wiiu foi tão falho em tudo, como produto e marketing, que msm a Nintendo fazendo algumas cagadas com o switch, estão anos luz a frente do wii u com o switch, tanto com o produto quanto com o marketing, penso eu!

    • O Switch não aguenta executar esses games em ports diretos nem em 720p. O estúdio teria que diminuir a qualidade geral de todos os ativos de um jogo para se adequar a a GPU do Switch, além de levar em consideração o esquema de memória bem mais lento já que nem um cache rápido teria para auxiliar a DDR3 como acontece no Xbox One. Além disso, o código do jogo teria que ser compilado para a arquitetura ARM.
      Nada disso é impossível de fazer, o hardware do switch tem capacidade de executar os mesmos efeitos que os console atuais mas em qualidade bem inferior. Porém, por que um estúdio vai se dar ao trabalho de fazer isso e aumentar o custo de produção bem como o prazo de entrega por um produto que provavelmente não vai vender a ponto de justificar o extra?
      O Wii só recebia versões de jogos multiplataforma por que ele enquanto o Xbox 360 tinha 20 milhões de vendas, o Wii já tinha uns 60 milhões, ou seja, uma base instalada com potencial para gerar retorno. Hoje em dia, após o fracasso do WiiU, é muito arriscado apostar nessa plataforma com alguma coisa que não seja um port de Xbox 360 igual Skyrim ou Fifa.

  3. É pouco mesmo!

    Nota: Comentário editado pela moderação, com o resto movido para uma zona não off-topic.
    Futuras mensagens deste género serão apagadas.

  4. Estou cada dia mais acreditando nisso: R.I.P Switch 2017-2017

    • Você só esta vendo o lado negativo amigo.Sabemos que a Nintendo aqui no Brasil sempre foi algo a desejar.Tanto preço quanto a serviços,mas seus jogos isto é muito diferente.Dê preferência aquilo que lhe agrada,pelo que tenho visto a pré venda se esgotou muito rápido e alguns desenvolvedores(diretor de FXV)informou que a Switch é uma máquina fantástica e que sua equipe esta louca para trabalhar com ele.Não acredito neste insucesso,mas entendo que a nossa querida Nintendo esta forçando um pouco a barra.O Switch ao meu ver trará jogabilidade muito diferente daquilo que estamos acostumados,até diferente daquela que trouxe ao Wii.

      • O problema é que os desenvolvedores falavam maravilhas do Wii U também antes do lançamento, e vimos o que aconteceu, não é querer o fracasso do console, mas já estamos vendo grandes jogos sem versão para o Switch

        • Isto é a visão geral do mercado(mas já estamos vendo grandes jogos sem versão para o Switch)o problema aqui é que temos uma empresa de jogos ao qual seu principal publico sempre foi a familia e não um jogador hardcore que sempre joga sozinho em seu quarto ao qual seus pais olham aquilo e nem dão a minina(jogo que não atrai pessoas não ligadas a jogos)podem falar dos gráficos topo(real)mas não se interessam em ter aquilo como produto pessoal.Hoje temos gamers que gostam de games mas que pararam no PS1,N64 e sega Saturno e não se interessam mais nos games atuais.É dificil prever o futuro de ua plataforma como a Swutch,mas toprço pelo seu sucesso.Pois quero jogar mais franquias de Mario Kart.

    • Eu nesta fase não teria tanta certeza. E espero que isso não aconteça.
      Nesta fase a consola vai vender pelos fanboys. Posteriormente depende do suporte que tiver e do que venderem os jogos.
      Eu a aderir à mesma só quando considerar que esta está segura e consolidada no mercado.

  5. [OFF-Relacionado] Algumas lojas europeias irão vender o PS4 a 199 euros no dia de lançamento do Switch.

    • Vixe mas vão vender PS4 igual água, com certeza.

      E o novo Zelda hein, tá arrebentando nas análises, to quase comprando a versão digital pra Wii U, só fico com medo de como o jogo vai rolar nesse console, será que a Nintendo fez um bom trabalho na versão Wii U também???

  6. O sucesso da consola esta dependente da quantidade e da qualidade dos seus jogos. Falamos num sistema portatil que é bastante limitado e que não é um concorrente serio para ameaçar a Sony ou a Xbox. Neste campo técnico é um desilusão e nos jogos grandes é melhor esperarmos só os da Nintendo ou alguns dos seus estúdios como a Retro Studios.

    O que interessa é os jogos e este novo Zelda esta arrebentar tudo outra vez… Vamos lá começar a falar de mais este provável MasterPiece da Nintendo e deixar por agora às limitações técnicas do seu hardware. 😉

    • Zelda pelo jeito vai ser um dos melhores de todos os tempos, 98 no metacritic, arrebentou esse joguinho da moda.

  7. Bolas, está aqui uma promoção jeitosa da Switch… e até pegava nela se ela fizesse de tablet. Dava o meu iPad à minha esposa e vendia o iPad mais antigo dela, e ficava com a consola para usar como tablet.
    Mas como nem um browser tem… não a vou comprar!

Os comentarios estao fechados.